SOBRE ONTEM À TARDE

A IMAGEM DA CORRIDA

Alonso, Newey, Verstappen e Hamilton: maior pódio da história

SÃO PAULO (peso pesado) – Olhem bem para esse pódio aí em cima, a imagem que escolhi como mais marcante para o GP do Canadá. É uma foto comum, convencional. Do ponto de vista estético e artístico, nada demais. Porém…

Porém aí tem tem 176 vitórias e 11 títulos mundiais. Dos pilotos. Um pódio laureadíssimo. Desconfio (desculpem, não fui atrás dessa estatística) que o pódio com mais vitórias acumuladas em todos os tempos. As 103 de Hamilton ajudam bastante nessa conta. Com mais 32 de Alonso e 41 de Verstappen, não lembro de outro com tantos triunfos. Se deixei escapar algum, me corrijam.

Mas quero falar, mesmo, é de Adrian Newey, que a Red Bull mandou lá para cima para receber o troféu da equipe vencedora. Porque é dele…

O NÚMERO DO CANADÁ

200

…vitórias alcançaram os carros concebidos pelo projetista na F-1. Assim, nosso pódio lá do alto bate em 376 vitórias. E, nesse caso, é sem dúvida o mais vitorioso de todos os tempos. Vamos falar de Newey a seguir.

Engenheiro aeronáutico que começou na Fittipaldi em 1981, Newey, 64 anos, passou com sucesso pela Indy (conquistou os títulos de 1985 e 1986 e as 500 Milhas de Indianápolis nos dois anos), voltando à Europa no final da década. Seu primeiro grande carro de F-1, embora não tenha ganhado corrida nenhuma, foi o March de 1988. Ficou na equipe, rebatizada como Leyton House, até 1990. Nesse período, o time levou quatro taças para sua sede, três de Ivan Capelli (terceiro na Bélgica e segundo em Portugal em 1988 e segundo na França em 1990) e uma de Maurício Gugelmin (terceiro no Brasil em 1989).

Mas foi na Williams que Newey se consagrou. Ficou na equipe de 1991 a 1997 e seus carros ganharam, nesse período, nada menos do que 59 GPs. A primeira vitória foi de Riccardo Patrese no México em 1991. Foram cinco títulos mundiais de construtores (1992, 1993, 1994, 1996 e 1997) e quatro de pilotos (Nigel Mansell/1992, Alain Prost/1993, Damon Hill/1996 e Jacques Villeneuve/1997).

Contratado pela McLaren a peso de ouro, serviu ao time de Ron Dennis de 1998 a 2005, assinando os projetos dos carros que, nesse período, venceram 41 provas e conquistaram as taças de 1998, entre as equipes, e de 1998 e 1999 entre os pilotos, com Mika Hakkinen.

Então, veio a Red Bull. Seu divórcio da McLaren foi rumoroso e Dennis não queria deixá-lo ir embora de jeito nenhum. Acabou saindo, juntando-se aos austríacos em 2006, a segunda temporada do time dos energéticos na F-1 — depois da compra da Jaguar em 2005. Está lá desde então. São dele os carros que levaram Sebastian Vettel ao tetracampeonato (2010 a 2013) e Max Verstappen ao bi (2021 e 2022). Nesse período, além dos seis títulos de pilotos, foram mais cinco entre as equipes. Facilito as contas para vocês: até esta data, são 11 taças de construtores e 12 de pilotos. A pilha aumentará no fim do ano, claro.

Na Red Bull, ontem, Newey chegou à 100ª vitória. Com as 59 da Williams e as 41 da McLaren, são 200 na F-1.

Se há um gênio na categoria hoje que não pilota carro nenhum, é Newey. Abaixo, um raio-X de suas vitórias, ano a ano, com negrito nos anos em que foi campeão ou de construtores, ou de pilotos:

NA WILLIAMS (59) – 7 em 1991; 10 em 1992; 10 em 1993; 7 em 1994; 5 em 1995; 12 em 1996; 8 em 1997

NA McLAREN (41) – 9 em 1998; 7 em 1999; 7 em 2000; 4 em 2001; 1 em 2002; 2 em 2003; 1 em 2004; 10 em 2005

NA RED BULL (100) – 6 em 2009; 9 em 2010; 12 em 2011; 7 em 2012; 13 em 2013; 3 em 2014; 2 em 2016; 3 em 2017; 4 em 2018; 3 em 2019; 2 em 2020; 11 em 2021; 17 em 2022; 8 em 2023

Verstappen igualou o número de vitórias de Senna e embora só tenha tocado no assunto porque alguém na coletiva perguntou, sua resposta merece, óbvio, um registro. “Não gosto de comparar gerações diferentes. Quando eu era moleque e corria de kart, só queria chegar à F-1. Nunca imaginei chegar a 41 vitórias. Empatar com Senna é incrível e me sinto muito orgulhoso. Mas espero que não pare por aqui”, foi o que disse.

Max não é dado a grandes arroubos emotivos, como se sabe. Sua relação com Senna e a história do piloto brasileiro é nula. Ele nasceu três anos depois da morte de Ayrton. E mais um detalhe, que não deve passar despercebido: Max é um sujeito acostumado com as vitórias. Ganhar faz parte de sua rotina. Uma a mais, uma a menos, é tudo igual. Não esperem dele, nunca, que se debulhe em lágrimas por um resultado, um título. É o jeito dele. Ponto.

No mais, ainda na corrida de ontem, um fato que só foi revelado bem tarde da noite: Verstappen atropelou um passarinho. Seus restos mortais foram encontrados atrás do duto de freio dianteiro direito.

A FRASE DE MONTREAL

De Hamilton, sobre Alonso:

“Isso aí é coisa da idade. As reações ficam mais lentas.”

Hamilton deu uma zoada em Alonso quando alguém perguntou a ele como tinha feito para ultrapassar o espanhol na largada. Fernando estava ao seu lado na zona mista de entrevistas e gargalhou com gosto. “Espera a Áustria, daqui a duas semanas”, falou, dando um tapa no ombro do ex-companheiro de McLaren. Depois, Lewis foi elegante: “Para mim, é uma honra estar no pódio ao lado de campeões icônicos como esses dois aqui”, disse, apontando para o veterano da Aston Martin e para o jovenzinho da Red Bull que está perto de seu terceiro título mundial.

Leclerc e Sainz: bom resultado, no fim das contas

Sobre a corrida em si, acho que não faltou falar muita coisa no textão de ontem. Talvez tenha sido econômico nos elogios à estratégia da Ferrari, que não parou no safety-car, fez apenas um pit stop com seus dois carros e converteu um décimo e um 11º no grid em um quarto e um quinto lugares na corrida. Assim, que fique consignado que este espaço reforça os elogios à estratégia da Ferrari. Até a próxima cagada, claro.

Com 22 pontos marcados por seus pilotos, o time italiano somou mais do que Mercedes e Aston Martin, que fizeram, respectivamente, 15 e 20. Isso não acontecia desde o GP do Azerbaijão, que teve Sprint. Em Baku, a Ferrari marcou 36, contra 20 da Mercedes e 22 da Aston Martin.

Stroll: nono lugar arrancado a fórceps

Falando em Aston Martin, uma menção à combatividade de Lance Stroll. Ele pode não encher os olhos de ninguém, mas não se deve negar ao canadense a qualidade de lutar até o fim. Ele conseguiu o nono lugar ao ultrapassar Bottas a poucos metros da linha de chegada. A diferença entre os dois foi de 0s030. O rapaz não desiste fácil.

O torcedor gostou. Afinal, Lance corria em casa. Segundo os organizadores, foram 345 mil pessoas nos três dias do evento no circuito Gilles Villeneuve.

GOSTAMOS & NÃO GOSTAMOS

GOSTAMOS muito do sétimo lugar de Alexander Albon, injustamente dispensado pela Red Bull no final de 2020 depois de uma temporada e meia pela equipe que esteve longe de ser um fiasco. Em 2019, disputou nove GPs (subiu da Toro Rosso para o lugar de Gasly) e marcou 76 pontos. Nas mesmas nove provas, Verstappen fez 97. Em 2020, o placar foi favorável ao holandês, 214 x 105, mas Albon não cometeu nenhum erro idiota e disputava seu primeiro campeonato inteiro pelo time principal. Ficou um ano fora da F-1, voltou na temporada passada para correr na Williams e fez o que fez em Montreal. Hoje, na Red Bull, provavelmente estaria conseguindo mais do que Pérez.

NÃO GOSTAMOS da corrida de George Russell, que bateu sozinho quando estava em quarto lugar, esteve perto de desistir, mas conseguiu voltar e entrar na zona de pontos. Acabou abandonando com problemas nos freios. “Foi um erro meu [a batida] e por causa dele jogamos 12 pontos no lixo”, disse o inglês. A questão dos freios, segundo a equipe, não teve nada a ver com o incidente no início da prova. Mesmo assim, George perdeu, de fato, uma boa chance até de lutar pelo pódio com Hamilton.

Subscribe
Notify of
guest

35 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
8 meses atrás

Adrian Newey o maior vencedor desse GP. O cara e fera. Um mago na F-1 com passagem marcante na F-Indy que quase ninguem comenta. Segue o jogo… a torcida agora eh apenas para que a RedBull acerte o motor de 2026 para assim continuar enfileirando titulos.

Fernando
Fernando
8 meses atrás

Flavio..apenas para mandar fotos de um carrinho que me deparei no interior de Kentucky nos Estados Unidos. Não sei que carro é esse.

WhatsApp Image 2023-06-21 at 3.59.19 PM (1).jpeg
Tiao
Tiao
Reply to  Fernando
8 meses atrás

Deve demorar uns 2 dias pra fazer uma baliza. Imagina um u-turn? :)

Leon Neto
Leon Neto
8 meses atrás

O fato do Max ter atropelado um passarinho, mostra como esses carros são rápidos. Eu tô tentando faz mais de quarenta anos e eles sempre escapam…

Humberto Gessinger
Humberto Gessinger
Reply to  Leon Neto
8 meses atrás

É um pássaro? Não!
É um avião ? Não, É O SUPERMAX

Baruc Piano
Baruc Piano
8 meses atrás

Ótimo Flaqvio, como sempre.
mas pra requintar, tornar excelente eu tiraria Alonse e Humiltom que não tem nada a ver com o TriunfO colocaria Sérgio Perez , Helmut Makro e Adriano Hornet, Aí sim TERÍAMOS O QUADRO dos SUPREMOS.

Marcus
Marcus
Reply to  Baruc Piano
8 meses atrás

O Sergio Perez eu sei quem é. O Helmut Makro deve ser o maior acionista do atacadista Makro e o Adriano Hornet deve ter uma rede de concessionárias da Honda.

Last edited 8 meses atrás by Marcus
Edu Zeiro
Edu Zeiro
Reply to  Baruc Piano
8 meses atrás

Sullivan

Celio Ferreira
Celio Ferreira
8 meses atrás

A F1 hoje tem dois problemas , o teto de gastos e não poder treinar.
É muito difícil corrigir um projeto dessa forma só no tunel e no
simulador vai daí a competência de Newey se destacar , com os
outros sempre correndo atrás…

Marcus
Marcus
Reply to  Celio Ferreira
8 meses atrás

Pode acrescentar um: monopólio no fornecimento de pneus.

Ron Dennis
Ron Dennis
8 meses atrás

Só adicionaria uma frase ao final desse maravilhoso texto:
“Te cuida Zak Brown….”

Michel
Michel
8 meses atrás

Mas, Flávio, em relação ao Newey, não acha que vale uma análise sobre o que é ser “o projetista” na atualidade? Na década de 1990 acredito que 70% do carro era resultado das ideias dele, mas hoje, com a tecnologia e a quantidade de engenheiros dedicados aos mínimos detalhes, a assinatura do Newey deve cair para uns 50% do resultado final.

CHAGAS
CHAGAS
8 meses atrás

Discordo sobre Albon. Na RBR era treino sim, treino não uma paulada no muro e perda total do carro, largando entre os últimos.
Nos treinos que não batia tomava de 6 décimos a 1 segundo de Max.
Se Albon e Perez tivessem na mesma equipe, o mexicano venceria.
Comparações rápidas de Albon.
Em nenhuma corrida venceu Vestappen. Perez já venceu.
Perdeu o duelo interno pra Kvyat.
A RBR preferiu “demitir” Albon e contratar Tsunoda, repetindo Tsunoda.
Voltou pra bater Latifi e Sargeant que não são parâmetro pra alguma meta.
Traduzindo, Albon piloto OK em equipe media ou pequena, mas em equipe que precisa que um segundo piloto brigue por pódio, e a cobrança come solta, o menino treme….. e muito.

Gustavo
Gustavo
Reply to  CHAGAS
8 meses atrás

Tsunoda japonês. Motor Honda japonês. Da mesma forma que a Lotus contratou Nakajima, repetindo Nakajima.

CHAGAS
CHAGAS
Reply to  Gustavo
8 meses atrás

Bem lembrado, retiro essa linha do meu comentário claramente a escolha por Tsunoda foi politica.

Bruno Laporta
Bruno Laporta
8 meses atrás

Quando o Hamilton falou que o Alonso estava “com reação mais lenta” por culpa da idade o tapa do Alonso no Hamilton não foi fraco. Eles são profissionais e amigáveis só até a página 1.

Chupez Alonso
Chupez Alonso
8 meses atrás

Um pássaro “atrás do duto de freio dianteiro direito”?

Red Bull te dá asas mesmo.

Rumo ao Octa…

Leon Neto
Leon Neto
Reply to  Chupez Alonso
8 meses atrás

Hahaha… Boa! 😂

Fabio
Fabio
8 meses atrás

Considerando vitórias de pilotos, o pódio mias vitorioso ainda é o do GP da Espanha de 1993 com Prost, Senna e Schumacher, somando 183 vitórias contra as 176 do pódio de ontem.

Fabio
Fabio
Reply to  Flavio Gomes
8 meses atrás

Entendi. Por esse ângulo não há mesmo comparação com o pódio de domingo, você tem toda razão.

Edison
Edison
8 meses atrás

A Ferrari não fazer nenhuma cagada por si só já é um avanço e tanto, mas no final só terminaram em quarto e quinto por causa da batida do Russell. Continuam atrás da Mercedes e do Alonso (stroll não conta)

Marcelo
Marcelo
8 meses atrás

Adrian Newey, o verdadeiro maior nome dentro da Fórmula 1 desde de meados da década de 1980.
E que McLaren + linda era aquela nos tempos do Mika Hakkinen.

Allan Guimarães
Allan Guimarães
8 meses atrás

.” Assim, que fique consignado que este espaço reforça os elogios à estratégia da Ferrari. Até a próxima cagada, claro.”
Chorei demais!🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣
Não gostei das vaias do público para o Hamilton, no pódio. Como se ele tivesse praticado alguma vigarice, falado mal do Stroll, ofendido alguém. Pelo contrário, Lewis vestiu a capa de lorde e assim trm se comportado, dentro e fora das pistas. O que me leva a crer que foram racistas.

Mauricio
Mauricio
8 meses atrás

Stroll pode ter tido um brilhareco ontem, mas a verdade é que se a Aston Martin quiser se estabelecer de fato entre as grandes, precisa de dois pilotos, e não apenas um.
Se Stroll tivesse desempenho equivalente ao de Alonso, a equipe estaria em segundo no mundial de construtores, com cerca de 200 pontos, bem à frente da Mercedes. Se, ao contrário, Alonso tivesse o desempenho de Stroll, a Aston Martin estaria brigando pelo quinto lugar com a Alpine.

Tiao
Tiao
8 meses atrás

Obrigado pelos textos desse final de semana, Flavio. Ontem eu até vi a corrida, mas os “textões” continuam melhores!
Sobre a Ferrari, eu vejo diferente… Da turma que importa, digamos, eles chegegaram na frente só do Peréz. Que largou atrás deles. Entoces, penso que só fizeram a obrigação.

Nilto
Nilto
8 meses atrás

Foi isso mesmo.

Isaac
Isaac
8 meses atrás

Excelente texto, mais uma vez, que “fique consignado aqui” que não assisto aos vídeos, mas sempre leio os textos! Fora isso, não vou com os “cornos” do Max, mas ele não é obrigado a reverenciar quem quer que seja, apenas respeitar, e isso ele fez. Também não é obrigado a chorar de emoção, hábito que hoje em dia até já me incomoda um pouco, pelo grande número de atletas que o fazem, mas ser verdadeiro, e ele é, já é o suficiente, ainda que nem sempre (aliás, raramente) seja agradável.

Vai Vettel!
Vai Vettel!
8 meses atrás

Super-carros. Super-pilotos.
Volta, Vettel.

Julio Dantas
Julio Dantas
Reply to  Vai Vettel!
8 meses atrás

E se fossem Alonso+Vettel alí hein? Ou Alonso + Ricciardo?

Vai Vettel!
Vai Vettel!
Reply to  Julio Dantas
8 meses atrás

Ricciardo teve a sua chance e não mostrou fibra de campeão.

Marcio
Marcio
8 meses atrás

Sobre o Stroll, discordo completamente. Numa pista que da pra ultrapassar, ele ficar ali no meio é um baita fiasco.
O Russel, que caiu pra último, e com carro todo remendado, chegou a zona de pontos antes do canadense.
Ele tem carro para, no mínimo, ser 6o colocador em todas as corridas.

Marcelo Duarte
Marcelo Duarte
8 meses atrás

Russell ta sendo jantado pelo Hamilton. Só nao ta pior que o Stroll em relaçao ao Alonso.

Edson Asfora
Edson Asfora
8 meses atrás

Excelente rescaldão, Flávio! Vc é um gigante! Parabéns! 👏🏼👏🏼👏🏼