MENU

terça-feira, 9 de junho de 2015 - 19:35Gomes, Tecnologia

ADEUS, AMIGOS

ozimeiuSÃO PAULO (será que devia?) – Acabo de riscar da minha vida três pessoas. Pessoas que me acompanham há anos, desde o dia em que ganhei um endereço de e-mail.

Sendo bem fiel aos fatos, desde o dia em que ganhei meu segundo endereço de e-mail.

Corria o ano da graça de 1996 quando o Zé Otávio me ligou e falou: anota aí o seu e-mail. Anotei numa etiqueta adesiva para colar na portinhola do meu IBM Aptiva, o 486 que financiei no ABM-Amro Bank e que se tornou o primeiro patrimônio da firma. Naquele dia, passei a ser oficialmente [email protected] Era preciso anotar porque se tratava de uma complexa salada de letras e símbolos que não decoraria nunca. Se um dia alguém perguntasse qual era meu e-mail, sacaria de outras etiquetas adesivas com aquela sequência mágica e colaria na testa do curioso.

De todo modo, fiquei muito lisonjeado com a deferência e com minha nova identidade eletrônica, passei a me sentir personagem de “Blade Runner” e imaginei que mais cedo ou mais tarde [email protected] seria convertido em alguma espécie de código de barras, que teria de tatuar na nuca para poder entrar nos EUA, no Japão e na minha casa.

Nunca recebi uma mensagem sequer nesse e-mail, e a partir dele tampouco algo foi escrito. Eu simplesmente não sabia como usar aquele negócio, redigia meus textos numa máquina elétrica Casio e ainda não compreendia direito o que era a internet, que me foi apresentada pelo mesmo Zé Otávio com um passeio pelo Louvre via conexão discada. Esse aí é o site do Louvre, me disse o Zé, e eu continuei sem entender nada, espantado com a fotografia da Mona Lisa que, em alguns minutos, surgiu diante de meus olhos.

Quando meu endereço foi simplificado, passei a entender mais ou menos como funcionava o negócio — uma espécie de telex que eu escrevia no computador e enviava para outros endereços. Virei [email protected], isso eu consegui decorar e abri mão das etiquetas adesivas, e foi exatamente nesse momento que entraram em minha vida as três pessoas que acabo de eliminar para todo o sempre da face da Terra.

Paulo Gasparotto, Deputado Alfredo Kaefer e Alep são essas pessoas que estiveram comigo nestes anos todos — quase duas décadas desde o dia em que meu segundo e-mail foi divulgado ao mundo. Nunca saberei como o trio me encontrou, mas a verdade verdadeira é que Gasparotto, Kaefer e Alep se integraram à minha rotina diária sem pedir, mas também sem serem rechaçados. Exceção feita a Alep, que aos finais de semana silenciava, os outros dois me enviavam mensagens religiosamente todos os dias. Todos. Começava a semana e Alep também voltava com pontualidade britânica. Onde quer que eu estivesse, usando o computador que fosse para abrir meus e-mails, era só clicar no botão de receber para surgirem, infalíveis, as mensagens de Paulo Gasparotto, Alep e Deputado Alfredo Kaefer.

Nunca li nenhuma. Mas sua presença ao meu lado era reconfortante, as mensagens de Gasparotto-Alep-Kaefer significavam que o mundo continuava a girar mesmo se as Torres Gêmeas fossem derrubadas, ou se o papa morresse, ou se Saddam Hussein fosse enforcado. No dia em que isso não acontecesse, alguma hecatombe dizimaria do planeta toda a espécie humana, era só fechar o laptop e esperar pelo fim do mundo iminente e inevitável.

Com o passar dos anos, Gasparotto, Alep e Kaefer ganharam a companhia de outros remetentes assíduos, como Maca Peruana, Chinelos Personalizados, Atualização do Banco do Brasil e Aumente seu Pênis. Mas esses eram spams, claramente, porque não tenho conta no BB, detesto chinelos, não me interesso nem por macas, nem por maçãs do Peru, e aumentar o pênis deve ser processo doloroso que não me seduz nem um pouco.

Gasparotto, Alep e Kaefer, no entanto, não se enquadravam nessa categoria de mensagens vulgares e não-solicitadas. Estavam lá desde sempre, mereciam respeito e reverência pela fidelidade. E se é verdade que os e-mails sobre pênis, chinelos e macas peruanas eram eliminados com alguma raiva, irritado que ficava com aquela tática de guerrilha invasiva e agressiva, aos meus três velhos amigos, sempre que mandava suas mensagens para a caixa de itens apagados, eu reservava alguma ternura e dizia bem baixinho um até amanhã.

Hoje, por algum motivo que não sei explicar direito qual é, talvez por um certo cansaço de tudo, não apaguei as mensagens de Paulo Gasparotto, Alep e do Deputado Alfredo Kaefer. Depois de anos cumprindo o exercício diário de checar suas mensagens no índice, não abri-las e apagá-las dizendo até amanhã, resolvi abrir os e-mails, os três. Mas não os li. Antes, até com alguma urgência, que não combinava com convivência tão pacífica, inabalável e serena de décadas, corri furiosamente as páginas até o fim, sem me deter em sequer um título, uma foto, uma palavra, e em todas elas encontrei a frase dura, fria, definitiva, se você não quer mais receber estes e-mails, clique aqui, e foi o que fiz. Fiz isso no e-mail de Paulo Gasparotto, no de Alep e no do Deputado Alfredo Kaefer.

Agora, receio que jamais saberei o que eles tentaram me dizer nesses anos todos.

59 comentários

  1. Paulorenatov disse:

    Ta com saudade deles vai na lixeira e resgata.

  2. Pedro Moral disse:

    Esse texto de merda, enquadra-se na categoria “Av. Trancredo Neves” … que para quem não é de São Paulo, é uma porra de uma avenida, “obra de Paulo Maluf”, que leva do NADA ao COISA ALGUMA …

  3. Sanzio disse:

    Meu primeiro e-mail foi esse aí do iG, logo que o provedor foi lançado.
    Recebo um sem-número de spams nele, desde sempre. Nem me presto a abrir. Fiquei maravilhado com o gmail quando vi que ele descobria sozinho quem era spam, e daí pra frente passei a usá-lo com mais frequência.

  4. João disse:

    O texto pode ser bom etc e tal…como tb são bons quando o assunto é F-1 e outras categorias.

    Mas que doideira…não acredito que li isso.

    Realmente ninguém é normal nesse mundo…rs

  5. MarceloPC disse:

    Vc é um mala que eu gosto e nao vivo sem por causa de varios motivos. Principalmente por causa de textos brilhantes como esse. Parabens

  6. Tadeu Destro disse:

    Rarararararáááááááá……….. Muiiiito legal o texto

  7. Marcelo - Araraquara disse:

    Que conversa de doido!!!!!!!

  8. que coincidencia doida. agora mesmo acabei de fazer isso em algumas newsletters indesejadas. deixa eu me lembrar: otto (compras online na Austria), livraria travessa (pra saber o que acontece por ai), home away (e sua versao anterior, homelidays, estranhamente em frances), mayersche (cadeia de livrarias na alemanha) e umas outras que nao recordo agora. nao consegui cancelar a KLM. e nao quis me livrar da eventim, site de eventos em solo teutonico por que vira e mexe passo por la e posso topar com um show do bruce springsteen, radiohead, foo fighters ou mesmo do leonard cohen que estao na minha mira faz tempo.

  9. Mauricio Camargo disse:

    Porque demorou tanto?

  10. preto disse:

    Pensei que alguem seria espinafrado….
    Sensacional !!!

  11. Márcio disse:

    Sinto lhe dizer mas creio que o que voce fez foi confirmar que este seu e-mail é válido, se prepare para ganhar outros amigos…

  12. Elizandro disse:

    Este senhor Alfredo Kaefer é um dos cidadãos mais odiados no oeste do Paraná, patife e pilantra, dono das falidas Diplomata e Globo Aves, fez fortuna não pagando compromissos com avicultores e agricultores da região.

    Desgraçou várias famílias e dizia abertamente, “que o mais importante na vida de empresário é pagar seus advogados em dia, o resto que se dane”.

    Pena que ao deletar emails este tipo de gente não suma do mundo também.

  13. Clésio Luiz disse:

    Eu cometi esse erro e infelizmente só vi aumentar o número de spams que recebo. Espero que não seja o seu caso.

    O melhor é colocá-los em uma lista de emails bloqueados, alguns provedores oferecem essa opção. Assim nem entrar na caixa de spam/lixo eles entram.

  14. Leon Neto disse:

    Essa coluna eh digna de constar no “O Boto do Reno II-A Missao”.

  15. Ricardo de Bittencourt disse:

    Fez a única coisa que não devia fazer: clicar em qualquer link. Até mesmo nesse do fim do e-mail dizendo que será retirado do cadastro. Pode até não receber mais desses três aí, mas agora que confirmou o e-mail válido passará a receber diariamente outras 1.538.712 mensagens.

  16. Carlos disse:

    Cara, suas cronicas do cotidiano sao foda, sempre tenho muito prazer em le-las.
    Perdoe a ausencia de acentuacao, estou usando um teclado frances AZERTY e ainda nao me entendi com essa bagaca!

  17. A grande ironia dessa história toda é que “Kaefer” é o nome pelo qual o nosso simpático Fusca é conhecido na Alemanha. E a grande palhaçada é saber que há tantas pessoas/instituições/empresas que imaginam que seu produto é tão interessante que todo mundo vai gostar de ler sobre ele, independentemente do fato de receber dezenas ou centenas de spams por dia.

    Meu primeiro endereço de email também é de 1996, mas, devido ao fato de ser de um provedor há muito extinto, ele não existe mais. Meu Hotmail, entretanto, é do mesmo ano, mas de novembro (21 de novembro, para ser mais exato). Não o checo com nenhuma frequência, mas ele está lá e só não recebe mais spam porque uma vez, há mais de dez anos, de tanto ficar sem checá-lo, a Microsoft chegou a cancelá-lo. Reativei-o, e o resultado foi menos spam, mas não o suficiente para eu começar a usá-lo o tempo todo. Na verdade, só o mantenho justamente por razões afetivas.

    Por coincidência, ontem coloquei no ar um texto sobre minha experiência nos primórdios da Internet no Brasil, quando eu pagava uns trinta reais para poder acessar a Internet dezoito horas por mês e sonhava com o dia em que o acesso seria ilimitado (isso sem falar bem mais rápido, mas a prioridade naquele momento era acessar ilimitadamente). Se alguém quiser ler: https://medium.com/p/meu-primeiro-site-9a98c4304c5e

  18. Carlos Preto disse:

    Sensacional Flavio… De uma coisa simples e corriqueira (receber email) surge este belo texto… Inspirador…

  19. Luis felipe disse:

    Interessante! 1996 foi o ano , acho para todas pessoas normais , que fomos aparentados a Internet e ainda nao compreendíamos bem sua dimensao

  20. João Almeida disse:

    hauhuahauhua simplesmente fantástico, Flavio!

  21. Lucas Martin disse:

    kkk, desapega desapega!
    Salvou meu cansídico dia.

  22. Alexandre disse:

    Bonito se eles passaram esses 19 anos tentando te vender DKWs a preço de banana e você nunca leu.

  23. Atenágoras Souza Silva disse:

    Faltou uma menção honrosa ao Monthy Pyton.
    Parabéns pela crônica.

    Um grande abraço do fundo do meu coração vermelho de outubro de 1917,
    Atenágoras Souza Silva.

  24. antonio stricagnolo disse:

    DEMORO!!!!!

  25. eduardo disse:

    Pode ficar tranquilo Flavião! Agora eles sabem que você vive!!!! Amanha eles estarão lá firme e fortes!!!

  26. Clayton Moura Belo disse:

    Fazia tempo que eu não passava pelo blog (compromissos a-k-d-micos)…. Mas, wtih all due respect, Sir, resumo em uma palavra: -Bão prá caraiiii… Novamente, com o devido respeito a essa e outras dimensões: até Fernando Sabino e C.D.A. tão te aplaudindo lá de cima! Valeu mesmo (aliás: você não chegou a ter o e-mail do Brasil on-line? “todo mundo conectado?”)

  27. Alfredo disse:

    Eu acho que tu ficasse doido.

  28. Deputado Alfredo Kaefer disse:

    Não acredito no que acabei de ler…
    Adeus mundo cruel

  29. Ricardo Guerrero disse:

    Sensacional… é por isso que não deixo de acompanhar teu blog!!!

  30. disse:

    E-mail e IP fixo deveriam constar na cédula de identidade.

  31. Cláudio Moraes disse:

    Na maioria dos sites, ao clicar que não deseja mais receber e-mail, na verdade está confirmando a existência desse endereço eletrônico. Então dá-lhe e-mail.

  32. guilherme disse:

    Pode ser e espero que não seja o caso das três excelências, mas, em muitos casos, o que esse link no fim do e-mail faz é confirmar que o seu e-mail é ativo e, não obstante, você se importa o suficiente com ele para tomar ação em relação ao que chega. Em outras palavras: seu endereço entra para uma lista VIP de endereços valorizados e será vendido na 25 de Março — ou em algum site obscuro — em um lote com mais vários milhões de e-mails que custa mais caro do que o tradicional. E então você se livra de uma mensagem e passa a receber dezoito. Mas, claro, isso se o remetente não seguir as normas de boas práticas de publicidade eletrônica. A depender das intenções de quem envia, é possível que o link apenas instale um vírus no computador. Em se tratando de deputados, é fácil ter certeza de suas intenções.

    Na dúvida, a melhor opção é marcar as mensagens como spam e, assim, elas serão automaticamente apagadas da caixa de entrada sem que ninguém fique sabendo disso.

  33. Maurício Morais disse:

    Bão dimais, merece um oscar.

  34. Mario Mesquita disse:

    Pois é, eu recebo há anos alguns tipo Bematech, Bradesco (não tenho conta lá), Magazine Luiza…

    Saco é o Facebook, que tentei montar a conta, mas aquilo é muito chato e deixei pra lá. Mas o maldito não me esquece e fica me cobrando acabar de montar perfil, se conheço beltrano, fulano. Chato pra kct.

    Mas pior mesmo são os SMS que mandam aos quilos. Muito chato mesmo.

  35. Igor Silvério Freire disse:

    ALEP provavelmente é Assembleia Legislativa do Paraná, o que faria sentido juntamente com esse Deputado Alfredo Kaefer.

  36. A nobre arte de transformar um ato comum em uma boa e interessante crônica! Muito legal! Também tenho meus companheiros de todos os dias no e-mail. Alguns deles até tentei pedir pra não mais receber, mas eles insistem…

  37. Fernando disse:

    Hehe, vc só tem 3 destas aberrações, sortudo. Porque alguém que não nos conhece nos manda um email sem recomendação? Pode ser sensacional, ou uma merda, claro que é uma merda, recomendação, aval, não é simples?

  38. Ju disse:

    FG…..de verdade…q viagem!! Preciso estar neste grau! Para entender…hj estou bem careta…

  39. João Jorge disse:

    Esse deputado é aqui da região onde moro: Oeste do Paraná. Te confesso que não perdes nada ao retirá-lo dos seus e-mails… Parabéns!!

  40. Conde disse:

    Segundo o google esse tal Deputado é do PSDB do Paraná e tb o mais rico do país .

    • Marcelo disse:

      Ele faliu o frigorífico dele, deixou um monte de trabalhador sem salários e um monte de frango sem ração, morrendo de fome. Os avicultores de Capanema/PRPR ficaram desesperados com a judiaria e soltaram as penosas. Centenas invadiram Capanema, bicando as canelas dos moradores… Saiu até na Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *