ZERO

SÃO PAULO(vai dar tempo) – É a nota que Felipe Massa dá ao automobilismo brasileiro de base. Ele falou sobre o assunto ontem no “Bem, Amigos”, do Sportv. É também a nota que venho dando há tempos. Vejam a situação na F-1: Nasr entra, Felipe daqui a pouco para e, na fila, estão dois pimpolhos de famílias velozes, Pietro Fittipaldi e Pedro Piquet. Que não são exatamente fruto do automobilismo brasileiro. São descendentes de ex-pilotos, o que é bem diferente — embora, reconheça-se, algo parecido aconteça em certa medida na Europa com os jovens Rosberg, Magnussen e Verstappen.

Não há ninguém surgindo aqui, e nenhum grande destaque em categorias de acesso lá fora. Na Indy, quando Helinho e Tony pararem não vai sobrar ninguém.

Por isso o zero.

Comentários

  • Acho que poderemos ter uma boa fornada de pilotos brasileiros disputando o DTM, o WEC e o WTCC, categorias de turismo ou resistência.
    Não temos categorias de base de monopostos no Brasil.
    Lá fora, a F-3 inglesa morreu, a alemã está mais fraquinha que um gato, e italiana…melhor nem falar!
    Sem dúvida está mais fácil ser piloto alemão na F-1 do que qualquer outra coisa.
    Por outro lado, Ayrton Senna, por exemplo, nunca correu em categorias de base no Brasil e foi o que foi.

  • Todos reclamam, dos simples mortais aos campeões mundiais, dos pilotos amadores ate profissionais, os jornalistas, etc etc.

    Me parece q muitos tem a receita da solução(oes),

    Se está tão ruim, pergunta:
    Pq ninguém toma liderança, chama responsabilidade junto c insatisfeitos e fazem mudança c objetivo de melhoria p grande maioria?

  • O Brasil só que saber do Campeão e nada mais. O Ayrton Senna morreu levando o Brasil junto nesse quesito dos campeões. O Rubinho Chorão e o Massacrado Massa são duas frustrações da tal Globo que agora foca no tal Neymar tentando fazer dele um novo Pelé como válvula de escape para o sofrido brasileiro. As Famílias Fittipaldi e Piquet serão nossa última esperança na F1 de termos um campeão com seus filhos e netos, senão o Fim do Brasil na categoria ficará carimbado para sempre! O Felipe Nasr vai ter que surgir das cinzas na sucateada Sauber que já foi uma excelente escola, mas que agora se coloca com o Nasr numa completa incógnita. A Nota do automobilismo de base no Brasil é -1000 com louvor!

  • O Automobilismo sempre foi um esporte caro, e por isso restrito a poucos. É ilusão achar que um dia o Brasil produziu, ou produzirá, craques na mesma quantidade que gera no futebol. Escolinhas de futebol existem aos milhares no país…
    Porém, um fortalecimento das categorias regionais poderia reduzir em muito os custos de quem quer, e pode, começar no automobilismo.
    Daí eu pergunto: quantas federações estaduais realmente organizam competições? Eu vou chutar uma meia dúzia.
    Campeonatos de fórmula? A fórmula RS (só no RS) e para quem subir de categoria a ressurgida F-3. Daí pra frente só se juntar um caminhão de dinheiro.

  • Felipe neste mesmo programa me pareceu bem maduro em suas declarações, e de bem com a vida, comentou suas fases boas e ruins na Ferrari e a respeito de Bottas disse simplesmente o seguinte _ O cara é bom por isso mereceu estar a minha frente no campeonato, sem desculpas e conspirações do além. Boa Felipe!! ele está mesmo se preparando para parar.

  • No Brasil todos querem criar categorias para milionários… Ninguem está realmente interessado em formar pilotos e sim em tirar o dinheiro deles, e a Formula Future foi exatamente assim. Então o Felipe Massa não pode vir a público e reclamar desta e daquela entidade e ou promotor porque o Titonio e o Carlinhos Romagnoli, sob a tutela dele, arrancaram uma grana preta da Fiat, Globo, e outros patrocinadores e tambem das equipes do Linea e não repassavam um centavo para diminuir os custos da “Categoria Escola” e aí a categoria morreu sem revelar ninguem!

  • Concordo com Massa, o Kart deveria ser muito mais acessível para o povão, e deveria haver alguma categoria de acesso de verdade com veículos populares ou monopostos. A Fiat por exemplo, bem que poderia fazer uma Copa Palio, com custos pequenos, equipamentos idênticos e incentivo aos jovens pilotos. F-3 Sul-Americana extinta foi uma sacanagem das brabas, ela deveria voltar, visando a formação de jovens para o automobilismo de elite.
    Na Indy por exemplo, quando Tony e Hélio pararem, a única esperança seria o Luiz Razia, que competiu este ano na Lights e deve competir novamente no ano seguinte na mesma categoria. Mas o cenário de lá é menos sombrio, pois pilotos de Indycar costumam durar mais, basta ver que Buddy Lazier já tem quase 50 anos e ainda corre, Pilotos de alto nível como Al Unser, Johhnny Rutherford, A.J Foyt e Mario Andretti conseguiram correr na Indycar com mais de 50 anos de idade. Tony e Hélio, se levarmos isso em conta, tem bastante lenha pra queimar.

  • Na Road to Indy tem uns garotos brasileiros se esforçando para chegar lá. Felipe Donato, Victor Franzoni, NIcolas Costa, Danilo Estrela são alguns que estão batendo na porta. Vale uma boa pauta para o Grande Prêmio, já que faz tempo que não vejo uma reportagem deste estilo.

  • Pois é. Gente tem, mas esporte a motor aqui só para ricos. Corro de kart de vez em quando, já vai meu salário, imagina bancar um inicio de carreira, absurdo! Vou dar um exemplo meio fora da linha, mas veja o automobilismo virtual por aqui. Quantos caras muito bons que correm virtualmente e claro, a maioria não toparia encarar o real, mas se uma meia-duzia tivessem um incentivo certo e fosse tudo um pouco mais barato, com certeza estariam correndo no real. Mas é Brasil né, com esse Governo, CBA, que continuando assim, nunca vai pra frente.

  • Pois olha que isto é verdade. Porém, isto pode ser culpa dos grande pilotos que temos atualmente, entre eles Massa, Rubinho, Kanaan, Etc. . O fato é que se cada piloto com grande destaque, apadrinhasse um jovem piloto e dedicassem parte do tempo para um treinamento, repassando conhecimento e diretrizes, caminhos a serem seguidos, tenho a certeza de que teríamos outros bons pilotos aparecendo por aí. Mas o que acontece hoje? Tente chegar perto do Felipe e pedir algumas dicas pra ele, faça o mesmo com o Rubinho, com o Cacá, entre tantos outros, certeza isto de se ouvir um sonoro não, ou vai procurar o caminhão que vc caiu, ou não me enche com isto…
    Os caminhos não de base não se resumem a tentar abrir categorias aqui no Brasil, pois sabemos que aqui não vingará nada em nenhuma categoria, e sim, os caminhos passam por descobrir novos talentos e treiná-los para que estes possam mostrar os reais potenciais, se é que hajam. E quem melhor em direcionar esta piazada nova do que os mais experientes?

    • até para apadrinhar é necessaeio que haja categoria de base, como é que o cara vai botar dinheiro em um piloto , se ele não existe? Tem que ter boas competições de Kart, ou de fórmulas para que da quantidade possa-se pinçar alguem para patrocinar…

  • Enquanto isso, no pódio de Interlagos, entregando o troféu ao terceiro colocado no GP Brasil de Formula 1 estava lá todo sorridente o Sr. Dr. Cleyton Pinteiro. É muita flata de vergonha na cara mesmo. Ta louco… Não dá mais pra aguentar tanta ganância! É ele aqui e o Bernie e a CVC lá. Cada qual destruindo aquilo que deveriam preservar e administrar.

  • Bem .se ele dá zero ao automobilismo brasileiro de base é com profundo conhecimento de causa ,pois ele como representante brasileiro da categoria TOP ,também é ZERO em dignidade de piloto ,respeito aos seus torcedores ,competitividade(não passa de um covardão,que mesmo sendo capacho tri assumido levou um pé na bunda da equipe decadente). Prestem atenção ;não estou julgando sua capacidade como piloto, só a suas atitudes de homem subalterno e covarde que é .

  • Flavinho, como você viu o bem amigos se você estava ao vivo no sport radio a noite?, manda um recado para o benja, que se traga somente um convidado por vez , as vezes um convidado monopoliza as respostas, deixando o outro em segundo plano.

  • Triste realidade do nosso esporte, como um todo. Poucas são as modalidades que têm um trabalho de base bem feito, como o vôlei e o handebol. Veja quem está por cima da carne seca, o futebol. Quantos dos jogadores da seleção sênior atual vieram das seleções de base? No tênis, em que deu o sucesso do Gustavo Kuerten? Além de mandar um ou outro para a NBA, geralmente, jogadores que foram bem cedo para Europa… que novos talentos nosso basquete gera, para jogar na Seleção, ganhar uma medalha olímpica? E aí pode incluir: atletismo, natação etc.

  • Sei que minha resposta é de fundo emocional e representa apenas uma leiga opinião de torcedor.

    Felipe acertou ao dar dois zeros: um para ele e outro para o Rubinho.
    Investir em automobilismo brasileiro de base, para quê? Para os pilotos que chegarem na categoria máxima, se tornarem capachos de alemão e espanhol, sofrendo toda a sorte de humilhações?

    • Por mais que os dois passaram por situações embaraçosas, os mesmo tiveram também oportunidades de serem campeões em carros competitivos. Uma coisa é certa pessoal a F1 é para os europeus, principalmente hoje e os estrangeiros são intrusos, esta é a realidade.