REAL, 15

SÃO PAULO (já, sim) – Hoje o Real faz 15 anos. Moeda adotada em 1º de julho de 1994, é o símbolo do fim da inflação galopante (lembram da expressão?) no Brasil. A molecada de 20 anos não faz ideia do que era viver com inflação de 2.000% ao ano. Era uma baita zona. Eu já nem me lembro das moedas com que convivi. Cruzeiros, Cruzeiros Novos, Cruzados, Cruzados Novos, acho que teve tudo isso, até o então ministro da Fazenda Fernando Henrique criar a URV, que era uma unidade de valor estável, que acabaria se transformando no Real. Não entendo nada disso, então não me peçam para explicar. A economia é cheia de mágicas e mistérios.

O que lembro, e bem, foi de onde usei minhas primeiras notas de Real. No Ponto Chic do Paraíso. Comi um bauru e tomei um chope. E paguei com notas novinhas, estalando de bonitas, verdes como os dólares. Hoje, nota de R$ 1,00 é algo bem raro.

Subscribe
Notify of
guest
76 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Simas Mayer, Hebert
Simas Mayer, Hebert
10 anos atrás

Minha gente,
O prof cardoso não fez Plano Real, algum… Qdo mto, assinou as notas, novas, da mesma forma q sempre agiu, na vida… Fora da lei. Qdo ele tomou essa iniciativa, ja tinha abandonado o Ministério, pra concorrer às eleições. Portanto, praticou um ilícito; como é de seu costume…. Ele esteve na Fazenda, pra tapar um buraco; já q o Pres Itamar não tinha a quem escolher. E o escolheu, por falta de opção, apenas… E quem criou o tal plano foram os economistas da PUC-Rio; todos, depois, encastelados na equipe de governo do prof cardoso, onde houve quem ficou milhonário, da noite pro dia… Foi. Lembram depois da reeleição comprada, desonestamente, pelo íntegro prof cardoso, ao Congresso? Isso, mesmo: assim q se viu reeleito, o nosso herói desvalorizou o Real, da noite pro dia; dizem, enriquecendo, gente. Meus amigos, esse prof cardoso não engana nem os próprios filhos, q conseguiram fosse feito um exame de DNA, pondo por terra o mais novo membro da família, cardoso, recém reconhecido como filho… Uma das sujeirinhas do professor…. (perdão aos professores!…)
…. risos Como criador do Plano Real/ O próprio Pres Itamar o desmentiu, no ano passado, em entrevista, pública… Só quem acredita, nisso, é o Guerra e seus miquinhos amestrados. risos…

FELIPE MOREIRA
11 anos atrás

Muitos funcionários/servidores de orgãos públicos já receberam a diferença da transformação da URV em Real, Gostaria de saber se o direito à URV já prescreveu? Continua vigente?, Ha alguma possibilidade legal para pleitea-la judicialmente?

pokelin
pokelin
11 anos atrás

Provavelmente gastei em algo que me ajudou a esquecer com o que gastei…

Leo
Leo
12 anos atrás

Flavio o nome do criador do Real não era o Gustavo Franco?

Eduardo (PE)
Eduardo (PE)
12 anos atrás

As cédulas de R$ 1,00 há muito tempo não são mais produzidas pela Casa da Moeda. Foram substituídas pelas belas moedas de R$ 1,00.

Duda Carlini
Duda Carlini
12 anos atrás

um baita bauru, com um litro de suco de laranja. bauru com rosbife….

petrafan
petrafan
12 anos atrás

até o Guido Mantega elogiou indiretamente a herança do Real, quando disse, em agosto de 2002 (ou seja, meses antes da eleição) que o Brasil já estava no caminho certo para inverter o saldo da balança comercial (então negativo).
bate com o que falou o Malan uns 6 anos antes, de que demoraria cerca de 6 anos para que os fundamentos do Real levassem definitivamente a um crescimento contínuo do saldo da balança comercial.
infelizmente, o discurso eleitoral/eleitoreiro não comporta a realidade, portanto os fatos acima descritos são sempre veementemente desmentidos pela militância política.

Alehand
12 anos atrás

Engraçado, mas eu também lembro perfeitamente de como gastei minha primeira nota de Real – Comprando um dogão na porta do Mackenzie, no meu primeiro ano de faculdade.

Andre Erre
Andre Erre
12 anos atrás

e o salário mínimo? alguém lembra de quanto era? na época, o mínimo ficou definido em 64,79 URVs. Cada URV valia CR$ 647,50 em 01/03/1994, data em que ambos (SM e URV) entraram em vigor. Havia também uma tabela retroativa da URV, para efeitos de conversão, que era reajustada diariamente de acordo com o dólar, se não me engano. Em setembro de 94, o mínimo foi arredondado para estratosféricos 70 reais.

André
André
12 anos atrás

Uma moeda de 15 anos realmente é algo louvável!Vida longa e prospéra ao Real.
Mas o q me deixa mais puto é perceber,graças a uma moeda estável,de onde vem a inflação.
Vem da ganancia de todos os envolvidos na venda de bens de consumo duráveis,justificada pela alta carga tributária.
Excluo bens de consumo não duráveis e básicos,como combustíveis e alimentos,q estão sujeitos a imprevistos de ordem natural.
A variação cambial do dólar tb se deve à ganancia dos q já tem mto quererem cada vez mais.
De qq forma,só o fato de podermos contar com preços e valores confiáveis e estáveis e não termos q viver naquele inferno de preços q mudavam de um dia pro outro já é grande coisa.
Só o fato,desconhecido pela molecada,de vc poder prever gastos com uma bela antecedencia ou de poder juntar dinheiro pra poder comprar algo sabendo q o valor não se alterará é o paraíso na terra perto do q vivíamos antes do Real,qdo tinhamos q estocar alimentos em casa pra vários meses.Era uma insanidade!Coitados dos africanos q sofrem com inflações intermináveis e estratosféricas!
A propósito eu tinha 13 anos qdo o Real começou.
Não me lembro exatamente onde gastei as 1ªs notas…

Doug
Doug
12 anos atrás

Sempre achei as notas de R$ 1,00 as mais lindas de todas, tenho cerca de 40 delas novinhas sem uso e também aquelas moedas de R$ 1,00 de comemoração de JK, o mais impressionante é o fato de termos enfim uma moeda de 15 anos…

JP
JP
12 anos atrás

Não há dúvidas de que o Real foi um grande avanço para o Brasil. Eram muito bons os primeiros anos. Mas em matéria de poder de compra, a época do Itamar foi a melhor dos últimos 20 anos: enchíamos 3 carrinhos no Carrefour. O porta-malas do Corcel I 76 ficava abarrotado.

Antonio
Antonio
12 anos atrás

FHC reuniou um time de craques. Andre Lara Resende, Persio Arida e Edmar Bacha. Mérito dele. mesmo,

A URV foi coisa de doido.

a âncora cambial foi um erro ,mas sem ela o plano nao daria certo no começo.

Lucas Costa
Lucas Costa
12 anos atrás

Falando em notas de R$1,00 tenho um bocado delas estocadas para futuros negócios com numismática. Nunca achei que fosse me interessar por isso, mas tenho como eles dizem centenas de notas “flor de estampa”. Abs

Fábio Mota
Fábio Mota
12 anos atrás

Antes do Real teve também o Cruzeiro Real, que foi uma moeda de transição.
Não me lembro do que fiz com a primeira nota de Real, até pq tinha 8 anos.
Mas me lembro da época de inflação alta, onde após nossos pais receberem o salário. A primeira coisa a ser feita eram as compras do mês no supermercado, pq no dia seguinte o preço já estava bem maior.

Pedro Jungbluth
Pedro Jungbluth
12 anos atrás

O real não era do FHC, mas vale dizer que na época foi isso que lhe valeu a eleição para presidente. Depois ele usou bastante como propaganda da estabilidade.
Lógico que a estabilidade em si é sim mérito do governo FHC. Ele é, digamos assim, estabilizador por natureza. Não só na economia, mas também na política, na justiça, trancou e escondeu muita coisa em nome da estabilidade.
Se foi um gênio que deu finalmente a estabilidade que o país precisava, só a história pode julgar. Se foi um sacana que pisou em muitos e em muita coisa em nome da estabilidade, idem.

Sobre o assunto real do tópico, afinal: lembro da minha primeira compra em real, e ainda que o troco foi em cruzeiros, pois na padaria não tinham muitos reais. O valor, como citaram acima, era fixo de 2.750 cruzeiros reais por real.
A sigla do dinheiro antigo era simples: CR, de cruzeiro real. Ou seja, CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
o nome, “real”, foi um resgate da moeda dos tempos do império.

Mais um detalhe que o FG não lembrou: o dia 1 de julho de 1994 era bem no meio da copa do mundo. Me lembro que foi um dos poucos dias que não teve nenhum jogo, e que ninguém falou absolutamente nada sobre a copa nos jornais da época.

Eu era muito diferente: tinha 12 anos, ainda assistia globo, jornal e acompanhava política e futebol.
4 itens que risquei da minha vida.

Simas Mayer, Hebert
Simas Mayer, Hebert
Reply to  Pedro Jungbluth
10 anos atrás

Pedro,
Eu risquei de minha vida, as organizações, mafiosas, globo… Aliás, risquei a imprensa, maldita, de meu viver. Não fui radical, igual a vc; pq não posso ignorar a política. Entendo q a política é obrigação, assim, humana. Como não me interessar e viver política, se essa atividade faz parte da própria vida, particular, como se fora o ar q se respira… Pq os políticos sujam sua atividade, eu não vou ignorá-a, de jeito, algum. Mto pelo contrário…. Eu acho q se houvesse uma participação de cada um, essa atividade melhoraria, mto; inclusive, as críticas q poderemos fazer à política, decorre do autoritarismo herdado por nós, todos, desde sempre… Somos filhos do obscurantismo, do lixo autoritário, q temos obrigação de combater… E não é, simplesmente, ignorando, meu querido, q passaremos à eternidade, limpos de alma. Temos deveres e obrigações a cumprir, diante do Pai; junto ao nossos filhos, familiares e amigos. Já reparou como existe e sempre existiu aqueles q recomendam o nosso afastamento da política? São, esses, os fiéis defensores das atividades dos maus políticos, q não vivem a separação do particular e do coletivo… São esses. Então, meu caro, devemos entender a participação política, como uma atitude responsável, inerente à cada um, qdo se pratica a solidariedade – aquela mesma, q Cristo nos recomendou e ensinou… Aquele abraço, fraterno

Rodrigo Abreu
Rodrigo Abreu
12 anos atrás

no final do 80, tocava a música do Plantao anunciando o aumento da gasolina a meia noite, meu pai largava a janta no meio e ia pra fila do Posto Perdigão aqui em Gravatai-RS, abastecer o carro.

E eu ia faceiro, no carona do Passatão TS 79, pra mim importava era dar uma banda… coisa boa ser criança…

Hernani TI4
Hernani TI4
12 anos atrás

Julho de 1994…Viagem em família, saímos de Brasília (4 adultos e 1 criança) com destino a Araraquara, resolvemos almoçar numa grande churrascaria na cidade de Catalão -GO. Valor da conta = R$ 10.00 ..
Isso sem falar que antes de sair de viagem fui com meu pai trocar os pneus do Monzão e os 4 borrachudos novos custaram R$ 130.00…e com mixaria enchia o tanque do carro…bons tempos…

Luidhi
Luidhi
12 anos atrás

A idéia do real foi formada desde os anos 80 por professores de economia da PUC-Rio.

Quando FHC assumiu o Ministério da Economia, foi a chance de colocar o plano em ação.

Não tem nada o que corrigir, a informação está certa.

Tuta Santos
Tuta Santos
12 anos atrás

Raro como certos carros, as notas duraram mais que muitos veículos. Aliás, a idade de um carro, o quanto a vida dele -o tempo de produção – dura, esse assunto não daria uma seção no blog de la Guema?

Alex
Alex
12 anos atrás

Nota de R$ 1,00 é rara? Pra mim rara é uma nota de R$ 100,00 hahahaha

Eduardo Gouvea
12 anos atrás

Isso asaiu na imprensa hoje

O ex-presidente da República Itamar Franco fez duras críticas à campanha do PSDB por ocasião dos 15 anos do Plano Real, comemorados hoje. Em entrevista à Rádio Eldorado, Itamar disse que a campanha deturpa e nega a história e lembrou que a equipe de formuladores do plano era composta por integrantes de outros partidos. “A todo instante assistimos na TV o PSDB comemorando os 15 anos do Plano Real. Oras, isso não nos magoa, mas é uma deturpação, uma negação da história.” Itamar afirmou que combaterá o PSDB se o partido defender a paternidade do Plano Real durante as eleições 2010.

Presidente de 1992 a 1995, Itamar chamou para si a responsabilidade política pela implantação do Real, em 1994, e ressaltou o papel de outros políticos e economistas. “O grande ministro do Plano Real chama-se (Rubens) Ricupero e, em seguida, Ciro (Gomes). E depois houve Paulo Haddad, Eliseu Resende. O plano não é só de um ministro. E é preciso lembrar que o Plano Real foi assinado pelo presidente da República, não por uma ordem técnica. A parte política foi garantida pelo presidente da República”, afirmou.

Na entrevista, Itamar lembrou que, pouco antes da implantação do plano, o então ministro da Fazenda Rubens Ricupero o procurou para dizer que a equipe econômica temia pelo Plano Real porque não conseguia chegar a um acordo sobre o câmbio. Também temia as consequências políticas, por conta das eleições presidenciais, que seriam realizadas naquele ano. “Eu disse para ele resolver a parte técnica porque eu iria implantar o plano no dia 1º de julho. Ele disse ‘tecnicamente eu resolvo’, e eu respondi: ‘politicamente resolvo eu’.”

Ao avaliar o legado do plano, o ex-presidente citou o controle da inflação, que na época oscilava em torno de 50% ao mês, o respeito aos contratos firmados e a manutenção do Estado de Direito. “Ninguém acreditava que nosso governo durasse 48 horas. Felizmente, nosso projeto político venceu e fizemos um sucessor. Esse legado é fundamental quando vemos, hoje, crises institucionais aparecendo no País, particularmente no Senado.

sergio guilherme
sergio guilherme
12 anos atrás

Eu também gastei igual ao Rafael: comprei figurinhas da Copa 94. Mas infelizmente não sei onde foi parar meu álbum de 94 e nem o de 90. Na de 98 também já tava meio grandinho, mas na Copa de 2002 colecionei de novo.

Eduardo Gouvea
12 anos atrás

Quando o Plano Real nasceu, no inicio de 1994, o ministro da fazenda era o FHC. Antes da moeda entrar em circulação ele saiu para ser candidato a presidência, então em seu lugar entrou Rubens Ricupero.

Passados uns três meses, esse ministro caiu por conta do “escândalo da parabólica”, foi ao então que entrou o Ciro Gomes, que permaneceu até o final do mandato do Itamar Franco.