N’ABU DHABI (3)

RIO(valeu por tudo) – Se tivesse de resumir numa frase o GP de Abu Dhabi, que encerrou a temporada hoje, seria: Verstappen largou na pole, dominou a corrida toda, não foi ameaçado por Bottas, o segundo colocado, e Hamilton, o terceiro, sentiu os efeitos do pós-Covid e ficou muito longe do piloto que conquistou o hepta neste ano.

Mas é claro que uma última corrida de campeonato nunca é uma corrida comum. O GP, falando do ponto de vista estritamente técnico, foi mais ou menos o que escrevi aí em cima, sim. Só que teve muito mais. E o ponto alto da noite de domingo nos Emirados foi isso aí embaixo:

Vettel, Vettel… Como muitos pilotos, hoje ele se despediu de alguma coisa. No caso, de seus seis anos de Ferrari, onde escreveu uma história de 119 GPs, 14 vitórias, 12 poles e dois vice-campeonatos, em 2017 e 2018. Ouçam o vídeo acima (vocês entenderam, é um vídeo que não tem imagem nenhuma, só áudio). Ao final da corrida, ele cantou, em italiano, uma musiquinha de sua própria autoria. Aliás, nas imagens “on-board” dessa volta musical Sebastian aparece sem luvas e dá para ver um papelzinho no qual escreveu a letra, que foi cantarolando até chegar aos boxes.

Foi o momento mais bonito do fim de semana, um dos mais belos de toda a temporada. Se bobear, um dos mais queridos de toda a história da F-1. Afinal, foi um ano duro, duríssimo para Vettel. Desde o início tardio do Mundial ele já sabia que a equipe não tinha interesse em renovar seu contrato, e mesmo assim tocou o barco com a dignidade possível. Justo num ano em que a Ferrari tinha um carro de merda, lento, cheio de problemas.

Não pôde se despedir como gostaria. Foi apenas o 14º colocado, subiu ao pódio só uma vez — terceiro na Turquia — e terminou o campeonato em 13º com parcos 33 pontos, contra 98 de seu companheiro Leclerc. A Ferrari ficou em sexto no Mundial de Construtores, seu pior resultado desde o 10º lugar de 1980 — nos 39 campeonatos seguintes, foram dez títulos, 13 vices, nove terceiros, seis quartos e um quinto.

Um desfecho, certamente, distante do que ele idealizava quando chegou a Maranello, em 2015. Vettel imaginava que poderia ser uma espécie de sucessor de Schumacher em Maranello. Seria injusto dizer que não se esforçou. Mas esbarrou na incrível hegemonia da Mercedes, que não dá chance a ninguém desde 2014.

Mesmo assim, apesar de todas as agruras, de um certo desprezo a que foi relegado em 2020, não saiu atirando. Ao contrário. Expressou gratidão e amizade a todos no time, que considera “mágico”. Inclusive a Leclerc, que muitos acusavam de ter se transformado numa espécie de prima donna do time. “Charles é incrivelmente rápido e tem um estilo muito próprio de pilotar. Há duas ou três coisas que aprendi com ele, assim como com Kimi. A gente sempre aprende com outros pilotos”, falou, com humildade.

Pérez chega aos boxes da Racing Point: lágrimas na sua última prova pela equipe

Teve emoção também na despedida de Sergio Pérez da Force Point. Na oitava volta, o mexicano, que largara em último, parou com o motor quebrado. Ficou frustrado num nível que só mesmo as imagens da TV conseguiram traduzir. Quando chegou aos boxes do time rosa, tinha mecânico chorando.

Foram sete anos num time que, em 2018, só não fechou as portas por sua causa. Pérez pagou do bolso salários de funcionários e entrou com um uma ação na Justiça contra a própria equipe numa manobra jurídica que impediu sua falência pura e simples. Graças a essa ação, a empresa entrou em regime de recuperação judicial e teve tempo para encontrar um comprador — no caso, Lawrence Stroll, pai de Lance. “Salvar os empregos da equipe foi minha melhor decisão nesses anos todos. A Racing Point [que na época da quebradeira geral ainda era Force India, como todos se lembram] será sempre o time do meu coração.”

Verstappen vence com a Red Bull: Pérez ainda sonha em ser seu companheiro em 2021

Pérez pode acabar na Red Bull do vencedor Verstappen no ano que vem. Segundo alguns setores da imprensa inglesa, há uma chance de um anúncio ser feito amanhã. No mais tardar, até o fim da semana. Alexander Albon, quarto colocado hoje, ainda tem esperança de ficar. “Fez seu melhor fim de semana no ano”, elogiou o chefe Christian Horner.

Não sei, sinceramente, o que vai acontecer. No máximo, faria uma aposta, bem modesta, em Albon. Acho que fica. Mas acho, também, que o melhor para a equipe — e para a F-1 — seria ter Pérez. O cara fez um campeonato excepcional, terminando a temporada em quarto lugar com 125 pontos. Não fossem as duas provas que perdeu por causa do Covid-19 e mais algumas que zerou por problemas alheios à sua vontade — como as quebras de hoje e de algumas semanas atrás, no GP do Bahrein –, poderia ter ficado ainda mais distante de Ricciardo, quarto colocado na classificação com 119.

McLaren: quinto e sexto de Norris e Sainz deram ao time laranja o terceiro lugar entre as equipes

Os 125 pontos de Pérez não foram suficientes para a Aston India (tá bom, Racing Point!) terminar o Mundial em terceiro, o que seria um resultado excepcional para o time rosa. A equipe acabou sendo superada na última etapa do campeonato pela McLaren, que com o quinto lugar de Norris e o sexto de Sainz fechou o ano com 202 pontos, contra 195 da futura Aston Martin. Seriam 210 se a FIA não tivesse punido a equipe no começo do campeonato tirando dela 15 pontos por copiar peças da Mercedes. Para a equipe laranja, ótimo: melhor resultado desde 2012, quando também terminou em terceiro.

Na McLaren, também foi um dia de despedida. No caso, de Carlos Sainz Jr., que já fez as malas para correr na Ferrari no ano que vem. O espanhol também fez um bom campeonato, com 105 pontos na sexta posição.

A turma que fechou a temporada 2020: muitas despedidas

Dos 23 pilotos que participaram do Mundial de 2020, sete não estarão no grid em 2021: Pietro Fittipaldi, Kevin Magnussen e Romain Grosjean, da Haas; Daniil Kvyat, da AlphaTauri, que disse querer “férias da F-1”; Jack Aitken, que fez uma prova pela Williams, e Nico Hülkenberg, que correu três vezes pela Racing Point, também não terão vagas; e Pérez ou Albon — um dos dois vai dançar.

Mudam de endereço Daniel Ricciardo (da Renault para a McLaren), Sainz (da McLaren para a Ferrari) e Vettel (da Ferrari para a Aston Martin). Mick Schumacher e Nikita Mazepin estão confirmados na Haas, por enquanto, mas o russo também pode rodar se a equipe levar a sério as babaquices do moleque — como o caso de assédio sexual que eclodiu na semana passada. Alonso reaparece na Renault e Yuki Tsunoda deverá ser o substituto de Kvyat. Hamilton ainda não renovou seu contrato, mas disse hoje que até o Natal as coisas se resolvem com a Mercedes.

Bottas e Hamilton: corrida discreta de uma Mercedes que dominou a temporada

Como se nota, falei pouco da corrida até agora porque pouco há a dizer. Como se esperava, foi uma prova de um pit stop para quase todo mundo, parada antecipada para a maioria quando o safety-car foi acionado para a retirada do carro de Pérez, quebrado, das voltas 11 a 13. A Ferrari foi uma que não parou na hora, o que comprometeu a prova de Leclerc e Vettel — os dois, com pneus velhos, viraram presas fáceis de seus adversários a partir da 23ª volta. “Estão nos engolindo”, reclamou Sebastian antes de fazer sua parada, na volta 36.

No fim das contas, as cinco primeiras posições registradas na sexta volta foram as mesmas na bandeira quadriculada, o que mostra claramente que lá na frente a prova não teve grandes emoções. Por isso, Verstappen pôde comemorar tranquilamente a décima vitória de sua carreira e a segunda no ano sem sustos — chegou mais de 15s à frente de Bottas, o segundo colocado.

Max chega a dez vitórias na carreira: sem nenhuma dificuldade

Chamou a atenção a prova discreta de Hamilton, que em nenhum momento tentou um ataque a Bottas pelo segundo lugar e pareceu conformado com o terceiro degrau no pódio. Depois da corrida, o inglês disse que estava se sentindo “destruído fisicamente” e alertou para os perigos da Covid-19 que, segundo ele, “não é brincadeira, não é uma piada”. Segundo ele e segundo qualquer pessoa com mais de cinco neurônios ativos, diga-se. “É algo muito sério e acho muito estranho que líderes mundiais ainda riam disso e façam brincadeiras”, falou.

Claro que se referia a figuras abomináveis como Trump e o milico brasileiro de segunda linha que virou presidente, cujo nome evito escrever para não emporcalhar a tela de ninguém. Lewis ficou debilitado, passou uma semana de cama e, agora, terá alguns meses para se recuperar plenamente.

Classificação final em Yas Marina: GP morno para encerrar um campeonato quente

Verstappinho, Sapattos, Comandante Amilton, Alex Tudo Bom, Mini Morris, Sainz Idade, Ricardão, Olha o Gás Ly, L’Ocon e Strollvenga, eis os dez que fizeram pontos no encerramento do Mundial 2020. Um campeonato bem doido, cujo calendário teve de ser remontado às pressas por causa da pandemia, que voltou a circuitos históricos como Imola, Nürburgring e Istambul, que passeou por terras nunca visitadas, como Portimão e Mugello, que teve provas seguidas nos mesmos autódromos (Áustria, Silverstone, Bahrein) e que, ao fim e ao cabo, foi bom. Teve ótimos espetáculos, muitos dramas, finais emocionantes, acidentes vistosos e o resultado esperado: Hamilton e a Mercedes campeões.

Em tese, porque ninguém sabe o que será deste mundo nos próximos meses, tudo recomeça em março na Austrália. Para nós, aqui no Brasil, resta saber qual emissora de TV vai transmitir a temporada. Hoje, na Globo, ninguém falou em tom de despedida. Poderia ser o caso, se de fato seus mais de 40 anos de F-1 terminassem com o GP de Abu Dhabi.

Não creio que tenham terminado, porém. Por tudo que andei ouvindo nos últimos dias, a Liberty terá de mandar um telegrama para o Jardim Botânico nos próximos dias para resolver de vez essa parada. Isso porque, obviamente, levou um chapéu dos aventureiros de Guadalupe. E ninguém mais se apresentou com grana suficiente para comprar os direitos. Sendo assim, plim-plim.

Comentários

  • Tem um MUITA gente …inclusive comentaristas especializados ..que não concordam que a tríade é a responsável pelo sucesso do LH …acredito que o Vettel ou Alonso , bem experientes e conhecedores das regras seriam Penta, Hexa , Hepta ..quem sabe .. ate Octa campeões …
    O resto da molecada na estrutura da” Mercedes Híbrida Imbatível ” …provavelmente teriam beliscado uma taça no meio do caminho …leclerc , verstapen , acho que ate o pérez ia participar …eu tava fazendo uma pesquisa mas parei no meio,… a mercedes ganhou alguma coisa em torno de 80% das corrida desde 2014 e o LH ainda tem suas fases de chorão , desculpe mas nao gosto desse cara e acho que a midia é uma babação de OVO do kct…meio Shumi …the dick vigarista

  • Corridinha de dar sono. Até a vit´ória do Vespa foi sem sal.
    Nunca consegui entender as zonas de DRS uma logo depois da outra em que o piloto ultrapassa, e se cometer um errinho, vira presa fácil duas curvas depois. Ah, tá, Interlagos tambe´m tem isso, vide Vettel e Leclerc se estranhando por lá ano passado. Mas na Arábia é meio esquisito. Aliás, aquela pista é muito esquisita.
    Podia virar prova extra-campeonato, com dança do ventre, traçados diferentes, chamar pilotos de outras categorias, luxo, ostentação, muita comida (não sei se pode ter bebida por lá), troca livre de pilotos, mudança de pintura, tipo festa da firma onde ninguém fala de trabalho, os santinhos se revelam, mas todo mundo baba o ovo do chefe.
    Hamilton é o exemplo que todos podemos pegar pra dizer a qualquer um o quão braba é a gripezinha do excrementíssimo.
    Se ele, que realmente tem histórico de atleta (de altíssimo desempenho), ficou com os pneus arriados, e sabe-se lá por quanto tempo vai ficar a meia bomba, imagine um idoso, um cardíaco, um diabético, um debilitado? Ficou finalmente claro ou vão precisar perder um da família pra aprender?
    Sem mais sobre isso por hoje. Mas não precisava deixar de comentar, em respeito aos quase 180k que hoje encontram-se na pátria espiritual.
    Se Hamilton não renovar o contrato, será a surpresa da década. Mas… Nunca podemos dizer nunca.
    Assim como será uma baita surpresa qualquer emissora que não seja a Globo. Até porque queremos ouvir mais pilotos sendo chamados de “ridículos” pelo Everaldo.

    • O DRS é uma coisa cretina. Ele acabou com a graça nas ultrapassagens. O Leclerc foi ultrapassado pelo Stroll como se estivesse parado. Mesmo com uma bicheira tipo a Ferrari, foi ridículo.
      O Mansell disse uma vez, com muita razão, que o DRS acabou com a arte de pegar o vácuo e tirar o carro de trás na hora exata.
      Hoje, o cidadão passa sem mais, como se fosse a coisa mais fácil do mundo.

  • Essa pista é asséptica. O que ela tem de melhor são as luzes do hotel que a rodeia e a saída dos boxes passando por um pequeno túnel. É impressionante como as corridas lá são previsíveis. Faz parte. Pelo menos foi um ano de corridas legais. Pena que algumas pistas não voltarão no próximo ano.

  • Bela temporada, corridas fantasticas. O que lastimo é o silêncio geral em relação ao Russo Tarado, inclusive do Hamilton. De certa forma, infelizmente, esse episódio serviu para mostrar a hipocrisia de todos os envolvidos. O dinheiro e o poder falam alto, é facil colocar camiseta e protestar de longe, é facil ir em algum local levantar placa de protesto para sair bem na foto. Mas e quando é um dos seus que aprontam? Como fica? Fica como estamos vendo, silêncio sepulcral. As verdadeiras faces ficaram desnudas neste episódio, nada mudou. Como digo, o ser humano não passa de um parasita que pensa, apenas isso, que acabe logo o mundo.

  • VEttel. FG vc disse tudo, disse tudo. Eu sempre fui fã do Vettel, da forma como ele valoriza a equipe, as pessoas ao redor desde a Red Bull. A forma como ele sai da Ferrari, com extrema gratidão (ao contrário de Alonso, que tem muito o que aprender com VEttel quanto ao caráter). Inclusive nem deu bola de , na ´ultima corrida a FErrari ainda aprontar com ele, segurando-o na pista 5 voltas a mais para ser ultrapassado por LEclerc nos boxes (nem na ultima corrida os caras perdoaram, tinham que sacanear). Ele nem viu. Já estava tudo no papelzinho. Eu sinceramente acho que ESSA FERRARI NÂO MERECE VETTEL. E como na Espanha ainda tem corrida, Leclerc não terá paz e compaixão pela parte de SAINZ. Tanto cavalheirismo. O pau vai comer em 2021 e ao meu ver a FErrari vai bagunçar ainda mais, com 2 pilotos novatos indo pra porrada. SAINZ não vai baixar a cabeça, Espanha tem corrida. Alemanha não. De qualquer forma, ao meu ver, mesmo não tendo realizado seus sonhos na Ferrari, Vettel caiu em um bom lugar, vai ser professor de Strol, e andar com um motor MErcedes, em um carro promissor, de uma equipe cujo amigo Toto Wolf tem parte, e quem sabe até poderá dar atenção se deixar a Mercedes. Novos desafios. COm certeza Toto Wolf foi o responsável pela ida de VETTEL para a Aston Martin. No momento em que ele começa chorar, ao cantar, (no vídeo que está oficialmente na página da F1, aos 3:00 minutos), note que passa uma RAcing POint por ele, e sinceramente acho que ele se dá conta, que essa Ferrari, desde 2019 nunca o mereceu. E que educação eim cara. Isso é um tapa na cara aos detratores do VEttel. Um tapa com luva de pelica a todo babaca que menospreza VEttel. São 4 títulos, 2 vices pela FErrai, e o 3o maior numero de Vitórias na F1. VAi Leclerc agora é com vc. OS números estão aí para serrem batidos. Boa sorte.

  • Apenas 10 vezes em 70 anos da F1, a equipe campeã de construtores não foi campeã de pilotos. Aconteceu nos anos:

    Brasil Nelson Piquet 1981, 1983,
    Reino Unido Mike Hawthorn 1958,
    Reino Unido Jackie Stewart 1973,
    Reino Unido James Hunt 1976,
    Finlândia Keke Rosberg 1982,
    França Alain Prost 1986,
    Alemanha Michael Schumacher 1994,
    Finlândia Mika Hakkinen 1999,
    Reino Unido Lewis Hamilton 2008,

    Nos 2 títulos do Piquet pela Brabham ele não teve o carro campeão de construtores!

  • Resumo de 2020:

    Bottas é bom, mas não tem DNA de campeão; Stroll não é tão ruim como achávamos; Vettel é um piloto mediano quando desestimulado; Albon decepcionante; Raikkonen ainda dá um caldo; Russel tem potencial; Será interessante a disputa Leclerc x Sainz; Pérez merece um carro pro ano que vem; Hamilton ganha o oitavo título com o pé nas costas em 2021. Verstappen corre o risco de entrar para a lista de “maiores pilotos sem título na F1”.

  • A única graça que esse GP de merda poderia ter tido o hamilton7taças estragou. Porra, se tava mal, e claro que tava, o fominhadetd tinha mais é que ter se cuidado, curtindo suas 7taças, e se recuperando, pq essa porra de conronga é foda. Derruba qq um, e se não se cuidar vai morar pra sempre no bairro dos péjuntos.
    Porra, foi só ver a cara do doido na coletiva pós treino: parecia um cadáver ambulante. Sério, deu medo do que vai ser do cara. Essa porra de virus é foooooda!! Não brinca com isso não!!!!
    Nem vou falar sobre se o Russell merecia ou não. O mulek teve uma chance, e se agarrou nela com td que tem. E pelo que mostrou, tem muito a fazer com um carro top na mão. Mas a hora chega. O mundo inteiro viu o mulek arrepiando geral. Iguarzim o minifitti…. Meu Deus!! Quanta lerdeza. Fala sério.
    Gomes, segue pelo menos no Grande Prêmio. Vc faz falta na cena automobilística.
    Muitíssimo mal comparando, uma cara como o Cristovão Buarque fora do Senado faz uma falta enoooorme.
    E vc é uma voz forte, respeitada, um baita conhecimento, histórias vividas demais para, como eu, pendurar a chuteira precocemente. Eu não sou nada, to aki na beiramar depois de 40 anos de trabalho por pura opção. Mas fui um burocrata de escritório a vida td. Nada mais natural que busque mais qualidade de vida depois dos 60.
    Mas vc, que trabalha com essa maravilha que é o esporte a motor, não tem prazo de validade.
    Vide o mestre Edgar, que trabalha curtindo cada minuto, nos brindando com comentários maravilhosos, e sempre com muito bom humor.
    Vida longa e próspera pra vc, nosso amigo de 40 anos, que inclusive revelou o grande EV, melhor narrador que a F1 poderia ter.

    • Eu sinceramente acho que a MERCEDES não esperava que Russel fosse tão bem. Aí complicou. Um cara do fundão, em 3 ou 4 dias liderar tudo, desde treino até a “quase” pole, e certamente iria vencer. Então um piloto do fundão, em 3 dias, conseguiu mal e porcamente entender o funcionamento do carro e mesmo assim bater o segundo piloto da equipe, escancarando que os carros realmente não são iguais. Certamente Russel viria muito mais forte nessa. E Hamilton preferiu voltar para abafar o caso. Se torna até meio egoísta, mas o medo dele é o seguinte, Norris tb é inglês. Aí complica. Aí complica.

    • Concordo em quase toda a sua argumentação. Só acho que não dá pra julgar o neto do Emerson pelas duas provas numa cadeira elétrica medonha que só foi definhando ao longo do ano. Mesmo o K-Maguinho de Copenhague, piloto cascudo, que não é lento, e já acostumado com o carro, não conseguiu fazer absolutamente nada.
      O que não quer dizer que eu superestimo o garoto. Pelo contrário. Acho ele com uma carreira bem “néh” no automobilismo. Por enquanto seu principal atributo ainda é seu sobrenome. Tomara que seja só por enquanto, e ele deslanche onde quer que vá parar.

  • Flávio
    Que a Racing Point vai ser a Aston Martin, todos já sabem mas, e a Red Bull?
    Não é Aston Martin também ?
    Vai ficar sem a Honda e a Aston Martin juntos ?
    Quanto a corrida, todos conformados com a classificação no treino.

  • Verstappen se consola com essa vitória da frustração anterior e as Mercedes discretas completam o pódio com um Hamilton limitado em terceiro.
    McLaren em terceiro nos construtores, para quem está longe das vitórias esse campeonato de 2020 acaba de forma satisfatória para equipe.
    Para Ferrari só restou se despedir do esgotado Vettel tardiamente depois dessa corrida apagada.
    Pérez foi o único a abandonar, que triste destino dele nessa corrida, agora é esperar para ver se ele continua em 2021.
    A Haas foi o pior carro nesse último GP do ano perdendo até para zerada Williams chegando com seus dois carros nas duas últimas posições.

      • Quem manda é o patrão. Toto Wolff deve ter perguntado: Hamilton você pode correr? Você está em condições de correr? Hamilton falou que sim.
        Se o Hamilton falou que sim, então não tem o que discutir.
        Russell foi um piloto tampão emprestado na corrida anterior, o dono do Mercedão é o Hamilton, o Hamilton só não corre bem adoentado, ferido num acidente ou morto.
        O Hamilton ainda foi terceiro, pior se ele abandonasse por cansaço.

  • Mais uma temporada finda e nenhum piloto fora da Mercedes (com exceção de Vettel) conseguiu chegar ao vice.
    Já se passaram sete temporadas de domínio absoluto das Flechas de Prata e o terceiro lugar é o máximo que a galera consegue atingir.

  • Para uma temporada reorganizada “nas coxas”, foi bem legal mesmo. Uma pena a Liberty não levar em consideração o espetáculo proporcionado por ótimos circuitos como Portimão, Nurburgring e Istambul. Mas os interesses comerciais prevalecem e é assim que a F1 é.

    Na torcida para Checo conseguir a segunda vaga na Red Bull e que os novos pneus tragam alguma surpresa no equilíbrio das forças em 2021, pois é só o que pode mudar.

  • Se não tinha condições físicas ideais para disputar o GP , pq não deixou o Russell correr de novo esse fds? Será que foi medo de ser ainda mais desmascarado , depois do que o Russell fez semana passada?

    • Em que pese a necessidade de respeito a opiniões alheias, e respeito a sua, mas cara… duvidar do Hamilton está no mesmo nível de acreditar em cloroquina, que a terra é plana… mas reitero, discordo, mas respeito. Apenas sugiro que revisite a carreira do Hamilton, não apenas na Fórmula-1, mas desde criança. Ele tem caixa para figurar em qualquer lísta de maiores esportistas do mundo, de todos os tempos.

      • Medinho de um piloto do fundão em 3 dias sem nem ao menos entender os botões do volante bater o segundo piloto da equipe, escancarando que os carros não são iguais, e que HAmilton provavelmente já está nesse modo férias à uns 2 anos. Fico imaginando o MArx nesse carro da Mercedes. Nossa senhora.

      • Em nenhum momento eu disse que o LH não é um ótimo piloto. Só questiono que seja esse “genio” todo que alguns querem dizer. Com esse carro dele , meia dúzia do grid ganhariam corridas , e dariam muito mais trabalho que o fraco Bottas , como Russell provou em Sakir , mal sentou no carro e massacrou o fraco Bottas.

    • Como assim, desmascarado? Russell provou que é um baita piloto. Só isso. Alguém ser bom não faz do outro ruim. Quem andaria naquela Mercedes como ou próximo ao Hamilton? Provavelmente: Verstappen, Leclerc e Russell. Talvez: Vettel, Raikkonen, Norris e Sainz. Qual seria a lista de vcs?

  • Será muita burrice se a Red Bull não contratar o Pérez.

    Toto Wolff deixou bem claro, para não pairar dúvidas, o que todo mundo já sabia: Bottas correrá em 2021, ou seja: vai continuar perdendo e Hamilton será octacampeão. Espero que o Russell assine para 2022.

    Sobre o milico brasileiro de segunda linha que virou presidente, só há apenas três formas de nos livrarmos dele:

    1- Se ele morrer. Seria muito bom se isso acontecesse nos próximos 2 minutos.

    2- Se ele renunciar, mas lamento informar: ele nunca fará isso. Ele se julga muito macho, e os “machões” não renunciam.

    3- Se o Rodrigo Maia quiser limpar sua biografia e tirar de sua gaveta da mesa de “trabalho” um dos 56 – CINQUENTA E SEIS – pedidos de impeachment que estão dormindo tranquilamente e nem foram lidos.Há pouca chance do impeachment ser aprovado, mas é preciso tentar. Uma coisa é 200% certa: daqui a 120 anos, quando historiadores forem analisar o desgoverno do Capitão Cloroquina, uma única pergunta será feita: por que não pediram o impeachment do psicopata?

    • Rapaz, acredite, torça para o capitão cloroquina não morrer.. . se aquilo bater as botas, imagina o que q cambada de doentes que o santifica em vida irá fazer? Lembre-se da “facada”… aquilo ali tem que estar bem vivo para sofrer o impeachment e ser preso junto de sua maldita prole e todos os milicianos que o cercam.

      • Acho que não é bem assim. Se o Capitão Cloroquina falecer, teremos terraplanistas chorando e pedindo para fechar o STF, mas depois de uma semana tudo acaba.

        O impeachment é assunto para ontem. Mas do jeito que está se desenhando a eleição de presidente da Câmara, pode esquecer que não vai rolar. Parece que a coisa toda caminha para uma frente ampla que possa derrotar o psicopata nas urnas. Não sei é se o Brasil aguenta chegar até a eleição de 2022.

  • Muito obrigado, Flavio, por não ter emporcalhado a minha tela…

    As despedidas foram muitas, mas a de Vettel, sem dúvida alguma, foi a mais tocante… Apesar de não ser um de seus fãs, admiro muito certas atitudes suas, tanto dentro como fora das pistas.

  • Bom campeonato, mesmo, considerando toda a doideira… Mas o Hamilton deveria ter ficado em casa descansando. Mas tava com medo de dar mais vitrine pro G Rus, como chama o rapaz na transmissão inglesa ou seja lá qual a F1 usa no YouTube. Se eu tivesse ouvido de alguém que era isso, acharia que não é pra tanto. Mas o trecho da entrevista com ele que mostraram ontem no JN não me deixou muita dúvida, hehe… Agora é torcer para que a Mercedes mude de segundo piloto no ano que vem.

    • Se o Russell corre em Abu Dhabi e ganha a corrida , depois do que ele fez em Sakir , ficava evidente o que todo mundo sabe , que com essa Mercedes e com o fraco Bottas de companheiro , meia dúzia do grid enfileirava vitórias e uns 3 ou 4 ganharia vários títulos.

  • Prezado F&G: o GP de Abu Dhabi é um saco e sem nenhuma emoção em disputa real na pista , Max Verstappen fez um excelente trabalho, e que Daniel Ricciardo, na última volta ,conseguiu o ponto extra, o melhor destaque sim Max Verstappen com sua vitória bem construída. O PIOR DA CORRIDA, a sacanagem da equipe HAAS, chamando Pietro para forçar o terceiro Pit Stop, para não chegar na frente do piloto da casa Magnussem .Essa temporada foi um fracasso total que o CEO da F-1, que escute uns bons conselhos dos mais experientes gestores da F-1. O Melhor da F-2020 foi o GP de Portimão que traçado fantástico, e também o sétimo título do melhor Piloto Lewis Hamilton . O Pior da F-1 2020, a saída da montadora HONDA. A F-1, precisa reverter a questão dos custos operacionais e possibilitar que novas montadoras e as tradicionais voltem para F-1, tais como Ford, Porsche,BMW, Honda.