MENU

sexta-feira, 16 de abril de 2010 - 16:47Diários de viagem

DIÁRIOS, CHINA

SÃO PAULO (só a Iros salva) – Não sei se o pessoal terá algum interesse, mas vá lá… O blogueiro Rodrigo Aquino sugeriu que nos finais de semana de corrida eu republicasse aqui no blog os meus antigos textos dos “Diários de Viagem”, que escrevia anos atrás e acabaram dando origem ao livro “O Boto do Reno”.

Esta é a semana do GP da China, pois que seja. Abaixo, o texto que deve ser de 2004, já nem lembro mais.

Se vocês gostarem, semana que vem coloco no ar os “Diários” do Bahrein, Austrália e Malásia. Se não gostarem, esquece.

NA CHINA NÃO TEM PISCINA

Na China não tem piscina. Foi a primeira e paupérrima impressão que tive do maior país do mundo, do avião. Como é que alguém pode pensar em piscina quando chega na China? Bem, depois de 24 horas voando, pode. Pode, sim. Pode-se pensar em qualquer coisa, o importante é chegar. Do alto, não vi nenhuma piscina. Lá dentro, no avião, já tinha visto o que era possível. A lista de filmes disponíveis tinha dois Almodóvar e um americano estúpido de um casal que compra um apartamento e tem uma velha doida como vizinha. E um documentário sobre pássaros.

Detive-me neste, depois de ver os Almodóvar e o americano estúpido. Muito bem feito, mostra movimentos migratórios. Gansos selvagens, patos, andorinhas, falcões, pombos, cisnes, araras, papagaios, urubus, ao que parece todos migram, o tempo todo. Voar deve ser bom. Tem um livro aí, consta até que faz algum sucesso, o título diz alguma coisa sobre o que podemos aprender com os gansos. Exceto voar, não creio que possa aprender muito com os gansos. E isso eles não podem me ensinar. Também não acho que tenha muito a ensinar aos gansos. Estamos quites, nós os mamíferos bípedes e eles, os gansos. Uma vez um ganso me atacou num restaurante em Caxambu. Dei-lhe um bico no peito. Estava com meus filhos, que ficaram aterrorizados com aquela gritaria. Transformei-me num herói por tê-los salvado do ganso. Mas não disse a eles que fiquei apavorado, também. Não tenho nada a aprender com gansos, se vierem me ensinar algo, dou-lhes um bico no meio da cara.

Alguém há de me perguntar: e aí, como é a China? Longe pra caralho e não tem piscina, seria minha primeira reação se alguém me perguntasse dez minutos depois do desembarque. Só tem Santana na rua, seria a resposta meia hora depois. Dirigem feito malucos, uma hora mais. E não sei mais o quê.

Cidades grandes impressionam, prédios enormes, espelhados e bem iluminados à noite também, bons restaurantes e um autódromo gigantesco, idem. Mas essas coisas não me pegam mais. Legal, bonito, mas quando é que eu volto? Eu queria ver uma outra China, a China do “Loto Azul” do Tintin. Essa não está em Xangai. Xangai é que nem Hong Kong, tem um quê de Tóquio, algo de Chicago, sei lá, é o Ocidente cheio de chineses, não tem, quase não tem, seria mais justo dizer, aqueles chinesinhos que andam em motonetas muito pequenas e estragadas, com as pernas dobradas, os joelhos voltados para fora, como se fossem losangos. Vi um ou outro, mas Xangai não é a China do Tintin.

É, sim, um monstrengo de concreto e de gente buzinando. E como buzinam. Arranque a buzina do Santana de um chinês e ele não consegue sair de casa. Por que tantos Santanas?, me pergunto. Achei que eram todos feitos no Brasil, aquele modelo novo eu imaginava que só era feito aqui, mas alguém me disse que tem uma fábrica da Volkswagen na China, também, e não consegui descobrir se tem mesmo. Em todo caso, cada vez que eu entrava num Santana me dava vontade de cantarolar “isso aqui ô-ô, é um pouquinho de Brasil iá-iá”, cá estou num veículo made in São Bernardo do Campo.

E guiam mal. No sábado à noite, o motorista da van se perdeu quando saiu do autódromo. Não é permitido a estrangeiros dirigir na China, e por isso estávamos todos à mercê das vans e dos taxistas. O cara se perdeu, não achava Xangai. Porra, Xangai é grande pra caralho, como o cara não achava Xangai? Não achava, conseguimos dizer a ele para voltar ao autódromo, que é tão opulento quanto a Muralha da China, dá para ver da Lua, e o desgraçado não achava o autódromo.

No domingo de manhã, deu-me claustrofobia. Numa van igual, indo para o autódromo, fiquei com medo de o cara se perder também e irmos parar no Vietnã. Tinha um monte de inglês no carro. Todos hospedados no mesmo hotel, o mais barato que nos arrumaram. Escancarei a janela e meti a cara para fora. Reclamaram do vento, mas eu gosto de vento na cara, eles que se fodam. A cara é minha, vocês que se fodam. Sou muito invocado. Os ingleses me xingaram e ficou por isso mesmo, são meus amigos, afinal, que se fodam.

Fui para a China via Amsterdam. O aeroporto se chama Schiphol. Gosto de nomes de aeroportos, e me refiro a eles pelo nome, não pela cidade, é uma forma de arrotar intimidade com essa coisa de viajar muito, fazendo tipo, oh, para mim é tão comum que às vezes nem me dou conta e digo Schiphol em vez de Amsterdam. Digo também La Guardia, Zaventem, O’Hare, Jêi-Éf-Quêi, Charles de Gaulle, Linate, Orly, Heathrow, Malpensa, Mirabel, Gatwick, Barajas, Ezeiza, Dorval, Tegel e Fiumicino. As pessoas não sabem do que se trata e você então, under request, diz a cidade e todos o admiram.

Em Schiphol, a caminho do portão de embarque para mais muitas horas até Xangai, parei para tomar um café e fumar um cigarro. É um aeroporto civilizado, tem lojas boas, museu, banheiras de hidromassagem e lugar para fumar. Ao lado de um café, ótima combinação, serei preso por fazer apologia ao fumo e à cafeína, bem, se for me levem cigarros na prisão, e enquanto tomava o café de dois euros, li na parede uma longa inscrição.

Sou retardado, anotei no meu bloquinho. “Há dois momentos nas viagens em que me sinto totalmente livre. O primeiro é o instante em que o avião mergulha silenciosamente no céu e me vejo no meio daquele azul ou do manto macio das nuvens.” Que merda, manto macio das nuvens. Em frente, falta ainda um momento nessa cantilena. “O outro é antes de embarcar, quando me sento para tomar um café, um hábito que desenvolvi, de solitária alegria, que serve para me lembrar que a melhor parte de uma viagem, a mais saborosa, é quando eu simplesmente paro e olho em volta.” Porra, precisa de tudo isso para me convencer a tomar um café? OK, tomei o café. Quem será que escreveu tamanha merda na parede? Precisa de assinatura. Se tivesse, Ernest Hemingway ou Marco Polo, por exemplo, eu não teria achado uma merda e saborearia meu café empertigado, convencido de que a melhor coisa de uma viagem é olhar em volta tomando café, mesmo pagando dois euros, mas como não tinha assinatura nenhuma, achei mesmo uma merda. Poderiam ter inventado um nome qualquer para meu café ficar mais saboroso. Falta credibilidade a textos apócrifos pintados em paredes.

Gosto também de banheiros de aeroportos. Sempre há algum isolado, em alas que parecem nunca ser usadas, escondidos, amplos e limpos. Quando faço escalas longas, circulo atrás de banheiros isolados. Quero incluí-los no livro de espionagem que nunca escreverei. “Procure por um envelope pardo no forro do teto sobre o terceiro mictório da esquerda para a direita”, dirá o contato alemão oriental por telefone ao espião inglês em Tegel, e as inacreditáveis plantas de um laboratório onde está sendo feita uma bomba capaz de implodir Londres cairão finalmente nas mãos do MI5, o serviço secreto de Sua Majestade. Há uma versão com rolo de microfilme, também, fotos incríveis de um caça que voa a trezentos mil quilômetros por hora capaz de ir de Moscou a Nova York em meio segundo. Seria um grande livro, o meu.

Voltemos à China. Houve um jantar histórico, entrará para meus casos clássicos, será contado cada vez de um jeito diferente, um dia ainda direi que comi cobras e escorpiões, foi na noite em que o cara se perdeu e nós perdemos a hora de achar qualquer restaurante aberto, encontramos um com o cardápio em chinês, e todas as chinesinhas fizeram enorme esforço para explicar o que tinha para comer, e como não entendemos nada, trouxeram o que tinha, enfiaram uma panela enorme sobre um fogareiro encaixado sob a mesa, começaram a jogar uma porção de coisas esquisitas dentro, e ficamos comendo e aprendendo a escrever em chinês em guardanapos.

Vi também na TV o comercial de um impressionante aparelho que se coloca na orelha na hora de dormir e, embora sem entender chinês, foi possível compreender que ele deixa quem o usa de modo apropriado mais inteligente e sem espinhas. Poderia tê-lo descoberto antes, agora não tenho mais espinhas, e quanto a ficar mais inteligente, bem, o cara que me vendeu um relógio na entrada do autódromo deve agradecer aos céus eu nunca ter usado o aparelho na orelha, porque se tivesse não compraria nunca aquela droga que parou de funcionar no dia seguinte. Chinês safado.

85 comentários

  1. christian alves piloto corinthiano carioca disse:

    sensacional! rsrsrssrssrs
    esse seu livro devia ser bom… pena que acabaram.. rsrsrsrsr
    abs

  2. Ricardo Sorvillo disse:

    Sensacional! Estou ansioso pelos próximos!

  3. Impagavel,
    Publique os outros sim, vale a pena.
    Mas o Boto do Reno é tão ranzinza assim ou o livro todo, ou melhor, a coletânea de textos foram “juntadas” após as viagens….?

  4. Edgard Júnior disse:

    Muito bom cara, manda mais.
    Abraço.

  5. Fábio Augusto Coelho Reis disse:

    Nota dez.Quero ler os proximos e antes que eu esqueça tambem não deixo de tomar um cafezinho quando viajo.

  6. Fábio Augusto Coelho Reis disse:

    Nota dez.Quero ler os proximos.

  7. Bruno disse:

    Muito bom. Mas n publique todas as outras essas semana n. Publique duas por semana. É muita coisa pra ler :)

  8. Jorge disse:

    Excelente! Vc deveria escrever mais um livro.. quem sabe das viagens de carro pela Europa..

  9. Bruno Calinçane (o Dissoluto) disse:

    Sinceramente, gosto muito de descrições de viagens e essas impressões que ficam perdidas prá quem não da importância a pequenas coisas!

  10. Heberson Haase Pinheiro disse:

    Legal pra caramba. Até temtei dia desses comprar o çlivro de sua autoria. Também tentei avisar a você e a editora, que o site não funciona….Mas enfim.
    Estava pensando em lhe pedir um autógrafo qualquer dias desses. Mas já ví que você é envocado, e que sua reação a um pedido de autógrafo poderia ser perigosa! haha…Lendo me sinto mais seguro.
    News Posts please.

  11. Antonio VK disse:

    Continue publicando, os textos estão bem melhores que as corridas atuais. Não se empolgue com o elogio, é que as corridas estão muito ruins mesmo!

  12. Ricardo disse:

    Flavio tem algum projeto para escrever algum outro livro? gostei bastante do boto! Abs Ricardo

  13. rosemeyer disse:

    Formidavel!!!!

  14. Dilor disse:

    Parabéns!!!!!
    Manda mais.

  15. Eduardo-SC disse:

    Acompanhava o Diário de Bordo do FG e os comentários do Edgard sobre o “Miguel”. Era a descontração da semana.
    Ainda que o Miguel dominasse a F1 naquela época, parece que tinha-se mais o que falar do que hoje em dia.

  16. Silvestre Zanon disse:

    Boa FG, texto muito agradável e engraçado…republique os outros.

  17. Zenuel Lins disse:

    Muito bom o texto, pode mandar outros que é audiência (mais ainda) garantida.

  18. Eduardo disse:

    Muito bom mesmo…Manda mais…Se puder informa como adquirir o livro “o Boto do Reno”…Abs

  19. “Dei-lhe um bico no peito.” hahahahaha, nao me lembrava desse mais.

    cambada, o que o don gomes quer é que vcs comprem o livro. ele vai postar só mais três diários e deixar todos na vontade. quando reclamarem, simplesmente dirá: COMPREM O LIVRO, CACETE!

    eu já tenho o meu e recomendo a leitura.

  20. Aliandro Miranda disse:

    É uma pena que você não viaje mais. As viagens rendiam boas histórias.

  21. Alexandre disse:

    dispenso que publique os outros textos.

    achei este ruim o suficiente.

  22. Marcos Reis disse:

    HAHAHAHAHA! Boa, FG!

    Posta as demais! Seria ótimo!
    Mas, quando voltou à China para as olimpíadas viu alguma piscina???

  23. Flávio disse:

    Muito bom texto.
    Você sabia que em muitos lugares no interior o ganso substitui o cão de guarda? Olha o perigo que você passou!

  24. iago villar disse:

    Muito bom o texto.Publique mais sim. Uma duvida. Porque não viaja mais nas corridas?

  25. Andrea disse:

    Muito bom Flavio!!! Querido como faço para comprar o seu livro “O Boto do Reno”???

  26. zamborlini disse:

    gomes
    por favor, publique os outros.

  27. Luis Nunez disse:

    Pode continuar, ótima oportunidade de conhecer ou rever suas “aventuras” pelo mundo.

  28. Cleverson disse:

    Pois é, Shanghai e Hong Kong nao sao muito a China que esperamos encontrar, mas saindo destes centros (talvez Beijing que não conheço) indo ao sul como Foshan, Guagzhou e arredores, que são muito pertos de HK, aí tem cobras, lagartos e cachorros e um pouco menos de Santanas mais ainda assim um monte deles, mas os espetinhos na verdade só vi mesmo nas festas e pontos turisticos. Mas o bacana mesmo é almoço de negócios no interior para comer 15 pratos que você não tem idéia do que é. Ah sim… A China realmente é longe pacas.

  29. Rafael disse:

    Existem vôos diretos ChinaXBrasil? Pois se só existirem esses com escala na Europa acho que vc vai ter muito tempo para “saborear” aquele momento antes do embarque quando for voltar….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *