MENU

terça-feira, 3 de setembro de 2019 - 17:58Antigos em geral

MAS JÁ?

RIO (vai ser lindo assim…) - A gente vê que está ficando velho quando um carro que foi lançado quando você já era adulto passa por um processo de… restauração! Publico na íntegra o texto assinado pelo meu amigo Luiz Alberto Pandini, um dos maiores jornalistas do Brasil, que está fazendo assessoria para a McLaren no país — não a equipe de F-1, mas a divisão dos carros de rua da marca. Para quem curte supercarros e detalhes de sua fabricação, um prato cheio.

A McLaren Special Operations (MSO) está pronta para apresentar seu McLaren F1 número 063, recentemente restaurado, no Concurso de Elegância de Hampton Court, que acontecerá de 6 a 8 de setembro.
Após o anúncio do programa McLaren F1 Certification na edição do ano passado, a MSO retorna com seu mais novo projeto. Como guardiã do legado da F1, a MSO continua a desenvolver e fabricar peças para garantir que todo McLaren F1 continue sendo um ícone das ruas por muitos anos.
O chassi 63 passou por uma restauração cuidadosa por um período de 18 meses. Inicialmente, a carroceria e o trem de força foram retirados do carro. O interior foi então refeito no couro original Semi Aniline, o único para este carro. Ele é pintado de Cinza Woking – uma cor supostamente inspirada no céu inglês, muitas vezes de cor ardósia, acima das instalações da McLaren na Albert Drive, perto da localização atual do MSO – usando 10 camadas selecionadas à mão para atender aos rigorosos padrões de qualidade do MSO.
Woking Grey Alcantara® foi usado no painel e nos assentos perfurados dos passageiros. O banco do motorista foi refeito em couro Woking Grey com Seção central vermelha em Alcantara® perfurado. Os carpetes Woking Grey foram todos renovados e os tapetes foram acabados com uma tubulação de couro cinza. Finalmente, o volante foi substituído pelo estoque de peças originais da MSO, sendo o original retido pelo proprietário para referência histórica.
Uma vez refeito o interior, os painéis externos da carroceria foram recolocados no chassi 63, repintados na tinta original Prata Magnesium com um padrão meticulosamente alto, um processo que levou quase 900 horas para ser concluído.
Enquanto a carroceria e o interior estavam sendo restaurados, o motor aspirado de 6,1 litros foi completamente reconstruído. Depois de terminado, o motor foi testado em dinamômetro para garantir que ele gerasse os impressionantes 618 HP (capazes de levar o McLaren F1 a 391 km/h) antes de ser reinstalado no carro.
Os amortecedores do F1 número 063 foram enviados de volta à Bilstein para reforma. Eixos de transmissão e cubos também foram enviados ao fornecedor original para reconstrução. O trabalho final foi concluído para fornecer a Certificação F1 ao carro para catalogar sua proveniência.
A restauração foi concluída em junho, após quase 3.000 horas de trabalho, incluindo testes finais em estradas e pista. Depois que o trabalho no chassi 63 foi concluído, o carro foi entregue ao proprietário no Centro de Tecnologia da McLaren.
Como em qualquer McLaren F1 no programa de certificação, o 063 agora possui seu próprio Certificado de Autenticidade – que a McLaren Automotive é o único organismo no mundo autorizado a emitir – autenticando sua proveniência, originalidade, vida útil, história e condição de estrada/corrida. A conformidade com a especificação original e com quaisquer atualizações sancionadas pela McLaren é confirmada por referência aos arquivos da fábrica.
O proprietário do chassi 63 está agora na posse de um livro ilustrado feito sob medida documentando a história de seu carro, bem como um Formulário de Velocidade Genesis; um McLaren F1 digitalizado a laser em 3D destilado em um modelo em escala para dar a essência do carro, que foi originalmente construído no Genesis Business Park em Woking.
No total, 106 McLaren F1 foram construídos entre 1993 e 1998, entre eles 64 carros de rua padrão e 28 carros de corrida GTR. Todos são elegíveis para o esquema.
“Há apenas 12 meses, anunciamos o programa MSO McLaren F1 Heritage com a revelação do F1 25R, resplandecente na Gulf Racing Colors. Após uma extensa restauração, que foi um trabalho de amor para a nossa equipe, é uma honra exibir o chassi 63 no Concurso de Elegância de Hampton Court. Com o trabalho que a equipe realizou, este carro continuará cumprindo o objetivo original do McLaren F1: criar o melhor carro de rua do mundo.”
Ansar Ali, diretor administrativo da MSO (McLaren Special Operations).

7 comentários

  1. Abdo Maki disse:

    Nos últimos 10 anos mais ou menos, os preços de F1 decolaram a valores impressionantes. Estão cobiçadíssimos no mundo dos colecionadores abonados.

  2. Bernardo disse:

    Passei por uma situação agora há pouco, que me fez me achar velho também. tenho, em Campinas, oficina mecânica, funilaria e faço restaurações também. Recebi ontem um Gol GTi, azul, impecável, para dar um trato. O dono disse que queria restaurar (não entendi…). Estacionei ele entre um Maverick e uma Kombi (que está na lata, pra pintura), e perto de uma C-14 que fizemos, e esta quase pronta.
    O tempo passa…

  3. Alvaro disse:

    Sensacional trabalho de restauração de um carro icônico.

  4. Zano disse:

    Esse é um carro que a própria McLaren jamais superará sua criação.

    Belíssimo.

  5. Rogerv disse:

    Carro lindo, supercriticado de Gordon Murray! Um Clássico desde o lançamento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>