O FIM DA HOLDEN

RIO (aqui, questão de tempo) – A General Motors anunciou hoje o fim de sua presença na Oceania com o encerramento das atividades da Holden, subsidiária australiana que controla desde 1931 (a empresa foi fundada em 1856). Operações na Austrália e Nova Zelândia, além de uma enorme fábrica na Tailândia, serão desontinuadas.

Há alguns meses, a montadora americana fez o mesmo na Europa com as marcas Opel e Vauxhall.

A GM está se auto-enxugando faz tempo, depois de comprar tudo que podia ao longo de décadas. A intenção parece ser se concentrar nos mercados chinês e americano e se preparar para o futuro elétrico. A América Latina, segundo especialistas, pode ser a próxima a rodar na estratégia global da empresa. São Caetano do Sul que se prepare.

[bannergoogle]

Comentários

  • Government Motors: uma empresa estadunidense de carros originalmente fundada em 1908 e que ainda hoje é propriedade do governo federal e dos contribuintes norte-americanos. Utiliza a alcunha de General Motors como nome de guerra. Pouco tempo atrás, em 2009, faliram. Através da operação “frankenstein”, o governo aplicou 50 bilhões de dólares, a fundo perdido, para “ressuscitar” a empresa. Se livraram da parte “podre” e mantiveram operacional o que sobrou da bagaça. Resolveram chamar essa “nova” empresa de, coincidentemente, General Motors., pois, afinal, a guerra continua, concluíram. Recentemente, entraram com uma ação contra a Fiat Chrysler Automobiles no valor de 5 bilhões de dólares alegando “conchavos” entre a FCA e a UAW. Na verdade, o que motivou a ação da GM contra a FCA foi o avanço da empresa ítalo-americana no bilionário mercado ianque de “trucks” e “SUVs” , diminuindo a participação e, consequentemente, os lucros da empresa governamental. Tudo em consonância com que diz aquele imbecil cor de laranja: “America First”.

  • E o toque de Midas inverso da GM, tudo que toca vira b…..
    Foi assim com Oldsmobile (imperdoável), Pontiac, Saturn , Oakland; a Lotus escapou por um fio.
    Podem ir não vai fazer falta. Ainda temos Opalas e Monzas…..
    Acho que foi o Karl Ludvigsen que disse: quando a GM deixou de ser uma empresa de engenheiros para ser uma companhia de contadores, o caminho do fim estava escrito!

  • São Caetano do Sul??? Hoje é um arremedo que que já foi. A fabrica no Vale do Paraíba e a do Rio Grande do Sul é que produzem de verdade no Pais. Fora as outras unidades de motores e outras divisões espalhadas pelo Brasil

    No meu ABC não sobrou quase nada faz tempo. Quem vive por aqui sabe o quanto essa vaquinha leiteira foi ordenhada” pelos picaretas que destruíram esse Pais.

  • Caro Flávio, sou flamenguista e adoro suas participações na fox. Sua tirada dia “flamengólogos” foi demais. Inteligência pura. Continue assim. Acompanho seu blog há anos. Cada vez mais seu fã!!!! Parabéns

  • FG, na Europa a GM vendeu Opel e Vauxhall para a PSA. Os primeiros modelos baseados em tecnologia francesa já estão no mercado – o novo Corsa, por exemplo, é feito na base do Peugeot 208. Aliás, ambas vão bem, obrigado, sem a GM.

    Acho muito difícil que a América Latina seja vítima de uma nova fase de enxugamento, ainda que de Bloody Mary de fato se pode esperar de tudo. Ela não tem pudor algum em cortar na carne, e isso pode fazer a diferença entre a GM atual e aquela que quebrou em 2009. Em todo o caso, no Brasil a marca é líder de mercado, e investe em novos produtos. A linha atual inclusive está mais ou menos em linha com o que a GM vende lá fora.

  • Opel e Vauxhall foram vendidas para a PSA (Peugeot e Citroën) em 2017. As marcas ainda existem mas agora sob controle frances e com carros ainda desenhados na Alemanha, em Rüsselsheim.
    Somente a Holden foi verdadeiramente extinta. Imagino que a GM não encontrou comprardor interessado em restruturar a Holden.

    • Uma vergonha para a Austrália, que viu os americanos absorverem uma companhia australiana, sorverem-na até o bagaço e descartarem-na como um saco de lixo.
      E não vejo coisa muito diferente no futuro da Embraer nas garras da Boeing.