MENU

sexta-feira, 29 de abril de 2011 - 19:12Colunas Warm Up

COLÚNICA

SÃO PAULO (mérito a quem tem) – A coluna Warm Up de hoje faz uma justa homenagem a Max Mosley, que salvou a F-1 da bancarrota.

17 comentários

  1. André disse:

    Perfeito o texto, concordo plenamente. Max Mosley e Bernie Ecclestone dividem esse mérito de terem salvo a Formula 1 dos caprichos de montadoras. Os verdadeiros gênios da F-1 são eles.

  2. Lucas Rafael Chianello disse:

    Concordo com o texto. Valeu, Flavião!

  3. Flavio Bragatto disse:

    A unica equipe que está dentro do orçamento é a Hispania, mas é como sustentar uma familia de 4 crianças, pagando aluguel e com um orçamento de salário mínimo. Dá para viver, mas é bem abaixo da linha da pobreza.

    Mesmo sem seguir a ferro e fogo, se as equipes esbanjarem menos, dá para se chegar ao dobro do teto orçamentario de Moseley que já seria um feito e tanto.

    Com 80 mihoes de euros eu acho que eu montaria uma equipe de F1 também (e com motor elétrico) :D mixaria

  4. rubem rodriguez gonzalez disse:

    O tio chicotinho é um verdadeiro judas querendo posar de herói, estão salvando a F-1 de onde ele em conluio com a besta fera do uncle Bernie colocaram a categoria apenas por grana e mais grana.
    A F-1 era chamada de circo exatamente por ser um espetáculo itinerante e não por se prestar para palhaçadas como irem se apresentar em lugares ridículos e bizonhos com a desculpa de “internacionalização e globalização” (sic) Se fosse isso teriamos de volta o Gp da Africa do Sul, Argentina e outros mais, a intenção sempre foi a grana e isso ficou estampada com o banimento dos garagistas que foram os responsáveis por deixar a F-1 apaixonante e desejado por todos, quando chegou nesse patamar deram um bico em todos e foram atrás dos bilhôes das montadoras e deu no que deu…….

    Jamais vou endeusar um judas como esse, e para finalizar temos agora o processo final de “nascarização” da categoria com essa pontuação ridícula, regulamento idiota e feito por quem jamais conheceu ou gostou da categoria, é apenas política de resultado. Virou um eufemismo da luta livre americana ou o nosso telecatch aonde a luta é substituida por um balé coreografado que vagamente imita uma luta.

    Deve ser horrível e dificílimo fazer um regulamento tecnico com as limitações quanto a medidas , dimensões, motorização e uso de combustiveis e pneus. Para baratear de verdade é só cortar 90% da eletronica embarcada, pit stops e quipes com 200 engenheiros e traillers e apoio que lembram filmes dos Jetsons, coloca um trambulador de volta, um pedal de embreagem, tira a asistencia eletronica que existe até para a largada, tira a hidraulica dos carros, a caixa de direção do carro dos Fittipaldis era oriunda do chevette custava 500 reais e nunca tive notícia que deixou de fazer o seu trabalho, paguem salários reais ao invés de promover com a categoria o que é feito pelo esporte no mundo inteiro graças ao beneplácito eo interesse dos governos locais que é a lavagem descarada de dinheiro. eliminem aquela pizza de 30 sabores que é o volante d eum F-1 atual por um prosaico volante de verdade, aquele que serve para virar as rodas e tangenciar as curvas

    Algum idiota aqui vai dizer que a tecnologia é irreversível e que defendo a volta da idade da pedra. Nada mais errado!!!! laboratório e eletronica é para desenvolvimento, na pista o que deve mandar é a excelência mecânica e a habilidade humana, lembrem-se que teve nadador que largou as piscinas quando proibiram seu maiozinho turbinado….. o cara gosta de ver é isso na pista, o cara vibra é com a disputa de freiada e não se o cara está apertando 1230 botões ao mesmo tempo, ou então está sendo vítima de um ridículo fiscal de pista atrás dos seus 15 minutos de glória.

    Abaixo os foto sensores, a asa que só abre depois que um computador processa a distancia enter os dois carros . calcula o tempo multiplica por dois e divide pelo numero do sapato do piloto que ocupa a 13ª posição naquele momento…… falem a verdade….existe algo mais broxante? se aquela merda pode ser aberta que o cara abra o momento que quiser, se é para preservar a integridade física do piloto e a segurança total do piloto existe uma medida simple e outra mais compelxa, a simples é arranquem essa merda de dispositivo daí pois é perigoso ou então retirem logo aquele dispositivo acionado pelo pé direito que é – ainda – chamado de acelerador. Pronto!!!! sem ele a categoria vira 100% segura…………..

  5. Ivan disse:

    Eu concordo, falaram tanto mal do cara mas suas ideias resolveram, em parte, a questão dos altos custos da F1.

  6. hugo disse:

    Concordo. Hoje, na crise que os paises europeus estão vivendo…

    O Grid da a F-1 seria de Ferrari, Mercedes, Red Bull e (talvez) Renault.

    E olhe lá…

  7. galileu disse:

    necessItamos urgentemente um cara desses para a nossa stock car, cada vez mais cara e insegura

  8. Pedro Jungbluth disse:

    Discordo terrívelmente. Foi Mosley quem colocou a situação da F1 como estava. Salvou das próprias cagadas.

  9. Levi Davet disse:

    Por fim (e peço desculpas pelo post triplo), o que é melhor: Adrian Newey ou 100 milhões de dólares a mais no orçamento? A Red Bull só ganhou o campeonato do ano passado porque Newey está muito à frente dos demais projetistas, e teria ganho mesmo se não houvesse a redução no orçamento das equipes. E, se tivesse tido um difusor duplo desde o começo do campeonato de 2009, teria faturado esse também.

    A Toyota era a equipe que mais gastava e nunca ganhou nem corrida, evidentemente porque faltavam as cabeças necessárias para fazer um carro vencedor. Capital monetário é importante, mas é o capital intelectual que realmente faz a diferença.

    Muitos dizem que foi por causa da crise econômica que as montadoras saíram da F1, mas eu vejo as coisas por outro lado. Que incentivo há para as montadoras em permanecer em uma categoria na qual não há incentivo para desenvolver nada, em que tudo estava sendo padronizado, e as regras, principalmente no que diz respeito à aerodinâmica, estavam se tornando cada vez mais restritivas, inibindo a criatividade dos engenheiros e projetistas, onde todo tipo de novidade é banida por estar contra o “espírito das regras”… Todas essas limitações foram impostas por Mosley enquanto este presidia a FIA. E ele iria continuar até transformar a F1 numa “GP1″, numa spec-series. A Max Mosley, posso apenas dizer: good riddance.

  10. Levi Davet disse:

    E, tem outra FG, pode não parecer, mas também gasta-se muito dinheiro fazendo motores mais duráveis. Não saberia dizer, mas os gastos com pesquisa adicional para fazer os motores durarem mais poderia muito bem superar os gastos anteriores na fabricação de motores que estouram facilmente e tem que ser substituídos a cada corrida. Além do mais, a categoria tornou-se mais previsível, porque, se os motores duram mais, não há tanto risco de abandono por quebra de motor, o que, na minha opinião, deixa o espetáculo um tanto menos emocionante.

    O que realmente reduziu os custos nessa questão dos motores foi a regra do engine freeze, que proibiu o desenvolvimento dos motores, embora algumas equipes tenham tentado driblar essa proibição.

  11. Ivam Campos disse:

    Olá Flavio

    Vi essa foto e me chamou a atenção.
    Você sabe dizer se é montagem?

    http://formula-2.blogspot.com/2011/04/ole.html

    abs

  12. Levi Davet disse:

    Max Mosley transformou a F1 numa piada ao permitir que ajudantes de circo como Virgin e Hispania entrassem na categoria.

  13. Adriano de Avance Moreno disse:

    Há 20 anos atrás, todos já falavam que os custos da F-1 estavam indo para o espaço, e que em pouco tempo, a quebradeira seria geral, se não se tomasse medidas para evitar a escalada de custos. Nada foi feito, e a entrada em massa das montadoras, diga-se patrocinada à época por Mosley e Ecclestone, que queriam, nas entrelinhas, “varrer do mapa” os times pequenos, vitaminou os custos ainda mais. O resultado foi essa espiral de custos sem freios. Mosley parece que viu seu erro, felizmente, mas errou na maneira de propor certas medidas, como o teto orçamentário, que seria outra boa medida. Aproveitando a ocasião, convido todos aqui a conhecerem o meu blog de automobilismo, no endereço http://pista-e-box.blogspot.com . Escrevo minhas colunas sobre automobilismo, com destaque para a F-1, desde 1993, e aos poucos, pretendo ir colocando no ar todos os meus antigos textos, junto às minhas colunas atuais. Sejam bem-vindos para ler e comentar…

  14. André Almeida disse:

    Engraçado que os valores voltaram aos patamares de 1994…

    Interessante…

  15. Andre Heiss disse:

    Cara, impressionante como a F1 anda sem notícias…
    Ainda bem que temos um alento com a Indy neste final de semana…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>