BRASIL, 1982

SÃO PAULO (e eu, onde estava?) – A história da passagem do Mundial de Rali pelo Brasil ainda está para ser bem contada em algum livro. Se houver algum, me avisem, que vou atrás. Foram duas etapas, em 1981 e 1982. A primeira não contou pontos para o Mundial de Construtores — só para os pilotos. A segunda já teve pontuação integral. Ari Vatanen, com um Ford Escort, venceu em 1981. Michele Mouton, de Audi quattro, no ano seguinte.

Pelo naipe dos vencedores dá para imaginar que não foram etapas de brincadeira, embora a edição de 1982 não tenha contado com muitos pilotos de ponta. A turma faria a etapa da Argentina e, na sequência, a do Brasil. Mas os vizinhos acabaram cancelando a prova por conta da Guerra das Malvinas, desfalcando bastante o evento brasileiro. Apesar das dificuldades, foram 58 inscritos. E quatro chegaram ao final.

O Paulo Jorge Lagartinho mandou este link, que vale para quem tem conta no Facebook. É um álbum de fotos de 1982 que reputo sensacional. Não sei exatamente qual o percurso utilizado, mas o estacionamento do ginásio do Ibirapuera foi usado como ponto de partida. De lá, salvo engano, a caravana foi até  Rio passando pelo Vale do Paraíba, e voltou. A prova aconteceu de 10 a 15 de agosto daquele ano.

Eu tinha 18 anos, estava na faculdade, já morava em São Paulo, mas por alguma razão não me interessei pela presença desses carros aqui. Naquela época, futebol era tudo que me importava. No dia de encerramento do rali, a Portuguesa ganhou do Palmeiras de virada por 2 a 1, gols de Taborda e Caio no segundo tempo. Lembro muito bem, porque foi um dia depois do aniversário do clube e o Canindé estava lotado até a tampa, mais de 22 mil pagantes.

Era lá que eu estava.

Selecionei algumas fotos para ilustrar o post, mas sugiro firmemente que vocês vejam as demais. É realmente espetacular ver esses carros com cavalos, Kombis e Fuscas de fundo, rasgando paisagens tipicamente brasileiras sob o olhar espantado de caboclos do interior.

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo
Ricardo
2 anos atrás

E aí flavio, na paz?
O Post está desativado.. tem em algum outro lugar essas fotos incríveis?

Francisco Rupp
Francisco Rupp
2 anos atrás

Passei dois dias seguindo o Rally de 1982 quando passou pelo Rio. Assisti a quase todas as especiais no entorno do Rio.
Conheci logo na primeira especial dois engenheiros da VW Brasil que estavam numa Kombi oficina que era parte da assistência rápida da Audi. Daí passei a segui-los, pois tinham todas as informações de onde erma as largadas das especiais e onde fariam reparos nos Audi. A Kombi apesar de carregar quase 1 tonelada de equipamentos, era um canhão, cruzava a 130-140 km/h. Tinha um motor de Passat preparado na fábrica com 170hp…
Uma das coisas mais impressionantes que vi foi uma “geral” dada pelos mecânicos da Audi no carro da Michelle Mouton e da Fabrizia Pons.
Seguindo a Kombi, paramos num acostamento da estrada que liga a Região dos Lagos a Niteroi e ficamos aguardando. Uns 5 minutos depois, um Passat da VW chegou com os mecânicos da Audi que abriram uma lona na área e separaram um lote de coisas que estava na Kombi.
Uns 10-15 minutos depois chegou o Audi da Michelle e parou sobre a lona.
Os mecânicos da Audi em 15 minutos, trocaram os quatro semi-eixos, o radiador do intercooler (ficava na mala do Audi), discos de freio e outras coisas mais.
Nunca tinha visto nada parecido e tão rápido.
Aproveitei para tirar umas fotos disso e tambem peguei um autógrafo da Michelle e da Fabrizia num adesivo da Audi que tenho até hoje.
Belas lembranças.
O curioso é que ha poucos anos recebi um anuário de rally de 1982 e nas fotos da etapa do Rally do Brasil no livro, tem uma foto exatamente desta cena do reparo e apareço fotografando o motor do Audi.

Alex Dobai
Alex Dobai
3 anos atrás

I am a motorsport journalist and I’ll be delighted if you could help me with the list of special stages and their winners from the 1981 Rallye do Brasil. Many thanks!

VICENTE
VICENTE
5 anos atrás

PARTICIPEI DESSA PROVA COM O NAVEGADOR SERGIO SOARES , GENTILMENTE EMPRESTADO DO LUIS EVANDRO AGUIA, TERMINAMOS O RALLYE EM 2 NA CATEGORIA E FOMOS O PRIMEIRO BRASILEIRO 5 NA GERAL NO RALLYE CROSS !!!!

Paul
Paul
6 anos atrás

Lembro bem, apesar da idade, tinha só 13 anos, mas consegui um poster que tinha o carro do Vatanen nas cores da Rothmans falando da prova e da paresentaçao no circuito de moto na terra em Interlagos…ficou na parede do meu quarto por uns 2 anos….

Roberto Costa
Roberto Costa
6 anos atrás

É bom lembrar que nada teria acontecido sem o prestigio e a tenacidade do Chico Santos que veio de Portugal morar no Brasil e irrequieto organizou este Rallye.

ze otavio
6 anos atrás

Fui cronometrista nas duas ocasioes, fomos treinados pelos portugueses Chico Santos e Mario Figueiredo. Foram dias muito bons de se viver e acompanhar estes caras e seus carros, foi muito gostoso, tenho boas fotos e maravilhosas lembrancas.

Rubergil Jr
Rubergil Jr
6 anos atrás

Que fotos lindas.

Paulo Jorge Lagartinho
Paulo Jorge Lagartinho
6 anos atrás

Pessoal o que o Flávio falou esta certo…. o Ari Vatanen ganhou o Rallye em 1981 na equipa do David Sutton que corria com os Ford Escort e com as cores da Rothmans , sendo campeão mundial nesse ano. O Opel Ascona só apareceu na carreira do Vatanen no fim de 1982 mesmo na ultima prova em Inglaterra.
Em 1982 a vitoria foi da Mouton que nesse ano se preparava para ser campea mundial ,seria a 1ª mulher a conseguir tal feito no desporto automóvel fosse em que categoria fosse, infelizmente na prova da Costa do Marfim e quando lutava pela vitoria na prova que também lhe dava o titulo mundial, recebeu a noticia do falecimento do pai , a Audi deixou ao seu critério a decisão de abandonar ou continuar , continuou , mas a cabeça a concentração já não era a mesma e um erro deitou tudo a perder , oficialmente a Audi deu a desistência como um problema técnico … foi o mais perto que uma mulher esteve de ser campea no desporto automóvel.. fica o registo de ter sido a única mulher a ganhar provas de um campeonato mundial no desporto automóvel , sendo que o Brasil ficou na historia da carreira dela….
Quanto á prova de 1979 o começo , fica aqui um link onde podem ver as fotos e a historia da mesma

http://luiscezar.blogspot.pt/2012/10/rallye-internacional-do-brasil-1979.html

Abraço

Edison Guerra
Edison Guerra
6 anos atrás

Estive em Interlagos nas duas edições, sendo que na 1982 também no Ginásio do Ibirapuera, quando da apresentação e largada. Na festa de apresentação o que me marcou foi um Gurgel TR, que ao arrancar forte e fazer uma curva no estacionamento, tombou espetacularmente!
Na prova de rallycross no autódromo de Interlagos os pilotos top não compareceram. O Audi foi pilotado pelo chefe de equipe, Roland Gumpert, que levou os jornalistas para voltas rápidas no circuito de terra. Lembro do saudoso Expedito Marazzi ser um desses convidados, e o Audi ficando sem o para-choques traseiro, batendo no barranco numa saída mais forte numa curva. O ronco do 5 cilindros turbo nunca saiu da minha memória, e hoje mato saudades com o imenso número de vídeos no Youtube com a fera. Este Roland Gumpert, creio seja o criador do Gumpert Apollo, esportivo alemão que usava mecânica Audi.

JR Lemos
JR Lemos
6 anos atrás

Flavio

O carro do Vatanen que venceu em 1981, era um Opel Ascona.
O Talbot Lotus, mencionado ai acima, era do Guy Frequelin e navegado por ninguém menos que o Jean Todt.

Abraços
JR

R/T
R/T
6 anos atrás

Que demais, passaram aqui no litoral de SP, supermercado Porto Novo fica em Caraguatatuba, a 20 km daqui

incrivel … valeu FG

R/T
R/T
Reply to  R/T
6 anos atrás

pesquisei o itinerário e de fato, teve um SS que foi de Salesópolis até a estradinha do Rio Claro, que leva a Caraguatatuba e dá justamente na avenida deste supermercado, que aliás existia do mesmo jeito até alguns meses

detalhes do Rally aqui nesta pagina

http://www.ewrc-results.com/harmonogram.php?e=10223&t=marlboro-rallye-do-brasil-1982

Rudolfo Lago
Rudolfo Lago
6 anos atrás

Tudo, na verdade, começa em 1979, quando se realiza o Rally Internacional do Brasil, organizado pelo Rio Motor Racing Club, que durante anos também organizou as corridas de Formula Um no Brasil, e pelo Automóvel Clube paulista. Saiu do Rio pela Rio-Santos e terminou com uma etapa incrível usando a pista de motocross de Interlagos. O Rally, sem contar pontos para o Mundial, trouxe alguns pilotos internacionais. As duas principais estrelas foram os Fiat Abarth de Hannu Mikola e Walter Rorhl, campeões no ano anterior. Mas também veio Ari Vatannen e, talvez, não tenho certeza, Bjorn Waldegaard. Meu pai, José Lago, foi um dos diretores do rally, nas etapas que aconteceram em Mangaratiba e Campos do Jordão. Eu, moleque de 14 anos, fui com ele, a abordo de um Fiat 147 Rally da organização da prova. Uma experiência inesquecível!

Paulo F.
Paulo F.
6 anos atrás

Tenho o livro do Chico Santos e até pouco tempo ainda estavam perdidas entre as minhas tralhas o kit com o colete, os dois bonés e outros quetais dados aos pelos organizadores aos voluntários que trabalhariam no evento, e lembro do treinamento dado na sede do Automóvel Club Paulista na Brasil com 9 de Julho com a Brasil.
Divertido porem desorganizado!

Pedro
Pedro
6 anos atrás

Na primeira prova o Vatanen andou de Talbot com tração traseira,houve uma prova, dentro de Interlagos,em um circuito misto terra/asfalto.O ronco do Talbot engolindo a curva do sol de lado, com as Weber berrando, foi inesquecível.Os pilotos ficaram no Novotel da Marg. Pinheiros e,se não me engano,a primeira etapa ia até Campos do Jordão.

Edison Guerra
Edison Guerra
Reply to  Pedro
6 anos atrás

Pedro você se confundiu. O Ari Vatanen venceu com o Ford Escort navegado pelo David Richards. O Talbot ficou em segundo, pilotado pelo francês Guy Frequelin e navegado por, quem diria, Jean Todt, aquele mesmo que ficaria famoso por comandar a Ferrari na F-1 e atualmente presidente da FIA.

Marcos
Marcos
6 anos atrás

Porraaaa… e como um Quattro Grupo B veio ao Brasil eu não vi isso ???

Ah, é… tinha só 8 anos. Droga…

Antonio Seabra
Antonio Seabra
6 anos atrás

Em 1982 peguei um engarrafamento de final de dia/inicio de noite na Ponte Rio Niteroi, e do meu lado estava ninguem menos do que Walter Rohrl, no Opel Ascona de Rally, fazendo um trecho neutralizado, que o levaria ao paque fechado, no (então) Novotel de Niteroi. Esse hotel fica(va) num lugar lindo , na costa da baia de Guanabara, com uma vista maravilhosa do Rio, e foi um lugar perfeito pra acomodar pilotos e equipes., exceto pelo engarrafamento da ponte Rio Niteroi.
A curiosidade é que parte do percurso engarrafado foi feito com o capo do motor do Opel aberto, e o navegador sentado no para-lamas, mexendo em alguma coisa no motor. Quando a fila andava, o Rohrl ia devagar pro navegador não cair, olhando pela janela com a cabeça do lado de fora, pra enxergar a pista. O carro não dava lenta de jeito nenhum, o que exigiu muita mão de obra do Walter, pra manter a bagaça meio acelerada e andando.
Dali fui pro Novotel, atras dele, (tinha gente pra cacete tentando se aproximar dos pilotos), onde cheguei a ver a Michelle Mouton ainda de macacão. E, mesmo com cabelo dessarumado e suja de poeira, ela era uma gata !!!!

Paulo
Paulo
6 anos atrás

Grupo B????

Ed
Ed
6 anos atrás

Cara, tem um livro sim, publicado em 1985, se não me engano. Chama “Rallye” é do português Francisco Santos. Eu tinha um exemplar que conta, entre muitas histórias, o primeiro rali brasileiro organizado pelo Barão Fittipaldi (o rali do rádio) e as lambanças do Mundial de Rali feito aqui. Por sinal, até hoje acho estranho que o WRC tenha o trabalho de atravessar o Atlântico com todo o seu circo para correr uma prova na Argentina quando poderia muito bem aproveitar e fazer outra etapa no país vizinho.

Cleso Guimaraes
Cleso Guimaraes
Reply to  Ed
6 anos atrás

Tenho este livro, conta os bastidores e porque o rallye não vingou pela terra brasilis…