MENU

quinta-feira, 8 de setembro de 2016 - 2:00F-1

LIBERTY Quæ SERA TAMEN

SÃO PAULO (novos tempos) – A negociação é intrincada e complicada, ações pra lá, grana pra cá, e a descrição detalhada de tudo está aqui. Mas o fato é que o grupo norte-americano Liberty Media é o novo dono da F-1, tendo adquirido o controle do grupo CVC Capital Partners, que comanda os negócios da categoria desde 2006 — embora Bernie Ecclestone, na prática, mande em tudo.

Num primeiro momento, 18,7% das ações que pertencem ao CVC (que nada tem a ver com a agência de turismo brasileira) serão transferidos imediatamente ao Liberty. Um novo executivo assume a chefia do novo Formula One Group, que será criado para gerir a coisa toda — seu nome é Chase Carey, oriundo da indústria cinematográfica, um dos braços do grupo.

No GRANDE PREMIUM, Renan Martins Frade esmiúça as atividades desse gigante da indústria do entretenimento global, com atuação em áreas diversas como TV a cabo, esportes, streaming, cinema, telefonia e sei lá mais o quê. O perfil dos caras indica que a F-1 sairá do marasmo em que se encontra no que diz respeito à relação com o público, e que muita coisa vai mudar. Regulamento, calendário, características técnicas? É possível que sim. Aparentemente, a influência da FIA nessas questões vai diminuir. As pessoas envelheceram. A F-1 também.

Aguardemos. O que se sabe é que Bernie continuará tendo grande influência política em todas as decisões, já que controla as equipes. Mas ele mesmo já avisou que fica apenas mais três anos. O “apenas”, aí, é força de expressão.

Acho que veremos uma nova F-1 nos próximos anos. Como será, não tenho a menor ideia.

libertymedia

27 comentários

  1. Arthur Schieck disse:

    gostei dessa história de streaming pois cortei a tv aqui de casa. Pagaria de boas para assistir corridas pela internet, sem globo e sem galvão.

  2. João Sérgio disse:

    tem que mexer nessas regras de motor ter que durar 200 anos, câmbio 300, esse tal de safety car virtual, etc

  3. Jorge disse:

    Gostei em saber que será Chevy Chase, que fez o filme Férias Frustrada de Natal, que comandará a F1, nessa nova fase.

  4. Aline disse:

    Não acredito mais em qualquer estimativa de tempo que o Bernie diga sobre si mesmo. Não “largará o osso” nunca.

    “Aparentemente, a influência da FIA nessas questões vai diminuir. As pessoas envelheceram. A F-1 também,” Que frase. E que título. Nós, como torcedores, já entendemos que o dinheiro faz o mundo e o esporte girar.

    Mas, o torcedor (e/ou cliente do Ecclestone?) também tem poder. E torço pra que a Liberty coloque o entretenimento que está faltando ultimamente.

  5. Arnaldo Ribeiro disse:

    Fórmula 1 voltando para os V8 em 3, 2, 1 …
    Mas o melhor mesmo vai ser se implementarem o “Lucky Dog”, hahahahahaha

  6. Gabriel P. disse:

    Até que enfim temos informações confiáveis sobre a venda da F1.
    Agora, não dá para saber ainda se “Americanizar” a F1 será uma boa. Queremos um show de corridas, mas sempre com competição e que ganhe o melhor, o mais ousado e competente, mas não o menos atrapalhado.
    A F1 é o top e assim deveria continuar, o top da carreira de pilotos e equipes. Se a F1 não continuar com tecnologia de ponta com restrição a equipes sem condições, não será mais uma F1.
    Aliás, uma pergunta Flávio.
    Pilotos querem ser competíveis e pilotar para vencer, ou basta espetaculares batidas, capotadas e derrapagens que são um show para o público?

  7. Brabham-5 disse:

    A F1 é uma categoria européia, NADA A VER com o automobilismo americano, nem com o “american way of life”.
    Nada contra a competência dos estadunidenses, mas não quero ver a F1 perder o espírito europeu e cair nas cascatas marketeiras das cabeças do gringos do norte.
    Se fosse um conglomerado europeu com italianos + alemães + ingleses eu estaria mais satisfeito.
    Espero que a F1 não encha seu calendário de corridas nos EUA, não fique parecida com a Indy, não corra em circuito oval, que as equipes não mudem a cor dos carros a cada duas corridas, que não corra em circuitos improvisados em pista de aeroportos com asfalto remendado, e que não vire um “espetáculo” maior do que o esporte.
    Que entrem com a grana e não criem “moda” para avacalhar uma categoria EUROPÉIA de automobilismo.
    A F1 não pode virar uma Nascar ou uma F Indy.
    Isso seria um “rebaixamento”.

    • PAULO F1 disse:

      Olá BRABHAM-5. Concordo com tudo o que escreveu. Parabéns.
      Não quero ver a F1 nem com uma sombra da Indy ou Nascar (Nascar para mim é uma corrida de demolição. Dá para sentir a torcida esperando as grandes batidas. As famosas “BIG BANGS” e ainda para piorar os carros tocam os outros na intenção de mandar para o muro mesmo, assim como na Indy na época do Michael Andretti, o rei do “totó”. Tocava sempre em outros carros e jamais era penalizado. Este aliás..rs..andou na F1 e não tinha uma vez que não fosse para a grama ou brita…lembra???)
      Valeu pelo ótimo comentário. Abs.

    • Leandro disse:

      A Fórmula 1 é uma categoria MUNDIAL!

      Por isso, não vejo com maus olhos a aquisição da F1 por eles, porque o “Ekoston” continua lá. Se o sucessor do véio na direção esportiva for outro europeu, ótimo. Continua o melhor de dois mundos.

    • Ewerton disse:

      Mesmo que F1 vire uma indy da vida, tu vai ver do mesmo jeito. Indy tá do jeito que tá hoje pela ganancia dos seus dirigentes q provocaram a cisão dela, se não possivelmente estaria tão bem quanto naquela época.

      Mas vc pode sossegar, provável que a nova dona venda ações do novo grupo pras equipes EUROPEIAS que vc tanto preza, se acontecer isso o fim dela estará bem próximo, Ferrari não perderá a chance de controlar tudo.

    • Eddy Bruno disse:

      Eu entendo o que você disse e até concordo.

      Mas, pra mim, correr em circuitos Ovais seria legal sim.
      Seria bom para os negócios, sabe…

      E acredito que encarar a Nascar e a Indy, com seus defeitos e glórias, como ‘rebaixamento’, não é muito justo. A F-1 deixou de ser, a muito tempo, o ‘suprassumo do automobilismo mundial’, enquanto que outras categorias (talvez não a Indy, mas enfim) alcançaram um patamar muito alto e sério nos últimos anos e até melhores do que a F-1 de hoje.

  8. Luis disse:

    Tanto faz, ano que vem a Globo não transmitirá mais a Fórmula 1 mesmo…

  9. João disse:

    Nem sabia que o Renan escrevia pra vocês também. Achei que ele era só do Judão.

  10. Adriano Santi disse:

    Bom, se tem uma coisa que os americanos sabem fazer bem é dar show. Se conseguirem fizer com a F1 um décimo do que fazem com a NBA, NASCAR e afins, sem prejudicar a competição, será ótimo.

    • Jean Rul disse:

      É o que eu acho tb. Não creio que a intensão do grupo americano seja americanizar a competição, para ficar parecido com Indy ou NASCAR. Eles sabem que a categoria se destaca justamente por ser diferente. Mas, sob o olhar do bom marketing estadunidense a categoria deve melhorar em apelo para o público. Acho que vai fazer bem pra F1 esta mudança, que já estava precisando havia tempos…

  11. Leonardo Silva Conrado disse:

    Em minha opinião, se a Liberty Media, promover a mesma cultura que é feita no automobilismo americano, com relação as mídias e redes sociais, como é feito na Nascar e na indy, acho que a F1 só tem a crescer com isso.

  12. FG, creio que é muito cedo para afirmar algumas coisas. Mas algumas coisas podemos tirar do perfil do Chase Carey. Segundo a publicação do Wall Street Journal, ele é um cara que foi fundamental em levantar a companhia de alguns insucessos. Bem como definiram ele, nas negociações, do tipo ‘take-no-prisioners’. Fora que ele é um cara que, segundo esses relatos do WSJ, é um apaixonado por esportes. Aparentemente, não será um Chairman que ficará vendo o Bernie Ecclestone definindo determinadas questões sem querer meter o bedelho.

  13. Clodoaldo lelli disse:

    Uma dúvida será que a fórmula 1 sobrevive a mais 3 anos de bernie o de vida eterna

  14. Adriano Silva disse:

    Humm… será´que a F1 vai virar um espetáculo aos moldes Nascar? Isso exigiria mais igualdade entre as equipes, coisa que nunca foi característica da F1. Veremos.

  15. Arthur Luz disse:

    Acho que a F1 vai entrar num buraco e nunca mais vai sair.

  16. leoengelmann disse:

    FG, o Chase Carey é dono da FOX estadunidense. Quem sabe daqui três anos você volte a transmitir F1 e pela FOX brasileira…

  17. Leon Neto disse:

    Será que vão começar a transmitir as corridas na TV aberta nos EUA? seria otimo… hoje em dia transmitem apenas umas 4 ou 5 por ano.

  18. Luis disse:

    Também vejo com otimismo esta mudança, porém enquanto o Bernie estiver dando no comando não acredito que nada significativo irá acontecer, só pequenos ajustes.

  19. Eddy Bruno disse:

    Bom, um grupo gigantesco como este, da Liberty, não entraria num ‘negócio’ como a F-1, se não tivesse avaliado muito bem, renda, publico, cifras, dividendos, lucros, enfim, essas questões monetárias que são importantes no mundo dos negócios……… ou entraria?

  20. Renato de Mello Machado disse:

    É se não for mais uma tramoia, do highlander Ecclestone tá bom.Vamos torcer por corridas melhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *