HISTÓRIAS DE PIQUET

SÃO PAULO(longa vida) – Os 60 anos de Piquet, claro, não poderiam passar em branco. Depois de duas semanas de férias olímpicas, a coluna Warm Up voltou hoje. Um trecho:

Piquet pode não ter sido o melhor, nem o mais importante piloto brasileiro. Mas foi, certamente, o mais interessante. E na minha escala de valores, muito particular, interessante vem na frente de importante e de melhor. E nessa mesma escala de valores, bastante particular, Emerson foi o mais importante e Senna, o melhor.

Para ler na íntegra, é só clicar aqui. E depois, como sempre, pingar os comentários.

Comentários

  • LInda coluna, Flávio, e maravilhosa definição dos três maiores pilotos brasileiros. Concordo também que o Piquet foi o mais interessante de todos e que ser mais interessante é mais do que ser mais importante ou melhor…
    Piquet foi único, em suas atitudes dentro e fora da pista, adorava ver suas manobras, seu arrojo, dirigindo e falando… o tapa no capacete do Salazar, sua comparação apontando as difenreças entre ele e o Mansel… infelizmente, acredito que nos dias de hoje, Piquet não teria tido o sucesso que teve por cotna de seu modo autêntico de ser…

  • Muito bom o texto, mas me incomoda essa história de chamar o Briattore de “crápula” enquanto os demais participantes da tramóia saiam como vítimas inermes de um patrão malvado.

    Se o meu chefe vier até aqui e me pedir para executar meu trabalho de forma dolosamente incorreta, eu levanto da cadeira e vou embora. Creio que o mesmo fariam o próprio dono deste espaço, assim como a maioria dos seus leitores.

    Para não falar do mal-contado da história: se alguém quisesse provocar uma bandeira amarela teria outros meios que não se espatifar no muro daquela maneira. Nos treinos de sexta-feira de Singapura-2009 um piloto se espatifou no muro exatamente como Nelsinho Piquet houvera se espatifado um ano antes. Não consta que tenha sido proposital também. O rádio da Renault, apontado como “prova” da farsa, prova exatamente o contrário: Briattore xingando o ocorrido. Portanto, temos um caso onde a mãe de todas as provas (a confissão) foi aceita, encerrando o caso ipis litteris e nada mais sendo respondido ou perguntado. Um dia saberemos o que aconteceu de fato.

  • Só quem viveu a epoca do Piquet é que sabe o quanto ele é um Genio.

    Se ele fosse Italiano ou Ingles seria considerado um Icone das Pistas… nós brasileiros somos mesmos uns ingratos.

    Imperador

  • Sua definição sobre os 3 gênios do automobilismo nacional não poderia ter sido mais perfeita. Breve, simples e direta, sem diminuir nem aumentar um ou outro, algo que nunca ouvi antes a respeito. Quem dera os outros veículos que cobrem o automobilismo nacional tivessem tamanha sagacidade. Parabéns.