MENU

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011 - 17:45Indy, IRL, ChampCar...

FANGIO E INDY

Foto IMS

GUARUJÁ (foi-se, a chuva) – Dica de leitura do Divila, que anda disparando e-mails a torto e direito, um melhor que o outro: o dia em que Fangio disse “não” às “500″. A história é contada pelo “Indianapolis Star”, que no artigo trata o argentino como “campeão mundial de corridas de rua e estradas”. Engraçado que não há uma menção sequer ao nome “Fórmula 1″.

Fangio já tinha parado, depois de cinco títulos mundiais, embora ainda pingasse aqui e ali para correr de alguma coisa — como em Cuba, quando foi sequestrado por rebeldes e ficou amigo deles porque considerava sua causa justa.

O episódio do convite para correr em Indianápolis se passa em 1958. Fangio chegou a fazer um teste, bateu (“bateu” não de “bater”, mas de “atingir”, sacaram?) em respeitáveis 142 milhas (228,5 km/h) de média, rodou, desistiu. Havia uma oferta de prêmio em dinheiro se ele conseguisse um bom resultado que, nos dias de hoje, causaria um ataque de riso até no Liuzzi: 6,5 mil dólares

De qualquer forma, sua passagem pelo Speedway foi registrada, claro, e está nos arquivos do IMS em ótimas fotos e recortes de jornal.

20 comentários

  1. Pô Flávio, “Rebelbes” é sacanagem… ano passado quando estive em Cuba e estava visitando o museu da Revolução, vi uma carta escrita a mão que lá está exposta na qual o próprio Fangio relata que esse ato foi importante etc etc etc… vamos ter sempre bom senso quando se escreve sobre Cuba. Após isso ambos tornaram-se íntimos e Fangio é um dos poucos não Cubanos que possuem imagens no Museu da Revolução … (O Outro é um tal de Chico Buarque…)

  2. Leonardo Costa disse:

    De vez em quando eu penso que os pilotos da época do Fangio eram apenas mais corajosos (loucos) que os de hoje em dia.

  3. Jomar Machado disse:

    Amigo,
    Tem algum material referente ao Fangio testando a Dequinha Mickey Mouse em Interlagos ??

  4. LBM disse:

    Olha só o estado dos pneus, acho que faltou uma melhor regulagem de camber.

  5. moacir disse:

    Fangio é o maior de todos os tempos – ganhou 5 títulos naquela segurança de meia casca de ovo e morreu de velho. Ninguém vai superar isso.

  6. Roberto Martinez disse:

    Fângio fez o que fez na F1 porque, na minha opinião, sempre teve equipamento melhor e mais atenção, outra coisa, em termos de pilotos e carros da época, valeu muito o ditado “terra de cego quem tem um olho é rei”…Ele venceu de Alfa, Ferrari, Maseratti e Mercedes, no auge de cada uma das marcas, chegou a trocar de marca no meio da temporada…. Venceu corridas ou marcou pontos usando o carro do companheiro (após o dele quebrar), tirando o companheiro da corrida, na época valia.
    Foi bom, mas se fosse realmente “o fora de série” como argentinos pensam que foi, correria na Indy e venceria de qualquer jeito!
    O que esses anos 50, Fângio, Gardel e Peron fizeram com a cabeça dos “hermanos” em termos de soberba, foi além da conta!

    • Roberto Carvalho disse:

      1)Dividiu pontos com um companheiro 4/5 vezes por dividir o carro com eles, não tirou vitórias, aliás em 2 dessas provas, pegou o carro e conseguiu a liderança, logo DEU de presente, dividindo os pontos, Vitórias a seus companheiros…isso é MUITO menos que não deixar um bom piloto ser seu companheiro e obrigar a Equipe a rasgar contratos assinados…e ele teve ninguém menos que Stirling Moss.

      2) Largou 51 vezes e venceu 24 GPs (47%).

      3) Largou 51 vezes e fez 29 Poles (57%).

      4) Largou 51 vezes e fez 23 Voltas mais rápidas (45%).

      5) Correu 7 temporadas completas e venceu 5 Campeonatos e teve 2 Vices…na que não fez completa, correu apenas 2 provas com um carro completamente ultrapassado, mas foi nestas duas provas 4º colocado com um Maserati de 4 anos passados…

      É…o Fangio era um piloto mediano criado pelo Perón…a gente lê cada IMBECILIDADE aqui…acho que nunca leram sobre sua vitória em Nurburgring 1957…ainda querem diminuir o cara…o cara foi simplesmente espetacular…nunca foi Campeão se utilizando de descartes de resultados…outro fato incontestável.

      • Roberto Martinez disse:

        Roberto Carvalho,
        Numa coisa eu concordo com você: A gente lê cada IMBECILIDADE, depende só do ponto de vista.
        Recaptulando três coisinhas que escrevi:
        1-”…em minha opinião…”
        2- “…Em terra de cego quem tem um olho é rei…”
        3-”…O cara foi bom…”

      • DURVAL PEREIRA disse:

        …mas que foi uma bobagem sem tamanho lá isso foi…de qualquer ponto de vista…

    • JCDias disse:

      Como tem uns caras que vão nessa onda de serem anti-argentinos até o osso. Coisa mais babaca! Aqui no Brasil ninguém faz a cabeça da manezada né? Não tem Globo, não tem produção em série de heróis do “seranojo”, do “pagode mela cueca”, da novelada, dos campos de futebol (com seus cabelos de cacatua e overdoser de exposição). Airton Silva ganhou três campeonatos com o pior carro e só com a marcha-ré! acreditam uns manipulados… Haja saco!

      • Roberto Martinez disse:

        JCDias,
        Também concordo contigo, haja saco, só depende do ponto de vista…
        Para sua informação, eu admiro o automobilismo argentino, mais desenvolvido que o nosso, já estive lá numa prova da TC (a tradicional, não a 2000) a convite de um patrocinador que tive, comum a um dos caras de lá que tem o pai ligado a confederação deles, vi Florian Gonzales ser homenageado, etc…Outra coisa, eu gosto de Rock Clássico e preferia o Piquet ao Senna, mesmo admirando a capacidade do super herói da Globo…
        Só que, sou mais Chico Landi e Bird Clemente do que Fângio…só isso.

  7. Felipe Fugazi disse:

    “Campeão mundial de corridas de rua e estradas”…é a Rede Grobo fazendo escola…
    Lá por exemplo não falam em F-Indy, I.R.L. ou NASCAR, é tudo chamado genericamente de “automobilismo americano”.

  8. DURVAL PEREIRA disse:

    Caramba, se faltar freio dá para colocar o cotovelo no pneu e ir freiando…até o céu…

  9. Danilo Candido disse:

    O último à correr num oval em busca de recompensa foi Dan Wheldon…deu no que deu.

  10. Pablo disse:

    Acho que 6.500 dolares hoje em dia não causaria um ataque de riso só no Liuzzi, acho que esse valor causaria hoje ataque de riso até em pilotos de GP3…

  11. Julio Cesar Gaudioso disse:

    A Popular Mechanics entrevistou Fangio na ocasião e ele disse que, quando chegou em Indianápolis, o carro ainda estava sendo montado e as peças rolando no chão; além da dificuldade de se adaptar ao tipo de corrida, viu que suas chances de chegar ao final da prova assim seriam diminuidas, levando ao seu desinteresse pela prova. Dos rebeldes, falou que eles foram muito gentis, e que só o seqüestraram para chamar a atenção internacional.

  12. BK disse:

    6500 dólares de 1958 atualizados para valores atuais seria pouco mais de 50 mil dólares.
    http://www.wolframalpha.com/input/?i=US%24+6500+1958

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>