THE NAME IS RATO!

SÃO PAULO(muito legal isso) – Os caras que fizeram aquele filme “1”, que ainda não vi, estão preparando um documentário sobre Emerson Fittipaldi. “The Name is Fittipaldi” (trechinho da abertura deste clássico no vídeo abaixo, quem não viu precisa ver; acho que tem como comprar na internet) está precisando de grana, e tem vaquinha virtual na parada. Vou contribuir. Emerson merece algo mais atualizado que “O Fabuloso Fittipaldi”, que é espetacular, também.

Comentários

  • Sempre que eu vejo alguma coisa sobre o documentário O FABULOSO FITTIPALDI eu lembro de uma entrevista do diretor e produtor Roberto Farias dizendo que filmou mais de 14 horas de cenas das corridas e na casa dos Fittipaldi , antes da edição final ! Sonhar as vezes é muito triste ! O que terá sido feito deste material ?

  • Putzzzzz, ver esse vídeo com os pilotos se degladeando, um monte de carros disputando posições, os caras com sangue nos olhos entortando os carros nas curvas, os motores berrando alto, os pilotos botando pra moer nas baratinhas. E depois assistir essa procissão de aspiradores de pó, com pilotos almofadinhas que não podem nem extravasar suas alegrias direito no podium q a imprensa fica de mimimi, ai ai, que saudades tenho dos tempos de antigamente.

  • Época em que o automobilismo nacional foi protagonista, e perdurou até 1994.

    De 94 pra cá, viramos coadjuvantes…. senão, figurantes.

    Mas como a CBA virou uma piada – de péssimo gosto – categorias monopostas praticamente se extinguiram (tem uns fósseis de F3 por aí perdidos, mas sem expressividade, não por culpa de quem organiza, e sim por culpa de quem deveria FOMENTAR), dificilmente passaremos da safra Nasr….. e ó: acabou!

    A própria F-1 tá num vazio existencial fudido….então sei lá também aonde a merda começa e termina….

    O fato é: bons tempos.

    Ressalto só um detalhe: exalto o Emerson Fittipaldi PILOTO e CONSTRUTOR , porque o empresário não merece muita moral não. Igualzinho a outro ídolo nacional, que se intitula Edson, e fala de seu alter-ego na terceira pessoa.

    De qualquer forma, esse filme (Fabuloso Fittipaldi) é um clássico, e eu vibrei pra kct com o Emerson em Indianápolis’89.