NOVE KM!

RIO (que coisa!) – Bruno Sanches Forni me mandou o e-mail e o vídeo. Babem:

“Olá Flavio! Tudo bem? Eu vi sua postagem sobre o Ford Ka. Também gosto dos carros da Ford, tanto que tenho dois, um deles um Ford Focus 2008 GLX com 80.000 km. Não está maravilhoso de lataria, mas está perfeito de motor e câmbio, e isso me importa no momento. Mas um dia eu o arrumo por completo. Bom, mas não é sobre meu Focus que lhe escrevo, mas sim sobre um vídeo que havia visto no YouTube há algumas semanas, sobre uma pessoa vendendo um Ford Ka 1999, ZERO KM! A história é muito interessante e te mando o link.”

Essas histórias de carros zero me deixam apaixonado.

Comentários

  • Fico feliz em ser citado por aqui. Vendi esse Ka para um cliente de Ananindeua – PA com poucos dias de anúncio. Adianto que a história real não é exatamente essa que conto no vídeo. Dias depois da gravação, um seguidor contou uma história ainda mais interessante e que faz mais sentido. Tem a ver com o campeonato de Fórmula Truck de 1999. Flávio, se for do seu interesse, me chama por e-mail que te conto.

      • Depois que publiquei o vídeo, um seguidor me chamou no privado e contou outra história. Disse que esse carro foi comprado no final de 1999, para presentear o campeão da Fórmula Truck daquele ano. Repare na nota fiscal que eu mostrei no vídeo, com o nome “Racing Truck”, empresa com sede em Santos. Porém, um dos pilotos foi punido e perdeu alguns pontos, que fizeram falta na disputa do título. A briga foi parar nos tribunais, e o pobre Ka ficou guardado, esperando o desfecho da história. Não sei o resultado dessa disputa, mas o fato é que ninguém levou o Ka. Também não sei se a história pode ser divulgada, inclusive o rapaz que me contou isso, pediu para eu não divulgar. Por isso, sugeri que você me procurasse por email, mas entendo que esse post, feito no dia 29, já deve ter caído no esquecimento da internet, me deixando à vontade para contar.

        Sobre a veracidade da história, eu pesquisei no google e encontrei pouca coisa. A notícia mais relevante, é do Diário do Grande ABC, que confirma o título de 99 para Jorge Fleck, mas comenta que Junior Drugovich tentava reaver 40 pontos perdidos numa desclassificação na prova de Curitiba. O Ka não é citado na matéria, mas a história contada para mim, passou a fazer mais sentido do que aquela do vídeo, onde o ganhador de um sorteio não foi buscar o carro. Talvez, você como um jornalista, tenha fontes mais seguras para confirmar a história.

        Por fim, o Ka está nas mão de um cliente de Ananindeua, como já adiantei no primeiro comentário. Por jamais ter sido emplacado, a burocracia para colocá-lo para rodar é um pouco confusa. Acredito que ele vai continuar assim, sem uso.

        Um abraço