VAI COMEÇAR A FESTA (6)

Hamilton em Barcelona: favorito absoluto ao título

RIO (a pedidos) – Bom, terminou a pré-temporada ontem em Barcelona e agora é hora de balancinho maroto para tentar imaginar o que será o Mundial que começa dia 15 na Austrália.

Só para lembrar, Bottas fechou o dia ontem com o melhor tempo, superando uma marca mais do que aceitável que Ricciardo manteve por boa parte do dia.

Ao final de seis dias de treinos, a relação de forças estabelecida não é lá muito diferente do ano passado e vou arriscar aqui uma classificação do campeonato em função dos resultados em pista:

  1. Mercedes (não deve ser ameaçada)
  2. Red Bull (acho que desta vez deixa a Ferrari para trás)
  3. Ferrari (começa mal e quando acertar não terá tempo para reagir)
  4. McLaren (a boa dupla vai ajudar a superar a “Mercedes rosa”)
  5. Racing Point (Pérez vai cansar de pontuar)
  6. Renault (a luta com a Racing Point será duríssima)
  7. AlphaTauri (é mais ou menos o lugar dela)
  8. Alfa Romeo (normalmente perde performance ao longo do ano)
  9. Williams (finalmente fez um carro de F-1, depois do fiasco de 2019)
  10. Haas (a dupla de pilotos é fraca e o encanto acabou)

Abaixo, a lista das melhores voltas de cada equipe, com os pneus usados quando o tempo foi registrado. Lembrando que a graduação da borracha vai de C1 (mais duros) a C5 (mais macios e aderentes):

  1. Mercedes: Valtteri Bottas, 1min15s732 (C5)
  2. Red Bull: Max Verstappen, 1min16s269 (C4)
  3. Renault: Daniel Ricciardo, 1min16s276 (C5)
  4. Ferrari: Charles Leclerc, 1min16s360 (C5)
  5. Racing Point: Sergio Pérez, 1min16s658 (C3)
  6. McLaren: Carlos Sainz, 1min16s820 (C4)
  7. Williams: George Russell, 1min16s871 (C5)
  8. AlphaTauri: Daniil Kvyat, 1min16s914 (C4)
  9. Alfa Romeo: Robert Kubica, 1min16s942 (C5)
  10. Haas: Romain Grosjean, 1min17s037 (C4)

Em relação ao ano passado, a Williams foi a que mais evoluiu — como era de se esperar. Comparando o melhor tempo dos testes em 2019 com os de 2020, a equipe de Grove foi mais de 1s mais rápida. Já a Ferrari… Vejam as diferenças:

  1. Williams: -1s259
  2. Racing Point: -0s922
  3. Red Bull: -0s822
  4. Renault: -0s567
  5. Mercedes: -0s492
  6. Alfa Romeo: -0s297
  7. McLaren: -0s093
  8. Haas: -0s039
  9. AlphaTauri: +0s032
  10. Ferrari: +0s139

Bottas foi o mais rápido dos seis dias, seguido por Verstappen. Foram 21 pilotos na pista. A única equipe que usou piloto de testes foi a Alfa Romeo, com Kubica. Aos tempos:

  1. Valtteri Bottas (Mercedes): 1min15s732 (C5)
  2. Max Verstappen (Red Bull): 1min16s269 (C4)
  3. Daniel Ricciardo (Renault): 1min16s276 (C5)
  4. Charles Leclerc (Ferrari): 1min16s360 (C5)
  5. Lewis Hamilton (Mercedes): 1min16s410 (C5)
  6. Esteban Ocon (Renault): 1min16s433 (C4)
  7. Sergio Pérez (Racing Point): 1min16s658 (C3)
  8. Carlos Sainz (McLaren): 1min16s820 (C4)
  9. Sebastian Vettel (Ferrari): 1min16s841 (C5)
  10. George Russell (Williams): 1min16s871 (C5)
  11. Daniil Kvyat (AlphaTauri): 1min16s914 (C4)
  12. Robert Kubica (Alfa Romeo): 1min16s942 (C5)
  13. Romain Grosjean (Haas): 1min17s037 (C4)
  14. Pierre Gasly (AlphaTauri): 1min17s066 (C5)
  15. Kimi Raikkonen (Alfa Romeo): 1min17s091 (C5)
  16. Lance Stroll (Racing Point): 1min17s118 (C3)
  17. Nicholas Latifi (Williams): 1min17s313 (C5)
  18. Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo): 1min17s469 (C5)
  19. Kevin Magnussen (Haas): 1min17s495 (C4)
  20. Alex Albon (Red Bull): 1min17s550 (C2)
  21. Lando Norris (McLaren): 1min17s573 (C3)

No número de voltas completadas, a Mercedes ficou na frente e a Haas foi a última colocada. Aos números:

  1. Mercedes: 903
  2. Ferrari: 844
  3. McLaren: 802
  4. Racing Point: 782
  5. Red Bull: 780
  6. AlphaTauri: 769
  7. Renault: 743
  8. Williams: 737
  9. Alfa Romeo: 735
  10. Haas: 649

Presente em três equipes (Mercedes, Racing Point e Williams), os motores Mercedes foram os que mais rodaram, seguidos pelos Ferrari (Ferrari, Alfa Romeo e Haas), Honda (Red Bull e AlphaTauri) e Renault (Renault e McLaren). Aos números mais uma vez, por voltas completadas:

  1. Mercedes: 2.422
  2. Ferrari: 2.228
  3. Honda: 1.549
  4. Renault: 1.545

Por fim, a lista do número de voltas completadas por cada piloto:

  1. Lewis Hamilton: 466
  2. Carlos Sainz: 446
  3. Charles Leclerc: 442
  4. Sergio Pérez: 441
  5. Valtteri Bottas: 437
  6. Max Verstappen: 414
  7. Sebastian Vettel: 402
  8. Daniil Kvyat: 399
  9. Romain Grosjean: 399
  10. George Russell: 394
  11. Esteban Ocon: 376
  12. Pierre Gasly: 370
  13. Daniel Ricciardo: 367
  14. Alex Albon: 366
  15. Lando Norris: 356
  16. Nicholas Latifi: 343
  17. Lance Stroll: 341
  18. Antonio Giovinazzi: 323
  19. Kimi Raikkonen: 300
  20. Kevin Magnussen: 250
  21. Robert Kubica: 112

Não houve muitas quebras e quanto às inovações, só o DAS da Mercedes — o sistema que altera a convergência das rodas dianteiras quando o piloto puxa o volante para trás, voltando à posição original empurrando o volante em direção ao cockpit.

O que mais assustou mesmo foi a pouca performance da Ferrari. A equipe não evoluiu, garante que não está escondendo nada e procura abafar a crise dizendo que não é hora de entrar em pânico.

É um pouco, sim. Carro que nasce mal normalmente é difícil de corrigir. Mas a temporada é longa. O que Barcelona fez foi um retrato do momento. Que pode ter um ou outro retoque de Photoshop. As imagens reais virão em Melbourne daqui a duas semanas.

O que dá para dizer com certeza: Hamilton vai fechar a temporada como o maior vencedor de todos os tempos. E como heptacampeão. Mudanças radicais a gente deixa para 2021, com novo regulamento e, possivelmente, uma intensa dança das cadeiras.

[bannergoogle]

Comentários