MENU

sábado, 16 de novembro de 2019 - 18:30F-1

INTERLEWIS (6): SUPERMAX

Verstappinho: segunda pole na carreira

SÃO PAULO (sol, 20°C) – Foi só a segunda pole da carreira de Max Verstappen, mas quem rasgou o sorriso hoje em Interlagos foi o pessoal da Honda. Os japoneses conseguiram o primeiro lugar no grid numa pista que pede muito motor, o que em tese não faria da Red Bull favorita absoluta à posição de honra do GP do Brasil.

Mas a equipe era candidata, sim, porque o circuito paulistano também exige um chassi muito equilibrado no trecho sinuoso do miolo, e isso o time dos energéticos tem. Assim como tem também um pilotaço, o jovem Max, que já vinha andando bem desde ontem. E é aqui que a Honda tem seus méritos.

Interlagos tem uma característica interessante. Para fazer uma grande volta de classificação, é preciso “abri-la” algumas curvas antes da linha onde ficam os sensores que disparam o cronômetro. Mais precisamente a partir da Junção, que leva a uma pirambeira para a esquerda que também atende pelo nome de Subida do Café.

(Os nomes das curvas de Interlagos são muito legais e desconheço a origem de apenas duas, o antigo Sargento e o Café. Todas as demais têm uma explicação, e considero particularmente bela e poética a Curva do Sol, assim chamada porque nas provas de longa duração de antigamente os pilotos contornavam-na com o sol ofuscando seus olhos nos finais de tarde. Acho encantador.)

Aquele início do Café é essencial para buscar tempo na volta seguinte. É necessário ser muito preciso na Junção para começar a subir a ladeira com a maior potência possível. Assim, consegue-se “carregar velocidade”, como dizem os pilotos, até a freada para o S do Senna. Daí em diante, é com o cara que está ao volante: se não errar nada, inclusive a Subida do Café de novo, faz um tempo bom.

Para isso, um motorzão é obrigatório. E a unidade motriz da Honda não decepcionou. A ponto de Vettel, segundo no grid, brincar com Verstappen na entrevista coletiva dos três primeiros após a definição do grid para a penúltima etapa do Mundial. “Fiquei surpreso com a velocidade deles na reta. Achei até um pouco suspeito”, disse, voltando-se rindo para Max.

Festa da Honda nos boxes da Red Bull: japoneses não faziam pole no Brasil desde 1991

Há alguns dias, o holandês disse que a Ferrari andava trapaceando, por usar um sistema irregular de controle do fluxo de combustível para o motor — o que explicaria a sequência de seis poles do time italiano entre os GPs da Bélgica e do México. Quando a falcatrua foi descoberta, insinuou o piloto da Red Bull, a fonte secou e a Mercedes voltou a fazer uma pole, nos EUA.

Como a FIA não puniu ninguém, assuma-se que a Ferrari não estava fazendo nada de errado. Por isso Sebastian tirou uma lasquinha de Verstappen, que já tinha largado na frente neste ano, na Hungria. No México, fez o melhor tempo na classificação. Mas foi punido por desrespeitar uma bandeira amarela em sua volta rápida e caiu da pole para o quarto lugar. Por conta disso, corrigiu o entrevistador dizendo que era sua terceira pole na carreira, não segunda. Detalhe irrelevante. E oficialmente falando, foi a segunda, mesmo.

Um motor Honda não aparecia na pole em Interlagos desde 1991, com a McLaren de Ayrton Senna. De lá para cá, foram dez poles de motores Mercedes, nove da Renault, seis da Ferrari, uma da BMW e uma da finada Cosworth.

Verstappinho fez a pole com 1min07s508 na sua segunda tentativa no Q3, e nem foi sua melhor volta do dia. No Q2, fora 0s005 mais rápido. Vettel ficou pouco mais de 0s1 atrás e garantiu a primeira fila. Depois deles vieram Hamilton e Leclerc. O monegasco, único da turma da frente que vai largar de pneus médios, já sabia que perderia dez posições no grid por troca de motor e partirá da 14ª posição. Quem herdou seu lugar foi Bottas. Na sequência vieram Albon, Gasly, Grosjean, Raikkonen e Magnussen. A Haas foi uma das surpresas do dia, colocando seus dois carros entre os dez primeiros. A outra foi Gasly, o “primeiro dos outros”, em sexto com a Toro Rosso.

No outro extremo, a decepção foi a McLaren. Sainz Jr. teve problemas de motor e nem participou da classificação. Norris não conseguiu passar ao Q3. Outro time que fracassou no sábado ameno de Interlagos, que depois do dia chuvoso e frio de ontem teve um solzinho tímido aparecendo entre nuvens, foi a Renault, empacando com Ricciardo e Hülkenberg no Q2. No mais, tudo normal.

O tempo cronometrado por Verstappen hoje é cerca de dez segundos mais baixo que a primeira pole registrada no encurtado traçado de Interlagos, que caiu de seus quase 8 km para os atuais 4,309 km com a reforma de 1990 — a medição na época apontava 4.325 m, depois corrigida para a extensão oficial utilizada hoje. No GP do Brasil de 1990, Senna fez a pole com o tempo de 1min17s277.

Para se ter uma ideia de como a F-1 evoluiu nestas três décadas, o tempo do último colocado no grid para a corrida de amanhã, Robert Kubica, seria suficiente para que ele largasse na pole em quase todos os GPs do Brasil disputados desde então — as exceções seriam as corridas deste ano e as de 2014, 2017 e 2018. O polonês da hoje risível Williams fez sua melhor volta em 1min10s614. Foi mais rápido que Rosberg em 2015 e Hamilton em 2016, por exemplo.

Claro que nesse vasto período a F-1 mudou de regulamento várias vezes, as condições de pista de ano para ano nunca são idênticas, e comparar tempos de classificação ao longo do tempo não leva a conclusões muito relevantes. É apenas uma curiosidade. A pole de Verstappen, a propósito, nem é a mais rápida da história de Interlagos. Ano passado, Hamilton virou 1min07s281 na sua volta mais rápida. Mas fica o registro.

Ferrari, Red Bull e Mercedes: três equipes diferentes nas três primeiras posições

E o que esperar de um GP amistoso amanhã, uma vez que os títulos de Pilotos e Construtores estão decididos?

Com Max na pole, acho que será divertido. Ano passado o holandês desperdiçou a possibilidade de vitória num enrosco infantil com Ocon, e tem a chance de se redimir agora. Vettel e Hamilton não têm nada a perder, e ainda teremos Leclerc vindo lá de trás jantando uma dezena de carros mais lentos para previsível gáudio de quem for narrar a prova pela TV.

Interlagos quase sempre faz corrida boa. Vamos ver se isso se repete amanhã.

16 comentários

  1. Alfredinho disse:

    O moleque levanta uma suspeita em relação à rival mais próxima e logo depois faz a pole.
    E agora, José?

  2. Hausensson disse:

    Pelo que é li, Chama-se Sargento porque um sargento, empolgado com as corridas, pegou a vitura, foi acelerar e rodou ali.

    Isso deve ter sido na época do Vargas. Nada a ver com ditadura militar…

  3. BARROS DA SILVA disse:

    Espera-se uma corridinha a toa só pra preencher o calendário…. ninguém tá ligando muito nem muito empenhado, o tal Totó Wolfe da mercedez chefão da mafia mercedonica nem veio pro Brasil, preferiu ficar contando dinheiro em casa…. os pilotos vieram por força de contrato: Bottas vai querer vencer pra mostrar alguma coisa, hamilton vai correr com um baseado na cabeça e foda-se o mundo, aliás, sempre achei ele um piloto bom mas tá se tornando muito cínico e mascarado (não entendam mal, pela grana que ele recebe eu faqria ate mais coisas), é o garoto propaganda politicamente correto da FIA e mercedes pra limpar a barra deles e fazer media, a marca mercedes sempre foi a marca de autos preferida de traficantes, contrabandistas, ditadores, nazistas, etc….. já quem é cool, gente boa mesmo, inteligente,e tal prefere BMW….
    MAS INTERLAGOS É UMA PISTA ESPECIAL, sempre proporciana corridas interessantes pelo traçado, elevaçoes, etc….., aliás, porque mudar então ? e se der uma espichadinha nela como o FG opinou ficaria a melhor de todas de F1 !
    Vettel, Verstapa e Lequerque vão disputar ainda o terceiro lugar no campeonato, acho que vai dar Verstapa, o Vettel nem tá ligando muito e o lec-lec se borra fácil….
    E ainda tem o resto: maclaren, renaulto , hass (pior ninguem faz), touro rosa, alfafa do romeu, e aquela do stroll e a catarrenta willians.
    A CORRIDA VAI SER EMPOLGANTE SIM, mas vou pescar e assistir o replay no esporteve……

  4. Britto disse:

    Só assisto o GP Brasil. Se é que vou assistir… Sem brasileiro é um porre!

  5. Flavio Padilha disse:

    As curvas Flavinho!!!

    S do Senna
    Em 1989, quando o autódromo passou por uma reforma em seu traçado e voltou a integrar a temporada da Fórmula 1, Ayrton Senna sugeriu duas grandes curvas que ligassem as retas de Interlagos. O trecho acabou batizado com o nome do piloto.

    Curva do Sol
    O projeto original de Interlagos foi pensado de maneira que o circuito fosse percorrido no sentido horário, ao contrário do que acontece atualmente. O problema é que, quando os corredores passavam por essa curva, o sol lhes cegava.

    Curva da Ferradura
    O nome tem o motivo mais óbvio possível: a curva tem o formato de uma ferradura.

    Curva do Laranjinha
    Como não é possível enxergar o final da curva, pilotos inexperientes, chamados na categoria de laranjas, costumam errar a manobra quando passam por esse trecho da pista.

    Curva do Pinheirinho
    Quando o Autódromo de Interlagos foi inaugurado, havia um pinheiro na área de escape dessa curva, que acabava servindo de anteparo para o carro de muitos pilotos.

    Bico de pato
    Assim como a Curva da Ferradura, o Bico de Pato leva esse nome por causa de seu formato.

    Curva do Café
    O nome não tem nenhuma relação com a produção agrícola de São Paulo. Na verdade, por ser muito fechada, essa parte de Interlagos foi batizada assim por lembrar um grão de café. ????? será?

    Curva do Sargento
    Um sargento da Polícia Militar, animado por fazer a segurança de uma corrida, resolveu testar o circuito com uma viatura. Nas duas voltas que deu, rodou exatamente na mesma curva. O trecho foi batizado em “homenagem” a ele.
    Abs

    • Ilmar disse:

      A Curva do Café se chama assim, segundo uma história que eu ouvi anos atrás, devido ao forte cheiro do café quente preparado e bebido pelos locutores e jornalistas que cobriam a corrida naquele ponto da pista nas primeiras décadas do autódromo. E foi assim que os pilotos daquela época batizaram aquela curva, antecedendo a Subida dos Boxes (aonde ficava as antigas largada e chegada de Interlagos).

  6. Flavio Padilha disse:

    Saudações Flavinho! Grid perfeito para uma grande corrida. Aguardemos ! abs

  7. Amaral disse:

    Pista que pede tudo. Motor, chassi e braço.
    Lendo o post, lembrei de um ano em que o Rubinho brigou com o Webber pela pole. Webber de Jaguar, tirando o fino do carro, quase tirou a pole do Rubinho, só não conseguiu justamente porque faltou motor na junção e na subida do café. E também porque o Rubinho, apesar de mega azarado em casa, andava muito bem nas classificações lá.

  8. Sandro disse:

    Consultando o Google e a Wikipedia: a pole com o menor tempo registrado foi de 58″79! Niki Lauda foi o autor da façanha na pista francesa de Dijon-Prenois em 1974! Outros tempos, literalmente!

  9. D disse:

    Finada Cosworth? Apenas parou de fornecer motores pra F1, assim como a BMW que não é defunto nesse texto.
    Café explicada, curioso com a Sargento.

  10. Bola da Vez disse:

    Vettel está certo. Há algo de podre no reino da Red Bull…

  11. Clay disse:

    Café é por conta do cheirinho do mesmo que se sentia décadas atrás nesse ponto da pista. O Motivo era a antiga fábrica Dominium, na Av. Interlagos, hoje um triste condomínio (conDominium ?? Hahaa) de prédios entre a Washington Luis e Yervant Qualquercoisa, não consigo saber esse nome !
    Quanto a sargento, não sei e mantenho certa distância.

    • Flavio Gomes disse:

      Verdade! Eu morei aqui perto (mais para o lado do Jardim Prudência) e a gente sentia mesmo esse aroma. Obrigado pela lembrança!

    • Robertom disse:

      Não creio, é longe pra cacete, calculo que pelo menos uns 5 Km o Dominium (hoje realmente um condomínio no Jardim Marajoara) do autódromo de Interlagos. Quem inventou esta estória de “Café” foi a Globo, o RL falou que ao amanhecer nas Mil Milhas as equipes preparavam o café para manter o pessoal alerta, os boxes ficavam ali mesmo, na área onde hoje fica a chicane. Para mim foi e sempre será a “Subida dos Boxes”.

    • Rogério disse:

      Diz a lenda que um sargento da Força Pública rodou (dirigindo uma viatura) todas as vezes que tentou fazer esta curva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *