MÃO NA RODA

SÃO PAULO (sucesso pra turma!) – Recebo e-mail do blogueiro Márcio David de Lages, Santa Catarina, e é com alegria e orgulho que reproduzo. Os caras têm um projeto sensacional de um veículo especial para cadeirantes, daquelas coisas que alguém precisa abraçar para que não fique apenas na ideia e nas boas intenções. Espero que os empresários que leem este blog, e o pessoal do automobilismo que gasta os tubos com patrocínios meio sem cabimento, encontrem uma forma de ajudar. Montadoras também, por que não? Que tal destinar 0,01% do valor de cada carro vendido para um projeto desses? É só querer. Ah, se eu fosse presidente do mundo… Resolveria metade dos problemas do planeta num dia, só na base da canetada. A outra metade estaria resolvida no dia seguinte.

Acompanho seu blog e o Grande Prêmio há muito tempo, fazem parte das minhas leituras diárias. Entretanto, o motivo deste e-mail é divulgar um projeto no qual eu e mais três amigos estamos trabalhando. Sou cadeirante desde os dois anos de idade, hoje com 38, funcionário público na Universidade do Estado de Santa Catarina. Há cerca de sete anos, num encontro informal, começamos a debater sobre as dificuldade enfrentadas pelos deficientes quando se fala em transportes. Comprar um carro adaptado com as isenções de impostos de lei é uma tarefa das mais desgastante no Brasil. Um colega seguiu todo o processo e levou “apenas” um ano e dois meses para conseguir comprar um Meriva Easytronic, sem adaptações — isso, é claro, tem de ser à parte. Mas o objetivo não é criticar o sistema, e sim mostrar uma ideia nova, que surgiu da necessidade de locomoção minha e dos demais cadeirantes.

Uma das coisas mais complicadas para quem, como eu, depende de um carro para ir vir ao trabalho todo dia é a “transferência” da cadeira para o carro e vice-versa. Partindo desse princípio, idealizamos um veículo no qual o cadeirante pode entrar sem sair da cadeira e conduzir sozinho até o local de destino, com total autonomia e sem depender de ninguém.

Esse carro foi totalmente construído do zero, não adaptado em cima de um já existente. Nossa ideia foi conceber um veículo dotado de elevador para evitar o acesso por uma rampa, muitas vezes difícil para o cadeirante. Investimos um determinado valor para as montagens inicias, e em 2009 nos inscrevemos em um programa do Estado de Santa Catarina chamado Sinapse da Inovação. Entre os mais de 1.700 projetos inscritos, o nosso ficou entre os 60 que receberam um aporte financeiro de 50 mil reais, os quais foram utilizados para construir o protótipo que denominamos de PRATYKO. Agora, com o protótipo pronto, estamos tentando o próximo passo, que seria a produção em série.

Seu blog fala essencialmente sobre carros dos mais variados tipos, mas acredito que nunca tenha abordado um carro concebido e construído especificamente para cadeirantes e PNEs (portadores de necessidades especiais). Os detalhes do projeto estão disponíveis no nosso site.

Nosso objetivo é levar esse carro ao maior número possível de pessoas, pois acreditamos que ele beneficiará muita gente que não sai de casa por falta de um meio de locomoção, ou mesmo pelas dificuldades de adquirir um carro automático e adaptado. Pretendemos comercializar esse veículo com preço bem baixo, vamos lutar para conseguir isenções, deduções e subsídios para tornar o veículo acessível.

Sabemos que o caminho do protótipo até o mercado ainda é longo, há muito a ser feito, mas como temos um foco específico e um público que não tem muitas opções, isso nos faz crer que poderemos obter sucesso nessa empreitada. Estamos abertos a formar parcerias com quem deseje investir e apostar em nosso projeto.

Esperamos contar com seu apoio para divulgar esse projeto 100% nacional. Um abraço da equipe do Projeto Mão na Roda.

O apoio está dado, Márcio, sei que não é muito, mas espero, do fundo do coração, que as almas que tomarem conhecimento do Pratyko no meu blog, e que tenham condições de participar de alguma forma, o façam. Mantenham contato. E vocês, blogueiros cheios de contatos, mãos à obra!

Comentários

  • Flavio, sem querer parecer o bom e coisa e tal. Tenho um projeto como este, pronto, há já cinco anos, e não consegui patrocínio para levá-lo adiante. De diferente, apenas o fato de que o acesso ao interior se dá pela frente, como nas Romi-Isetta, e seria um triciclo, usando motor de moto. Dessa forma, fica mais fácil parar de frente para a calçada e desembarcar. Abraço.

  • Parabéns aos criadores pela iniciativa e projeto.. Vejo algumas melhorias que podem ser feitas no carro, natural para um protótipo.. Infelizmente o maior problema para criadores e adaptadores é o fato de documentar o veículo, pois a legislação hoje limita demais as adaptações, exigindo o CAT da empresa adaptadora, o que custa uma fortuna $$$.. Assim, pequenas empresas de adaptação acabando sendo excluídas do mercado.. Sentimos isso por experiência própria, pois fazemos triciclos para uso por pessoas com deficiência..

    Caso tenham curiosidade, visitem http://www.motorgato.cjb.net

    Flávio, fique à vontade se quiser divulgar também.. Abc…

  • Legal essa iniciativa do meu conterrâneo da minha amada cidade Lages. Se os governantes tivessem a iniciativa de fazer projetos como esses se tornaram uma realidade para todos os Portadores de Necessidades Especiais (PNE) o mundo seria bem mais igualitário e justo para todos. Parabéns!!!!!!!

  • Analisando o vídeo, eu desenvolveria melhor a idéia… Talvez uma porta lateral para facilitar entrada e saída em calçadas, coisa complicada pela traseira.
    E para dirigir, talvez outras opções além do volante, pensando no futuro e em ampliar ao máximo os possíveis usuários, usaria um joystick com sistema de 2 eixos, com o carro controlado por eletrônica, freios ABS, controle de estabilidade, câmbio CVT, o usuário apenas usa o manche e indica para onde quer ir, isso permitiria até que paraplégicos com problemas de cordenação conseguissem dirigir. Lógico que custaria uma fortuna, mas um sistema assim deveria ser mundial, para deficientes dirigirem muitos outros veículos, e a tecnologia de drive by wire já está disponível faz mais de uma década.

  • Simplesmente uma idéia duca! Tomara mesmo que vá adiante, finalmente algo que a indústria automobilística tem a OBRIGAÇÃO de investir e propagar…

    Infelizmente, apesar do aumento da consciência, o transporte público ainda não é algo universal para os PNEs… acho que, nesse caso deles, o carro feito sob medida como este é a solução perfeita, daria uma mobilidade sensacional, acabaria com a dependência de horários de ônibus especiais, de boa vontade e capacitação de motoristas e cobradores, da paciência de inúmeros usuários que eu vejo… e pelos cadeirantes que eu conheço, a dificuldade de se entrar e sair dos automóveis é complicada…

    Boa sorte aos projetistas… isso é uma idéia original e que tem tudo para ser revolucionária… estranho, até onde sei, é ninguém nunca ter pensado nisso…

  • Já que os nossos ilústres deputados e senadores aumentaram seus salários em 62%. Vamos botar essa cambada pra trabalhar.

    No site da Câmara e do senado, da pra se comunicar diretamente com eles. Que tal solicitar a isenção de impostos para carros fabricados para deficiêntes?

    Lembre-se em quem votou e exija. Afinal eles estão lá para trablahar por nós.

    http://www2.camara.gov.br/participe/fale-com-o-deputado

    http://www.senado.gov.br/noticias/opiniaopublica/fale_senado.asp

  • E não é que o carrinho ficou simpático também? Estas inciativas são de arrepiar. Como é um protótipo, muita cisa ainda precisa ser aperfeiçoada, masachcei genial o projeto. Com estas notícias conseguimos aumentar a esperança de que as desigualdades, as deficiências, podem diminuir em nosso país.
    Parabéns ao chará e a vocce, Flávio

  • No terceiro dias as duas canetadas anteriores já não valem nada… A questão então seria se o mundo é pior ou melhor do queera antes desse processo.

    respostas fáceis, que fogem de muito trabalho e esforço, em geral são muito frágeis.

    Sobre o veículo, a idéia é ótima, mesmo, pode preencher a lacuna que existe entre aqueles que usam veículso adaptados e os que dependem absolutamente de outros.

  • Ei Flávio, tenta colocar ele no Indiana Gomes, pra gente ver como funciona de verdade. Aposto que cabe numa vaga de estacionamento comum parando de ré e abrindo a porta traseira na calçada. Um excelente projeto. Parabéns.

    • No chutômetro, acho que a cadeira deve ter o mesmo tipo de fixação que já é utilizada nos ônibus com espaço reservado para cadeirantes, que trava as rodas como fosse o cinto de segurança… não vejo isso como um grande problema…

  • Parabéns, pessoal do Mão na Roda! Infelizmente não tenho condições de ajudá-los financeiramente, mas a partir de agora acompanharei o trabalho de vocês: que grande solução vocês encontraram! Com respeito a todos podemos fazer um país cada vez melhor! Muito sucesso!

  • Oi Flávio, bom dia.

    Parabéns ao Márcio pelo projeto e torceremos para que consiga o investimento necessário para alavancar seu projeto e sonho. Nunca tinha visto nada parecido em termos de carro para PNE´s. Parabéns!!!

    Túlio Parodi.

  • Bom dia Flávio, cara soiu seu fã r fiquei muito contente com post sobre o carro para pessoas com deficiência, pois sou um cadeirante desde criança. Vejo que a cada dia os temas relacionados a este segmento se espalha em diversos lugares e não só nos espaços dedicados à inclusão (que também são importantes).
    Só gostaria de fazer uma observação, atualmente a expressão “Portadores de Necessidades Especiais” está se extinguindo, o mais correto seria “Pessoas com deficiência”. Creio que não seja preciso alterar, pois sei que não o faria, mas deixo registrado no comentário.
    Parabéns pela iniciativa.
    Abraço

  • putz, que projeto legal. e mais que isso , FUNDAMENTAL. tomara que vingue, tomara que alguém na volumosa e orgulhosa indústria nacional se toque da necessidade de se produzir o Pratyko.
    de repente alguém independente como o Kasinski.

    e que bacana que essa idéia surgiu em Santa Catarina, um lugar que tem ficado conhecido por uma juventude um tanto reacionária, em tempos recentes.