DE CHORAR PELADO

LA RONDO(chamando) – OK, há explicações, embora elas nunca me convençam. Nada pode me convencer de que é melhor destruir duas dezenas de carros a regularizá-los. Pode ser mais barato. Melhor, não é. Sempre me soam esquisitas essas histórias. Há uma clássica, das três Simca Abarth que vieram para o Brasil nos anos 60, ganharam um monte em cima da Vemag e da Willys e depois de cumprida sua tarefa, teriam sido jogadas no mar porque era mais caro colocá-las de volta na Europa do que afundá-las na costa de Gênova. No caso desses carros, no entanto, parece que a história é meio fantasiosa e o Mediterrâneo nunca recebeu os Abarth, que estão muito bem, obrigado, nas mãos de colecionadores.

O fato é que escrapearam os Mini depois de três temporadas do campeonato de apoio da Estoque. As imagens circulam na internet há alguns dias. De acordo com os organizadores do campeonato, a BMW, os preparadores e o bispo Sardinha, era algo programado.

Não sei se tiraram peças, se passaram as mãos nos motores ou em outros componentes, se mandaram apenas as carrocerias e chassis para o ferro-velho, não sei quanto custou essa destruição, nem quanto custaria pagar os impostos para que eles ficassem aqui, nem quantos foram dizimados, se sobrou algum, se só sobrou história. Há muitas perguntas, que a gente até tentou fazer para os responsáveis, mas as respostas são sempre as oficiais, “estava previsto”, “é legal”, e fica por isso mesmo.

Nem discuto, devia ser mesmo previsto e certamente é legal do ponto de vista tributário, uma empresa como a BMW não iria se meter em picaretagem — algo que é bastante comum no meio das corridas por aqui. Mas do ponto de vista esportivo, e do ponto de vista de quem gosta de carro, ver esses bichinhos sendo prensados para virar prego não tem nada de legal, é de chorar pelado, como a gente dizia antes.

Comentários

  • São só carros!
    Matéria prima de um produto (corridas) que certamente deu lucro a alguém (BMW, organizadores, confederação e a quem mais estivesse envolvido), assim funcionam os negócios num mundo capitalista, tem que dar lucro direto ou indireto, depois de usados e sem outra utilidade legal possível ou viável tiveram seu destino.
    Se pagaram R$ 1,00 ou R$ 200.000 por temporada cada piloto teve também seu interesse em disputar o torneio e satisfazer a si próprios e seus patrocinadores.
    Simples assim.

  • apenas para reflexão

    fazem uma importação sabida e expressamente à luz de uma lei/regulamentação que remete o bem para a destruição após determinado tempo (basta conferir as dezenas de burocracias requeridas par tal processo que foram assinadas pelo interessado).

    entendo que o problema da questão foi quem deu início ao processo todo.
    já que é zuado e escroto importar, faça direito. senão cai nisso ai mesmo

    att

  • Escrapear carros é um pecado. Existe uma lenda que diz que a Renault do Brasil precisa liberar espaço em sua fábrica no Paraná e acabou mandando para a prensa um Clio V6 que havia sido trazido da França para testes. Baita pecado se essa história for verdadeira.

  • Devem ter dado um gato nos motores e partes mais nobres dos carros como a eletrônica embarcada! Pule de dez….
    Pelo vídeo fica claro que os carros estavam sem motor!
    A JL nao queima dinheiro e faz tempo.
    A investigar melhor este caso absurdo. Aonde estava a CBA para tentar impedir este crime e aproveitar estes carros…??

  • Nem assisti ao vídeo para não chorar de indignação. Mas, isso é algo que não ocorre só com o Brasil. Não sei em qual revista vi, talvez a 4 rodas, a destruição de um protótipo da Jaguar lindo de morrer. A forma como foi destruído ficou na minha memória tal foi a brutalidade do ato.Mesmo que saiba que carros são objetos inanimados e sem vida, ao nutrirmos emoções pelo mesmo, tal qual uma obra de arte, depositamos um pouco de nossa alma neste objeto que passa a ser uma relíquia.

  • Pois bem Flávio… Eu já mandei uma mensagem pro Sr, falando sobre uma reunião oficial da AND (associação nacional dos diretores do detran) mostrando a proposta que está sendo aceita em outros estados para destruição para reciclagem de ferro/aço de carros que estão a decadas no detran. Eu vi, inumeros carros históricos, “sem donos” nas fotos sendo destruídos. Inclusive dkw porque é mais barato dar esse fim aos carros.

  • Como mais um brasileiro, sinto a cada dia que passa que nada vai mudar se aqueles que tem alguma voz ativa ficar omisso! Me refiro às entidades automobilísticas e antigomobilista que andam calados! Leis existem para serem cumpridas, ok quanto a isso! Porém elas podem ser modificadas, pode-se criar novas leis. Basta alguns desses representantes tentar diálogo com o governo. Se não tentar, mais e mais carros serão destruídos e apenas poderemos nos contentar com um vídeo mostrando tamanha atrocidade. Não sou fã do MINI atual (prefiro mil vezes o antigo), porém aprendi desde cedo a respeitar o gosto alheio. Pois não gostaria que fizessem isso com um carro antigo. Se o carro veio para fazer papel num evento esportivo (e como sabemos esporte é cultura também), tinha de existir uma brecha nesta lei rígida afim de preservar.

    Porém se ninguém se mexer, nada disso será feito. Eu posso (e já fiz) enviar emails aos políticos, mas certamente eles vão me ignorar por ser apenas um! Em meio a milhões que estão preocupados com o BBB ou com o campeonato de futebol, o ópio do povo. Façam correntes sem se lamentar, façam petições online, busquem emails dos políticos que você votou. Reuna-se com outros interessados e comece o movimento.

    Existem políticos que gostam desses carros, descubram quem são e argumente que há muitos que ficaram indignados e que pedem uma mudança. A BMW é uma empresa, ela só vê números e pra ela esses MINIs são nada. Se eles valorizassem davam um jeito de despachar pra Europa ou outro país próximo com leis menos rígidas quanto à importação. Não é ilegal protestar contra uma lei ou pedir uma mudança.

    Já ouvi dezenas e milhares de histórias a respeito, muito antes de existir internet. Antigamente era pior, quando a alfândega embargava a importação o carro ficava décadas apodrecendo, hoje em pouco tempo é leiloado e o carro pode ser legalizado e circular sem grandes transtornos. Certamente alguém interviu, não esqueço uma foto de um Cadillac dentro da caixa caindo aos pedaços no porto…o carro já pedindo clemência, zero km jogado no lixo…provavelmente virou sucata ou foi jogado no mar.

    É desesperador, mas como eu disse, algém interveio e agora essa cena não é tão comum.

  • e sempre assim…Tem que destruir lamentavelmente, porque os caras estão afim e de ganhar dinheiro mesmo e não de fazer doações ou dar um destino útil a os lindos carrinhos..

    Quem sabe trabalham lá encima numa legislação que mude isso e o tal de desembaraço seja rapidinho assim os carros podem ser doados

  • Amigo Flavio,
    Para correr uma temporada completa na Mini Challenge um piloto gastava em torno de R$ 200 mil (no mínimo) com a devolução do carro no final do ano…
    Se pensar em 3 temporadas – um carro gerou à JL R$ 600 mil…
    Eu sei que estes carros não poderiam ter finalidade de “passeio” (tendo Renavam etc..) mas poderiam ser utilizados para fins de corrida mesmo, ou Escolas de Pilotagem como outros amigos disseram…
    Desculpe meu desconhecimento, mas depois de gerar pelo menos R$ 600 mil à JL, será que ficaria caro regularizar estes carros?
    O que a CBA acha dessa história de “criar” e “descriar” (desculpe a palavra) categorias?
    Será que os carros da Mercedes Challenge e “Audi Turismo para Ricos” (não lembro o nome da categoria) que estão correndo por aí serão destruídos também caso os organizadores decidam deixar de correr também?
    Acho bonito a BMW ser conivente com isso, a marca ficará “fortalecida” no Brasil pra caramba com este episódio. Mesmo sendo importado pela JL, acho que isso deveria ser negociado “no início” pela BMW, mas acho que eles só estavam preocupados nos convites VIPS a seus clientes em cada final de semana de corridas…
    Abraços,
    Marcelo

  • No dia 7 de novembro (dia seguinte que ao o anuncio do fim da categoria), enviei o seguinte email para Vicar: “Boa tarde, Recebi informação através de notícias na Internet que a categoria não existirá mais à partir do ano que vem. Gostaria de saber o que será feito dos veículos utilizados até o momento, pois tenho interesse de compra de um Mini preparado para pista. Estarei no aguardo de informações! Att,” … No mesmo dia, o Sr. Márcio Premazzi (coordenador técnico da Vicar) respondeu: “Caro, realmente não haverá mais a categoria MINI Challenge em 2013. Todos os carros já foram devolvidos para a BMW na Europa. Portanto, não há condições de compra. Abs”
    Imaginem o quanto fiquei “feliz” com o vídeo da destruição!!!
    TOTALMENTE LAMENTAVEL E DESNECESSARIO…
    tenho absoluta certeza que em menos de 1 semana venderiam todos os carros e ainda levariam algum $$$$…

  • Nesse país de loucos e loucuras descabidas, a minha singela sugestão de fazer um leilão e com a grana arrecadada a montadora doasse á uma instituição de caridade, APAE, GRAAC, etc…pode ser chamada de absurdo por alguns!

    Mas uma mostra de absurdo desperdício, seja de ponto de vista material e de oportunidade, inclusive de Marketing, para a montadora.

    É o maior exemplo de egoísmo e mesquinhez, esse pensamento de destruir pra não ficar nada pra ninguém!

    A desculpa são os impostos????????????? Para, por favor!!

    Que merda!

  • Os carros foram admitidos no Brasil sem imposto para fins de atividade esportiva. Devem ser reexportados ou destruídos.

    O desembaraço é muito burocrático e caro. Isso acontece direto. Provavelmente tiraram todas as peças que não podem ser identificadas. Motor e chassi foram destruídos com certeza.

    Para quem está com dor de ver, saibam que isso acontece direto. Veículos ou aparelhos importados com o intuito de pesquisa e teste são destruídos depois de um prazo.

  • Não seria mais inteligente se na lei fosse previsto que se for constatada má fé para não pagar ou pagar menos imposto, o valor do imposto será idêntico ao da data e condições da importação?
    Não entendo como se cria uma lei onde tu destruindo um bem, tu te isenta ou diminui o valor do imposto!
    Absurdo total isso aí!

  • Pensei, pensei, pensei, se vai para o mercardo depois estava desaparecendo os Mini de quem pagou e legalizou, o mesmo procedimento deveria acontecer com os carros q tem PT das seguradoras……….

    • Concordo com você em relação aos carros que dão PT, mas não em relação a esses carros de corrida. Esses não têm Renavam, nunca iriam pra rua. A ideia é que fossem leiloados pra escolas de pilotagem, ou mesmo pra particulares se divertirem em track days.

  • A BMW não se mete em picaretagem a ponto de retirar sua equipe do GT Brasil depois da vergonhosa final de 2012.
    Quanto ao vídeo, realmente dá vontade de chorar, só não sei se seria pelado!!!

  • A destruição dos carros pode ter sido programada, mas para fazer a importação definitiva deles como sucata, e não como carros. Pelo que sei (não trato disso desde 2008) quando algo entra em regime de importação temporária não paga imposto. Bons exemplos são os carros de fórmula 1. Como os carros de fórmula 1 saem do país fica tudo limpo. No caso dos Mini, o valor deles como sucata é insignificante, e o imposto torna-se insignificante também. Como a sucata é vendida por peso (centavos por quilo), fica muito barato fazer a importação permanente da sucata.
    A Petrobras usa o mesmo recurso para equipamentos velhos de plataformas. Como são embarcações registradas em outros países, perante a legislação devem seguir as regras fiscais dos países de registro.
    Daí duas conclusões: 1- não importa o dono da empresa, o recurso de sucatear algo para regularizar a importação é feito por todos. 2- continua sendo lamentável destruir os carros.

  • Não seria o ideal, mas ao menos seria uma tentativa de não se destruir os veiculos. Os veículos serem leiloados, pois com certeza haveriam compradores onde os interessados pagariam os impostos que a Receita exige e o valor arrecadado com o leilão também poderia ir para a Receita Federal, porque se não for assim, vão dizer que a empresa estaria obtendo vantagem, ou então alguns espertos usariam esta forma de importar veiculos. Fazendo desta forma, a empresa (JL) também teria vantagem comparado com o que é feito hoje já que não teria custos na destruição dos veículos, porque provavelmente também teve despesas para fazer esta “escrapeação”. Talvez não seja a melhor ideia, mas não deixa de ser uma sugestão a quem faz nossas leis.

  • Meu Deus, o piloto das antigas Gastão Weigert me contou isso sexta na premiação da FAUESC mas não acreditei. Fiquei chocado com as imagens, me deu ate´um nervosismo.
    Ouvi que nada foi tirado, bancos, cintos e etc… custo a acreditar mas vejo que até as rodas aro 18 foram pro saco.
    E eu aqui mendigando ora comprar um banco concha novo…

  • É uma pena mesmo Flávio para todos os apaixonados por carros e corridas! Dá para ver que os carros tem o interior ou parte deles montado, rodas, suspensão e alguns componentes do motor como radiador e talz! Fico triste em saber que um jogo de rodas destas custa uma fortuna na concessionária para quem quer comprar 0km e ai serão derretidas a preço de geladeira velha! Quanto custa um kit de suspensão de boa qualidade como estas? e os bancos concha homologados juntamente com os cintos? Já que vão derreter tudo que deixassem tirar as peças úteis!
    Certeza que para a turma aqui, uma tarde com estes carros e algumas ferramentas é semelhante a um passeio no shopping com um cartão livre para 100% das mulheres!

  • Não entendo tanta comoção.Carros são importantes de acordo com a sua história,estes tem pouca história,são descartáveis mesmo…Não tem drama.Vocês estão parecendo com as pessoas que tratam cachorros como se eles fossem humanos.

    • Trato meus cachorros como se fossem cachorros. Ou melhor, MEUS CÃES!
      Logo muito melhor, que trato muitos humanos por ai.

      E um carro desse poderia ser comprado pelo Roberto Manzini ou qualquer outra escola de pilotagem… Ficar como samambaia exposto em Interlagos… Isto é o absurdo, do absurdo, do absurdo, do cúmulo do absurdo!

      Carro lá inteiro, pneu, roda, radiador, bancos… cintos…

      Conheço gente com mais de 200 carros de corrida guardados e tratados com dignidade. Procurem saber sobre a coleção do Zuffo no Guarujá. Carro de corrida, é carro de corrida. E não sucata!

      Nem que um carro desses não rodasse mais por ai, mas destruir com tudo dentro é muita “burrocracia” ou preguiça.

      • Falei do Zuffo mas esqueci do Paulo Trevisan…

        Com uma enorme coleção, um museu! Em Passo Fundo dedicado a automóveis que nunca rodarão por ai.

        Poderiam fazer N coisas… Mas sucatear é a maior burrada que verei nos próximos 10 anos!

    • Cães merecem ser mais bem tratados que a maioria dos humanos. E carros como os do vídeo teriam muita serventia, como serem leiloados para reverter fundos à pessoas menos favorecidas e até mesmo animais abandonados.

  • Essa estória é facil de explicar para quem tem mais de 50 e alguma experiencia em POLITICA e CARROS .
    Pois bem Antes de 1976 o IMPOSTO sobre carros Importados eram IGUAIS aos dos fabricados aqui …..
    Ai um Fabricante local convenceu o Presidente da Republica na Época a FECHAR IMPORTAÇOES e ficariam só as 4 fabricas a Fiat que acabava de entrar ( e sempre foi contar este fechamento ) a Volks,Ford e a GM vendendo a MERDA que fabricassem pelo ENORME preço que queriam .e nada de IMPORTADOS ..só as Autoridades como Presidente. da Republica poderiam ter Mercedes,BMWS,FERRARIS la em Brasilia..e o Povão andando de Del Rey, Santana quadrado Opala,e pagando o memso preço de uma Mercedes na Europa ou um Mustang nos EUA e as vezes até mais caro…e assim foi até 1990 Quando Fernando Gollor que adorava carros e amigo de Nelson Piquet de infancia foi eleito Presidente e disse que iria abaixar o enorme Imposto de Importados no PRIMEIRO ano …no SEGUNDO ate IGUALAR O IMPOSTO no TERCEIRO ANO dos Importados com os Nacionais para a Industria se virar e fabricar carros que prestassem à preços iguais da Europa e EUA ….e no QUARTO ano deixariam entrar IMPORTADOS USADOS como era antigamente antes de 1976 ….tudo com o mesmo IMPOSTO do NACIONAL .
    Mas ai o PT fez a cabeça do POVÃO idiota Brasileiro e tirou o Collor no fim do segundo ano ..mas o Collor nesses dois anos conseguiu que os fabricantes locais se mechessem e a GM começou com o Corsa carro que era fabrica na Europa , a Fiat trouxe o Palio a Volks fez o Gol Bolinha e a Ford o Fiesta todos da Europa e se não fosse o Collor estariamos andando de Opala, Del Rey, Santana quadrado,Chevette,Gol Quadrado e nenhum IMPORTADO
    Hoje os Presidentes continuam com Imposto alto nos Importados e não deixam trazer usados porisso tiveram que sucatear os MINI ..se o Brasil fosse um País dirigido por cabeças abertas e inteligentes o Imposto seria igual para os fabricantes locais fazerem carros que prestam e pelo mesmo preço e poderia entrar usados e os MINI poderiam ser vendidos aqui como usados sem problemas …mas o Brasil continua não sabendo dirigir a Economia tira IMPOSTO PÕE IMPOSTO isto a cada 2 meses ai estão quebram o resto que tinha da economia …o Mantega quase foi mandado embora este mês..o PIB quase NEGATIVO …JUROS ALTISSIMOS ,IMPOSTOS ALTISSIMOS ..a Dilma veio ontem na TV e disse que não sabe por que a economia não deslancha …Eu sei …mas dessa vez vou COBRAR para falar ..enquanto isso vamos para o buraco e quebrando o Pais ….

    • Eu até concordo com o que vc disse, até a parte do PT fez a cabeça do povão para retirar o Collor. Isso é total desinformação, quem retirou o Collor foi a Globo e o ACM, tanto é que quem foi presidente depois disso foi o psdBesta.

    • Palio e Gol bolinha vieram da Europa? Todo país que tem indústria tem imposto de importação, pra proteger a sua indústria. Isso porque países diferentes têm custos diferentes. Não dá pra comparar o custo de um funcionário no Brasil, com sindicato, férias, 13o, FGTS, etc., com um funcionário chinês do interiorzão, que se ganhar a alimentação já se dá por satisfeito. O certo não é tirar o imposto de importação, mas sim encontrar o percentual correto, que vá dar segurança à nossa indústria, mas sem que ela fique muito “folgada” pra cobrar uma fortuna por carros porcarias. Boa sorte na sua carreira de economista. Vai precisar.

    • Sinceramente, prefiro Delrey, Gol Quadrado, Santana Quadrado, Opala do que Gol bolinha, Fiesta e Palio. A indústria piorou depois desses modelos. Antes os carros eram melhores e mais duráveis. Até hoje se vê muitos desses carros antigos andando e em boas condições, mas Palios e Fiestas? Quantos?