SEM RÚSSIA

SÃO PAULO (já era) – Essa pista aí da foto, quase pronta, iria receber o GP da Rússia a partir de 2023. Fica perto da linda cidade de São Petersburgo, onde nasceu Vladimir Putin.

Não vai mais. Depois de cancelar a prova marcada para Sóchi no dia 25 de setembro, a Liberty hoje informou que rompeu o contrato com os promotores do GP da Rússia e que isso significa que “o país não vai receber uma corrida no futuro”. “No futuro” é um conceito bastante etéreo. Enquanto houver sanções econômicas e hostilidades políticas entre os EUA, onde a Liberty está sediada, esquece. Se amanhã Putin entra numa astronave e Kiefer Sutherland se naturaliza russo para assumir o Kremlin, claro que tudo isso será revertido.

Mas, pelo menos num futuro próximo, melhor não contar com a volta da F-1 à Rússia. No que diz respeito a Sóchi, que recebeu a categoria pela primeira vez em 2014, não vai fazer falta nenhuma do ponto de vista técnico-chármico. Chármico é palavra que inventei agora e vou indicar ao Houaiss. É uma pista chata, artificial, sem relevo, parece feita num estacionamento — e é quase isso. Só entrou no calendário porque Putin bancou sua realização, quando ainda era bonzinho. Incrível como o Ocidente tão esperto se enganou com esse moço, não?

De qualquer forma, fim de papo. GP da Rússia agora é história. Aos seus números, pois, depois de oito anos de vida:

VENCEDORES: Hamilton (2014, 2015, 2018, 2019 e 2021), Rosberg (2016) e Bottas (2017 e 2020). Como se nota, todas as vitórias foram conquistadas pela Mercedes.

POLES: Hamilton (2014 e 2020), Rosberg (2015 e 2016) e Bottas (2018) pela Mercedes; Vettel (2017) e Leclerc (2019) pela Ferrari; Norris (2021) pela McLaren.

PÓDIOS: Hamilton (7), Bottas (5), Vettel (3), Rosberg, Raikkonen e Verstappen (2 cada), Pérez, Sainz e Leclerc (1 cada)

PÓDIOS POR EQUIPES: Mercedes (13), Ferrari (7), Red Bull (2), Williams e Force India (1)

Ninguém falou ainda sobre substituição no calendário. No site da F-1, a prova foi simplesmente excluída e a temporada ficou com 22 etapas. O número mágico de 23 que a Liberty deseja corre risco de não ser alcançado mais uma vez. Mas o mais provável é que a data seja ocupada em breve. Sepang, Istambul, Portimão e Mugello estão entre as pistas cogitadas, com chances bem maiores para as duas primeiras, remotas para a terceira e quase inexistentes para a quarta. Nem sei por que citei Mugello.

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
pedro araújo
pedro araújo
2 meses atrás

gomes e pessoal:

a ferrari vai cancelar suas relações contratuais com a kasperski russa?

se não cancelar, a ferrari vai sofrer sanção por isso?

ou vão todos deixar pra lá no caso da kasperski e da ferrari?

Paulo Rickli
Paulo Rickli
2 meses atrás

Que guerra infame ( e qual guerra não seria ? ) , de um lado a Rússia , governada por um autocrata fascistão assassino , e do outro, a Ucrânia, governada por um bufão , também assassino de seu povo , cujo governo abriga grupos neonazistas super ativos e militantes . Apoiado pelo ocidente imbecilizado e imperialista .
É a guerra das extremas direitas .
… e com isso tudo Mazepin “rodou” e o gp da Rússia já era !

Carlos Jose Pimenta Franco
Carlos Jose Pimenta Franco
2 meses atrás

Jack Bauer, já está na Russia, dizem que ele sozinho, já derrubou 15 Migs, 245 Tanques T-90.

Plinio
Plinio
2 meses atrás

Quando Ecclestone era o comandante do circo, a F1 ia atrás do dinheiro, fosse onde fosse, independente de qualquer questão social ou política. Ecclestone, basicamente, tem um único valor. O dinheiro. Agora que a Liberty está no comando a turma segue a política dos norte americanos. Não sei se é certo ou errado, mas é simples de entender. Esportivamente, a Rússia não fará falta alguma! Mas se o raciocínio fosse apenas o esportivo outras praças também sairiam da F1.

Paulo F.
Paulo F.
2 meses atrás

Solução do marido traído que, pegando a mulher em flagrante adultério no sofá da sala, … tirou de lá o sofá, “resolvendo o problema”.

Lucas Rafael Chianello
Lucas Rafael Chianello
2 meses atrás

Não corre na Rússia.

Mas corre na Arábia Saudita, no Catar, no Bahrein, corria na África do Sul sob o regime do apartheid…

Coerência?

Melhor não tocar no assunto.

Marcus
Marcus
2 meses atrás

Nikita Mazepin rodou, Pietro Fittipaldi no lugar dele.

Ricardo Lacerda
Ricardo Lacerda
2 meses atrás

De 2014 a 2021 acho que só a corrida do ano passado foi legal. O resto pode jogar no lixo.

Pedro Wolthers
Pedro Wolthers
2 meses atrás

Obaa !! O Pietro entrou !!

Lucas Orly
Lucas Orly
2 meses atrás

Qualquer pista que entrar já é um up no calendário, ainda mais que temos pistas aí com tempo bem instável

Franco
Franco
2 meses atrás

Festival de hipocrisia desse mundo “civilizado”.

Rogerio
Rogerio
2 meses atrás

Porra, “chármico” é uma ótima palavra.

Mas eu queria saber Flávio como que você acha que vai ficar a questão de um carro com as cores da bandeira russa, guiado por piloto russo (já devidamente odiado antes da guerra), e isso ironicamente num time americano que precisa desse dinheiro pra sobreviver.

Fernando
Fernando
2 meses atrás

Desde já na torcida por Sepang

Paulo Mendes
Paulo Mendes
2 meses atrás

acho que o Bottas venceu 17 e 20