CHAPEIRO (2): DEU ZEBRA

Bottas comemora: 11ª pole da carreira

RIO (tarde encantada) – Foi uma surpresa a pole de Bottas hoje em Austin. Ainda mais porque Hamilton larga apenas em quinto. O inglês, que deve conquistar o hexa amanhã — precisa apenas de um oitavo lugar –, disse que nunca fez uma classificação tão ruim na vida. Tendemos a concordar. Se Bottas tinha carro para a pole, Lewis não poderia largar tão atrás.

Mas vai. O que é estranho porque ontem foi bem e porque seu retrospecto no Circuito das Américas é fabuloso: cinco vitórias (2012 e de 2014 a 2017) e três poles (2016 a 2018). Explicação oficial: “Não consegui encaixar uma volta”. Interpretação do blogueiro: deu uma relaxada.

Mas é justo dizer que Lewis relaxou depois do que fez domingo passado no México? Não. Só que por mais que o cara não queira, na situação em que está Hamilton qualquer piloto acaba, involuntariamente, dando uma despirocada. A cabeça está a mil. O cara está prestes a ganhar o Mundial pela sexta vez.

Então, que Bottas aproveite. Tem grandes chances de ganhar amanhã. Isso se Vettel, que sentiu a maresia, não resolver aprontar. Aliás, é minha aposta para a corrida.

[bannergoogle]

Comentários

  • Em qualquer esporte é difícil definir o melhor de todos os tempos. Na F1 é mais difícil ainda pelas mudanças de regulamento e tecnológicas que a categoria viveu de 1950 até hoje. Eu considero que Fangio ainda é o maior de todos quando se pega pela relação quantidade de GPS e a quantidade de vitórias, poles e títulos conquistados. Outro que também é fora de série, mas infelizmente, como Senna, teve sua carreira interrompida por um acidente, é Jim Clark. Se não me engano é até hoje o único piloto que fez a pontuação máxima em uma temporada após os descartes de pontos ( outro item do regulamento que fazia a gente quebrar a cabeça pra entender o quanto um piloto teria de pontos e que hoje quando você fala para a geração nova que curte F1 parece que você está tentando explicar leis de física quântica ) e que também fez porcentualmente mais pontos que o segundo colocado ( quase o dobro) na temporada 63 – 54 pontos a 29 de Graham Hill.

  • O Hamilton mesmo largando em quinto pode ser Hexa tomando um chocolate em casa se o Bottas não vencer, para os brasileiros que querem a decisão no Brasil, isso só aconteceria se o Hamilton abandonar voluntariamente a corrida com o Bottas vencendo.