22 em 2021

RIO (não digam…) – Aí está o calendário da F-1 para 2021, divulgado hoje. Como informamos ontem, o Brasil foi incluído e a corrida será em Interlagos — e não no fictício autódromo de Deodoro, desejado pelas milícias do Rio e de Brasília; como digo há anos, esqueçam isso, não vai existir nunca em condições normais.

Interlagos e Barcelona estão com asteriscos, indicando que são provas ainda sujeitas às assinaturas dos contratos com os promotores. Com São Paulo, a Liberty negocia um contrato de cinco anos, renovável por mais cinco. Em breve deve sair uma assinatura, mas não sei bem em quais termos. Muito provavelmente com a cidade pagando uma taxa para a realização de sua etapa, como acontece com todos os outros. Mônaco e São Paulo eram exceções e faziam seus GPs na faixa, mas isso é negócio dos tempos de Bernie Ecclestone. Agora as coisas mudaram.

São 22 provas confirmadas e 23 datas. Vocês devem ter notado que a quarta etapa está TBC, “to be confirmed”, e teoricamente é a do Vietnã. Há algo de podre em Hanói. A corrida deveria ter sido realizada neste ano, mas foi cancelada por causa da pandemia. Agora, foi excluída do calendário. Estranho, estranho… Há uma novidade, a penúltima etapa num circuito de rua da Arábia Saudita. Essa prova vai causar celeuma, se Lewis Hamilton, o único piloto que fala, resolver botar a boca no trombone contra o regime ditatorial do país — aceito no Ocidente porque, afinal, é de lá que vem o petróleo; aliás, é de lá que vem a Aramco, uma das principais patrocinadoras da F-1.

Como se nota, nenhuma das provas emergenciais de 2020 — Mugello, Portimão, Nürburgring, Imola e Istambul — foi incluída. Ingratidão total. Uma pena. E há duas rodadas triplas, em finais de semana seguidos: Bélgica-Holanda-Itála e Rússia-Singapura-Japão. Mas que ninguém tome esse calendário como definitivo. Como se sabe, a pandemia ainda não acabou. E não dá para prever quais restrições poderão ser impostas em quais países no ano que vem.

De qualquer forma, esse é o plano: 23 corridas, com 22 até agora confirmadas.

Comentários

  • Engraçado que na Espanha, como o Brasil, a Etapa também depende de renovação de contrato. Podemos ter a R4 e R5 novamente em “Traçados Tampões”… Mugello e Nurburgring (reparar que não existe uma Etapa Oficial na Alemanha no calendário) e a Etapa R21 (Brasil) podia ser disputada em rodada dupla na Arabia (formando uma trinca de provas no Oriente Médio) no trecho final do campeonato.

  • Quando li o titulo “22 em 2021” pensei: Opa! Mais uma construtora pra entrar na F1 e termos mais dois Magnussen e Grosjean! Bem, o sonho é livre. Mas voltamos com esse calendário de 22. E contei pelo menos umas 18h de sono, contando esse monte de corridas em circuitos capados.

  • O carros ficaram muito grandes para os circuitos clássicos. Eu ja tinha visto isso a cada ano que anunciavam os novos carros, cada vez maiores e mais largos. Logicamente levaram isso em conta então foi uma opção. Ao meu ver deveriam reduzir os carros para favorecer ultrapassagens. A F1 seguiu o caminho inverso em se tratando de engenharia. Tudo bem que os carros são mais rápidos. MAs note que a Mercedes do HAmilton, é projetada para andar na frente, se ele perde a pole, complica. Analise as corridas em que ele passou grande parte andando atrás de outros carros. Foi muito difícil até para ele. Toto Wolf me desculpe mas sim, 2022 precisa ser voltado contra ele, contra a Mercedes. Queremos disputas, chances para vários pilotos vencerem e mostrarem seu talento. Ficar venerando um piloto apenas é coisa de fã boboca.

  • Bom, Brasil com asterisco mas parece que vai ter. Reparei em alguns comentários nas notícias aqui e no GP, sobre quem estaria envolvido nessa lorota de Deodoro. Outro dia vc disse no blog que desconfiava, o texto do GP fala em alguém que presta serviços à Globo mas sem dizer quem. Vc já tem a confirmação de quem seria?

  • Prezado F&G : Fico feliz com a sua capacidade de dizer a verdade como tem de ser dito. Parece que o novo patrão da F-1, tomou um drible das autoridades cariocas Olé …”(sic) como pensavam autódromo de Teodoro, como já existente todo o parque Olímpico para ser utilizado e montar uma pista em Jacarepaguá “, o CEO da F-1, após analisar que São Paulo- SP ( Interlagos ), em termos financeiros e econômicos significa algum punhado de dólares em lucro . A grana tem um poder de convencimento incrível. Em 2021 o mundo vai sofrer um duro golpe, pois a conta da pandemia vai chegar e , essa fatura e muita grana . O lucro abre a capacidade de que os dirigentes mudem de ideias, caso contrário o prejuízo vai proporcionar a demissão dos donos do poder da F-1. Vamos lá , queremos outras boas notícias , quem sabe novas montadoras na F-1, mais equipes . Pergunte ao GOLA PROFUNDA, qual vai ser o novo tempero da FERRARI. Passe a dica qual será o melhor canal de assinatura para acompanhar as corridas de F-1 em 2021. Lewis Hamilton é muito inteligente não vai cair nessa esparrela de tecer comentários pontuais sobre os maiores patrocinadores da F-1. Pode até falar alguma coisa, mais vai falar muito pouco.

  • Flavio, a Formula -1 é um negócio, já correu na Africa do Sul (no auge do racismo), Brasil da Ditadura, Argentina da Ditadura, Russia (com o seu véu escuro democrático) na China (como esquecer do sujeito parado na frente do tanque na Praça da Paz Celestial)… correr na Arábia não seria nada de mais, muito menos no Vietnam (mesmo que existam negociações espúrias normalmente encontradas nas Copas do Mundo (futebol)… mas acho que pode ser falta de GRANA).

    Dessa forma, segue o jogo, nunca poderia haver uma prova no Rio de Janeiro, lá não existe um Autódromo e muito menos grana para se fazer um Autódromo de “Classe Mundial” para receber a F-1. Nunca acreditei na prova do RJ.

    Como já postei no blog, nessas horas que vemos como somos tontos, a Liberty conseguiu o que queria, irá renovar com São Paulo, por uma grana justa… entenda-se LUCRO PACAS… e os idiotas que levantaram a bola do Rio de Janeiro se passaram na verdade de otários. Certamente tem um bando de caras mais ricos na Liberty com a prova voltando para SP.

    • RICARDO BIGLIAZZI, talvez você já saiba, mas a famosa foto na “Praça da Paz” China é uma fraude noticiada intensamente pela mídia ocidental.
      “A foto de Widener mostra um homem parando quatro tanques, mas outra fotografia, tirada por Stuart Franklin alguns segundos antes, mostra 19 tanques atrás dos quatro de Widener e deixa claro que os tanques estavam deixando a praça, indo para o leste, para fora da cidade.”
      trecho da reportagem,
      https://revistaopera.com.br/2019/06/09/praca-da-paz-celestial-1989-a-historia-revisitada/

      • Dado o seu comentário tenho que acreditar que o Homem não existia? É isso???

        OK… vamos mudar o cenário na China para os campos de concentração (ops… “reeducação”… acho interessante a petulância chinesa para justificar o injustificável) em que o Governo Chines acomoda cidadãos chineses uiguris para serem “reeducados”…

        Será que o Hamilton iria vestir uma camiseta com a sigla ULM (Uiguris Lives Matter)???

    • Rafaelle,

      Desculpa, mas os caras editaram esse vídeo também… chegaram a colocar toda “tancaiada fake” no vídeo (bem no inicio).

      https://www.youtube.com/watch?v=yflsQ4LDVGI

      Palavras comovem, imagens convencem.

      CLM… ‘Chinese Lives Matter”

      Obs.: Uma foto em plano mais fechado pode pegar apenas alguns tanques… num plano aberto podem haver muitos mais carros de combate registrados.

      Vamos fazer o seguinte… vamos entrevistar esse Chines (que evaporou da face da terra) para saber o que realmente aconteceu.