FOTO DO DIA

Grosjean e os agentes que trabalharam como fiscais de pista domingo. Foram eles que chegaram primeiro com os extintores de incêndio. Momento lindo.

Comentários

  • Grosjean, o menino maluquinho da F1. Graças a deus por sua vida. Tem personalidade, ao contrário da maioria de pagantes ou campeões prêt-à-porter… PS: prêt-à-porter: roupa feita industrialmente em série, de boa qualidade, e ger. assinada por um estilista da moda.

  • Não tinha ideia dessa faceta “boa-praça” do Grosjean.
    Claro que um acidente desses mexe com qualquer um.
    Mas ele realmente parece ter um desejo verdadeiro de gratidão, não só à vida em si, mas à aqueles que de alguma forma o auxiliaram a continuar vivo e com poucas sequelas do acidente.
    Não consigo ver jogada de marketing nisso. Agradecer aos fiscais, levar uma lembrança, sentar no carro mesmo com as mãos enfaixadas e sabendo que em vez do 8 tem um 51 pintado, sabendo que talvez não tenha uma corrida de despedida… Tudo parece, e espero realmente que seja, uma atitude espontânea e genuína de alguém já amadurecido como piloto e grato por ter uma segunda chance pra decidir como vai continuar. Se continuar.
    Qualquer coisa agora é possível. Até ele parar definitivamente de correr e ir colher morango no interior da França.
    Sempre achei ele meio afoito e às vezes desastrado. Mas nunca esteve no meu rol de desafetos. Fico feliz dele estar bem tanto quanto seja possível estar bem depois de morrer e nascer de novo em 30 segundos.

  • Logo antes de entrar na F1 e ainda no tempo em que Grosjean penteava os cabelos com uma batedeira, ele era uma mala sem alça, mas depois que entrou na categoria e mesmo no tempo que lhe rendeu o apelido de “maníaco da primeira volta”, algo mudou nele (amadureceu) e faz muitos anos que ele é um cara muito legal. Gosto muito dele e torço para que a recuperação seja muito bem sucedida. Fiquei muito mas muito aliviado quando vi ele sair do carro no domingo e enquanto as imagens não vinham deu uma angústia danada pois a coisa toda explodiu e cada segundo sem imagens me fazia pensar no pior. Alguns pilotos, o Bottas acho foi um, reclamou do macacão deste ano, mais pesado e quente (sim, depois reclamou mais quando trocaram pelo preto que concentra ainda mais calor). Enfim.

  • A entrevista dele explicando os detalhes do acidente é de arrepiar. Ainda bem que tudo funcionou mais ou menos como deveria. Ainda bem que os pilotos de hoje são super atletas. Dar uma porrada a 221 km/h, com 53G de força e não desmaiar, não é só sorte.
    Eu estava assistindo à corrida com meus três filhos e só pensava nos três dele.
    Vê-lo nessa foto, em pé, sorrindo, é inacreditável, pra dizer o mínimo.