MENU

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 - 9:59Gira mondo

GIRA MONDO, GIRA

ontnmSÃO PAULO (direitinha ridícula) – A capa da “Folha” hoje traz uma foto no alto, acima da dobra, de Yoani Sánchez, a blogueira cubana que, oh!, finalmente!, conseguiu sair de Cuba para dar a volta ao mundo com o objetivo de falar mal de Cuba. “Adeus Fidel”, teve a grande sacada o redator, que surpreendentemente deve ter visto “Adeus, Lênin!”. Ou talvez tenha sido coincidência, apenas. Minha amiga Marina Samurai Miyazaki, indignada, escreveu no Twitter: “Como se essa rapariga estivesse à altura de rivalizar coma importância histórica de Fidel”.

No ponto.

Ontem, durante sua incrível jornada, Yaoni fez uma escala no Panamá e quase teve um orgasmo ao descobrir que no aeroporto havia uma zona com wi-fi liberado. Oh! Como é belo o mundo aqui fora!

Ela tuitou o tempo todo antes de embarcar. Não sei como encontrou sinal aberto no aeroporto de Havana.

A tonta morou anos na Suíça. Esse papel de silvícola que se surpreende quando vê um espelhinho beira o patético (a propósito, leiam este texto do Lúcio de Castro, escrito no ano passado, para saber direitinho que tipo de gente é a blogueira incensada pela direitinha ridícula e cada vez mais inexpressiva nesta América do Sol; tem esse aqui do Altamiro Borges, também). Voltou a Cuba porque quis. Tem sua vidinha de blogueira inútil bancada por agências americanas e pela imprensa espanhola — a mesma que publicou uma foto falsa de Chávez quase morto. Chávez, como se sabe, voltou hoje à Venezuela.

Yaoni, de uma relevância próxima do zero — qual a novidade de se falar mal de Cuba? — foi vaiada quando chegou a Recife, de madrugada. Mas será aplaudida e paparicada pelos integrantes do Instituto Millenium que na quinta-feira irão vê-la numa palestra na sede do… “Estadão”, claro, este baluarte da modernidade e do livre pensamento.

No mesmo dia em que a desocupada embarcou em Havana, um rapaz de 39 anos suicidou-se no Brasil. Carlos Alexandre Azevedo foi barbaramente torturado pela ditadura militar quando tinha um ano e oito meses. Vocês não leram errado. Um ano e oito meses. A história está aqui, contada há três anos pela “IstoÉ”. Sua morte foi comunicada pelo pai, Dermi, com uma nota no Facebook. Carlos Alexandre foi levado junto com os pais pela equipe do carniceiro Sérgio Paranhos Fleury à sede do DEOPS, que prendeu o casal em janeiro de 1974 sob a acusação de ter em casa um livro que falava sobre a escalada fascista no Brasil. Um bebê. Apanhou que nem gente grande, levou choques, foi golpeado na cabeça a atirado no chão. Um bebê. Nunca se recuperou dos traumas, nunca conseguiu viver em sociedade.

Não mereceu foto na primeira página de jornal algum, que eu saiba. Ao contrário da importantíssima Yaoni, combatente do teclado, que vai dar a volta ao mundo falando mal de Cuba, de como é dura sua vida. Sua pregação será noticiada e ganhará repercussão naquilo que se chamava de grande mídia. Que, por sua vez, alimentará as conversas da nossa brava classe média que todas as noites agradece aos céus por viver num país que lhe permite viajar para Miami todos os anos sem grandes problemas, exceto uma razoavelmente incômoda fila no consulado dos EUA — ainda que as coisas estejam ficando cada ano mais difíceis, veja só, a empregada agora quer carteira assinada e tem uma ali no 181 que ganha quase dois mil reais por mês, um absurdo.

Yaoni será ouvida e aplaudida, e muita gente terá pena dela porque em Cuba não tem wi-fi no Starbucks, nem tem Starbucks.

O grito de desespero de Carlos Alexandre não será ouvido por ninguém.

415 comentários

  1. Emerson disse:

    Yoani Sánchez
    ESCRITO POR ESTEBAN FERNÁNDEZ | 04 MARÇO 2013
    INTERNACIONAL – AMÉRICA LATINA

    Por demanda popular e porque muitos estão loucos para que eu diga algo a respeito, apesar de que eu já disse anteriormente tudo o que penso desta moça, passo levemente a “tocá-la com limão”.
    Nada me surpreende mais do que o alvoroço de alguns sobre as declarações de Yoani Sánchez. Desde o primeiro momento Yoani falou e defendeu os doutrinados em Cuba dos quais ela é parte primordial.
    Ao contrário, lhe estou muito agradecido por seus absurdos testemunhos porque somente Zoe Valdés na França recebeu mais queixas do que eu por nossas opiniões sobre esta dama que agora nos reivindica.
    Jamais, desde a primeira palavra impressa, ela se fez eco do exílio histórico cubano. Além disso, desses não pode dizer nem um pio porque ela sabe somente o que o doutrinamento castrista lhe inculcou.
    Quanto tempo teria durado sem que seus ossos tivessem sido enviados a Manto Negro, ou a qualquer dos cárceres cubanos para cumprir 20 anos, se tivesse dedicado três artigos defendendo, por exemplo, Luis Posada Carriles? Não teria passado do primeiro escrito. Ela sempre comentou sobre os aborrecimentos que padece a massa doutrinada. Coisas como que “há muito calor em Havana”, ou que “subiram os preços das frutas”. As mesmas incomodidades que o próprio Raúl Castro também critica…
    Nada de dizer que os irmãos Castro são uns filhos de uma cadela que desde há tempo merecem estar no Inferno. Eu adoraria ler algo proveniente de sua imaginação sobre o enorme sofrimento do presídio político cubano durante o “Plano Camilo Cienfuegos”… Daria qualquer coisa para que lhe perguntassem, quem foi Eduardo Capote? Não tem nem a menor idéia. Quem não sabe que a este compatriota lhe cortaram vários dedos de uma mão de um baionetaço?
    Se ela tivesse escrito celebrando a tentativa de voar Che Guevara em mil pedaços durante sua visita às Nações Unidas, agora o surpreso com suas declarações seria eu. Há uns rabiscos dela falando sobre a mochila que seu filho levou à escola. A qual cubano que verdadeiramente deseja a liberdade total de Cuba interessa isso? Evidentemente, talvez tenha recebido um prêmio de algum grupo esquerdista por esse bravo escrito. E para que ela aprenda: isso de “bravo escrito” é sim uma ironia.
    “Que se acabe o embargo em Cuba, que devolvam a Base Naval de Guantánamo” são palavras de ordem fidelistas desde há mais de 50 anos. Meteram isso na cabeça dos cubanos com um cinzel. E o de que libertem os cinco espiões é uma ladainha constante na Ilha da qual ela faz eco, porque isso é a única coisa que ela sabe fazer. Por que não tem a coragem de pedir a liberdade de Eduardo Arocena, o líder de Omega 7? Ela é expert em bobagens e em como estão caras as berinjelas em Guanabacoa.
    E que seja famosa, tampouco me alarma porque sei muito bem da forma em que se criam os ídolos de barro, desde a época em que tornaram um cantor norte-americano chamado Fabián famosíssimo, sem que ninguém o tivesse escutado jamais entoar uma simples melodia.
    Yoani Sánchez é uma ignorante absoluta da luta desenvolvida pelos cubanos. Asseguro-lhes que ela não pode dar cinco nomes de patriotas fuzilados no El Escambray. Não sabe quem foram os três principais líderes da Brigada 2506. Eu lhe daria o “Prêmio Esteban”, acompanhado por 16 pesos cubanos, se ela se atrevesse a escrever um artigo defendendo o Movimento Nacionalista, e sobre as atividades de Guillermo Novo, de Horacio Minguillón, Gaspar Jiménez, Virgilio Paz, Dionisio Suárez, Pedro Remón, Héctor Fabián, Aldo Rosado.
    Por que ela não disse algo sobre a morte de Abon Lee, o valente militar que pôs o cano em Camilo Cienfuegos por três vezes no Yaguajay? Por favor, nem sabe quem foi esse valente chinês!
    Eu não me atrevo a considerá-la uma agente castrista, simplesmente sustento que é uma representante dos que nos odeiam a nós, os verdadeiros inimigos do regime opressor, que desejamos sua destruição total. Quem não pede JUSTIÇA na hora da libertação, que se vá.
    Por que ela não dedica algumas horas em conversar com Tony de la Cova para quando voltar possa escrever sobre o ataque ao Moncada? Agora quando for a Miami deve visitar os escritórios de Alpha 66 para que veja – e possa refletir a respeito – as paredes cheias de fotos de mártires da luta.
    A ver quantos prêmios lhe dão por três artigos sobre Yarey, sobre Vicente Méndez e sobre Orlando Bosch. Eu lhes asseguro que se ela ler uma coleção de meus escritos durante 45 anos, discordará mais de mim do que de Raúl e Fidel Castro.
    Ah, e se alguém me quiser dizer que “ela vive lá e não aqui em liberdade”, antes deve averiguar com os güineros [1] para se inteirar se quando eu estava em Cuba me mantinha calado e submisso.

    Yoani (parte 2)
    Volto a falar de Yoani Sánchez e este é meu último artigo a respeito sobre ela. Não penso relegar meus ataque contra a tirania, nem ao comodismo, para me dedicar a esta moça. Quase todas as reações a meu escrito passado foram positivas, porém uns quantos pensam que eu não devia criticá-la. E a estes segundos, respeitosamente, dedico-lhes estas humildes linhas.
    A primeira coisa que desejo dizer aos que não estão de acordo comigo é que: se minhas duas queridas filhas se atrevessem publicamente a pedir a liberdade dos cinco espiões, eu lhes interromperia e reagiria da mesma maneira que fiz com Yoani.
    E adoro a memória de meus pais, mas se eles ressuscitassem e dissessem que consideravam que Gerardo Hernández e comparsas devem ser devolvidos a Cuba, seria a primeira vez que lhes faltaria com o respeito e lhes diria com descompostura: “Os senhores estão equivocados!”…
    E não detesto estes cinco tipos porque são espiões, senão por haver custado as vidas de uns jovens patriotas, decentes, honestos e que estavam somente conseguindo salvar compatriotas de perecer afogados no mar. Creiam-me, que o mínimo que Yoani merece por suas opiniões desatinadas é que os pais destes rapazes lhes puxem as orelhas ainda no aeroporto de Miami por falta de respeito.
    Alguém disse: “Quem é você para se atrever a criticar esta patriota?”. E eu respondo: quem diabos é Yoani Sánchez para que não possa ser tocada nem com a pétala de uma flor? Quem sou eu? Não sou nada do outro mundo, simplesmente um humilde cubano que 20 anos antes de Yoani nascer já estava publicamente defecando em Fidel Castro em qualquer esquina de minha cidade, nas guaguas [2], no Instituto de onde fui expulso por não aceitar a tirania e em todos os lugares.
    Que discordar dela divide o exílio e o povo cubano? Talvez, porém a maior divisão que o desterro cubano sofreu em 54 anos é ela quem está produzindo. Não há um só rincão do exílio cubano onde meus compatriotas não estejam se envolvendo por culpa desta jovem. Uns a favor e outros contra. A verdade é que este era um exílio cansado e calado até que esta moça pôs um pé no exterior.
    Sobre a Base Naval de Guantánamo todo cubano que estudou nossa história – e não foi doutrinado pelo regime -, sabe que os norte-americanos poderiam perfeitamente bem apropriar-se da Ilha aproveitando as condições espantosas em que se encontrava nossa Pátria, após o genocídio que Valeriano Weyler impôs, e simplesmente acordaram pôr uma Base lá e pagar mensalmente por ela. Finalmente, Guantánamo é o único território de Cuba próspero, livre e limpo.
    E sobre o Embargo a Cuba, lhes direi que isso não foi mais que uma tímida reação do governo norte-americano ante o roubo descarado de todas as propriedades americanas em nosso país. O correto teria sido que nesse instante invadissem Cuba e tirassem os ladrões a bombaços.
    Yoani, e 90 por cento de seus defensores, não eram nem nascidos quando Fidel Castro em todas as tribunas do país lançava insultos aos norte-americanos e gritava “Yankees go home”, zombava do Presidente deste país, lançava-lhes a culpa injustamente pela explosão de La Coubre. Com tudo isso, a realidade é que nesse momento os americanos simpatizavam com ele e lhe teriam dado vilas e castelos – em vez de fazer-lhe um embargo – se Fidel Castro os tivesse tratado decentemente.
    E certamente vocês sabem que se desaparecesse a desculpa do embargo, a tirania encontraria qualquer outro bode expiatório. Portanto eu, ao contrário de Yoani, o que peço é UM VERDADEIRO BLOQUEIO NAVAL onde não entre nem saia nem um simples alfinete. E aquilo cai em dois meses.
    Por último, que Yoani é muito valente? OK. Porém, vocês sabem por quê? Porque a tirania não lhe apertou o torniquete. Minhas heroínas são Olga Marrero, Alicia del Busto, Cari Roque, Polita Grau, Iliana Curra, Nelly Rojas, Ana Lázara Rodríguez, Agata Villarquide, Dora Delgado e centenas de prisioneiras mais, que sofreram muitíssimo anos de verdadeiro cautério, em condições infra-humanas, sem baixar as cabeças nem vacilar, firmes, recebendo baionetaços, comendo pura bazófia. Estas são as que sempre mereceram nossa homenagem.
    Porém, vivendo em um apartamento de luxo, cheio de computadores, de objetos elétricos, de telefones portáteis e patente de corso para escrever algumas obviedades e receber prêmios em dinheiro, não me produz nem a mais leve admiração. Enquanto isso, um sapato velho da defunta Zoila Aguila, a legendária Niña do Escambray, eu o depositaria em um museu da causa cubana.
    E colorim colorado, minhas opiniões sobre Yoani se acabaram.

    Notas da tradutora:
    [1] “Güinero”, natural de Güines.
    [2] “Guagua” é uma espécie de ônibus comprido, velho, que serve de transporte urbano à população “a pé”, e que invariavelmente anda super-lotado.

    Comentário de um cubano:

    “Pois me parece que os que defendem as declarações de Yoani ignoram uma realidade demasiado clara para qualquer pessoa não cegada pelas manipulações do governo Castrista.

    O governo de Batista fazia o mesmo com os dedo-duros, os encarceravam por uns dias e depois os soltavam para ganhar a confiança dos opositores. Isto não é algo novo e todos os governos e até as agências governamentais o usam para infiltrar sua gente até nos grupos que facilitam a venda de drogas. Aqui o problema é que muitos ignoraram que nunca golpearam Yoani, nem lhe tiraram seus privilégios: computador, livros, linhas de internet, o trabalho do esposo, dinheiro abundante para suas compras especiais do último Windows. Nem sequer lhe hackearam para inutilizar seu computador. Isto, enquanto estas coisas não são livremente acessíveis ao cubano “a pé”, muito menos a outros dissidentes.

    Um governo que envia suas hordas para golpear mulheres que caminham em fila com gladíolos em protesto pacífico (as Damas de Branco), que as golpeia e encarcera por ter a “ousadia” de pedir a liberdade de presos-políticos? Uma sociedade que encarcera um americano como Gross, por levar equipamentos de computadores aos judeus na ilha. E a Yoani? Bem, obrigada!… Que tão inteligentes são os que a defendem como uma heroína contra a tirania socialista? Creio que se equivocam os que acreditam que podem convencê-los…

    Para que perder tempo? Como os que saem por razões “políticas” e voltam de férias quando o governo não mudou e acreditam que não nos damos conta de que suas razões são meramente econômicas e continuam defendendo a revolução e “o comandante”, e criticando o sistema “capitalista” do qual vivem.

    Afirmam que existe um “bloqueio” porque não sabem a diferença entre um bloqueio e um “embargo”, e ignoram que mais de 75% dos produtos alimentícios e dos medicamentos em Cuba saem dos USA…

    Porém, em um país onde qualquer cidadão sem contatos no governo vive e come sob condições piores do que qualquer turista de classe média e lhe parece bem e normal, não pode esperar o respeito, que não ganhou, de qualquer ser humano que respeite a si mesmo”.

    Tradução: Graça Salgueiro

  2. Emersson Silva disse:

    Olá Flavio. Leio regularmente seu blog e gosto muito dos seus comentários sobre quase tudo. A minha intenção é continuar lendo independente de, entre um e outro comentário, eu me deparar com algum que eu não concorde. Isso por que eu não leio seu blog por concordar ou discordar de ti. Leio por ver em seus textos diversão, crítica criativa, opinião fundamentada e muito raciocínio lógico. Acho legal isso. Seu discurso sobre a torcida do Coríntians foi muito legal e com argumentos bastante satisfatórios. Mas confesso que nessa publicação eu não te reconheci. Faltou aqui um toque do “Flavio Gomes”. Não tem aquela sequência lógica de idéias. Aquela argumentação inteligente que satisfaz o intelecto e desafia nossa mente a provar o contrário. Aqui faltou paixão. Parece um assunto que não te interessa muito e portanto você não tem que convencer ninguém. É como se fosse um dogma de família e você tem que defendê-lo, simplesmente assim. Pra simplificar. Eu entendi que você gosta de Cuba e de seus líderes e foda-se quem pensa ou fala mal deles. Honestamente, acho que você devia reler seu texto e refletir a mensagem que você passou e a que você queria passar. Acho que não são as mesmas. Abraço.

  3. Denilson Maciel disse:

    Belo texto Flavio, Certamente que desde a revolução de 1959, o governo cubano teve ter errado em diversos momentos, agora quando vemos as manifestações contra Cuba, da vontade de chorar, parece que todo o mundo é livre uma maravilha, que não existe governos sanguinários na África Subsaariana, que a paz e o respeito aos direitos humanos é total no Oriente Médio, que a vida é perfeita na Europa e que ninguém em nenhuma região sofre por questões politicas, étnicas, nacionalistas, enfim mas o mais intrigante é falar que em Cuba não respeita os direitos humanos, quando se mora em um país de candelárias, cracolândias, Carandirus, país que índio é expulso para dar lugar a estacionamento de estadio de futebol, mas quando alguém aqui vai parar para defender o índio, ou qualquer outro brasileiro que sofre em um país como o Brasil. Vivemos em um país sem opinião que a primeira “verdade” produzida pela mídia, é constantemente reproduzida, que triste.

  4. CorredorX disse:

    Olha FG dessa vez vc se superou. Realmente ainda existe gente q ainda acredita q essa racinha ruim ainda pode dar certo, o q convenhamos, sabemos q não pode. E msm assim o FG faz um texto dando a opinião da irrelevância da senhora YS para o Brasil para aparecer tanto nos noticiários, acreditando q em meio a esta merdiocracia haja alguma inteligência. E realmente há, ainda q na msm proporção da torcida do “Curintia” em relacao a da lusa. 1 — 100. Não parece ser recompensador. Mas as pérolas estão aí assim msm, junto com os porcos, eh claro. Isso eh generalizar com base na minoria. Eh muita generosidade sentir apenas preguiça. Ô cambada de ignorante, desde qndo o Brasil não tem problemas mais importantes pra discutir? Parece q depois q essa garota desembarcou o Brasil deu um grande avanço na justiça social a ponto de ser melhor do q cuba. Parece q no Brasil não existem mais ditadores. E aqueles q ocupam o poder agora passaram a cumprir as promessas também. Soh há uma coisa útil disso tudo: a YS diz q em cuba o povo foi enganado e estah descontente. no Brasil o povo eh sistematicamente enganado a cada 2 anos, com toda a liberdade do mundo… e pior, gosta disso. Mas como eu disse, depois do desembarque da dona YS nossos problemas acabaram o importante agora eh resolvermos os problemas de cuba, até pq os brasileiros entendem muito de cuba.

  5. Ricardo disse:

    Só aproveitando o ensejo, alguem sabe se em Cuba algum canal transmite a Fórmula 1 ?

  6. Francisco Araújo disse:

    A blogueira cubana é realmente muito fraca, uma caricatura. Mas estimular a intolerância com ela ou qualquer um que se posicione contra (ou a favor) do regime cubano é perpetuar os mesmos mecanismos que destruíram a vida de Carlos Alexandre.

    Nada muda o fato de Cuba ser uma ditadura. As ditaduras não são, de fato, todas iguais, mas todo e qualquer regime ditatorial depende da violação continuada dos direitos humanos para existir, o que é inadmissível.

    O que podemos fazer por Carlos Alexandre é lutar para que não haja ditadura nunca mais, em lugar nenhum!

  7. Fabiane Vernaschi disse:

    Tão feia e triste é a realidade que parece simples que fujamos para o mundo global do faz-de-conta, imitado por todos os outros canais abertos_ e ditos “populares”_ de TV.
    E assim perpetuamos o “endeusamento” da mediocridade, representado aqui por Yaoni, enquanto apertamos o gatilho para tantos “carlos alexandres” que podiam fazer deste mundo, o “real”, um mundo melhor.

  8. marcio disse:

    A verdade é a seguinte. O Irmão Castro percebeu que o método do outro irmão já era. Aos poucos está abrindo o país que um dia, talvez não muito distante, se transformará no destino de férias preferido dos Americanos, Europeus e Brasileiros!

  9. Ricardo disse:

    Parabéns pelo blog, Flávio. O único problema é a aparição das sobrinhas do Tio Rei após seus posts sobre política.

  10. Negar a existência da ditadura cubana é tão deprimente como negar a existência do holocausto, salvo as devidas proporções.

    Esta jovem é uma heroína e merece nosso respeito. Isso que os “cubabacas” fizeram nos aeroportos é um patrulhamento vil e baixo.

    Torço pelo sucesso dela e quem sabe ela não seja presidenta de Cuba num futuro próximo ?

  11. Leonardo disse:

    Professor,

    Entendo e concordo sobre o seu ponto de vista em relação a moça cubana. Apenas para provocar, pergunto: E se fosse o Ai Wei Wei chegando ao Brasil para divulgar sua exposição no MIS? Qual seria o seu comentário? Claro que a grande imprensa daria destaque. E o seu blog, falaria o que do artista dissidente?

    • Minoru disse:

      Que eu saiba a obra dele já está exposta e sim, ele já teve os seus minutos na mídia (eu assistí na tv e não achei nada de mais) e ficou só nisso.

      Por que?

      Simples, não há no momento interesse para afrontar a China, só isso, entendeu?

  12. José Furabolo disse:

    Seria mesmo difícil esperar responsabilidade do povo mais irresponsável do mundo, o brasileiro, ao tratar deste assunto. Vamos aos fatos: nem mesmo a psicóloga que tratou do cidadão foi capaz de afirmar categoricamente que o problema dele foi consequência direta da suposta tortura.

    Enquanto isso, há inúmeros outros casos (alguns ainda piores) de fobia social sem que a pessoa tenha sido submetida a tortura ou traumas semelhantes. Mas aqui, onde militar é confundido com vilão e militante de esquerda chamado de herói, tudo podemos.

    E viva a nossa irresponsabilidade.

  13. Morpetx disse:

    Perto da história do Carlos Alexandre, o rapaz que cometeu suicídio, essa da Cubana é ridícula. Fiquei chocado, inconformado, revoltado!

  14. Marco Antonio Dubois disse:

    Entrei nesta pagina por acaso… ia sair correndo, em face de tanta bobagem, mas fiquei, de algum modo, indignado.
    Você, responsável por esta página, não tem vergonha de tratar um caso tão triste como a da tortura de um bêbe no mesmo diapasão de uma pessoa que luta pela liberdade de pensamento? Foi por causa disso mesmo que o bebe foi torturado. Sei que você deve ser um desses caras fracassados da esquerda, mais isto não lhe dá o direito de criticar aqueles que lutam contra abusos dos direitos humanos, como a liberdade de ir e vir, liberdade de pensamento e expressão. Você, na verdade, representa tudo o que tem de atrasado na esquerda, tudo aquilo pelo qual os pais do Carlos Alexandre e ele próprio foram torturados. Que vergonha. Bem, deixe-me sair logo desta página, deletá-la do hard disk do meu computador e mandar um mail coletivo para que ninguém entre jamais neste espaço retrógrado, primitivo e obscuro.

  15. Cassio Carvalho disse:

    Precisa alguem ai apresentar essa Yaoni Sanchez pro Kleber Atalla. O Tiozão vai levar ela pra um rolê legal em SP .

  16. Jaime Andrés disse:

    Você de um jeito sutil, tenta utilizar a sensibilidade a uma omissão da mídia pela vitima da ditadura, e tenta endossar essa raiva para a Yoani que no seu direito de falar o que ela pensa de CUBA e os Castro provoca certa raiva em quem defende a “paradisíaca” ilha que tem um salario minimo de 20 dólares (abaixo da linha da extrema pobreza brasileira da Dilma).
    Separemos as coisas, sua reclamação é justa, deveria existir uma cobertura mediática do caso do jovem suicida? Sim Correto!
    Agora existira tanta cobertura mediática e interesse pela Yoani se o burrinho plano do PT e PCdoB de fazer barulho não tivesse sido feito? Veja bem que isso causo todo o contrario, repudio nacional pelo PCdoB, pelo PT e pela Cuba. Se fosse um jogo de futebol essa galera se marcava sozinha.
    Mas antes disso Cuba utilizou seus amantes estrangeiros do sistema totalitário e fascista da ilha para difamar a blogueira, o tal Salim Lamrani, reconhecido defensor da ilha e seu sistema financiado pelos castro com moradia na frança, acreditar no que diz seria como perguntar a um Nazi o que acha do Holocausto.

    Para finalizar deixo claro que sua opinião é valida, porem é uma mera opinião que cada veis tem menos adeptos e isso faz vislumbrar uma esperança em um Brasil melhor, que você continue no seu direito de expressão mesmo que eu não concorde com uma virgula do que você diz, porem vamos defender esse direito até a morte… sabe quem falou isso alguma vez Flavio?

    Saudações.

    • Minoru disse:

      Sim, a cobertura existiria sim pois quem está alardeando a visita desta cidadã é a midia que faz parte, coincidências à parte, de uma das entidades que a patrocinam e que por falta de quem patrocinar, já que a dissidência cubana em Miami está completamente fora do baralho, viram nessa blogueira uma nova oportunidade para fazer barulho e obterem novamente alguma visibilidade.

      E como você mesmo disse, a sua opinião é válida porém é uma mera opinião que poderia ficar gardada para que você a manifestasse quando estivesse na sua casa, por exemplo.

      Atualmente uma coisa que me irrita profundamente é o fato das pessoas acharem que podem chegar em qualquer lugar chutando a porta da frente e falar o que der na veneta e depois saem como se não tivessem feito nada demais, mas são as primeiras a brigarem quando alguém faz o mesmo com elas…

  17. Reinaldo de Carvalho disse:

    Ela pode ser até tudo isso o que vc está dizendo.
    Mas entre uma blogueira ‘patricinha’ e um regime
    que controla a informação na porrada (pra dizer o mínimo),
    dou mais credibilidade a ela.

    …e nem vi argumentos contra o que ela escreve,
    mais ataques ad hominem mesmo.

  18. Graziela Lavezo disse:

    Ela tem sim o direito de criticar, mas naum de se fazer de coitadinha!

    • Alexandre disse:

      Ela tem o direito de fazer e falar o que quiser, desde que não interfira no direito dos outros. Ah! me esqueci, os extremistas (direita e esquerda) entendem que os outros não tem direitos. A diferença entre os extremistas é que alguns tem metralhadoras e os outros tem paus e pedras (às vezes um coquetel molotov) – Você Graziela, tem o que? Sugiro que leia um pouco sobre Gandhi.

  19. Juliana Heller disse:

    “Eles queriam me linchar, eu conversar.”

  20. Willians Thiago De Oliveira disse:

    Hehehe tenho certeza que vc não ensina isso para os boyzinhos da FAAP,pensamento totalitário, falta de respeito com seus leitores dizer que tem preguiça dos mesmos…

    • Flavio Gomes disse:

      Claro que ensino.

    • Roberto Mota disse:

      Percebe-se que os dementes leitores da Veja entre outras porcarias, que nunca foram ao país caribenho, são meros papagaios.

      Pobres reacionários que nada sabem dos avanços que a revolução cubana trouxe para o povo.

      Esses capitalistas terceiro mundistas, que se comprazem com pequenas posses e uma tumba no cemitério desconhecem, por exemplo, que a expectativa de vida dos cubanos ultrapassa a dos norte-americanos e dos tupiniquins.

      Continuam com o surrado discurso contra os socialistas enquanto estão morrendo ao modelo do burro em busca da cenoura.

      Fidel Castro já está na galeria dos heróis da humanidade, enquanto vocês, obscuros e obtusos, serão rapidinho esquecidos, até pelos familiares que os toleram.

      • Ricardo disse:

        Existe democracia em Cuba? Não.
        Existe liberdade de expressão? Não.
        Existe o livre direito de ir e vir? Não.
        É possível sair do país sem pedir permissão? Não.
        Existe a livre iniciativa? Também não.

        Os supostos “avanços” citados pelo Sr são nada quando uma população não tem direito a expressar seu descontentamento contra seu governo.

        Fico imensamente triste quando vejo que, ao invés das pessoas se basearem em paises como Finlândia e Coréia do Sul (que conseguiram melhorar seus índices com base em educação, saúde e democracia), recorrem a ditaduras e teorias completamente ultrapassadas e carentes de realidade sustentável.

        O simples fato da blogueira ter solicitado por 20 vezes sua saída da ilha (e ter a mesma negada por 19 vezes), já mostra como é a ilha dos irmãos Castro. E teve que deixar seu filho lá, como garantia de que ela retornaria.

        Desde 1959, o Brasil teve JK, Janio, Jango, Castello Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel, Figueiredo, Sarney, Collor, Itamar, FHC (2 vezes), Lula (2 vezes) e agora tem a Dilma. Gente de “direita” e “esquerda”. Pergunta: E Cuba? Quantos presidentes teve nesse período? Que opção tiveram em quase 55 anos?

        Qualquer menção de apoio ao regime dos Castro se torna RIDÍCULA depois desse tipo de comparação. E o Brasil passou por 21 anos de ditadura. Cuba está em uma ditadura há quase 55. E tem gente que apóia!

      • Antonio disse:

        Falado em discurso surrado…o seu ganhou!

    • Fabiano Lacerda disse:

      “…falta de respeito com seus leitores dizer que tem preguiça dos mesmos…”

      Tu é feito de cristal, cara? Vá ser coxinha assim lá em Havana…

  21. Brother disse:

    A moça merece ser tratada com um mínimo de respeito; ela é uma dissidente, e não se manda de lá, por questões familiares, laços afetivos, etc…
    Enfim, não é uma situação assim tão fácil…

  22. Paulo "McCoy" Lava disse:

    De acordo com o que li no quarto parágrafo, abre aspas e dois pontos: “Tem sua vidinha de blogueira inútil bancada por agências americanas e pela imprensa espanhola — a mesma que publicou uma foto falsa de Chávez quase morto”. So what? Pois, ao ler que ela tem ‘vida blogueria’ bancada por agencias americanas, admito, um ‘feeling’ de inveja tomou conta de mim. Eu também gostaria de ter um ‘blog’ bancado por agência (s) americana (s). Portanto, encerro meu comentário com conhecida frase do programa ‘Chaves’ (tudo a ver com meu sonho não realizado…): “Nem todas as pessoas tem a mesma barriga, Senhor sorte. Digo…”

  23. Fernando disse:

    Flávio, democracia é o José Serra pedir demissão de jornalistas, maestro… O Aécio Neves pedir a demissão do Jorge Kajuru, tudo por realizarem seus trabalhos, isso os imbecis escondem, assim como deixam de lado o embargo ecônomico dos EUA, mas o que uma blogueira qualquer fala, têm repercussão, ela pode gostar ou não, problema dela, mas ela têm menos liberdade que o Kajuru teve por denunciar aquele playboy que governa Minas Gerais? Respondam!

  24. Minoru disse:

    O pior desta discussão toda é que quase ninguém leu, discutiu ou comentou sobre a morte de Carlos Alexandre Azevedo, cujo texto ocupa a METADE do post em questão, com quatro links pertinentes sobre o assunto e que eu acho, sinceramente, que quase ninguém se deu ao trabalho de ler.

    Isso tudo é o que me leva a crer que para a maioria que postou, esse fato não é tão relevante quanto a de uma rapariga cubana, que confortavelmente morou na Europa e que criou um blog, onde ela diz o que quer e, convenientemente, o que ela fala vai de encontro de interesses, que pagam para ela continuar e assim ela vai espertamente vai vivendo da audiência obtida.

    Em relação ao texto me respondam qual é a questão colocada pelo Flavio, caro leitor?

    Não se trata sobre a discussão direita x esquerda, Fidel x USA, ditadura ou outra coisa que o valha… foi apenas e tão somente o fato que uma jornalista cubana que tem um blog sustentado por uma elite que fala de algo que não nos interessa diretamente tem muito mais espaço e maior importância do que a morte de um cidadão brasileiro, depois de 39 anos de sofrimento não só dele mas de toda a sua família, após ter sido como bebê, torturado pela ditadura.

    Acho que é por isso que tem tanta gente assistindo ao BBB… ME TIRA O TUBO!!!!

    • Ricardo disse:

      Comparar a blogueira no Brasil com uma vítima do regime militar, que acabou há quase 30 anos, é um despropósito. É querer turvar o debate para ocultar que Cuba tem a única ditadura das Américas, e que existe há mais de 50 anos.

      – A blogueira vive em uma ditadura que tortura e mata HOJE.
      – O rapaz foi torturado ainda bebê, por algumas pessoas que mereciam a cadeira elétrica pelo que fizeram a ele, há quase 40 anos.

      Estão comparando laranjas com bananas. O regime militar brasileiro (que acabou há quase 30 anos) precisa parar de ser utilizado pelos esquerdistas como desculpa para absolutamente tudo.

      Cuba ainda é uma ditadura, onde se prende, tortura e mata os opositores do regime. O Brasil deixou de ser assim desde 1979, quando foi promulgada a lei da anistia.

      Vamos discutir os problemas de HOJE, ou ficar remoendo o que aconteceu no passado?

  25. Ivan Lima disse:

    Que tal fazermos uma vaquinha para mandarmos o Reinaldo Azevedo dar a volta ao mundo com o objetivo de falar mal do Brasil?

  26. Luke disse:

    Espanta-me como, num país que sofreu na carne uma ditadura de direita por longos 21 anos, há quem defenda a de Cuba, que já dura longos 50 e poucos anos só por ela ser de…esquerda!
    Oh! Claro, são muito diferentes, obviamente uma se preocupam muito mais com o bem estar do povo e não em ficar eternamente no poder, claro!
    As de direita são malvadas e as de esquerda, boazinhas. Ou será o contrário? Nunca sei.
    É nas nessas horas que me desesperanço do meu país, da raça humana, de tudo.

    • Thomperson disse:

      Aí que está a sua ingenuidade, meu caro…
      A ditadura do Brasil foi realmente uma DitaDURA, pois até torturava bebês.
      Já a ditadura de Cuba, é uma DitaBRANDA na verdade. Pois lá, a mortalidade infantil é praticamente ZERO.

      Agradeça por ter Starbucks no Brasil com wi-fi. Isso foi erguido com o sangue de quem morreu no pau-de-arara, e de quem morre até hoje.
      Já em Cuba, não tem Starbucks com wi-fi, que sofrimentooooo horríiiivel, né? Ao menos nenhuma criança de lá vai pro pau-de-arara, todas vão para a ESCOLA.

  27. Fabio SP disse:

    Vc querer associar a viagem da Yoani com uma criança torturada no Brasil é muita sacanagem, né não? Que tal fazer uma associação com os milhares que foram fuzilados em Cuba com a viagem de alguém?

    • Flavio Gomes disse:

      Gente burra é um pé no saco.

    • Graziela Lavezo disse:

      Querido, faltou interpretação de texto! Flavio Gomes esta falando do estardalhaço na mídia sobre a vinda da blogueira para o Brasil enquanto que nenhuma palavra saiu nas primeiras páginas sobre o suicídio de um rapaz que foi torturado pelos militares da ditadura que foi apoiada pelos EUA, o mesmo país que financia a blogueira.

      • Marcio Pacheco disse:

        alguém tem o imposto de renda da blogueira para provar que ela é sustentada pelo EUA?….na boa……prova o que vc esta falando……não acretite com o que os outros falam….procure……ache sua verdade……meu Deus!!!

      • Minoru disse:

        Marcio,

        Aplique o que você disse e procure pois está na cara – e só um cego como você é que não enxerga – quem é que pagou a vida dela na Suiça e quem está pagando as
        contas dela nessa “visita” ao Brasil.

      • Alexandre disse:

        Este papo de sustentada pelos EUA é suposição e só. Pode até ser, mas não sei se ela é tão importante assim. Acho que não.

      • jose cunha disse:

        Graziela, realmente voce tem razao, porem gostaria que vc lesse o texto de novo.
        O que incomoda, e’ ver um artigo de jornalista que atua no ramo automobilistico, com certa representatividade, sair totalmente do seu foco, manifestando simpatia pelo governo cubano, e escrever de forma deselegante, inumeras besteiras, sobre blogueira que, com sua saga, se tornou simbolo de uma causa (como ocorreu com Mandela na Africa do Sul), prova de promessa de liberdade nao cumprida pelos Castro, e que foi apontada como uma das pessoas mais influentes do mundo, pela revista Time.
        Com seu blog, ela conseguiu chamar a atencao de inumeras liderancas mundiais, e de qualquer pessoa que preze a liberdade.
        Isto o Flavio nao sabe, pois a cultura dele esta restrita apenas a automoveis.
        O Flavio, se alguma vez foi a Cuba, foi para observar os carros classicos que andam por la’. Todo o resto deve ter passado desbercebido.
        Para o Flavio, e’ mais facil chamar os detratores de boiolas do que tentar defender o que escreveu.
        O artigo e’ fora de foco, e me da a impressao de ser materia paga pela esqueda do PT.

      • Flavio Gomes disse:

        Vai tomar no cu, rapaz. Posso processá-lo pela última linha. Some daqui.

  28. pedro paulo disse:

    Muitos comentários, impressionante.

    Cada vez mais acho interessante a internet, já que ela divulga bastante a informação. Basta você ter alguns locais para buscar a informação que você terá pontos de vista distintos sobre o mesmo assunto. Assim, não vejo como uma coisa ruim a informação sobre uma blogueira de Cuba. Cada um lê o que quiser, ainda mais com a internet. Sem dúvidas as pessoas tem tido uma visão sobre Cuba que não tinham antes. Agora basta elas procurarem outra visão e elas poderão começar a formar uma opnião própria.
    Confesso que, frequentemente, discordo das opniões do Flávio, seja na F1, seja em qualquer coisa. Exatamente por isso continuo lendo o blog. Acho importantíssimo não concordar e ver o outro lado. E uma coisa eu tenho certeza, não existem verdades absolutas, tudo é um ponto de vista.

    O que eu acho que não vale a pena são os insultos e a falta de cortesia que vi nos comentários, tando dos leitores como do blogueiro. Acho que se alguém discordou do texto, deixe sua opnião, sem ataques pessoais. E o blogueiro tem o direito de responder da maneira que achar melhor, já que o blog é dele. Se as pessoas não gostarem da forma da resposta, o melhor a ser feito é deixar de ler o blog. Simples assim.

  29. Marco Aurélio disse:

    A questão é bem simples: um artigo crítico da forma como foi escrito pelo polemista, mas contrário ao regine vigente em cuba, seria publicado em algum sítio daquele país, ou em algum jornal, como aquele que Chavez apareceu lendo??? O número de comentários do post anterior e do post posterior ao que trata de Cuba demonstra claramente que o polemista alcançou seu objetivo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *