LADALAND

SÃO PAULO (oh, céus!) – Como se sabe (se não se sabe, dever-se-ia saber), há alguns meses a GM devolveu à Lada a marca Niva, usada para salvar a empresa americana por uns anos num jipinho montado na plataforma histórica do Niva e vendido por aí com a gravatinha borboleta da Chevrolet. Mas isso são águas passadas. Durante esse tempo, o Niva, o verdadeiro Niva, foi rebatizado apenas como Lada 4×4. Agora voltou a se chamar Niva, com o acréscimo de “Legend” ao nome.

Até aí tudo bem. Niva é Niva. E é uma lenda desde que o primeiro saiu da linha de Togliatti, em 1977.

Mas eis que aparece esse “teaser” aí do vídeo com uma suposta nova geração do Niva prevista para 2024. Digo “suposta” porque nunca se sabe o que pode acontecer até 2024.

Como me disse o Eugenio Chiti numa mensagem pelo Livro da Face, não sei bem o que pensar.

Comentários

  • É a “suvização” da frota mundial.
    Hoje tomei um susto quando vi uma nave espacial alienígena que imediatamente meu cérebro processou como um cruzamento de T-Cross com Citroen C4 Hatch.
    Cheguei perto e era o tal do Nivus que a VW fez recentemente aí. Eu achei feio pra cacete. Parece um T-Cross que capotou, achatou o teto e ficou com a bunda do C4 Hatch.
    Eu tenho uma opinião ambígua e contraditória sobre os Suvs. São chatos por um lado. Olha pra um lado e pro outro e quase tudo é Suv. Hatches e Sedans estão entrando em extinção.
    Mas por outro lado… São legaizinhos de dirigir, alguns são até bonitinhos e funcionais. Aluguei uma Duster uma vez numa viagem e foi só alegria. Sem muita firula, não é gigantesco, tem bom espaço interno, mala grande, cabe bagagem pra caramba e mais uma cadeira de rodas e não é muito alto pra entrar (pra minha família esses são dois requisitos primordiais em qualquer veículo). Carro que compraria fácil.