UNIÃO, 40 ANOS ATRÁS

SÃO PAULO (hoje?) – Em agosto de 1975, Chiquinho Lameirão foi suspenso por seis meses depois de discutir com um bandeirinha em Brasília. A pena foi dada pelo então diretor de prova — sem acusação, junção de provas, julgamento, nada. O mais curioso: essa suspensão foi determinada pelo cartola entre a primeira e a segunda corrida de uma rodada dupla da inesquecível Super Vê.

Resultado: na segunda bateria, os pilotos deram 12 voltas em fila indiana, em protesto contra a arbitrariedade de Cavalcanti.

Qualquer semelhança com o caso de Cacá Bueno para por aí. Ninguém vai protestar contra nada na Stock neste fim de semana, creio.

Independentemente disso, o texto da Evelyn Guimarães e do Gabriel Curty sobre o episódio envolvendo Lameirão está delicioso.

chiquinho1975

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
figueiredo
figueiredo
6 anos atrás

VAMOS UNIR

Robertom
Robertom
6 anos atrás

A penalização do Chico Lameirão foi cancelada por que os pilotos se uniram, protestaram andando em fila indiana e CBA foi obrigada a reconhecer a arbitrariedade praticada.
A Auto Esporte publicou a genial reportagem do Marcus Zamponi contando tudo sobre esta prova e seus desdobramentos…
Procurem nos arquivos de 1975…

Robertom
Robertom
Reply to  Robertom
6 anos atrás

Ahh, o título :
“Vitória sem sabor de Guaraná”
Genial!

jovino
6 anos atrás

Estava no autódromo neste dia e a gente, torcedor, não nada ali na arquibancada quando os carros largaram e fizeram fila indiana até o final da prova. Coisas do nosso automobilismo. Mas em 1970 foi pior no último Mil Km de Bsb quando o exército prendeu um monte de pilotos.
Jovino

Acarloz
Acarloz
6 anos atrás

Cada um quer ver o seu lado, o passado era o passado.

Roberto Fróes
Roberto Fróes
Reply to  Acarloz
6 anos atrás

É, cara, quem viveu o passado sabe bem o que foi, e não quer que se repita!

YEROSHA
YEROSHA
6 anos atrás

Qual a chance de ocorrer fato semelhante em solidariedade à Cacá?Pra mim é zero,
Á muitos interesses envolvidos no meio, financeiro, patrocínio, TV, pessoal do piloto,
Cacá ta coberto de razão e acho que tem de lutar por seus direitos,mas ele leva vantagem sobre a maioria. ele sobra sobre os demais, é um ótimo piloto até a nível
europeu (não sei porque continua aqui) basta ver seu histórico, tem um sobrenome de peso, só que ta pregando no deserto,não vai dar nada. Este tipo de atitude que ocorreu a 40 anos hoje não depende só do piloto tem muita coisa em jogo ,ninguém quer atrasar sua carreira ,não é.

Roberto Fróes
Roberto Fróes
Reply to  YEROSHA
6 anos atrás

Tem um sobrenome de peso…
Sim, tem, tão pesado que o atola…
Amanhã ou depois pode acontecer com qualquer um!
Atitude decente seria TODOS largarem devagar, darem apenas uma volta e abandonarem. Mas todos!
Alguém vai fazer isso?
Nunca! E o business, como é que fica?
Esse tipo de atitude que a turma teve com o Lameirão, se já era raro na época, hoje é impossivel!
Mas ainda pior que nada fazer é se comprometer a fazer, e na hora amarelar!
Viva Niki Lauda, que não largou num GP do Japão, se não me engano, dizendo que era piloto de carro, e não de lancha. A chuva era imensa, diluviana. E, se não me engano, isso lhe custou um campeonato!
Agora, atitude canalha teve o amado de muitos aqui (agora as viúvas ficam doidas…), o Ayrton Senna.
É um dos motivos, dentre vários outros, pelo qual eu nunca torci por ele.
Não me lembro qual foi o GP (Espanha?), mas chovia uma barbaridade, e a pista estava completamente insegura.
Os pilotos de ponta confabularam e decidiram – Senna inclusive – não largar , se a situação permanecesse daquela forma.
Grid montado, a situação péssima, pista alagada, todos saíram de seus carros, aliás, todos não! Adivinhem quem?
E ficou dentro do carro como se fosse uma estátua dentro de uma bolha, como se os outros, que cobravam insistentemente sua atitude, não existissem…
Resultado, esvaziou o protesto. Um fura greve!
Sem outra opção, largaram. E eu vibrei quando ele encarou a traseira de outro carro, no meio do spray.
Faltou lealdade!

Zé Maria
Zé Maria
Reply to  Roberto Fróes
6 anos atrás

Acho que foi Austrália. . .irrelevante o local, vale por seu comentário à respeito da atitude.

Thiago Sabino
Thiago Sabino
Reply to  Roberto Fróes
6 anos atrás

Então o que me dizes a respeito do Pace em Montjuich, 1975?

No briefing disse que não ia…entrou no carro, deu partida e largou….

Em tempo: sou admirador do Pace.. Apenas estou comparando situações semelhantes.

Farid Salim Junior
Farid Salim Junior
6 anos atrás

Após tecer meus comentários sobre o caso de 1975 e, comparar com o episódio que envolve o Cacá Bueno, posso dizer que uma coisa é reclamar de uma falha de um fiscal. Outra, é destratar e ofender um profissional, ultrapassando os limites do decoro e da razão. Se houve falha da fiscal, houve falha também do piloto. Um erro não justifica o outro. Contudo, creio que ambos sejam passíveis de punição, um por sua falha, o outro pela falta de têmpera e desrespeito. A questão aí, é quanto ao critério usado para essa punição tão severa. Se é imperativo punir o piloto, que a punição seja uma queda de posição no grid, ou um time penalt. Aniquilar a participação do piloto é erro mais grave, pois incide em subjetividades, ou intenções negativas implícitas. Há de se pesquisar o regulamento e exigir da entidade regente a perfeita apuração dos fatos. E, que os pilotos e equipes da mais importante categoria do nosso pobre automobilismo, sejam coerentes em suas ações, exigindo apuração criteriosa do fato, pois se isso virar moda, vai faltar público para assistir corridas com resultados previamente arranjados por tapetões inúteis. Vão criar problemas de imagem junto aos patrocinadores, e, vão afugentar emissoras de TV – aberta ou não – das transmissões das corridas. E, vamos acabar com a categoria aos poucos. Até que estes cartolas não tenham mais a quem prejudicar, prejudicando a si. É um nó cego isso…

Roberto Fróes
Roberto Fróes
Reply to  Farid Salim Junior
6 anos atrás

Mas Farid, você também é a favor da tapetada ou cartolagem, quando defende uma punição desse tipo!
Uma penalidade dessas, na minha opinião, só é válida por algo que ocorra durante a prova, na pista!
Para uma falta – se é que houve – administrativa, ou seja lá de que aspecto não esportivo for, a penalidade não pode afetar o esporte.

Farid Salim Junior
Farid Salim Junior
Reply to  Roberto Fróes
6 anos atrás

Creio que não me fiz entender, caro Roberto… Não defendo a punição, mas, como disse: “…Se é imperativo que haja uma punição… por mal comportamento, ou por desacato – como parece ter sido o caso em questão – que seja no âmbito da corrida apenas. E, não concordo com punições que tenham ocorrido apenas durante corridas. Afinal, desde sempre assistimos casos na Fórmula 1 em que punições foram impostas por erros ocorridos nos boxes. São punições por erros como burlar regulamento, por exemplo. O que ocorreu foi uma falha técnica por parte de um fiscal e um revide em tom de desacato. Portanto, uma falha técnica passível de advertência (a do fiscal) e outra, disciplinar, passível também de advertência (a do piloto), por não ter sido caso de reincidência. Como um cartão amarelo e um vermelho, no futebol. Mas, acredito que algo há de ser feito para evitar que esses fatos se tornem comuns. Se não há ordem na entidade régia, pelo menos entre os atuantes no palco deve prevalecer o bom senso, a razão e o respeito. Sou, em suma, a favor da ordem, da ética, da boa índole e da boa convivência entre os que compartilham do amor ao esporte motor! Outro abraço!

Fabio Augusto
Fabio Augusto
6 anos atrás

A coisa é bem mais interessante do que parece… Se 1975 não foi o auge da repressão, o ambiente ainda era bem pesado no país e tinha uma coisa que deixava os milicos especialmente todos molhadinhos: manifestações – de qualquer tipo. Mesmo um protesto como esse, que não tem absolutamente nada a ver com política, subversão ou comunismo podia dar uma dor de cabeça imensa para os envolvidos (dor de cabeça no sentido literal mesmo, de levar porrada com cacetete de mercúrio da PE).

Bobagem ? O presidente da CBA era o notório General Eloy Menezes. Durante a ditadura, os militares controlavam toda estrutura do esporte nacional. Tenho certeza que se fuçarem os arquivos do antigo SNI, vai haver pelo menos um relatório sobre essa corrida… Claro que o fato que a imensa maioria dos pilotos eram de classe alta e muitos de famílias com ligações com o regime aliviava, mas mesmo assim… o sujeito precisava ser corajoso para abrir a boca naquela época. Até para reclamar do bandeirinha…

Farid Salim Junior
Farid Salim Junior
Reply to  Fabio Augusto
6 anos atrás

Caro Fábio, na época do episódio de Brasília, o presidente da CBA era o Sr. Charles Naccache. E, o Sr, Cavalcante, presidente da Federação de Automobilismo do Distrito Federal (que se não me engano, tinha uma concessionária Ford por lá, onde a Fórmula Ford não tinha o mesmo apelo popular). O General Eloy Menezes era ligado ao hipismo, tendo o seu nome batizado um centro específico para a prática deste esporte, no Rio de Janeiro

Estevão
Estevão
6 anos atrás

União faz a força, como diz o outro.
Abs.

Anderson Viana
Anderson Viana
6 anos atrás

Flavinho, você viu essa reportagem hoje do UOL. http://blogdoico.blogosfera.uol.com.br/2015/07/31/piquet-senna-sempre-foi-um-piloto-sujo-na-sua-carreira/
Como sou um dos poucos fãs do Piquet e apanho muuuito por isso, concordo com ele, todos sabem mas ninguém tem coragem de dizer…
Dá uma comentada (sic) sobre isso no blog.
Grande abraço!

Roberto Fróes
Roberto Fróes
Reply to  Anderson Viana
6 anos atrás

Mas Farid, você também é a favor da tapetada ou cartolagem, quando defende uma punição desse tipo!
Uma penalidade dessas, na minha opinião, só é válida por algo que ocorra durante a prova, na pista!
Para uma falta – se é que houve – administrativa, ou seja lá de que aspecto não esportivo for, a penalidade não pode afetar o esporte.

Paulo Pinto
6 anos atrás

A turma da época era mais politizada, mesmo com toda a ditadura.

Fernando Kesnault
Fernando Kesnault
6 anos atrás

amigo…creio que naquela época de 1975 eram 3 baterias em cada prova…e a atitude dos pilotos na ultima bateria foi digna de palmas…andar em fila indiana como protesto mostra o grau de maturidade e união da trupe…..rsrsr