MENU

Friday, 26 de September de 2014 - 23:48Dica do dia

DICA DO DIA

SÃO PAULO (sem sono!) – A história espetacular da Penitenciária de São Paulo, inaugurada em 1920, merece ser lida e vista no “São Paulo Antiga”. As fotos que o Douglas Nascimento conseguiu mostram um modelo exemplar de presídio, que recebia visitas até de autoridades do exterior que queriam entender como o sistema prisional paulista conseguia manter os detentos em atividade e recuperá-los para a vida em sociedade.

Olhando essas imagens, e lendo o texto do Douglas, é difícil de compreender como o Brasil regrediu tanto em menos de 100 anos. Mal dá para acreditar que este presídio ficava aqui, na zona norte da cidade.

Hoje, o sistema carcerário brasileiro é, para dizer o mínimo, medieval. Incrível nossa capacidade de piorar com o tempo.

SONY DSC

30 comentários

  1. alan says:

    O Brasil infelizmente, em muitos aspectos, ANDA PRA TRÁS, e a antiga São Paulo, num estilo EUROPEANO tinha ares de uma cidade de alto padrão, muito agradável, civilizada, uma cidade opra se sentir feliz e se orgulhar, vejam essas construções antigas estilo europa… porque se perdeu isso???? porque trocamos isso por porcaria??????……!!!!!!!!!

  2. Rodolfo I. Vieira F.º says:

    Maluco mesmo , outros tempos , já fomos referência e hoje regredimos à época das cavernas !

  3. Sanzio says:

    A América Latina em geral, era um lugar legal. Começou a ficar a merda que é, com os golpes militares.

  4. Bernard says:

    http://www.turbo16.com.br/noticias/ultimas/artigo.php?title=542821d655a39_Veja-os-testes-do-Peugeot-2008-DKR

    Vídeo do Peugeot que irá tentar detonar no Dakar com: Peter, Sainz e Despres
    Pilotos incríveis que não iriam entrar em um projeto no mínimo vencedor.

  5. Nico says:

    Três grandes causas de atraso:
    Reforma tributária em 1967;
    Constituição de 1988;
    Impeachment de Presidente jovem e reformista em 1992;

  6. Eduardo Britto says:

    Destruição da escola pública… mercantilização total da vida… Precisa de mais coisa pra deteriorar geral?

  7. Carlos says:

    Temos que mandar alguns José’s para se recuperarem lá…

  8. Presídio bom, que recupera, não dá voto. A sociedade prefere o problema escondido embaixo de um tapete. O que dá voto é por gente de farda e carro de polícia novo na rua. Mesmo sem preparo nenhum. É só ligar os pontos e a gente entende porque chegamos nesse estágio lamentável.

  9. Mario Luiz says:

    Este Prédio ainda existe e está funcional. Este é o presidio feminino atualmente e fica na Ataliba Leonel, e têm um outro lado que está na Zaki Narch. O Carandirú ficava ao lado.

  10. Fabio Borchat says:

    O Brasil atual regride na velocidade da luz. Falando apenas da questão carcerária, pergunto: numa ponta sem Polícia minimamente decente, na outra sem Judiciário. Esperar o que do resto??? Este País já acabou. Run to the hills.

  11. Luis Carlomagno says:

    Flavio, esse prédio da foto ainda está de pé! Passando pela Av. Ataliba Leonel, é possível ver. DE todo modo, é lamentável nossa incompetência em avaçarmos, progredirmos na civilidade

  12. Roberto Fróes says:

    Esse presídio era o famoso Carandiru?

    • Eduardo Britto says:

      Não exatamente, Roberto. Esses prédios da matéria eram a Penitenciária do Estado, hoje transformada em Penitenciária Feminina. A famosa Casa de Detenção do Carandiru era ao lado, encostada. Foi onde aconteceu o massacre dos 111 presos em 1992. A Casa de Detenção foi implodida há uns 10 anos, e se transformou no Parque da Juventude, muito amplo e bonito, que merece uma visita como atração turística. Dois dos pavilhões prisionais foram mantidos e transformados em escolas ETEC. É ao lado da estação metrô Carandiru.

  13. Pablo Vargas says:

    Fatidicamente observamos um sistema prisional, que em quase sua totalidade trata esse infrator como escória da sociedade, arremessando-o a uma verdadeira masmorra medieval, suja e superlotada, como se esse contra-senso pudesse fabricar um milagre.
    Não é de se espantar, que tal sistema, excetuando-se ínfima parcela, seja um centro de formação do crime, indo exatamente no sentido inverso ao qual foi proposto inicialmente.
    Podemos apurar, portanto, que o atual sistema carcerário brasileiro, uma catacumba de vivos, reintegra ao convívio social diariamente seres mais atormentados, perigosos e ameaçadores do que lá ingressaram.

  14. Celio Ferreira says:

    As autoridades esqueceram que a cidade se desenvolveu , mas esqueceram
    da segurança, aí nossos presídios ficaram o que é hoje, uma lástima.
    AH sim esqueceram tambem que no futuro iria falta água ,
    Esqueceram de muita coisa afinal.

  15. Andersom Calder says:

    Sou a favor de leis mais severas, que mantenha determinados crimes mais tempo presos e se for de crime organizado e tal até isolado…, mas ao mesmo tempo têm que melhorar e muito para considerarmos decentes as nossas cadeias. É desumano.

  16. Ricardo Bigliazzi says:

    E nas ultimas duas décadas regredimos a passos largos. Isso se chama falta de educação de qualidade e ganancia sobre a coisa publica.

    Segue o jogo, todos estão a lutar para que nada seja mudado… basta apenas reparar nas fortunas que estão sendo gastas nessa campanha eleitoral.

  17. Vagner Coletti says:

    No dia em que isso aqui melhorar realmente, vamos ter que trocar de nome… “Brasil” está associada ”a incompetência, impunidade e atraso…

  18. Ricardo Sarmento says:

    Nem parece uma cadeia, parece mais um colégio interno! Acredito que a degradação do sistema carcerário começou a partir da popularização das drogas, primeiro a maconha, passando pela cocaína e LSD, até chegar no crack. Porque quando tem droga no meio, seja dívida ou consumo mesmo, o camarada rouba e mata sem pensar duas vezes. E isso contribuiu para tornar pior o ambiente nas penitenciárias, que já era ruim, onde se mata para poder sobreviver, ou mesmo só por interesses.

    • Lucas S.A. says:

      Acho que você tá totalmente enganado. A “droga”, se você interpretar num contexto mais amplo, sempre existiu. O crime era rampante na idade Moderna, e matava-se por gim. Antes disso, foi por religião (que pode ser interpretada como uma droga, no sentido de trazer conforto a uma mente em desequilíbrio). Acredite ou não, estatisticamente, o mundo nunca foi tão seguro. O problema é que hoje tem muuuuuuuito mais gente ( e portanto, mais crime). Alem disso, tem a facilidade da notícia, qualquer infração fica conhecida em qualquer. Antes, era comum chegar numa cidade pequena ou distante e ser surpreendido com histórias bizarras de algum criminoso local que ganhou fama na cidade. Hoje isso não existe mais, cai tudo na imprensa via internet, telefone, o cara vai lá e apura, etc.

      • Ricardo Sarmento says:

        Sim meu caro, concordo com você. Mas não se esqueça de todas as consequencias que o uso de drogas trouxe para a já existente violência urbana.

        1. O viciado faz de tudo para alimentar seu vício, comete muitos crimes que em sã consciência ele não teria nem a idéia de cometê-lo;

        2. O tráfico alicia jovens em grande quantidade, seja como olheiro, vapor, etc. Isso traz para a criminalidade uma grande quantidade de pessoas, as quais raramente saem desse submundo com vida, ou com condições de levar uma vida normal.

        3. Por dívida de droga, tem detendo que alicia sua própria esposa ou mesma sua irmã.

        4. Não são raros os casos em que mães de detentos já foram presas durante a revista íntima, levando drogas para os seus filhos.

        5. O PCC, Comando Vermelho e outras facções ligadas ao tráfico possuem uma rede de influência/informantes mais estruturada do que vários órgãos do setor público

        Pra você ter uma idéia de como a droga influenciou a população carcerária, recomendo que você leia livros como estes:

        A Prisão (Percival de Souza)
        Estação Carandiru e Carcereiros (Drauzio Varella)
        Comando Vermelho (Carlos Amorim)
        Barra Pesada (Octávio Ribeiro)

        Aí você entenderá o quanto os entorpecentes influenciaram o atual estágio da violência no Brasil.

      • Ricardo Sarmento says:

        Ah, me esqueci de outro: Abusado (Caco Barcellos)

        E ainda tem o Cartel de Sinaloa, que dá uma boa amostra do poder e influência do narcotráfico.

      • Lucas S.A. says:

        Não discordo do seu ponto de vista, que fique claro. Só acho que não explica qualquer mudança dos níveis de violência percebida nos últimos tempos. Vício é algo antigo, alimenta a criminalidade há muito tempo. Pra mim as diferenças estão no tamanho da população mundial e na maior cobertura da mídia. Isso mudou bastante nos últimos 50 anos.

  19. Eltontoptec says:

    Penitênciária de São Paulo = Casa de Detenção = Carandiru?

    É que sou do interiorrrr…

  20. Eltontoptec says:

    Eu ouso responder, embora não tenha certeza de nada.

    Acho, apenas acho que as mudanças do que era originalmente para o que se tornou antes da implosão se deve a “evolução cultural nacional”. Não acho que um marginal dos anos 20/30 seja compatível com um dos anos 70/80/90. As coisas mudam os tempos também. É o sistema, aquele que o Capitão Nascimento se refere no filme do Bope. E creio que esse sistema deva transcender a esfera carioca, claro.

  21. Jeff says:

    Isso me deixou profundamente intrigado…o Brasil não era um país de selvagens, eu também gostaria de saber quando a coisa começou a degringolar e eu acho, na minha modesta opinião, que a coisa não muda tão cedo.

  22. proletariors says:

    Isso eu fico me perguntando tbm, kamarada Flavio … de uma maneira geral, como a humanidade avança tanto na tecnologia e regride tanto na civilidade :(

    • Lucas S.A. says:

      Simples: antes era 1, agora são 8 bilhões de pessoa. Sem saudosismos, o problema do mundo é excesso de gente.

      • Luiz Morais says:

        Lucas, sem dúvida esse é o maior problema que o mundo terá de enfrentar. O fenômeno do “Apocalipse Maltusiano” é tido como piada, mas é uma verdade iminente. O crescimento da população mundial ocorre de forma geométrica e não aritmética. Veja que se são necessárias duas pessoas para gerar um novo indivíduo, essas duas pessoas podem gerar mais, sendo que os descendentes se unirão a outros para gerarem mais e assim por diante. Para que se mantivesse o número atual seria necessário que cada casal a partir de hoje gerasse no máximo 2 filhos. Para diminuir, seria um só. Mas se cada casal gerar mais do que 2 filhos o crescimento é geométrico, pois será elevado à 4 potência, em uma geração, no caso de 1 além desses dois.
        É um problema seríssimo. visto que o número máximo estimado para o total que a Terra suportaria é de 8 bilhões. Logo estaremos nesse número.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *