ASSUMAM, AGORA

SÃO PAULO – Foi em 23 de agosto do ano passado que escrevi pela primeira vez sobre o tema, num post intitulado “Zero esperança”. Tinha acabado de ver um dos vídeos de figura tristemente notória na internet, o “Tiozão da Hornet”, ou “Klebão”, com seus quase 500 vídeos cometendo barbaridades de motocicleta pelas ruas da cidade. Reproduzo um trecho, cortando o que não é essencial ao raciocínio:

São 491 vídeos. Nome e sobrenome. Alguns mostram até que o rapaz tem lá suas ideias, alerta contra as drogas, contra o preconceito, contra o crime. Talvez tenha bom coração, família, mulher, filhos, sei lá. Mas um vídeo só, apenas um, esse aí embaixo, deveria ser suficiente para que as autoridades da cidade impedissem-no de dirigir qualquer coisa motorizada. Qualquer coisa. Não estou discutindo caráter, bondade, maldade, nada, nada disso. Não sei quem ele é, não tenho o menor interesse em conhecê-lo, espero apenas nunca cruzar com ele na rua, porque provavelmente vou me assustar, cair da lambreta e me estatelar no asfalto. Somos uma cidade de milhões de cretinos, idiotas, irresponsáveis, egoístas, estúpidos. Alguns deles postam 491 vídeos no YouTube. E fica tudo por isso mesmo. Donde se conclui que cretinos, idiotas, irresponsáveis, egoístas e estúpidos também são facilmente encontráveis entre as autoridades da cidade, medrosas, covardes, patéticas. Se uma polícia de uma cidade como São Paulo é incapaz de fazer algo contra alguém que faz o que esse rapaz faz no trânsito, nas ruas e nas estradas, fazendo o favor de dar nome, sobrenome e endereço para quem quiser encontrá-lo, esqueçam. Isso aqui não tem jeito, mais.

O que mais me espantou à época foi menos festival de atrocidades no trânsito e mais a quantidade de gente que assistia aos vídeos e vibrava com elas. O blog foi atacado por defensores do “Tiozão”, embora o que ele mostrasse com sua câmera na moto fosse algo claramente indefensável para qualquer pessoa com um mínimo de civilidade. Daí o título, “Zero esperança”.

Não sei se por coincidência, pouco depois de aparecer aqui o protagonista foi alvo de algumas reportagens em canais abertos de TV, que igualmente receberam saraivadas de ofensas por parte dos seguidores do motoqueiro. Mas a estupidez humana é tão ilimitada, que uma certa WNTV, um desses canais de TV pela internet, incorporou o “Tiozão” ao seu quadro de apresentadores, dando a ele um programa semanal, parece.

No último dia 28 de janeiro, recebi uma informação sobre o atropelamento de um senhor de 53 anos na avenida Duque de Caxias, no centro de São Paulo. O homem atravessava a avenida, que tem duas pistas separadas por um canteiro central, na faixa de pedestres, mas com o sinal aberto para os carros. Aproveitou que não vinha ninguém e atravessou. Todos fazemos isso, às vezes. É imprudente. Um carro que estava na pista da direita resolveu passar para a outra aproveitando a interrupção do canteiro central num cruzamento, fazendo uma manobra cujo caráter irregular estava claramente expresso por uma placa de trânsito. O carro atingiu o homem, que foi atirado longe e teve fratura no crânio. As imagens estão no vídeo aí no alto. Ele trabalhava numa loja de autopeças da região.

Oito dia depois, o homem, Antonio Farias, morreu no hospital. Deixou mulher, três filhas, um filho e duas netas.

Quando recebi a informação, surgiu o nome do atropelador: Kleber Atalla, o “Tiozão da Hornet”. Era ele quem dirigia o carro. Minha surpresa se limitou a isso: ele estava dirigindo um carro, uma picape Fiat Strada, e não sua motocicleta. Por tudo que “Klebão” costuma fazer no trânsito, supunha que a probabilidade de seu envolvimento num acidente de trânsito dar-se-ia sobre duas, e não quatro rodas.

Mas era, obviamente, uma questão de tempo para que algo sério viesse a ocorrer. Ocorreu, e uma pessoa perdeu a vida.

Essa vida será, claro, debitada na conta de Kleber Atalla, que fez uma manobra proibida e imprudente, típica dos que se consideram donos das ruas e avenidas e creem na impunidade acima de tudo. Que seja processado, julgado e condenado, e nunca mais dirija nada. Mas deve ser debitada, sobretudo, na conta de todas as autoridades policiais, de trânsito, de governo, de administrações municipais, estaduais e federal que, covarde e inexplicavelmente, fecham os olhos para as centenas de manifestações de insanidade que surgem a cada dia no YouTube e lá ficam à disposição de quem tiver coragem e senso de cidadania para punir seus autores.

Se no dia 23 de agosto, cinco meses atrás, quando escrevi sobre o assunto, ou nas semanas seguintes, quando o triste personagem se tornou célebre para além de seu universo de admiradores através de reportagens de TV e outras mídias, alguma autoridade tivesse tomado a única atitude aceitável para o caso — chamá-lo a prestar depoimento, indiciá-lo e cassar sua carteira de motorista —, ele não estaria dirigindo nem patinete em vias públicas. E o senhor Antonio estaria vivo. Mas o “Tiozão” continuou sem ser incomodado com sua infeliz jornada de colocar a vida dos outros em risco, registrando cada demonstração de escárnio em seus vídeos assistidos por milhões de pessoas.

Vocês, autoridades que se omitiram e nunca fizeram nada, mataram o senhor Antonio Farias, 53 anos. Vocês mataram o marido de dona Rosemeire e pai de Mariane, Bruna, Ana Beatriz e Wellington. Vocês continuarão matando Antonios e Josés e Joões enquanto motoqueiros, motoristas e caminhoneiros seguirem filmando suas façanhas para deleite de milhões de debiloides excitados sem que alguém se dê o trabalho de identificá-los e puni-los.

Parabéns.

Comentários

  • Resolvi colocar nos cometários deste post para que você veja. Sei que já colocou algumas vezes em seu blog, exemplos de irresponsabilidade como este, mas não é possível que esses caras façam este tipo de coisa e ainda sejam chamados de “foda de verdade”.

    http://www.malgusto.com/videosytc/Y2HKBQMQmbw/61323/carrera-autopista-brasil-audi-r8-y-suzuki-gsxr1000-y-kawasaki-ninja.html

    Pressão nas autoridades Flávio. A polícia tem como identificar o carro, passou pelo pedágio, foi filmado, deve ter passado por radares, tem o nome do cara no vídeo, não é possível que
    o cara faça isso e saia numa boa. Já fui multado por execesso de velocidade a 65Km/h. Estava errado e paguei por isso, com pontos na carteira e com uma grana que foi para os cofres públicos, e esse cara, vai pagar como ter passado dos 210km/h em via pública por diversão?

    Essa semana ví isto também.
    http://www.youtube.com/watch?v=7DlJlAxUD14

    A reportagem disse que se quer foram para a delegacia, porque não houve prova de quela dirigiu naquela situação. Como O CARRO CHEGOU ATÈ LÁ SOZINHO? Só podem estar de brincadeira.

    A lei que me puniu, não pune riquinhos e gostosas, lembrando também da “bebada de curitiba”…essa é a conclusão.

    Pressão nas “autoridades” Flávio, seu blog é um dos caminhos mais importantes de conseguir por sob as luzes a impunidade desses calhordas, já que com certeza eles tem dinheiro para correr em um autódromo e de forma legal. !!!!

    Abraço e desculpe pela indignação e desabafo.

  • Esse Kleber não é uma pessoa normal.

    Basta ver qualquer uma das “entrevistas” dele para notar que o cara é todo esquisito, cheio de tique nervoso e não tem cultura ou mesmo inteligência.

    Além disso é ex-ladrão de carros e ex-drogado (Isso é o que ele diz, eu sinceramente não acredito que ele parou, nem com os roubos e principalmente com as drogas). Quem não acredita procura no google os processos no nome desse marginal que vai encontrar facilmente.

    • Isso explica muito como é que virou “celebridade” entre os jovens brasileiros.
      Nenhuma novidade aliás. Pobre país. Ah, e ele provavelmente não vai sofrer absolutamente nada pelo atropelamento no início do ano. Estamos no Brasil, terra sem lei. Ou melhor, lei só para quem trabalha e cumpre com suas obrigações, é honesto, etc.

  • “RELAÇÃO Nº 0498/2012
    Processo 0000915-93.2003.8.12.0047 (047.03.000915-0) – Receptação Dolosa – Receptação
    Autor: Ministério Público Estadual de Terenos –
    Réu: Luiz Cesar Gusmão de Lima – Kleber Aparecido Atalla
    Adv: ROBERTO BATISTA VILALBA (OAB 10922/MS)
    Adv: SIDNEY KANEO NOMIYAMA (OAB 84599/SP)
    Adv: DEFENSORIA PÚBLICA(…) Assim, ACOLHO os Embargos de Declaração opostos por Kléber Aparecido Atalla, e o faço para declarar EXTINTA SUA PUNIBILIDADE em face do fenômeno prescricional ora reconhecido, ex vi do artigo 107, IV, c/c 109, V, e 110, todos do Código Penal. Registre-se a extinção da punibilidade do sentenciado no sistema do SINIC (âmbito nacional – Polícia Federal) e SGI (âmbito estadual – II/MS), e oficie-se a Justiça Eleitoral informando a respeito. Após trânsito em julgado, arquivem-se. PRI. Diante da extinção da punibilidade, sem razão a apelação interposta.”

    “9152546-72.2009.8.26.0000 (990.09.012634-5)

    Apelante: Ministério Público do Estado de São Paulo
    Apelado: Kleber Aparecido Atalla

    Deram PROVIMENTO AO RECURSO da Justiça Pública e, em consequência, CONDENARAM KLEBER APARECIDO ATALLA, qualificado nos autos, a cumprir pena de dois (2) anos de reclusão, com multa no importe de dez (10) dias-multa, unidade no piso, declarando, de ofício, EXTINTA A PUNIBILIDADE, nos termos do artigo 107, IV, combinado com os artigos 109, V, 110, § 1º e 117, I, todos do Código Penal. V. U. ”

    Esse aqui é o mais legal:

    “Durante seu interrogatório, KLEBER APARECIDO ATALLA, vulgo “Turquinho”, afirmou que “tem 43 anos de idade. É comerciante e ganha cerca de R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais) mensais. Tem um filho. Não é usuário de drogas. Não tem antecedentes criminais. Não tem o apelido de Turquinho. Não utilizava os aparelhos de números (67) 9249-6256 e 9227-0280. Seu celular é (67) 9260-6922. Não conhece os réus. Não conversou e não reconhece as interceptações dos documentos. Não frequentava a cidade de Castilho. Não possui carro e tinha uma moto CG 125, cor preta. Nunca foi abordado por policiais em Castilho ou Três Lagoas. Nenhum objeto ilícito foi apreendido em sua residência.” (Sic., 1312/1313)

    Durante o monitoramento fez uso dos telefones (67) 9249-6256 e (67) 9227-0280, cadastrados em nome de terceiros, com endereço nos municípios de Três Lagoas/MS e Campo Grande/MS. Vale conferir:

    Alvo: BATATA
    Telefone: (18) 9146-3430
    Data: 22/04/2011
    Hora: 15:58:43
    Duração: 00:33
    Registro: 20110422io_155843_007_7-BATATA_33.mp3
    Ligação para: HNI
    Telefone: (18) 9249-6256
    Resumo: Batata fala com Turquim que irá vender duas caixas de droga e faz encomenda.

    Transcrição:
    Das: 00:09 as 00:26
    BATATA: Oh, deixa eu falá pro cê, tem uns cara aqui quereno uma caixa de fita (droga), que eu vo vende por cento e quarenta cada uma pro cê,
    TURQUIM: Hã?
    BATATA: Tem o negócio que tá aqui, ??? até um muleque que tá querendo compra umas duas caxa aqui pô. Eu vô vende “cent ca”, cento e quarenta cada uma .
    TURQUIM: Tá beleza.

    Alvo: BATATA
    Telefone: (18) 9146-3430
    Data: 29/04/2011
    Hora: 18:11:35
    Duração: 01:27
    Registro: 20110429io_181135_007_7-BATATA_87.mp3
    Ligação para: Homem não identificado
    Telefone: (67) 9249-6256
    Resumo: Turquim cobra Batata.
    Transcrição
    Das: 00:32 as 01:17
    BATATA: Amanhã eu vo desce ai pô. Vo fala pro cê, to com dinhero aqui pô, e o resto da droga ??? num fico comigo, vo desce aí e vo leva uns milão pro cê pô, pra nóis troca uma idéia pra vê ??? mano.
    TURQUIM: Intão mais éhhhh, mais fico tudo com ele cara, mais e o que se pego da muié lá tamem.
    BATATA: Ochi, rapais ??? foi na casa de pô, tinha pedra tudinho, tinha pedra tudinho, a mãe dele acho, o ??? falô, e jogo fora porque o marido dela falo, aí ele falo, “oh se tivesse achado né eu podia dá” sá porque, porque qual que foi, eu dexei com ele né porque ele tava ??? cumigo, pra faze um dinhero pô.
    TURQUIM: Não pô, agora tinha que paga o cara, agora acabo de me quebra as perna em bicho. Que hora cê vai vim amanhã?
    BATATA: Hã?
    TURQUIM: Que hora cê vai vim aqui amanhã?
    BATATA: Ah, de manhã né pô!

    Alvo: BATATA
    Telefone: (18) 9146-3430
    Data: 30/04/2011
    Hora: 14:24:08
    Duração: 02:29
    Registro: 20110430oi_142408_007_7-BATATA_149.mp3
    Ligação para: Homem não identificado
    Telefone: (67) 9249-6256
    Resumo: Turquim recebe encomenda de Batata para adquirir á vista.
    Transcrição
    Das: 01:25 as 01:51
    BATATA: Ou, tem uns muleque aqui, que tá querendo cata uma fita (droga) ??? no dinhero, não tem nenhuma aí?
    TURQUIM: ???
    BATATA: Hã?
    TURQUIM: Não tem cara.
    BATATA: Ah, entendeu.
    TURQUIM: Não paguei o cara, o dinheiro que ia paga o cara, agora coiso aí meu.
    BATATA: Hoje o sogro da muié veio aqui atrais de mim pô, que ele não sabia qual o número lá, causa que ele queria pegá o negócio ??? dinhero da mulhé lá.
    TURQUIM: É intão.

    Alvo: BATATA
    Telefone: (18) 9146-3430
    Data: 09/05/2011
    Hora: 12:32:04
    Duração: 01:20
    Registro: 20110509oi_123204_007_7-BATATA-LEANDR_80.mp3
    Ligação de: Turquim
    Telefone: (67)9249-6256
    Resumo: Turquim faz nova cobrança. Batata diz que o dinheiro está com Suru.
    Transcrição
    Das: 00:17 as 01:10
    BATATA: Amanhã eu mando o dinhero pro cê, que o muleque foi pra recebe, ele tá no mercado pô, trampano (SURU). Aí tem o dinhero pra te dá, ??? amanhã o muleque já leva aí cedo, já fica tranquilo.
    TURQUIM: Mas que horas, eu preciso do dinhero amanhã cedo cara, vim aqui em Castilho, vim busca o dinhero carai,
    BATATA: Hã?
    TURQUIM: Eu to aqui em Castilho, vim busca o dinhero, falei pra você que eu precisava do dinhero.
    BATATA: Não cara, oh, eu mandei a mensagem pro cê pô, falei que sexta fera eu ia manda o muleque leva aí pô.
    TURQUIM: Não, mais….
    BATATA: ??? não dá pra ele agora não pô, só amanhã memo pô, o muleque vai leva aí de moto, amanhã pô.
    TURQUIM: Amanhã na hora do almoço eu venho buscá então.
    BATATA: Então falô, vem cá na hora do almoço amanhã.
    TURQUIM: Então cê fica aí, ??? amanhã na hora do almoço eu venho buscá hein!
    BATATA: Falô, falô.
    TURQUIM: Cê tá dando mancada comigo hein bicho.
    BATATA: Oh cê tá loco éh.
    TURQUIM: É cê mando otro cara, leva o negócio pro cara lá bicho, o cara tá babo comigo cara!
    BATATA: Por quê?
    TURQUIM: Mando ocê na responsa, e manda otro cara!
    BATATA: Mais, deixa eu fala pru cê o muleque é limpeza rapaiz. O muleque(SURU). trampa pra nóis meu.

    Alvo: LEANDRINHO
    Telefone: (18) 9163-3245
    Data: 10/05/2011
    Hora: 08:46:30
    Duração: 03:05
    Registro: 20110510io_084630_007_7-BATATA-LEANDR_185.mp3
    Ligação de: SURU
    Telefone: (18) 9116-3468
    Resumo: Bruno avisa Suru que Turquim irá trazer droga.
    Transcrição:
    Das: 01:29 as 01:37
    BRUNO: Aí o mano vai liga pra mim, que ele vai desce aí, o Turco.
    SURU: Intão mais hoje vai tê?
    BRUNO: Óh, vai vai vai, ele vai traze cinquenta grama aí. (drogas)

    Alvo: LEANDRINHO
    Telefone: (18) 9163-3245
    Data: 12/05/2011
    Hora: 14:14:44
    Duração: 01:14
    Registro: 20110512oi_141444_007_7-BATATA-LEANDR_74_D_1. mp3
    Ligação para: LUKINHA
    Telefone: (18) 9151-7368
    Resumo: Bruno fala para o adolescente LUCAS que seu fornecedor é Turquim.
    Transcrição:
    Das: 00:45 as 01:03
    BRUNO: Eu to a fim de pega uma fita. (droga)
    LUKINHA: Não entendeu. Quem qué pega uma fita?
    BRUNO: Eu carai.
    LUKINHA: De que?
    BRUNO: De pó né ou. (droga)
    LUKINHA: Não tem pô.
    BRUNO: Não mais, lá o Turco não tem não.
    LUKINHA: Não tem, não tem.
    BRUNO: Eu i lá, lá não tem.
    LUKINHA: Não sei.

    Alvo: TURQUINHO
    Telefone: (67) 9227-0280
    Data: 28/05/2011
    Hora: 11:35:30
    Duração: 00:14
    Registro: 20110528io_113530_001_1-TURQUIM-VANES_14_D_2. mp3
    Ligação de: Homem não Identificado
    Telefone: (18) 9749-8976
    Resumo: Turquim diz para interlocutor que não chegou droga mas prevê a chegada.
    Transcrição:
    Das: 00:00 as 00:14
    HNI: O i ai de certo?
    TURQUINHO: Deu nada cara aquela lá não, deu não, daquela, da du P (Droga) lá nu, nu, num tem não, só lá pa segunda ou terça-feira cara.
    HNI: Beleza intão, falo.
    TURQUINHO: Falo.

    Dessa maneira, entendo que não há dúvidas de que KLEBER APARECIDO ATALLA, vulgo “Turquim”, se associou ao grupo voltado à prática reiterada ou não de traficância.
    5 – KLEBER APARECIDO ATALLA

    A culpabilidade, entendida como grau de reprovabilidade da conduta do acusado, deve ser considerada grave, diante do grau e quantidade de reiteração de sua conduta associativa para o fim de praticar o tráfico de drogas. O réu não apresenta antecedentes criminais (F.A. em apenso). Sobre sua conduta social não foram amealhados elementos suficientes nos autos. Acerca da personalidade também não há elementos suficientes para valorá-la negativamente. Os motivos e as circunstâncias são para próprios à espécie. As consequências do crime são graves, dado à quantidade de pessoas envolvidas na associação aludida nestes autos. O comportamento da vítima (a sociedade) em nada contribuiu para o delito.

    Diante destas circunstâncias judiciais, aplico a pena-base em 5 (cinco) anos de reclusão e 1000 (um mil) dias-multa.

    Ausentes agravantes, atenuantes, causas de aumento e de diminuição da pena, torno-a definitiva em 05 (cinco) anos e 1.000 (mil) dias-multa.

    A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado, ex vi do artigo 33, § 3º, do Código Penal, pois as circunstâncias delineadas quando da fixação da pena-base ao réu (art. 59 do CP), são extremamente desfavoráveis.

    A possibilidade de substituição da pena privativa de liberdade por outras restritivas de direito há de ser analisada sob o prisma do art. 44 do Código Penal. Entretanto, é impossível a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direito, diante do quantum da pena aplicada que, por sua vez, supera o limite previsto no artigo 44 do Código Penal.

    De igual modo e pelo mesmo fundamento, não subsiste a aplicação do sursis (art. 77 do Código Penal).

    CONDENO o réu KLEBER APARECIDO ATALLA, já qualificado nos autos, ao cumprimento da pena privativa de liberdade de 5 (cinco) anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, e ao pagamento de 1.000 (mil) dias-multa, no valor cada um de 1/30 (um trinta avos) do salário mínimo mensal vigente ao tempo do fato, nos termos do art. 43 da Lei n. 11.343/06. Isso por considerá-lo incurso nas sanções do artigo 35, caput, da Lei nº 11.343/2006;”

    • Kleber não tem “Aparecido” no nome. Depois, não tinha 43 anos na data dos fatos e, ainda, não tem filhos. Destarte, resta claro que não se trata da mesma pessoa. Por isso, indago-me como pode alguém, sem um conhecimento preciso, acusar outrem de forma tão inconsequente. Se houve crime aqui, houve de calúnia por parte do acusador, uma vez que atribuiu, falsamente, ao Kleber a responsabilidade pela prática de um fato definido como crime. Kleber erra, como todos. Mas não é esse criminoso que o acusam. E não o defendo por ser um fã seu. Não sou. Cheguei até a ser bloqueado por ele em seu canal do Youtube por algum comentário que fiz, mas do qual não me recordo. Mas ainda, amiúde, assisto aos vídeos para saber em que pé ele está. Por isso, acabei descobrindo certas coisas. E, uma delas, é sobre sua capacidade inata de conquistar os jovens. “Debilóides”, “rebeldes sem causa”, “alienados”, mas nossos jovens, que dependem de nós, adultos, para se tornarem pessoas boas no porvir. Por certo, há indivíduos muito mais danosos à sociedade que Kleber Atalla. Vide os políticos que lesam o erário; os pastores que vivem para e pelo dízimo dos fiéis ignorantes; os policiais corruptos, que permitem a escalada da violência, olvidando a herança quem deixam para seus próprios filhos; ou mesmo as “mulheres ricas” e quem as apresenta ao público, dando exemplo deletério a nossas crianças. Que dizer do médico que atende mal seu paciente, não se importando, de fato, com sua saúde? Ou do advogado que não cuida da fundamentação de sua exordial, por mera preguiça ou irresponsabilidade? Quem já brigou pelos sedentos do Nordeste, ou pelos párias e enjeitados da África? São problemas com resoluções hercúcleas? Quem, então, luta, ao menos, contra seus próprios defeitos? Quem evita os comentários maledicentes sobre colegas de trabalho, quando tal ensejo surge em uma conversa? Quem nunca cruzou o sinal vermelho, mesmo não correndo o risco de ser assaltado durante uma madrugada qualquer? Ou faltou com respeito com sua boa mãe, sem motivo aparente, ou mesmo tentou levar vantagem em uma negociação, mesmo tendo certeza de que prejudicaria, sobremaneira, a outra parte? Os anjos, talvez! E não acredito que haja santos por aqui!

  • Flavio, infelizmente vivemos num tempo no qual pessoas como esse Kle 621 ascende ao sucesso mostrando as barbaridades que ele mostra. Isso é o que as pessoas gostam de ver. E como tudo em mídia se trata apenas de audiência, não duvido que mais cedo ou mais tarde esse cara ganhe um programa num canal de tv aberta. O BraZil é o país da mulher bunda, do funk de “quero comer buceta” e dos Kle 621 filmando as merdas que faz no trânsito.

  • Prova no Youtube tem. Basta algum promotor se dar ao trabalho de cumprir a lei acabar com a farra desse bandido:

    Art. 308. Participar, na direção de veículo automotor, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não autorizada pela autoridade competente, desde que resulte dano potencial à incolumidade pública ou privada:
    Penas – detenção, de seis meses a dois anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

    Art. 311. Trafegar em velocidade incompatível com a segurança nas proximidades de escolas, hospitais, estações de embarque e desembarque de passageiros, logradouros estreitos, ou onde haja grande movimentação ou concentração de pessoas, gerando perigo de dano:
    Penas – detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

    E, que bom seria se possível fosse, pegar todas os moralmente lesados que apoiam o bandido e enquadrá-las por apologia ao crime.

  • Fico impressionado como alguém ainda defende um idiota como este, que causou um acidente tão previsível, por ser tão estúpido e imprudente. Acho que a primeira vez que ele viu se havia ou não uma placa para mudar de pista ali, foi quando algum dos defensores avisaram. Um sujeito desses iria se preocupar em ver se havia alguma placa de sinalização que permitia ele mudar de faixa ali? Pelo menos há muita gente revoltada com o fato. Mas ainda sim, é impressionante.
    Para os defensores desse assassino, sinto vergonha de todos vocês.

  • Reportagem no G1 informa que o facínora será indiciado.
    Espero realmente que ele seja punido e que a pena abranja perder o direito de conduzir qualquer veículo, inclusive carrinhos de feira, rolimã e de controle remoto.

  • Flavinho,
    faço apenas um aparte em seu texto, pois considero que o falecido cometeu um erro terrível.
    Ele arriscou a sua vida para ganhar alguns segundos sem esperar o sinal fechar.
    Sei que nada disso justifica o ocorrido, mas queria fazer apenas um alerta.
    No trânsito, nunca confie cegamente na perícia ou no bom censo dos outros. Por a sua vida na mão de outras pessoas é burrice e pode ser fatal. Já escapei de várias situações perigosas por ser um “pessimista do trânsito”.
    um abraço,