MENU

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009 - 2:25Fusca & cia., Turismo

BOMBRIL

NATAL (acabando…) – Quinta-feira, a convite do Marcos Melo, blogueiro do pedaço, devo visitar a fábrica de buggys Selvagem, que domina o mercado no Rio Grande do Norte. Depois falo deles. Antes, algo que me deixou encantado em Natal. Como se sabe, a VW descontinuou a produção de seus motores boxer a ar. Os últimos feitos no Brasil equiparam a Kombi até o fim de 2005. Depois disso, passaram a usar na Velha Senhora o 1.4 do Fox, ou algo do tipo. Refrigerado a água — crime exaustivamente denunciado aqui à época.

Buggys, no Brasil, pelo menos, sempre usaram motores de Fusca. O fim deles, claro, trouxe problemas aos seus fabricantes, que um belo dia foram avisados pela VW, que lhes vendia conjuntos mecânicos completos, de que a fonte secara. A Selvagem está estudando alternativas. Acredito que as outras fábricas também. Motores AP entre elas. O conjunto atual da Kombi é outra. No fim, tudo dá certo. O buggy que nos levou para passear terça-feira, do Juízo, tinha motor AP 2.0. Andava muito bem. O jeito que esses buggys enfrentam a areia fofa, apenas com tração traseira, é de deixar com inveja todos que estão no Dacar.

(Falando nisso, vocês estão acompanhando? Vi que tem gente se arrebentando de montão. Mas as paisagens são belas. Acho que o Dacar do Cone Sul vai pegar. Tomara.)

Mas o legal mesmo é saber que Fusca não acaba nunca, seus motores servem para tudo, são que nem bombril. Quem já veio a Natal e escorregou nas dunas para cair na água, ou desceu de cordinha para despencar numa lagoa, deve ter notado que para subir de volta os caras usam… Fuscas! Sem pneus ou carroceria, mas Fuscas. Vejam na foto. O cabra da peste tem pedal de embreagem, freio e acelerador à disposição. O motor é traseiro. Têm câmbio. Para quê? Trazer os turistas num carrinho sobre trilhos até o alto da duna, de onde eles despencam na água numa prancha de fibra de vidro, o esquibunda. Melhor do que qualquer motor elétrico, ou estacionário, ou qualquer coisa moderna. Fusca, mesmo.

Me explicou o cabra que o carrinho sobe em segunda. O que um dia foi uma roda, a esquerda traseira, puxa um cabo de aço. O freio é só atrás… A tambor, claro.

E assim os motores que mais sucesso fizeram na história continuam por aí, subindo e descendo gente. Uma história interminável.

57 comentários

  1. meu sonho, é andar de amazonas no Rio de Janeiro.
    preciso de ajuda
    Eduardo de Fortaleza-Ce.

  2. Ricardo Leite Lopes disse:

    Carmem perguntou:
    “O certo é chamar esses carrinhos de “bugre”, porque “Buggy” é uma marca, assim como Selvagem. É isso?”
    Não. não é isso Carmem, o certo é chamar de buggy mesmo.
    Bugre é uma marca, fabricada no Rio de Janeiro desde 1970 até… hoje http://www.bugre.fcpages.com/ . Outra fabrica carioca de buggies é a Baby http://www.babybuggy.com.br/.
    O Rio de Janeiro já teve mais de 30 fábricas de buggies, hoje só tem essas duas, sendo que a Bugre se mudou da capital para a região dos lagos.
    Acredito que o momento de violência que a capital carioca vive serviu para acabar de vez com estes simpáticos e resistentes carrinhos, assim como não se vê mais um conversível andando na cidade.
    Hoje o Rio é das Pajeros blindadas. Uma pena.

  3. Lucas disse:

    O legal é o tanque de combustível da gerigonça que reboca os turistas.. É o galão pendurado na madeira ao lado do motor……

  4. Beto Antunes disse:

    O Fusca suas peças são aproveitadas para tudo.

  5. ALEX B. disse:

    Flavinho, com a tal de “carestia” de boxers a ar, aqui no sul o pessoal tem usado nos buggys os AP adoidado! Fazem pequenas adaptações mecanicas e estruturais tanto no carro como no motor e transmissão, mas no final das contas, ficam descaracterizados como buggys mesmo! Mas sem alternativas…

  6. Victor Nunes disse:

    Que bom Flávio. Fico feliz em saber que você está curtindo a cidade em que moro.
    Se soubesse antes que você estaria aqui, me organizaria para encontrar com você e mostrar muito mais o que a cidade que apesar de pequena oferece.

  7. VaaaaLNeeeeY disse:

    Natal é foda!
    Amo morar aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>