SOBRE ONTEM À TARDE

SÃO PAULO(sobrevivi) – Um GP do Brasil sempre acaba tendo um monte de histórias paralelas, mesmo quando a corrida não é excepcional, como a de ontem. Assim, vamos ao rescaldo de Interlagos.

– A invasão. Ontem, escrevi que “deram uma liberada”. Não foi bem assim, pelos relatos dos blogueiros que estavam no Setor A. A real é que arrebentaram o alambrado, os seguranças tentaram conter a turba, deram umas porradas em algumas pessoas, mas a coisa saiu de controle. Depois, tudo na paz. O fato é que esse é um caminho sem volta. Depois da primeira invasão, outras virão. O que fazer? Organizar a bagaça. Falar com a FIA e permitir que ela aconteça. Instruir o público. Colocar portões de acesso para a pista a partir das arquibancadas. O Setor G terá de ser contemplado. Não vejo mal algum, desde que se garanta a segurança da área de box. Deixar as pessoas passearem pela pista não tem problema nenhum, é uma forma de aproximar o público do templo que ele normalmente só vê pela TV. É assim em um monte de circuitos. Tarefa para o Tamas Rohonyi, portanto: estudar como fazer a invasão consentida, de forma civilizada e amigável. Porque apesar de tudo, ontem, foi muito bonito. Vocês acham que Niki Lauda vai esquecer este momento registrado pelo grande Carsten Horst? Podemos ter testemunhado ontem o início de algo que virar tradição. É legal, isso.

laudainvasao

– A Mercedes chegou ontem à sua 11ª dobradinha no ano. É recorde para uma temporada, embora a marca tenha sido atingida com 18 corridas. A McLaren fez 10 em 1988 em 16 etapas. Mas é esse recorde que fica, e pode ser ampliado em Abu Dhabi. Outra marca importante foi a 15ª vitória da equipe, igualando McLaren/1988 e Ferrari/2002/2004. Igualmente poderá ser batido mais este recorde por um time que impôs uma superioridade impressionante neste Mundial.

– No momento em que escrevo, a Caterham já arrecadou 1.100.322 libras para tentar correr em Abu Dhabi. É quase a metade, 46%, do que precisa. Estou sinceramente impressionado com esse negócio. Até agora, 2.801 doadores pingaram alguns cobres para ajudar, o que dá uma média de 392 libras por cabeça, quase 1.600 reais. Você doaria uma grana preta dessas? Olha, é muito estranho esse negócio…

– Leandro Beninca, o moleque do “taca-le pau”, esteve no autódromo, mas não participou da transmissão da Globo, como chegaram a noticiar. Viu a corrida num dos camarotes e foi tietado pelo apresentador global Tiago Leifert. Será que ele curtiu seu primeiro GP? Tomara. Porque Leandro eternizou uma expressão que vale para um monte de coisa. Está na História, com H maiúsculo. Grande figura!

leifertmenino

– Quando deixei o autódromo ontem à noite, fiz minha última foto noturna de nosso querido paddock. Nunca mais um GP de F-1 em Interlagos será realizado nessas instalações, da maneira como elas estão hoje. Ainda tem a prova do WEC no fim do mês, mas o fato é que a despedida foi ontem, por toda a tradição que o autódromo tem. Desde 1990, quando a categoria voltou a São Paulo, é nesse espaço que equipes, jornalistas, convidados e bicões em geral convivem. É uma zona, mas todo mundo adora. Vou sentir falta. Saudoso paddock.

tchaupaddock

Comentários

  • Momento fantástico! Foi mágico ver a alegria no rosto das pessoas ao pisarem no asfalto do autódromo. Era uma sensação de liberdade proporcionada por algo inédito para muitos que ano a ano estão lá,

  • A F1 hoje vai ter que dar uma liberada ao torcedor na pista depois da corrida para recuperar certa popularidade perdida. A McLaren em 1988 poderia ter tido umas 13 Dobradinhas em vez de 10 se o Senna não tivesse errado feio em Mônaco, além de a própria McLaren ter segurado o Senna em Portugal e Espanha para decidir o Título no Japão para agradar o Presidente da Honda.

  • Flávio,
    eu estive em interlagos e invadi a pista. Sou de BH e vou ao autódromo desde 2009. Nasci gostando de F1, sem que ninguém me estimulasse. Cresci com posteres do Ayrton na parede. Acordo de madrugada para ver treinos e corridas. O primeiro carro de F1 que eu vi na vida foi a STR, nos treinos de sexta. Foi indescritível ouvir aquele ronco e ver aquelas máquinas que somente acompanho pela TV e todos os pilotos. Poucas vezes um momento me emocionou tanto. Invadir a pista foi bacana demais. Vi o pódium de perto, o piquet entrevistando o massa, vi alguns mecânicos, consegui apertar a mão do niki lauda (sensacional) e pude curtir parte daquele traçado que tantas emoções já trouxe para quem é apaixonado por automobilismo e especialmente F1. Fotografei e filmei o que consegui. Os seguranças foram impecáveis. Em nenhum momento foram truculentos e com muita educação encaminharam todos de volta para a arquibancada, após a festa. Para muitas pessoas isso é irrelevante mas para mim estar um pouquinho mais perto desse universo é bom demais e foi uma experiência fantástica… Que venha interlagos 2015, se Deus quiser!!!!!!

  • Crowdfunding é uma das coisas mais legais que inventaram, permite que projetos criativos sejam colocados de pé, que artistas lancem discos (a banda mais bonita da cidade é um exemplo), filmes (Wish I Was Here, Zach Braff 2014), que uma agente de lei possa pagar uma indenização.
    Só espero que não haja nenhum trambique nesse caso da Caterham, o que seria péssimo para muita gente bem intencionada que coloca projetos e sonhos de pé por esse meio.

  • Já que o assunto mais importante não foi abordado vamos lá
    Antes do segundo pit a equipe pede pra Hamilton tirar tudo do carro
    Lewis faz um temporal em 1.14.3 Com os pneus desgastados e com bolhas
    Um segundo mais rápido que Rosberg ou seja tinha tempo suficiente pra fazer o pit e voltar na frente de Rosberg.O que a equipe faz manda ele continuar na pista com os pneus completamente acabados resultado:Perdeu o carro sem aderência nenhuma na descida do lado.No final da corrida a equipe pede desculpas, quanto cinismo o estrago já tava feito Lewis perdeu a corrida o próprio questionou essa atitude da equipe na entrevista pós corrida
    Assim fica fácil pra Rosberg ganhar pilotinho medíocre pediu publicamente pra Massa ajudar ele em Abu Dhabi.

  • Parabéns ao Flávio e toda sua equipe pela cobertura bem feita durante os três dias de Grande Prêmio, não só pela parte das equipes e pilotos mas uma reflexão da atual realidade da F1. É fato que o circo está em crise !!

  • Esse lance da vaquinha da Caterham… sei não. Soa lavagem de grana, pura e simples. Você vê na internet campanhas muito mais viáveis para arrecadação de fundos para hospitais, fundações com os mais nobre propósitos… semanas, meses se passam e o que pinga lá são merrecas. Uma amostra disso já se viu na arrecadação de fundos para pagar multas de condenados pelo STF no Brasil… bem, deixemos pra lá. Fiquemos só no “estranho”. O lance da Caterham é só “estranho” igual ao que se viu no Brasil com a arrecadação de centenas de milhares de reais em questão de horas, digamos assim. Tem jeito mais fácil de legalizar uma graninha?

  • Sou suspeito para falar do setor A. Foi lá que eu assisti a prova épica de 2006, com a vitória do Massa, a primeira despedida, e corridaça, do Schumacher e o bicampeonato do Alonso. Não faz tanto tempo, mas consegui sentir ao vivo o som de um F1. Sequer levei protetor de ouvido. Quanto à invasão, é como você escreveu, Flávio Gomes. De forma organizada, tem que permitir. A F1 precisa disso. Basta se espelhar no exemplo da MotoGP. Aproximar o público do evento. É a melhor receita. Apesar do tal barulho de aspirador de pó, quero voltar a Interlagos outras vezes e, quem sabe, possa conhecer as novas instalações do paddock. Que bons ventos soprem a favor da categoria mais popular do planeta!

  • Só um comentário a respeito da mudança do paddock. Se todo mundo gosta da “zona”, que me parece ser uma área comum, porque não fazer um projeto que contemple isso, entre as demais inovações dos paddocks modernos?

  • Flavio, não é a primeira vez q uma invasão desse tipo aconteceu em Interlagos. Em 1980 o Arnoux ganhou a corrida e o carro dele ficou sem combustível na volta de desaceleração antes da entrada do box. O pessoal da arquibancada em frente, onde eu estava, foi apoiando no alambrado prá ver o carro, o alambrado foi derrubado e a pista foi invadida. Eu fui direto pro box da Fittipaldi. Naquela época a porta dos boxes era vazada e eu vi a “carraspana” do Emerson no Rosberg, q conta o Mattar no blog dele sobre a ultrapassagem dupla no fim do retão. Depois disso acho q não houve mais invasões, mas a de ontem não foi a primeira na história da F-1 em Interlagos..

  • E por falar em ontem à tarde, Marc Márquez, comprovando a tese de que é o Ve44el da Moto GP, ganhou sua 13º corrida na temporada e agora também detém esse récorde. Igualzinho ao Ve44el na F1 em 2013.

    Já o decadente Lorenzo é tal e qual o marqueteiro do Alonso: muito papo, mas título que é bom…

  • O inacio soltou uma nota no blog dele sobre essa expressão: fucking bastard. Ele teria dito depois que voltou ao podio para pegar o boné da pirelli e o trofeu ou champaiing sei lá. Mas teria dito isso sem mais ninguém ali. Será que foi para o Hamilton que estava ali pouco antes no posto de 2º colocado? Para o Piquet que acabara de entrevista-lo? Ou para o Massa que teria feito uma brincadeira dele ir morar junto com o Hamilton após o campeonato? parece que a moça estava zangada e não é tão bonzinho como imaginamos

  • Sobre essa invasão de interlagos, foi mais ou menos a mesma forma que caiu o muro de Berlin exatos 25 anos atrás! Galera deu uma forçada de barra, decidiram liberar ao invés de reprimir e todo mundo ficou feliz!

  • E, aos 9 anos de idade, é bom que o menino vá ao autódromo com a camiseta do “Conjunto Fogo de Chão”! A ingenuidade, a pureza retratada na brincadeira do vídeo que o projetou, termina ali. Não por culpa do moleque, claro, mas porque assim é a vida. Money…

  • Flavio, como eu disse em outro post, eu estava no setor A e o assunto entre todos que conversávamos era sobre poder entrar na pista, assim como estavam fazendo em diversas outras corridas do ano.

    Muitos falavam que no domingo iriam invadir. Durante as inúmeras horas fritando no sol e sem carro na pista, uma das diversões da turma era ver onde seria mais fácil pular o alambrado.

    Eu mesmo morri de vontade de entrar na pista, na hora pensei que tinham liberado e me empolguei, mas quando vi como estava sendo a invasão, deixei de lado.

    Abraços e parabéns a toda equipe do Grande Prêmio pelo excelente cobertura!

  • Achei meio patética a abertura da Globo com o Senna. E os primeiros cinco minutos de transmissão foram dedicados ao falecido piloto tb.. Esse pessoal das organizações Globo não deixam o Senna em paz. No sportv é a mesma coisa, o Ricardo Maurico até aprendeu com o Galvão a usar os adjetivos “inesquecível, maravilhoso, gostoso”, toda vez que fala do Senna, e faz isso o tempo todo. É meio chato.

    No mais: achei a corrida muito boa. Interlagos é uma pista maravilhosa. Muita ação na pista, nas primeiras posições e no bloco intermediário tb.

  • Em 2004 tive a oportunidade de acompanhar pessoalmente as 24 horas de Spa. E uma das melhores coisas foi ter tido acesso a pista após a corrida. Guardo cada passo naquela pista na memória.
    É como você disse, é só organizar a bagaça e proteger os boxes. Algo que vemos todos os anos em Monza..

  • Flavio, a abertura da pista não é só em Monza não, né? Em Monza é mais clássico, e se você não for até o portão umas 5-10 voltas antes de acabar, não consegue entrar. Mas vi corrida em Silverstone e Spa, e entrei na pista das duas (além de Monza) sem problemas.
    Ontem também entrei na pista em Interlagos, quando tudo parecia mais calmo. Foi legal. Conversei inclusive com alguns seguranças, explicando que é assim em várias corridas europeias. Com planejamento tudo fica melhor, né? Portões de acesso, pódio mais no meio da galera e etc.
    Uma moça da segurança me disse que a reforma do autódromo vai contemplar isso. Colocar o pódio mais perto do público e a abertura da pista será algo a ser realizado. Não sei se ela falou da boca pra fora, mas quem sabe seja um começo.
    Ontem foi bem legal a entrada na pista, compensou a ruindade do barulho dos motores.
    Abraços

    • Foi para o Piquet, que não soube conduzir a entrevista. Ele deveria ir Rosberg, Hamilton, Massa e voltar para Rosberg. Devia estar bêbado, só pode, e fez Nico, Hamilton, Massa e Hamilton. No final, talvez sem graça pela pergunta ridícula ao Lewis sobre a namorada, soltou algo tipo:
      “Hamilton, i wish you a perfect race in Abu Dhabi”, daí se virou e percebeu Nico atras dele:
      “oh…and you….Nico”
      Não acho que parecer um palhaço vá ajudar a carreira do filho no automobilismo, não me lembro do Piquet tão bobão, devia estar bêbado mesmo.
      Achava que não iria dizer isso, mas senti falta da Glenda..

  • Ainda sobre Interlagos, para quem viu da TV como eu, deverá constatar que GB(já que ele adora dizer RBR e STR), que outrora era indispensável para F1, hoje não passa de uma figura totalmente descartável. Está cada vez mais insuportável assistir F1 com o cidadão narrando. GB, já deu. Passe o microfone para outro pelo amor de Deus.

  • Alguém já ofereceu ao “Marco Veio” umas voltas de Kart? Quem sabe umas aulas…
    É tudo sobre o “Galvão Bueno da Salvelina”, mas nada do “Piloto da Salvelina”.

    Seria legal o piloto ter uma chance, mas a atenção vai toda para o comentarista. O “Fogo da Salvelina” está abrandando, logo será cinzas, e o “Marco Veio” talvez fique veio e nunca tenha a oportunidade de tacar o pau (ops!) em um carrinho motorizado…

  • Muito legal a festa ontem em Interlagos, o resultado do Felipe que praticamente foi uma vitória e a invasão do público no final. Se eu estivesse naquela setor, com certeza estaria no meio da galera diante do podium. Quem sabe no próximo ano, eu mude de setor para poder participar da festa na pista (espero não levar porrada de algum segurança) e que a FIA não proiba esta alegria, até porque parece que ela olha com certa desconfiança e prudência para os paises deste hemisferio. No ano passado fui ver a formula Indy no Anhembi e até estranhei a liberdade de poder estar tão próximo das equipes e pilotos; a formula 1 deveria e espero que siga este caminho pois é emocionante estar próximo a carros e pilotos que voce somente vê pela TV e nas páginas da internet e também porque ela está precisando urgentemente recuperar a credibilidade que vem perdendo não somente aqui, mas no mundo. PS: O fantástico torcedor brasileiro, pela festa que fez para o Massa desde os treinos de sexta-feira, muitos aplausos, gritos de incentivo e no final a grande alegria pelo resultado.

  • Não vemos nada disso em nenhuma dessas pistas pasteurizadas: (Malásia, Abu Dhabi, Cingapura, entre outras)

    O México poderia ser assim, aliás me parece que parou de ter corrida lá por causa de uma confusão com o público na corrida de 1970, só voltando em 1986.

    • Em Madalena Mixhuca em 1970, o público invadiu a pista ANTES do GP. Se aboletaram nos gramados junto a pista, cachorro passeando pela mesma, enfim uma zorra total. A prova atrasou 2 horas até que a pista permitisse a passagem dos carros sem amassar ninguém. Só voltou mais de duas décadas depois, inclusive com a capotagem do Senna na curva peraltada. Os terremotos afetaram bastante o asfalto, mas mesmo encurtada, a pista permanece bela.