CAMPEÃO

SÃO PAULO (entenderam?)Kevin Harvick conquistou ontem o título da Nascar na primeira temporada com mata-mata da história. Foi em Homestead, em corrida definida nas voltas finais graças a uma troca de quatro pneus que acabou levando o piloto da Stewart-Haas ao seu primeiro título, depois de cinco vitórias no ano. O regulamento é confuso, mas interessante. E funciona porque são muitas corridas. Enfim, chegam à última prova do campeonato apenas quatro pilotos com chances de título, e aquele que terminar na frente leva. Pode dar errado, e um cara que não ganhou nada o ano todo levar a taça. Mas pode dar certo, como deu com Harvick.

Vocês acham que isso poderia ser aplicado à F-1?

havick

Comentários

  • Não vira na F1, porque na NASCAR pelo menos 20 pilotos tem boas chances de vencer pelo menos uma corrida. 13 venceram nessa temporada. O número grande de inscritos e corridas também ajuda.

    Porém concordo com o próprio Harvick: Foi muito mais estressante para os pilotos conviver com o risco de ser cortado por mais três vezes. As últimas corridas foram insanas para eles…mas sensacionais para o público. Não me lembro de um Chase tão disputado como esse…

  • Não, não e não. Muito confuso e pode ate mesmo ser injusto. Fórmula-1 e Nascar são competições muito diferentes e não acho que as soluções para os problemas de uma estejam logo ali como exemplo a ser seguida na outra… sem desmerecer a Nascar que eu acho um belo espetáculo.

  • Flavio, não daria certo, pelo que você mesmo mencionou, grande quantidade de corridas.

    Outro ponto. A “Cup”, categoria mais importante da NASCAR que usa este esquema de playoffs, têm 43 carros por corrida, então tem bastante carro para ser eliminado.

    Outro ponto, os carros são muito parecidos tecnicamente, sem que existam disparidades enormes como na F1. Apesar de 3 montadoras diferentes de motores, as injeções eletrônicas da Cup são padrão feitas pela McLaren, com mesma quantidade de limitação de fluxo de ar.

    Sem falar que, na minha opinião, o americano gosta do show, mantendo o espetáculo sempre aberto até a final. Já a F1 sempre privilegia quem é o melhor e mais constante, o que faz algum sentido, principalmente pela disparidade de investimentos de cada equipe.

    Sou fã tanto da F1 quanto da Nascar, mas as duas são totalmente diferentes.

  • Não tem essa de injustiça coisa nenhuma. Todos ali sabem como funciona o campeonato desde o início. Deve-se lutar para ir se classificando e literalmente se matar para ganhar as últimas provas. E dane-se quem não gosta, continue assistindo F-zzzz.

    O Harvick mereceu MUITO o título, porque soube crescer no momento certo.

  • Vamos por partes , esse formato da NASCAR é o que ocorre na NHL , NFL , NBA ou seja Play OFF , é a cultura americana de ter um vencedor de qualquer jeito . Ponto .
    Não seria aplicada a F1 simples , a F1 não tem o mesmo numero de etapas da NASCAR ( 36 por ano ) . A quantidade de participantes da F1 e minima 22 Pilotos se hj fosse ter um Play off como na NASCAR ou os 2 carros da Lotus estariam fora ou os 2 da Sauber ou um e cada não sei .. só sei que não daria certo .

  • Quem gosta de mata-mata, seja no futebol ou até em corridas, é aquele que torce para um time que nunca terá COMPETÊNCIA E REGULARIDADE para se distanciar (na frente) dos demais nos “pontos corridos”.
    Sem mais.

    • Tem razão! Acho que a Copa do Mundo deveria ser pontos corridos. Acaba uma e já inicia outra. Seria interessantíssimo um campeonato de seleções durar quatro exaustivos anos para, ao final, sabermos qual a seleção mais competente e regular.

      Uau! Que demais!!!

  • A Nascar geralmente não da tiro no pé. Tal qual as marcas que realmente importam são patrocinadoras. O circo da categoria é marcado e definido para o perfil de seu público, ou seja, pessoas normais. O verdadeiro trabalhador americano. Pouca grana, muitas contas, mas que gosta de ver seu piloto favorito. Muitos brasileiros que se dizem intelectuais e gostam de apedrejar métodos vindos deste povo por motivos até de inveja irão claro repudiar a atitude da Nascar. São tentativas para mudar o jogo. Chega, realmente cansa ver alguém liderando tudo e no final nem tem o que se disputar. Vamos ver se da certo. A única coisa que não gostei foi ser o final em Homestead. Nada contra o circuito, mas acredito que o final deveria ser em algum circuito desafiador e uma corrida um pouco mais longa que o normal. Pensei em uma pista como Sebring. Umas 3 horas de prova. Algo cansativo para realmente os quatro ou cinco primeiros do campeonato darem o sangue e todas suas forças para levantar a taça tão aclamada. Achei bacana na Nationalwide o filho de Bill Elliot ser campeão e toda a preocupação que os americanos tem relembrar campeões do passado. A F1 nunca aceitou a idéia simples da fórmula de sucesso da Nascar que é a seguinte. Aceitar o povo, é o povão mesmo, para serem seus seguidores. A F1 trata muito mal seus fãs. Eu vi um F1 desligado em minha vida uma vez em 1997 numa concessionária da Fiat. Era uma Ferrari 1995. Nunca sequer vi um carro de F1 ligado. Ou seja, mesmo que assista por toda minha vida a F1, o treino do sábado que eu ficava puto quando criança que tinha que perder as vezes por causa da catequese, não terei a oportunidade de ver ao vivo um carro sendo ligado ou correndo. Claro mas os preços absurdos de Interlagos me distanciam ainda mais deste feito. A Nascar arriscou e vai com certeza avaliar se o povo gostou ou não. Já a F1 avalia tantas modificações pífias ao longo de cada ano?

  • “primeira temporada com mata-mata da história”
    Ah, agora entendi a “necessidade” daquelas brigas de pilotos na Nascar, um jogando o outro no muro, jogando pra fora da pista…
    Mata-mata.
    Faz sentido.

    • Sempre foi assim, mesmo quando o regulamento era de pontos corridos. “bump-and-go” é permitido pelo regulamento. Quem acha que um piloto ou o outro exagerou ou foi desleal, resolve com o outro piloto. Não precisa ir à imprensa ficar chorando como uma criança mimada, como boa parte da corja da F1 faz.

  • Esse regulamento é o pior possível pra uma categoria. Se a regra fosse aplicada na Fórmula 1, então o Ricciardo poderia ser campeão em Abu Dhabi, bastando chegar na frente do Hamilton e do Rosberg naquela corrida?
    Absurda essa regra da Nascar, desvaloriza as corridas anteriores em pról apenas da última corrida. Ou seja, o Passa ou Repassa das arábias perto disso é algo nada assustador. Pontuação dobrada ajuda na emoção, mas ao mesmo tempo não prejudica o trabalho de um ano todo. Mesmo que Ricciardo vença no Passa ou Repassa Árabe, com Hamilton e Rosberg abandonando, ainda sim a taça iria nesse caso para Hamilton.

    • Olá Fontana! Não penso que a atual regra da Nascar seja tão absurda assim.

      O que se viu ao longo do ano foram vários carros brigando pela vitória em cada uma das corridas.

      Disputas bem legais que dão gosto, coisa que há muito tempo não se vê na F-1.

      Acompanho as duas categorias e sinceramente, me dá sono assistir a uma F-1 onde apenas dois carros tem chance e o resto faz figuração.

      graças ao Ricciardo, a monotonia da F-1 foi quebrada.

      Claro que não dá para pegar um simples modelo de uma categoria que, quer queira ou não é um sucesso, e aplicar em outra. É preciso adaptar, mas a ideia não é má como pregam.

      Alias, algumas regras poderiam ser pensadas, como por exemplo, a questão da quantidade de carros e patrocinios.

      Neste ano vimos a Caterham e Marussia morrendo por conta de custos (claro, com certeza má administração também). Mal davam conta de um carro, quanto de dois.

      Uma ideia seria flexibilizar a quantidade de carros, entre 1 e 3 carros. E ainda permitir colocar patrocinios diferentes em cada carro, se for o caso.

      Acho que a F-1 não é a única categoria que funciona bem no mundo. Aliás, ultimamente, está tão ruim.

      Temos categorias menores que funcionam muito bem e são bem mais interessantes do que a tradicional F-1.

      Sem contar com as besteiras que estão sendo soltas pelo próprio dirigente.

      Acredito que fechar os olhos para experiências e ideias de outras categorias é dar tiro no pé.

      A Nascar pode ser apenas show. Mas funciona. E tem público, seja de 70 anos, seja de 7.

    • Autódromos sempre lotados, mesmo onde a Nascar corre duas vezes por ano.

      Mas concordo que isto jamais poderia ser aplicado em uma categoria como a F1. Mesmo porque F1 nao é uma categoria, é um negócio. Um negócio muito emocionate para os que investem seu dinheiro lá. Para o público, me lembra muito uma brincadeira de criança chamada “Segue o Mestre”,

  • Sou totalmente contrário a nascarização da F1. Regulamento de F1 deveria ser puro-sangue, visando a competição e não o show sem lastro esportivo. Portanto, nada de asa móvel, pontuação dobrada no última prova, pneu esfarelando.

    • E deste jeito voltaríamos as corridas chatíssimas, monótonas e absolutamente previsíveis como acompanhamos desde o início dos anos 1990 até pouco tempo atrás… Os penduricalhos aerodinâmicos, DRS, ERS e afins são um puta pé no saco, mas resolveu o problema das corridas mornas quase frias que nos acostumamos a ver.

  • Não dá para ser por pontos corridos.
    O campeonato tem 36 etapas, e se fosse por pontos corridos o Jeff Gordon já teria liquidado a fatura há muito tempo.
    Preferia o sistema do Chase utilizado até o ano passado, o mata-mata tem cara de “reality show” e pode produzir uma injustiça catastrófica.
    Ainda bem que ganhou um dos caras que merecia, e chegando na frente na etapa decisiva.

    • Nem uma coisa, nem a outra. O chase antigo era horrível também. Se querem emoção pra última prova, se for o caso, até coloquem pontuação quadruplicada na última corrida, e pontuação dobrada na penúltima corrida. E coloquem pontuação dobrada em corridas importantes evidentemente, como Pocono, Talladega e Daytona. Bem melhor do que dar a chance de um piloto ser campeão somente com uma mísera vitória na etapa final. O Newman quase fez isso neste ano. Hamilin venceu somente uma mísera corrida e chegou na última etapa com chances de título. Ainda bem que o Harvick venceu na última corrida, o que evitou uma injustiça completa.

  • Seria PERFEITO, assim como grid invertido, corrida do milhão com direito a carro e motor extra às equipes mais fracas para poderem vencer sem economizar nada, prêmios em dinheiro para conquistas pouco valorizadas durante o ano (como quem deu mais voltas no ano, quem abandonou menos, troféu fair-play para o menos punido em pista, pistão de ouro para a equipe que mais economizar motor), entre outras. O importante é que sejam medidas onde todos se sintam vencedores e o mérito deixe de valer algo!

  • Olha Flávio,
    Vi entusiasmado a corrida ontem, mas quase dá Newman, que seria o menos merecedor. ]

    E achei interessante. É como a velha história: prefere o brasileiro de pontos corridos ou com mata mata? Os pontos corridos são mais justos, só que o mata mata é emocionante. Prefiro a justiça. O colega ao lado aqui, a emoção.

    Então, a F1 já está com essa trosoba de pontuação dobrada. Juntar playoff só pioraria o que já está ruim.

    • Concordo com você.
      Quase dá a zebra!
      No caso de um campeonato com tantas corridas, acho muito mais justo pontos corridos. O Gordon foi o melhor, o Harvick o segundo melhor.
      Acho que para nossa Stock Car poderia ser interessante, pois são poucas corridas. Deve ser lembrado que os carros de turismo permitem disputas mais acirradas, que acabam acontecendo nesse modelo de campeonato. Na F1 acho que deve-se acabar com a loucura dos gastos exagerados em motores caríssimos, deixando o pessoal com margem para trabalhar chassis, etc. Equilíbrio mesmo, nunca houve na F1 de uns 30 anos para cá. Só até a década de 1970 e nem sempre.

    • Realmente, em quase todos esportes dos EUA, o sistema é assim, mata-mata, decisão no último jogo, artificialismo total, injustiças em prol da emoção. Mas felizmente a Indycar não é assim, pois usa inclusive um dos melhores sistemas de pontuação existentes, um sistema que valoriza a vitória, premia pole position, premia quem faz a melhor volta, premia quem lidera por mais voltas, e até mesmo quem lidera uma mísera volta qualquer, E também na Indycar todos pontuam, do vencedor até o último colocado.
      Outro sistema de pontuação muito bom é do da MotoGP, com a pontuação indo até o 15º colocado.