MENU

quinta-feira, 13 de agosto de 2015 - 17:11Automobilismo brasileiro

EIS A F-INTER

SÃO PAULO (vamos juntos) – Pois bem. A Fórmula Inter nasceu, e conta com total apoio do Grande Prêmio — há anos, desde sempre, clamamos por uma categoria de base no Brasil, desde que as montadoras abandonaram o barco do automobilismo. Por conta desse desejo antigo, temos todos os motivos para acreditar que vai dar certo. Mais do que isso: temos obrigação de ajudar a fazer dar certo.

Quem sabe faz a hora, cantava Geraldo Vandré. Quem está fazendo a hora é o empresário Marcos Galassi, com um time de abnegados e entusiastas. Mas que são mais do que isso. São profissionais, gente do meio.

Galassi é pioneiro em muita coisa, especialmente em tecnologia. Pelos idos de 2000, vislumbrou que aquele negócio chamado internet, cedo ou tarde, iria incorporar vídeos. Sua empresa, a MediaCast, colocou no ar uma grade de programação da qual fazia parte o “Warm Up em Vídeo”, programa semanal que gravávamos na forma de mesa-redonda sobre automobilismo. Vem de lá nossa relação com ele.

Na época, quase ninguém tinha banda larga para acessar a internet. Conexão discada era o que existia. A dificuldade para rodar vídeos era enorme. Mas a aposta de Galassi, evidentemente, foi certeira. Hoje, 15 anos depois, vídeos são o carro-chefe da rede.

Há alguns anos, Galassi e seus filhos, apaixonados por automobilismo, fizeram um projeto ambicioso de correr as 500 Milhas de Indianápolis juntos. Foram para os EUA, conheceram as categorias de acesso, fizeram testes, aprenderam, deram cabeçadas. Isso virou um reality, “Juntos na Estrada da Indy”, e foi graças a essa experiência que os três tomaram contato com a realidade das corridas, pavimentando o caminho que levou à F-Inter.

Não deu na Indy, vai dar no Brasil. “Esperança”, escreve Rodrigo Mattar, saudando um movimento promissor no paralisado automobilismo nacional. Faço coro. Conheço as pessoas envolvidas e sei de sua seriedade e paixão. Paixão é importante. Muito.

Baixo custo, carro feito no Brasil, iniciativas como a incumbadora de pilotos, treinamento profissional para a molecada, patronato de caras como Roberto Moreno e Chiquinho Lameirão, enfim, é algo para se aplaudir de pé.

E aguardem outras novidades para outubro. Vem aí o Grande Premium. É a nossa aposta, no futuro do jornalismo e da cobertura automobilística na internet.

odainterassim

Galassi apresenta o F-Inter: automobilismo nacional respira

13 comentários

  1. Jonny'O disse:

    Sensacional, estamos todos na torcida!!!

  2. Marcio disse:

    Flávio, era mesmo pra gente ler esfíncter no título deste Post?

  3. Rogerio disse:

    Torcendo muito pelo sucesso dessa categoria.

    Assisti muitas corridas de F-V e Super-V e vi como essas categorias de base conseguem revelar pilotos. Espero que a Inter repita o sucesso destas antigas categorias

  4. BK disse:

    Pena ter que envolver a FASP e com isso aumentar as chances de dar tudo errado (afinal sejamos realista, para qualquer coisa que diz respeito a automobilismo dar errado basta envolver a CBA e as federações). Agora o que eu estranhei é o cambio de 4 marchas. Será que vão usar um motor 2.0 16v em um cambio de fusca?

  5. silvio gouveia disse:

    Renascer das cinzas …fênix paulista…

  6. Rafael Bilibio disse:

    Grande Premium. Cara, que nome!!!! Espetacular!

  7. Gastao disse:

    Como diriam em Portugal: “acho que tem pernas para andar”. Os custos de participação são relativamente acessíveis, e o projeto (que já é uma realidade), está bem estruturado.
    Espero sinceramente que funcione e que perdure.

  8. Thiago Leal disse:

    Botou pra foder!!!!
    E tem uma coisa que precisa ir junto também: público! Que o trabalho de promoção da categoria seja reforçado e a presença do público, incentivada, porque brasileiro, às vezes, parece ter dificuldade de assimilar o que não for pé-na-bola e acha que, para os outros esportes, só vale as categorias de cima. E a presença de público vai ajudar demais a trazer patrocinadores, a ter divulgação na mídia etc.
    Fico muito feliz com a inciativa e gostaria de ver dar certo.

  9. junior disse:

    Bem eu tenho,duas certezas,um dia todo mundo se vai, segunda automobilismo ´foi, é, e sempre sera um esporte caro, muito boa a iniciativa.mas como todo negócio este é mais um com a principal finalidade de dar lucro pra quem teve coragem e ousadia e se prontificou a fazer,Parabéns principalmente pela coragem, os obstáculos burocráticos (cba) devem ter sido muito maiores que os técnicos,sei que tudo é relativo, e na minha opinião o preço esta caro. O brasil é um péssimo lugar pra se morar se vc gosta de carros e pretende praticar este esporte de modo correto e seguro, Esta é uma notícia importante, que deveria ser muito mais divulgada,mas como a mídia só quer lucrar e nunca informar, so estou sabendo porque estou em um cite que discute automobilismo, afinal em tempos de crise, da pra ficar bravo se o piloto que vc patrocina ganha a corrida, mas a tv só mostrou o acidente do outro piloto ou cortou a transmissão, porque um time de FUTEBOL acabou de chegar ao estadio onde vai disputar uma partida com 03 resultados possiveis perder,ganhar,ou empatar, BOA SORTE AOS EMPREENDEDORES, E PILOTOS

  10. Farid Salim Junior disse:

    Muito bom saber que tem gente séria nessa empreitada. Histórico de Pupo Moreno e de Chico Lameirão falam por si! Mas, gostaria de saber qual ou quais os motores usados nos carros. Qual o budget para uma temporada, e, quando será divulgado um calendário. Como as perguntas estão fora de questão, vou acompanhando por aqui, com muita esperança de que seja a fênix há tanto sonhada!…

  11. Bruno Cardoso disse:

    Venho acompanhando o projeto pelo Facebook, mas não sabia da parceria com o Grande Prêmio. Soube apenas hoje pelo Patreon do Grande Prêmio, que é outro projeto empolgante e que recomento a todos os que são amantes do automobilismo e querem se sentir mais próximo a ele.

  12. Marcos Milani disse:

    Que o meu pessimismo crônico com realização à extrema dificuldade de se transformar idéias em empreendimentos de sucesso no Brasil, mesmos as melhores idéias, possa ser enterrado. Pelo menos para o caso da F-Inter. Importante analisar bem os obstáculos que inviabilizaram a F-Jr e pela F-Futuro, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *