MENU

quarta-feira, 15 de maio de 2013 - 12:58F-1

A HONDA VEM AÍ

SÃO PAULO (se segurem) – Já está na boca do povo há alguns meses, mas agora parece que vai. É esperado para amanhã um anúncio da Honda de que volta à F-1 como fornecedora de motores da McLaren a partir de 2015.

Impossível não lembrar da parceria que durou de 1988 a 1992 e resultou em quatro taças  para os mclarianos: Senna, Prost, Senna e Senna, pela ordem, até 1991; em 1992, deu Mansell com a Williams, e em 1993 a McLaren virou Ford, para se transformar em Peugeot em 1994 e finalmente fechar com a Mercedes em 1995.

O jeito de trabalhar dos japoneses é conhecido. Metódicos, meticulosos, determinados, se transformaram na grande paixão de Ayrton quando o brasileiro começou a trabalhar com eles. Senna é deus lá, um samurai morto em combate.

Os tempos são outros e a McLaren se transformou num time alemão nesses quase 20 anos de Mercedes. Mas será importante começar a pensar em alguém que combine com a Honda e com o jeito japonês de ser. É prematuro especular sobre quem estará nos carros de Woking em 2015, claro. Mas certamente a dupla Button-Pérez não é a mais bem desenhada para o espírito nipônico que deverá ser injetado no time. Hamilton seria o ideal. Mas Kobayashi seria interessantíssimo, também.

mclhAcrescentando que a brincadeira não vai ser só com a McLaren, não — que não vai pagar nada pelos motores. A brincadeira deve incluir Lotus e Williams, as duas hoje em dia abastecidas pela Renault.

E mais: o motor V6 1.6 turbo já está no dinamômetro. Faz algum tempo.

89 comentários

  1. Rodrigo disse:

    Agora sim, se o Grosjean não arrebentar, o Koba vai pra Lotus!

  2. Levi Davet disse:

    “Mas será importante começar a pensar em alguém que combine com a Honda e com o jeito japonês de ser. É prematuro especular sobre quem estará nos carros de Woking em 2015, claro. Mas certamente a dupla Button-Pérez não é a mais bem desenhada para o espírito nipônico que deverá ser injetado no time.”

    Button foi piloto Honda durante os longos anos em que esteve na BAR (posteriormente, Honda) e se adaptou bem à equipe. Até a namorada do cara é de lá. O inglês deve estar dando pulos de alegria.

  3. Jr. disse:

    Eu creio que a Honda vem forte. Já tinha know-how de motores turbo na F1, e continua desenvolvendo motores turbo na Indy. Apesar da diferença na capacidade cúbica e do combustível utilizado.

  4. Fernando disse:

    Flavio,

    Imagina só… “alguem” (da McLaren, obvio) consegue um cockpit para o Bruno Senna em 2014 só para ele se “ambientar”, e em 2015 ele é promovido à um lugar na McLaren …

    Imagina o “estrago” de Marketing que a McLaren faria … McLaren-Honda-Senna…

    Sei que é sonhar muito porque hoje tudo depende muito dos altos valores de patrocinio, mas nao custa nada sonhar.

    • Fernando Cruz disse:

      Isso e sonhar muito mas a Williams ser fornecida pela Honda e Senna voltar para la nao tanto. Tal como a Sauber tambem poderia ser fornecida tambem pela Honda e receber Kobayashi de volta. Os dois estao a fazer um excelente trabalho no WEC, especialmente o Bruno, e em 2014 devem correr na nova Formula E. Em 2015 poderiam estar de volta a F1 com o apoio da Honda…

  5. Hermann disse:

    Sem duvida foi a melhor junção entre equipe e motor.. Mas há uma correções a serem feitas na informação publicada no GP. A Mclaren-Honda obteve 49 vitórias e não 44.. O Senna venceu 35 vezes e não 30.. Com mais 11 vitórias do Prost e 3 do Berger.

    • Healica disse:

      Revendo suas observações..De fato Senna ganhou 35 corridas pela equipe Mclaren, mas tenho que lembra-lo que em 1993 (ano que obteve 5 vitórias), a Mclaren correu com motor Ford. Então o Grande Prêmio está certo. Senna venceu 30 corridas pilotando um Mclaren com motor Honda. E a dupla Mclaren Honda teve 44 vitórias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>