MENU

segunda-feira, 21 de abril de 2014 - 1:47Imprensa

BOLACHA (2)

SÃO PAULO – Quando Galvão Bueno lançou sua linha de vinhos e espumantes, há quatro anos, contei uma história aqui no blog que envolvia também Luciano do Valle. Foi um dos jantares que o Bolacha pagou para a gente. Sem saber, claro. Para quem não leu na época, segue o repeteco…

vinogalvoneTenho umas histórias divertidas com Galvão Bueno em longos jantares por esses anos de F-1. Uma vez, na Austrália, estávamos num restaurante chique, caro, mas dentro de nossas possibilidades de verba miserável. Só que ele resolveu escolher o vinho. E o cara nunca teve o hábito de ver os preços antes de pedir.

Fodeu, pensei. Do jeito que a gente bebe, serão umas seis ou sete garrafas. A 150 dólares a garrafa, fodeu.

Mas Galvão pediu, ele sempre escolheu direito, justiça seja feita, vinho australiano é bom, e quando veio a quinta garrafa, concluímos, nós, os da ala miserável, que estávamos fodidos na hora de dividir a conta. A verba da viagem toda iria naquele jantar. Então, tive uma ideia, quando ele se levantou para fumar, ou para ir ao banheiro. Expus à mesa. Ninguém achou que daria certo, mas era uma tentativa. Afinal, estávamos fodidos, de qualquer jeito.

Galvão voltou. Já tínhamos engatado um papo rumoroso sobre colegas de profissão, e eu mandei: quem tá bem é o Bolacha, rico pra cacete.

O Bolacha é o Luciano do Valle.

Tá morando em Porto de Galinhas, puta mansão, e você naquele sítio ridículo em Londrina, eu disse. Aí o Galvão subiu nas tamancas. O Bolacha? Que é isso? Minha fazenda tem até pista de pouso, não sei quantos bois, não sei quantos pés de jaboticaba e etc e tal. E eu botando pilha, porque o Bolacha tem até ofurô na cozinha e ar-condicionado na garagem, e ele rebatendo, minha fazenda tem energia eólica e estufa com orquídeas, e todo mundo na mesa apreensivo, até que veio o momento glorioso. Tanto eu falei que o Bolacha estava rico, e que com ele ninguém metia a mão no bolso em lugar algum, que o Galvão bateu na mesa e decidiu. Vocês querem saber? Eu pago a merda dessa conta! Queria ver se o Bolacha iria pagar essa merda!

E foi assim que minha verba sobrou naquele ano em Melbourne.

79 comentários

  1. thiago disse:

    A versão mais nova está mais hilária.

  2. Flavio mítico… Não conhecia essa! :)

  3. Alberto disse:

    O vinho não era essa da ilustração não né?
    Esse é americano!

  4. Felipex disse:

    kkk Adorei! Essa foi phoda com phd e tudo max!

  5. É como eu falo a respeito de todas as profissões: “Ganha-se mal, mas se diverte à beça!”

  6. aldo disse:

    Isso mostra como o Galvão é uma pessoa humilde e de bom coração.

  7. Mistral disse:

    Esta pitoresca his(es)tória (o “es” fica por conta da bravata do Gomes) me remete a uma crença que se espalha na coletividade, a de que gente de TV, rádio, jornal e, atualmente, internet são ricos e nem precisariam militar em suas profissões.

    O Galvão é um cara que está a mais de 30 anos na maior empresa de comunicação do pais, reconhecida por pagar bem e em dia a seus funcionários. Dizem por aí que teve participação na herança do Ayrton, o que, se for verdade, é nada mais do que justo, porque se não fosse a divulgação das qualidades morais do Senna pelo Bueno, com certeza não conseguiria amealhar a fortuna.

    Mas ele é exceção.

    O Luciano poderia estar neste seleto rol, mas, em verdade, o que dá para perceber é que ele, como empresário de divulgação de eventos, não ganhou o suficiente para fazer seu pé-de-meia. Isto explica ele, depois de um AVC que nitidamente afetou sua voz – ele a recuperou em parte graças à fonoaudiologia e, desde o ano passado, passou a ter lampejos do vibrato único que emocionou e emociona a tantos -, arriscar-se em viagens para cantões os mais diversos, com meios de transporte nem tão confiáveis, em hotéis não tanto recomendáveis, comendo em restaurantes ou biroscas ou no que fosse possível.

    Quem faria isto se não estivesse precisando de dinheiro?

    Tais constatações só me fazem ter a firme convicção de que Luciano do Valle foi, mas do que um empresário, um idealista. Fez o que fez por paixão às diversas modalidades do esporte (e até ao que não era esporte na época, como a sinuca) e sua amplificação.

    Este jornalismo denunciativo e investigativo e crítico que vemos hoje, com mesas redondas repletas de comentaristas entrincheirados contra a plutocracia que, nada mais histórico impossível, reina no mundo esportivo, foi popularizado sob a batuta do Luciano, que reuniu, no Apito Final das Copas de 90 e, sobretudo, 94, uma plêiade de comentaristas que bateram forte nos esquemas – táticos, administrativos e econômicos – da Seleção Brasileira. Foi ali que emergiu, por exemplo, o Tostão, hoje um colunista merecidamente festejado.

    É. Bolacha foi e fez muito, muito mais do que imaginamos. Só o tempo – e põe tempo nisto – para fazer descobrir e reconhecer suas realizações e pioneirices.

    Fica a saudade de um tempo profícuo na vida de milhões e o youtube vai-se tornando o endereço favorito de nosostros.

    Luciano, o canal do esporte.

  8. Elmo disse:

    Desde a época que você postou essa história pela primeira vez aqui no blog, já repassei esse causo para amigos em um sem número de ocasiões.

  9. antonio edson disse:

    a propósito do post do blogueiro e dos comentários suscitados, me atrevo a sugerir a leitura do artigo “a força da simplicidade”, de autoria de eduardo jorge, publicado hoje na página 3 da folha de s. paulo, e que também pode ser conferido no site brasil247 – o link é http://www.brasil247.com/pt/247/artigos/137430/A-for%C3%A7a-da-simplicidade.htm

  10. Ricardo Soeiro disse:

    História engraçadíssima, usou o que tinha kkkkkkkkk

  11. Então graças ao Luciano, o Flavio tomou um vinho caro, mais uma qualidade do Luciano para lembrarmos com carinho,a proxima vez que tomar um vinho com certeza vou me lembrar dessa bela estória e vou fazer um brinde ao Galvão, ao Flavio e principalmente ao Luciano que ajudou ao Flavio degustar um otimo vinho e nos contar esta bela estória abs à todos

  12. Jean disse:

    Kkkkkk Muito bom! É de momentos como esses que a vida é feita.

  13. Fernando disse:

    Nossa! Vc é espertão né………

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *