VALENCIANAS (13)

V

SÃO PAULO (estou ficando com fome) – Ligou Gola Profonda. Não estava dando para ouvir direito, porque estava a maior festa nos boxes da Ferrari, todo mundo comemorando. “O pódio deixou vocês felizes, não?”, perguntei. “Nada, a gente está comemorando que ninguém desconfiou de nada!”.

Não entendi.

“O Schumacher! Terminou a corrida, não sentiu dor nenhuma, só um pouco da artrite, e ninguém percebeu que era ele”, continuou Gola, e comecei a me preocupar, porque a ligação foi a cobrar, e notei que iria se estender. Como, era ele? “No carro, ô tapatto!”. Aqui vale uma explicação. Um dia chamei Gola de “tapado”, ele gostou do termo e o italianou. Sempre me chama de “tapatto”, com dois Ts.

“A gente falou que era o Badoer, mas era o Schumacher. Ele não podia passar vexame, e agora posso revelar. Era ele. O Luca ficou no motorhome.” Mas como? Eu vi o Schumacher na mureta dos boxes de fone e tudo! “Você viu ele falando com alguém, ô tapatto?”, emendou Gola. De fato, não reparei. “É aquele cara aí do Brasil, que vive indo nos autódromos e finge que é o Schumacher. A gente contratou ele pra ficar na mureta. Até depilamos suas pernas.”

Então não era o Badoer? Era o Schumacher se arrastando, rodando, cruzando a linha branca na saída dos boxes, sendo ultrapassado no pit stop? “Era. A linha, ele não viu. Os óculos são novos. O negócio do Grosjean, ele combinou com o Briatore. A rodada, foi porque desmaiou. Mas depois voltou ao normal.”

Mas era ele mesmo, lento daquele jeito? Desde o início? “Claro. Agora mesmo está lá nos boxes com os novos amigos dele comemorando que chegou ao final.” Novos amigos? Quem? “Ah, a turma da faculdade.” Faculdade? “Da terceira idade. Todos lá, felizes. Mas pediram para não interromper, porque agora vão jogar dominó.”

Sobre o Autor

53 Comentários

  • 1
  • 2
Por

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

agosto 2009
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031