BUSÃO NA TELINHA

SÃO PAULO (o dia está acabando…) – Para não esquecer, aqui está o link da segunda parte da matéria que fiz para a ESPN Brasil no Museu dos Transportes Públicos de São Paulo. Semana passada, falei dos bondes. Nesta, dos tróleibus. Ficou legalzinha… Tenho saudade dos tróleibus. Adorava descer a Augusta neles.

Subscribe
Notify of
guest
32 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo Moreira dos Santos
Rodrigo Moreira dos Santos
11 anos atrás

Olá, eu sou o Rodrigo, tenho 30 anos e moro no Grajaú; eu tenho certeza que, infelizmente, 8 anos se passaram e os trólebus em geral, que operavam os bairros das zonas norte, sul e oeste, estão cada vez mais parados e até podres nas garagens das empresas. Até hoje a maioria dos trólebus só circulam os bairros das zonas central e leste e nos outros bairros em geral só circulam os ônibus movidos ao óleo diesel normal e poluente; a grande parte da população está morrendo vítima de problemas respiratórios e os pulmões estão cheios de fumaça do óleo diesel. Por isso nós preferimos encher os nossos olhos de fios aéreos que se instalam nos postes aéreos do que encher os nossos pulmões de fumaça do óleo diesel que causa as graves doenças nos nossos pulmões, porém, os políticos, os governadores e os prefeitos não estão nem aí com essa providência que está sendo tomada por todas as pessoas devido as questões, as discussões e até as burocracias polêmicas e por isso até hoje esses projetos dos trólebus que circularão os 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo não saíram do papel. Nós estamos todos indignados com essa situação e queremos que os trólebus voltem a circular os bairros das zonas norte, sul e oeste e, além dos bairros das zonas central e leste, coloquem e implantem os trólebus nas linhas das empresas de ônibus 1 (verde claro), 2 (azul escuro), 3 (amarelo claro), 4 (vermelho claro), 5 (verde escuro), 6 (azul claro), 7 (vermelho escuro), 8 (laranja) e 9 (cinza) em 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo e também em todos os terminais de ônibus, principalmente nos terminais Grajaú e Varginha. Vamos todos cobrar dos políticos, dos governadores e dos prefeitos. Se a providência não for tomada com a urgência e nem sair do papel, todos nós ficaremos cada vez mais tristes com essa situação; mas, se ela for tomada com a urgência e sair do papel, aí sim que todos nós ficaremos alegres e gratos. A partir deste momento São Paulo vai começar a mudar de uma vez por todas para melhorar o ar que respiramos e anunciar a propaganda dos trólebus que serão implantados em todos os 96 bairros distritais e periféricos de São Paulo dentro e fora do horário eleitoral e político em todas as emissoras de rádio e de televisão e também em todos os jornais e em todas as revistas. E outra coisa: todos os ônibus movidos a óleo diesel têm os motores barulhentos, soltam muita fumaça, são desconfortáveis e deixam todas as pessoas doentes porque algumas não agüentam mais ficar o tempo todo em pé e as outras não agüentam mais ficar o tempo todo sentadas, enquanto dentro de todos os ônibus estão cheios demais 24 horas durante 7 dias por semana (de domingo a sábado) e 12 meses por ano (de janeiro a dezembro); mas todos os trólebus movidos a eletricidade aérea são bem diferentes: eles têm os motores silenciosos, não soltam muita fumaça, são bem confortáveis e chegam até melhorar o ar que respiramos a mesma coisa acontece com o metrô. Quando eu era criança, eu morava no Capão Redondo próximo ao Campo Limpo com o Morumbi e o Butantã, onde até hoje não circulam todos os trólebus e hoje eu moro no Grajaú próximo a Parelheiros depois de Interlagos, onde até hoje também não circulam todos os trólebus e os 96 bairros como eu citei todos eles. Vamos todos colaborar com os projetos de mais de 27 milhões de trólebus que serão apresentados, analisados, testados e implantados direitinho para que eles saiam do papel com o prazo marcado para o tempo correto, definido e determinado através do programa expandido da prefeitura e do governo chamado “POLUIÇÃO ZERO” que será fundado em janeiro de 2012 ou janeiro de 2013. Vamos testar mais de 27 milhões de trólebus com as baterias recarregáveis, as alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas, a ventilação forçada e o gás natural quando acontece um blecaute, ou seja, a falta de energia elétrica que atrapalha os trólebus e o trânsito, vamos também tapar todos os buracos das vias públicas e colocá-los em ação em 96 bairros distritaise periféricos, para que não aconteça a falta de energia elétrica, que os trólebus andem com a energia desligada através das baterias recarregáveis, das alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas, da ventilação forçada e do gás natural e que os trólebus nunca mais sejam extintos como aconteceu no governo da então prefeita Marta Suplicy que simplesmente acabou com todos os trólebus, menos na Zona Leste e no Centro da cidade. A Marta era a boa prefeita, mas ela não deveria odiar todos os trólebus à eletricidade e sim odiar todos os ônibus ao diesel porque ela sabe muito bem que os trólebus à eletricidade purificadora têm os motores silenciosos, não soltam muita fumaça, são bem confortáveis e até melhoram o ar que respiramos assim como o metrô e sabe que os ônibus ao diesel poluidor têm os motores barulhentos, soltam muita fumaça, são desconfortáveis e deixam todos doentes, tanto os que ficam em pé o tempo todo como os que estão sentados o tempo todo. Não só em São Paulo inclusive capital, região metropolitana inclusive Osasco e região e Guarulhos e região, litoral e interior, mas em 26 estados brasileiros inclusive capitais, regiões metropolitanas, litorais e interiores de todo o Brasil e os 42.000 ônibus a diesel se transformarão em trólebus a eletricidade. Eu faço a pergunta: Qual é a diferença entre os postes aéreos e os postes subterrâneos? A diferença é que muitos dizem que os postes aéreos poluem visualmente a cidade, porém não é verdade; os trólebus funcionam através dos postes aéreos de concreto. Se os trólebus param de rodar por falta de energia, a Eletropaulo faz manutenção correta e eficaz; Mas, se eles são retirados e removidos, como é que ficam os trens das estações e as torres que estão nos matos vazios? Os carros, as motos, os caminhões e os ônibus batem nos postes de concreto e as árvores caem sobre eles e aí é a falta de energia elétrica. Os postes aéreos representam a segurança em todas as vias públicas. Agora a diferença é que não adiantam colocar os postes subterrâneos de metal e enterrar os fios e cabos porque os ladrões quebram os tampões, roubam os fios e os cabos e até os transformadores, os animais roedores vivem embaixo do solo para eles roerem os fios os cabos, durante a enchente esburacam as vias públicas, eles ficam expostos e quem pisa nos fios e nos cabos expostos morre eletrocutado, os carros, as motos, os caminhões e os ônibus batem também nos postes de metal e as árvores caem sobre os postes de metal e até os transformadores explodem e pegam o fogo, como acontece lá no Rio de Janeiro. A diferença é que os postes aéreos são de concreto e os postes subterrâneos são de metal. Atenção todas as pessoas que moram em Santo Amaro, na Zona Sul, em Pinheiros, na Zona Oeste, na Casa Verde e no Tucuruvi, na Zona Norte e também de todo o Brasil, não fiquem tristes com essa situação dos trólebus que apodreceram porque a partir de janeiro de 2012 ou janeiro de 2013 mais de 42.000 ônibus a diesel se converterão em os trólebus a eletricidade e a partir daí todas as pessoas de todo o Brasil ficarão alegres e contentes ao receberem os trólebus que circularão em 27 estados brasileiros e o Brasil respirará o ar mais fresco, mais puro, mais limpo, mais forte e mais saudável. Em todo o Brasil mais de 85.000 ônibus a diesel antigos servirão para escolares e também para as polícias militares e civis e até para as guardas civis metropolitanas para a transferência de presos para os presidiários, desde que eles tenham as boas condições de uso. Atenção SPTrans, e todas as empresas de ônibus de todo o Brasil, acabem de uma vez por todas com a burocracia maldita, transformem os 42.000 ônibus a diesel em trólebus a eletricidade, implantem mais de 27 milhões de trólebus, ouçam e coloquem em prática as palavras do presidente do PRTB – Partido Renovador Trabalhista Brasileiro Levy Fidélix: “Os impostos e os custos altos dos trólebus têm que diminuir bastante até zerar todos eles totalmente o mais rápido possível.” E tem mais novidades: Entre outubro e novembro, todo o final de ano acontece a última prova do grande prêmio do Brasil de fórmula 1 no autódromo de Interlagos, na zona sul de São Paulo e no autódromo de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro e em várias ruas, avenidas e praças dos autódromos de Interlagos, em São Paulo e de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, mais de 27 milhões de trólebus, que circularão entre 2012 e 2013 em todo o Brasil terão nos itinerários o expresso fórmula 1 para mais de 250.000 pessoas que moram e assistem a corrida de fórmula 1 e para que várias pessoas possam ter o prazer em andar de trólebus. A Eletropaulo que trocou os postes e de todos os materiais deles e também trocou as lâmpadas de mercúrio por lâmpadas de vapor de sódio está fazendo a reforma geral em 6 tipos de luminárias antigas que foram fabricadas no fim dos anos 60 e no início dos anos 70 para recolocar os 6 tipos de luminárias antigas e reformadas em todos os postes e em todos os 96 bairros distritais e periféricos de São Paulo, em Santos e em Sorocaba e região e terão em 6 tipos de luminárias antigas e reformadas vários pontos de lâmpadas de vapor de sódio das cores amarelas e brancas intensas e fortes para segurança noturna. E, além de implantar mais de 27 milhões de trólebus em todo o Brasil através do programa “POLUIÇÃO ZERO”, vamos implantar também mais de 27 milhões de micro trólebus a eletricidade e gás natural para que eles também andem com a energia desligada com a ventilação forçada, as baterias recarregáveis e as alavancas automáticas que levantam e abaixam as muletas em todo o Brasil e em São Paulo e os 96 bairros distritais e periféricos da capital paulista, transformando os microônibus a diesel em micro trólebus a eletricidade. Vamos também regular os motores dos caminhões, dos ônibus turísticos, escolares, etc…, os carros e as motos para melhorar o ar da grande cidade e eu quero que todos do Brasil inteiro me respeitem como eu respeito a todos. A partir de agora não vamos mais dizer que os trólebus e os micro trólebus são caros e que não pagam a manutenção e a conta cada vez mais alta, pois agora vamos dizer que os trólebus e os micro trólebus serão baratos que vão pagar a manutenção e a conta cada vez mais baixa. “Será que eu estou certo ou estou errado? Me ajuda aí, pelo amor de Deus!” eu disse como o José Luiz Datena. Que tal instalar os cabos aéreos para os trólebus na Avenida Interlagos, Avenida Washington Luís, Avenida Moreira Guimarães, Avenida Rubem Berta, Avenida 23 de Maio, Avenida Paulista, na Rua da Consolação e até nas marginais Tietê que liga as zonas norte, leste, Guarulhos e região e Pinheiros que liga as zonas sul, oeste, Osasco e região? Quando fala do Brasil inteiro, quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul, concluindo as 5 regiões brasileiras. E, quando fala da cidade de São Paulo, quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul da cidade de São Paulo e, quando fala do estado de São Paulo, também quer dizer que vai de leste a oeste e de norte a sul do estado de São Paulo. A partir de agora e no futuro bem próximo vamos aumentar bastante o grande número de trólebus em todo o Brasil, concluindo 5 regiões brasileiras, 27 cidades brasileiras e 27 estados brasileiros. Que todos possam e devem concordar e colaborar comigo, vamos aceitar esse desafio, arregaçar as mangas, entrar no acordo e mãos à obra. Tragam as boas notícias para as todas as pessoas de todo o Brasil e todas as pessoas de todo o Brasil vão dizer o seguinte: “Adeus, ônibus e microônibus movidos ao óleo diesel poluidor do ar e sejam bem-vindos, trólebus e micro trólebus movidos à eletricidade purificadora do ar!” Aí os trólebus são transportes turísticos e históricos que no futuro nunca mais serão extintos e abandonados como se fosse o lixo e todas as pessoas de todo o Brasil andarão sempre nos trólebus totalmente confortáveis para que todo o Brasil seja o país mais forte, saudável, puro e limpo.

Outra vez estou enviando a minha matéria sobre os trólebus como eu enviei no ano passado para as páginas da internet sobre os trólebus.
Agora eu faço a pergunta: Qual é a diferença entre os ônibus híbridos e os trólebus híbridos?
A diferença é que os ônibus híbridos são movidos a óleo diesel e a eletricidade sem as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis, poluem o ar de todas as grandes cidades do Brasil e deixam todas as pessoas tão doentes que elas gastam os milhões de reais em dinheiro com os remédios que não curam direito devido a poluição do ar que é igual o cigarro que provoca o câncer nos pulmões, na boca e várias outras partes do corpo e mata as pessoas.
É por isso que todos os hospitais estão cheios de pessoas que estão internadas com os problemas respiratórios por causa da poluição que contamina o ar que respiramos e o meio ambiente.
Agora a diferença é que os trólebus híbridos são movidos a gás natural e a eletricidade com as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis, não poluem o ar de todas as grandes cidades do Brasil e melhoram o estado de saúde das pessoas e o meio ambiente.
Nós vamos mandar o prefeito Gilberto Kassab e o governador Geraldo Alckimin implantarem os 27 milhões de trólebus híbridos movidos a gás natural e a eletricidade com as duas muletas que alimentam os cabos aéreos e flexíveis em todas as cidades brasileiras e em todos os estados brasileiros para que eles andem com a energia elétrica desligada com as duas muletas levantadas ou abaixadas através das baterias recarregáveis, da ventilação forçada, do gás natural e das alavancas automáticas; de agora em diante todos os trólebus e os trólebus híbridos não só circularão no Centro e na Zona Leste, nem nos 96 bairros distritais e periféricos da cidade de São Paulo e nem todo o estado de São Paulo.
Eu vou avisar a todos que andam de ônibus a diesel e de ônibus híbridos em todo o Brasil pela última vez: Se todos os trólebus a eletricidade e todos os trólebus híbridos não forem implantados entre janeiro de 2012 e janeiro de 2013 e se forem desativados de novo como aconteceu entre 40 e 50 anos atrás no Brasil e no início de 2001 por todos os bairros, menos na Zona Leste e no Centro da cidade de São Paulo, infelizmente todos ficarão mais tristes, decepcionados, desanimados, etc, ficarão mais doentes e até morrerão de problemas respiratórios nos hospitais, em casa, etc…
A ECOFROTA foi fundada no dia 13 de fevereiro de 2011 pelo prefeito Gilberto Kassab e é o programa do biodiesel que polui menos o ar e serve para os caminhões, ônibus turísticos, escolares e vários outros serviços públicos e tratores; mas os trólebus e os trólebus híbridos são os melhores transportes públicos que não poluem o ar e nem ameaçam a saúde e o meio ambiente.
Por isso a partir de janeiro de 2012 ou janeiro de 2013 serão implantados os 27 milhões de trólebus híbridos e 27 milhões de trólebus a eletricidade e eles circularão por todo o Brasil.
O que todos nós estamos esperando para termos os 27 milhões de trólebus e os 27 milhões de trólebus híbridos em todo o Brasil?
E o que as autoridades, os políticos, os governadores e os prefeitos estão esperando para implantarem os 27 milhões de trólebus e os 27 milhões de trólebus híbridos para nós todos?
Será que vão demorar a sair do papel por todos os séculos?
Que Deus ajude a implantar os trólebus para o povo brasileiro e abençoar o projeto do futuro.

Walter Vieira
Walter Vieira
12 anos atrás

Aqui em Recife rodaram por muitos anos (acho que até a década de 90) e eram da Marca Marmon-Herrington fabricados em Chigado.
Nas décadas de 60 e 70 também rodaram os fabricados pela Villares.

Fernando
Fernando
12 anos atrás

“Gostei da matéria e sobretudo da trilha sonora.
Dá para informar o nome das músicas?” (2)

Hamilton
12 anos atrás

Agora me lembrei, como fui burro em esquecer!

A melhor linha para andar de trólebus é a Terminal Parque D. Pedro II – Terminal Bandeira – Circular. É a linha que passa nos cartões postais do centro da cidade!

Pegue no Terminal Pedro II, o ônibus vai subir a Rangel Pestana, entrar na Praça da Sé, Pátio do Colégio, Rua Boa Vista, Viaduto do Chá, Praça da República e Viaduto 9 de Julho, até o Terminal Bandeira. Volte com ele e emende uma ida à 25 de março ou então suba e conheça o Fura-Fila.

Isso sim é que é programa! Eu já andei, experimentem!

Umberto
Umberto
12 anos atrás

Gostei da matéria e sobretudo da trilha sonora.
Dá para informar o nome das músicas?

Fernando
Fernando
12 anos atrás

Aqui em Araraquara, foram todos desativados.
Uma pena.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
12 anos atrás

caro Flávio,

O Rio de Janeiro também já teve seus troleibuses (acho que o plural é assim), que eram importados da Itália.

Me lembro, razoavelmente bem, de que eram extremamente silenciosos e muito grandes e eram operados pela empresa estatal da época CTC.

Alguns deles depois foram convertidos a motores a diesel.

Uma pena que se foram ………..
abçs LF

Hamilton
12 anos atrás

até o começo dos anos 2000 ainda tinha trólebus dos anos 50 circulando no centro. Eram da Transbraçal, a garagem fica(va) na Av. Celso Garcia, no Brás. A Marta Suplicy tirou de circulação, e também lá se foram embora os Mafersa de Santo Amaro e os Marcopolo Torino do Butantã. Sobraram poucos, alguns recentemente foram reformados e viraram articulados.

Esse ano entraram em circulação trólebus Busscar Urbanuss articulados e piso baixo. Bom sinal, parece que a prefeitura não irá retirar os elétricos de circulação como a gestão anterior queria.

Eu estudava na Escola Técnica Federal e fazia do Museu da CMTC meu quintal, ia lá quase toda semana, e sempre levava algum colega… agora, faz tempo que não vou, mas parece que o acervo deu uma crescida. Esse Landau e o Fusquinha da CET são novidade…

Flávio, o Museu também tem um Thamco Fofão, aquele double decker do Jânio, não? Ele foi restaurado recentemente mas parece que não fica no galpão porque não cabe lá dentro por causa da altura.

JP
JP
12 anos atrás

Merda de São Pedro!
Estou de férias, mas com essa chuva não dá pra sair de casa. Só estou esperando ela passar pra fazer uma visita a um dos lugares mais interessantes de São Paulo.

Romeu
Romeu
12 anos atrás

Tambem andei muito de elétricos, principalmente as linhas Jardim Europa e Jardim Paulistano/Centro.
Desde os tempos em que eram vermelhos e creme até os últimos desativados em 2003.
Os mais charmosos pra mim, eram os AC-Brill, ingleses dos anos 50, mas que ainda rodavam reformados pela CMTC.
Existiam 2 ou 3 desses modelos que foram conservados originais até os anos 2000.
Não sei que fim levaram, um deles ficou até famoso em comerciais de TV, quando estava todo pintado de vermelho, na gestão do prefeito Janio Quadros.
Os problemas dos “chifres” se desligarem, ocorriam muito quando os troleibus tinham que fazer alguma conversão cruzando com o entroncamento de fios de outras linhas.
Fora aqueles ocasiões relatadas aqui, da molecada da época que desligava propositalmente.
Quem nunca deu um puxão num “suspensório” daqueles, que atire a primeira pedra, né Gehre? Né Jordan?

Daniel
Daniel
12 anos atrás

Não é exatamente parte do tópico, mas outro dia vi na Bandeirantes o que parecia ser um dos velhos Flexa Azul da Cometa com a pintura da Greyhound (com o cachorrão e tudo). Alguém sabe do que se trata?

pedro belfort
12 anos atrás

Ah, nesse tempo eles eram vermelhos e amarelos, como aquele bonde.

pedro belfort
12 anos atrás

Eu andei muito nos elétricos que faziam a linha Machado de Assis – Cardoso de Almeida para ir na casa de meus avós na Aclimação.
Me lembro que antes desse GRASSI, que chamavamos de “cumpridão”, só existiam os importados.
Os ingleses que tinham os parabrisas desnivelados nos cantos, dando a impressão de tristes, os americanos, que eram maioria e mais práticos e os mais legais, os alemães, mais arredondados e que tinham um zunido característico, esses os meus preferidos.
Parabéns mais uma vez pela matéria.

Péricles Durães
Péricles Durães
12 anos atrás

Passei várias horas da minha vida andando de trólebus. Morava em São Mateus, então para ir a Penha (342M) ou ao Brás (2290), eles eram (e ainda são) a opção disponível. E quando estudei na ETELG em SBC, praticamente todo dia ia e/ou voltava de trólebus, quase sempre dormindo (aquele barulhinho dele tem efeito sonífero em mim). Os da Augusta devo ter andado umas duas vezes só. Tinha também os que operavam no Corredor Santo Amaro, mas não esses não tive oportunidade de andar.

Ravelli
Ravelli
12 anos atrás

Quem quiser andar de trólebus, existem algumas linhas operadas pela 4Leste com novos veículos em algumas linhas da Zona Leste e do Centro. Entre elas a 4113-10 Gentil de Moura/Pça da Sé/Pça Clóvis que sai da estação Alto do Ipiranga do Metrô e é circular e a 4112 Sta Margarida Maria que é uma linha irmã mas que fica na Aclimação ao invés de ir até o Ipiranga. Existem outras para ZL, Penha, São Mateus, e até um Term Bandeira snme mas aí tem que procurar.

FRITZ JORDAN
FRITZ JORDAN
12 anos atrás

O Alfredo Gehre e eu iamos no mesmo troleibus, entao, Era linha 51.

Alfredo, de que ano voce e?

Rafael Chinini
Rafael Chinini
12 anos atrás

Gomes, peguei final da matéria na terça feira, só uma ressalva.
Sobre o trolebus, eles continuam usando aqueles cabos atrás, no qual vira e mexe escapa mesmo, e o motorista tem que sair correndo pra arrumar.
Se isso foi um dos motivos pro trolebus ter parado, bem, o problema continua.

E nas curvas, acho que por isso mesmo, o trolebus tem que ir devagar. Ainda é um “problema”

pedro bresson
12 anos atrás

belo balaio, sem duvida.

mudando de assunto:

façam um teste. entrem em http://www.google.com.br e procurem por “twitter”.

Qual será o SEGUNDO resultado que aparece?!

Pedro
Pedro
12 anos atrás

caro FG, sei que nao tem nada a ver com o post, mas, queria leh fazer um pedido…

pra qual e-mail eu posso mandar umas fotos-sugestão para tua seleção do post ”foto do dia”?

lhe garanto que a imagem é L-I-N-D-A e de alto charme DKvense, por assim dizer rs

seria de alta importancia que vc relevasse este pedido, pois quase fui demitido da empresa onde trabalho pra tirar essa foto pra mandar pra ti! sério mesmo kkk

aguardo a ”Resposta do FG”!

RESPOSTA DO FG:

flaviog@warmup.com.br

Paulo Franco
Paulo Franco
12 anos atrás

Vi a sua matéria ontem sobre os troleibus.
Como eu morava na r. Estados Unidos, cheguei a andar em vários daqueles modelos.
Acho que todos que usavam o “onibus eletrico” da Augusta, o adoravam.
Primeiro ficava aquele som típico “dug, dug, dug, dug”, acho que carregando as baterias, sei lá; depois um silencio total!
As pessoas que estavam conversando chegavam a baixar a voz, devido ao inusitado silencio.
E, naquele silencio, me parecia que o bicho acelerava mais do que era normal, do que os movidos a diesel.
Lembro que, às vezes uns moleques de rua ficavam zanzando perto da esquina da r. Colombia X av. Brasil e o divertimento deles era tirar os conectores dos fios, só para encher o saco dos motoristas e cobradores que tinham de descer para recolocá-los no lugar, bem no meio do cruzamento.
Esses mesmos moleques costumavam subir a Augusta sentados nos parachoques traseiros dos troleibus.
E esses se foram, junto com a Sebring, a livraria Mestre Jou, o cine Paulista, a padaria Columbia, a academia de capoeira Cordão de Ouro…. etc e tal, isso para só falar do primeiro quarteirão da Augusta, até a Oscar Freire…
A uns quatro meses atrás, fui a São Paulo e tomei um sorvete na Sottozero, no mesmo quarteirão.
Decadencia sem elegancia.
Pena!
Paulo Franco

Rogério Magalhães
Rogério Magalhães
12 anos atrás

Pô, FG, ficou muito boa… aliás, as duas partes… para a gente que gosta de ônibus, é bom ter espaço no Limite, valeu!

Sobre os tróleibus, sinto saudades justamente dos “antiguinhos”, que ficavam naquela garagem no Brás. Muitas vezes desci da Paulista para a Xavier de Toledo (e subi no sentido contrário) nos tempos que trabalhava no Centro… saudades também dos Amazonas e dos San Remo II com chassi Scania que fizeram parte da minha infância nas linhas dos terminais Vila Prudente (3160) e da Vila Carrão (antiga 2280).

Pelo menos mato minha vontade com os ônibus elétricos todos os dias, geralmente na ida, no corredor metropolitano do ABC. E nas voltas do Canindé pelas madrugadas afora, são os elétricos do noturnão do Terminal São Mateus que me levam prá casa.

Quem dera os ônibus elétricos fossem novamente valorizados, sobretudo para operar em corredores exclusivos, só deles. Andariam bem mais, atrapalhariam bem menos e até os “chifres” cairiam menos, como normalmente é no Corredor ABC, por conta de um piso menos irregular do que nossas esburacadas ruas. Mas tinha que ter uma maldita prefeita de péssima lembrança e gosto que praticamente relegou os elétricos de São Paulo literalmente ao apodrecimento. Mas isso é uma outra história…

Daniel Bronzatti
Daniel Bronzatti
12 anos atrás

Para quem ainda não andou, ainda há tempo. Há algumas linhas que saem do Centro para a Zona Leste, o Pça Clóvis é classico.
Minha noiva é de Curitiba e para impressionar levei a dois passeios obrigatórios: Metrô e Troleibus. Ela adorou!

http://sptransporte.kit.net/SPTrans/Linhas/trolebus.htm

Alexandre Salvador
Alexandre Salvador
12 anos atrás

É uma pena que uma cidade como Curitiba, onde resido, que se orgulha de ter um dos melhores (senão o melhor) sistema de transporte público do Brasil, não tem um museu como esse aí de SP……

leandro tullii
leandro tullii
12 anos atrás

FG, aquela kombi escrito “corredor”, foi materia da revista fusca e cia de uns meses atras, e tem uma historia muito bonita tambem, e parabens pela materia!

luis antonio da matta machado
luis antonio da matta machado
12 anos atrás

Puxa que coisa legal. Eu tenho um Onibus Grassi 1960 à diesel e notei que por dentro é bem igualzinho ao trolebus nacional. Matéria muito boa, num país de poucos e raros museus. Não é só de automóveis não, temos pouquíssimos museus.
Ótima matéria.
abs

Alfredo Gehre
Alfredo Gehre
12 anos atrás

Andei muito de busão elétrico.
Estudava na praça Roosevelt – Colégio Porto Seguro – e ia para a rua Tucumã, nos Jardins, onde morava. O trajeto era uma reta, passando pela rua Augusta e avenida Europa…Era a linha ” Jardim Europa – Centro”. Tinha outra que era “Jardim Paulistano”, cujo trajeto era similar, mas ia até o atual Shopping Iguatemi.
Era uma curtição…Conhecia todos os motoristas e cobradores. As vezes me atrasava e o motorista me esperava e eu correndo até o ponto ! Bons tempos que não voltam jamais !
AG

Thiago
12 anos atrás

Nossa, quem não gostava de andar pela rua Augusta de trólebus!!! Andei muito na linha 107P q ia pra Pinheiros!! Era demais!!! Infelizmente em 2003 o prefeito da época desativou tudo sem nenhuma explicação!!!

Carlos Sérgio
Carlos Sérgio
12 anos atrás

Não era gostoso… ainda é… ou já acabaram com os Tróleibus entre a Aclimação (ponto final no Cemitério) e a Sé, ou os da Estação Alto do Ipiranga até a Sé ou ainda uma outra linha da Zona Leste???
Não dá para ter saudades… Ainda dá para ser usado… Saudades mesmo tenho dos Bondes… Usei muito, entre a Lapa e os Campos Elíseos… Lembra-se deles?… Acho que não… voce perdeu a chance… rsrsrs.
Parabéns.

Ricardo
Ricardo
12 anos atrás

Os trolebus tem um aspecto historico, mas o fato é que são veiculos do futuro por não poluirem, assim como são os veiculos movidos a hidrogenio.

O Brasil deveria investir mais nesses veiculos assim como paises europeus, pena que em São Paulo o sistema ainda largado e por isso dá problemas o tempo todo.

Dú
12 anos atrás

Putz, qdo. moleque, qdo. a augusta parava nos fds. o que soltamos de cabo dos elétricos. E como aceleravam na av. do jockey.

Jayme Fonseca
Jayme Fonseca
12 anos atrás

Na verdade a gente chamava o troleibus de “elétrico” descia a Augusta e ia até a USP, parava toda hora porque soltava os cabos, mas era gostoso, além do que ia vazio, azul marinho e creme cores da CMTC. Depois cheguei a usar muito o executivo que subia a Augusta e ia até o Mappin era bom e barato pelo trajeto que fazia e pela qualidade, tocava até FM. Cacete não sobrou nada disso

YPVS
YPVS
12 anos atrás

FG legalzinha não!
Ficou show de bola.
Eu cheguei a andar de tróleibus em SP numa das vezes que meu pai me levou a Sampa qdo era garoto. Numa dessas que tb pude andar de Electra.