MENU

quinta-feira, 6 de novembro de 2014 - 0:00F-1

NASR LÁ

nasrnasauber

SÃO PAULO (ah, o futebol…) – A esta altura, todo mundo já sabe que Felipe Nasr será titular da Sauber no ano que vem. Deu no “Jornal Nacional”. E como todo mundo já sabe, deixa eu contar uma historinha.

Eram mais ou menos 9 da noite quando o telefone do Victor Martins tocou. Estávamos numa pizzaria, eu, meu editor-em-chefe, a Suprema Evelyn, mais Gabriel, Vinicius, Renan e sua namorada. Parte do Grande Prêmio, pois. Pizzinha de semana de GP do Brasil, descontraída básica antes de mergulhar no autódromo. Era o Américo Teixeira Jr. no telefone. Aquele que não descansa nunca. “Nasr fechou com a Sauber.”

Uma frase bastou. Em poucos segundos, montamos uma redação na pizzaria. Computador na mesa, celulares acionados, a pizza teve de esperar um pouco. Em coisa de três ou quatro minutos a notícia estava na manchete do site. Na retaguarda, a Juliana Tesser colocou as primeiras informações no ar. Às 21h06 estava tudo resolvido.

Mas foi a Globo quem deu a informação primeiro. E nós, do Grande Prêmio, não gostamos disso. Detestamos quando somos furados. E a gente só não deu antes porque tem esquema. Isso mesmo, esquema.

A Globo não furou ninguém. Há um esquema montado há meses entre a emissora, o piloto e o Banco do Brasil, seu patrocinador. É o banco que está bancando (ops) a entrada de Nasr na Sauber, com 18 milhões de euros. Assim como bancou sua presença na Williams como piloto de testes. O acordo com a Globo é explícito. Em todas as corridas do ano Nasr foi entrevistado ao vivo durante as transmissões. No fim de semana, comentou o GP dos EUA para o Sportv. E a notícia de sua contratação pela Sauber foi programada para ir ao ar no “Jornal Nacional”. A equipe só divulgou seu press-release depois disso, às 21h13.

Não há méritos jornalísticos da Globo na divulgação dessa informação. Foi tudo combinado entre as partes. Mas há, no nosso caso, o demérito de não termos obtido a informação antes. Acontece, embora tivéssemos algumas pistas — mas não conseguimos confirmar, e não publicamos o que não confirmamos. Paciência, perdemos. Mas perdemos para um esquema comercial, algo que me desagrada profundamente. Não gosto do rumo que as coisas tomaram no esporte e no jornalismo.

Nasr está na Sauber por méritos? Sim, claro. É bom piloto, ganhou a F-3 Inglesa, briga pelo vice da GP2 neste ano. É piloto pagante? É, mas essa é a realidade da F-1 atual no segundo escalão — fora das grandes, só corre quem paga. Não tem problema nenhum aí. O problema é esse negócio de fazer esquema com emissora de TV e dar a ela informação privilegiada. Um mau começo.

No mais, o que dizer? Gutiérrez e Sutil perderam suas vagas para Nasr e Ericsson, este um piloto ruim, mas igualmente endinheirado. O mexicano também conseguira seu lugar graças a patrocínios de empresas de seu país. Secou a fonte, adeus à vaga. Nenhum dos dois vai fazer muita falta, e é assim que a banda toca.

O que Felipe fará na F-1? Difícil dizer. É jovem, 22 anos, e tem muita estrada pela frente. A primeira missão é ser mais rápido que o sueco, o que não deve ser muito complicado. Depois, construir uma trajetória, que pode ser resultar em qualquer coisa. Quando se chega à F-1, uma nova carreira começa. É impossível fazer prognósticos quando não se trata de alguém evidentemente genial, como eram Vettel, Hamilton e Alonso. Os normais podem virar qualquer coisa, até campeões do mundo — Rosberg está aí, que não me deixa mentir.

Que Nasr tenha toda a sorte do mundo, é o que desejo. A partir de agora, é com ele, com seu carro, com sua equipe, no campeonato mais difícil do mundo. Onde não tem esquema, e o que conta é o talento. Felipe tem, sem dúvida.

121 comentários

  1. Sandro disse:

    Para mim só vamos saber se um piloto brasileiro é realmente bom se tivermos pilotos de todas as classes sociais correndo juntos. Enquanto só tivermos filhos de ricos, milionários, etc, o máximo que saberemos é se o piloto brasileiro que chegou na fórmula 1 é o melhor dos ricos que dirigem em autódromos.

  2. jairo faria disse:

    deixa eu ver se entendi,… quando as coisa acontecem sem que vocês participem é “esquema” ??? ah tá!

  3. Alan disse:

    Li que o Sutil tem contrato pra 2015 também. Como fica? A Sauber paga o salário até o fim? Vira piloto reserva? Rescinde e paga multa? Alguma clausula no contrato prevendo isso ou qualquer piloto pode ter contrato rescindido assim?

  4. Samuel Barrocas disse:

    Nasr precisa mostrar serviço ano que vem. Na F3 ele foi excelente mas na GP2 ele não decolou.

  5. Primeiro nos temos que ver a Sauber sair do Sucateamento, senão será um tiro no pé pro Felipe Nasr. Ele tem que se Firmar no ano que vem para substituir o Massacrado no Time de Brasileiros na F1 que almeja sua saída da categoria. A Tal Globo gosta de posar de Poderosa e Narcisista com essa notícia da contratação do Nasr pela Sauber de última hora meio que previsível. Que o Felipe Nasr tenha muita sorte no ano que vem, e que faça a fila do Brasil andar, porque já está mais do que na hora!

  6. Paulo Pinto disse:

    Felipe II na F-1.. Boa notícia e boa sorte para ele.

  7. RAPHAEL LIMA disse:

    Qual o problema do esquema? Na verdade a falha foi de vocês por não conseguirem antecipar o esquema, como você mesmo admite. Tá parecendo dor de cotovelo!

  8. Ed disse:

    Isso acontece direto.
    Se Gomes comentasse as corridas pela Globo também saberia de antemão.

    Só não poderia publicar!

  9. Edu disse:

    Flavio,

    qual o interesse de um banco apostar milhões em um piloto verde, queria entender esse tipo de decisão, com essa grana seria possível atrelar a imagem do Banco a qualquer campeão.

  10. Cacá Camargo disse:

    Peço a gentileza que o Sr: Nick B apareça e esclareça quem de fato deu o FURO primeiro!!!!!!! Ahahahahahahha!!!!

  11. Vallim disse:

    Caros piloto pagante tem no mundo todo : GP2 , Stock car , Nascar , Moto GP , MOto 2 , Moto 3 , Super Bike , sempre foi assim e sempre será … até na Classic Cup tem !!!!
    Concordo como FG !!!

    ab Vallim

  12. Antonio disse:

    O q aconteceu com o Livio ??

  13. Alex Santos disse:

    Pelo menos a Sauber não morreu, ainda.

    Realmente não da pra fazer prognóstico nenhum, mas pelo que assisti na GP2 ele é um bom piloto, tem talento. Mas se a sauber fizer um carro nanico de novo, vai ser difícil… E a tendência é a Lotus crescer com motor Mercedes. Se Caterham e Marussia não forem compradas, a tendência é da Sauber andar no fim do pelotão.

    Mas o Nasr está se mostrando bem articulado politicamente, se conseguir fazer uma temporada sem atropelos pode furar alguém e pegar um lugar decente no Grid.

    E está explicado pq ele falou mal da Willians comentando a prova, falou na cara dura que o Massa foi prejudicado por erros da equipe, eu até fiquei surpreso, está ai a resposta.

  14. Antonio disse:

    É Flavião, jormalismo hoje em dia é só para quem é a favor, como vc é Ptista de carteirinha sua vida é mais fácil, desculpe misturar as bolas mas é a realidade de hoje. Pelo fato de vc “apoiar” o partido vc teria mais facilidades do que outros. Infelizmente, hoje, no Brasil, a impressa é um esterco que varia conforme as moscas! Absssss

  15. antonio edson disse:

    coisa rara, mas faz parte da democracia: discordo de FG. “[Na F1] não tem esquema, e o que conta é o talento”??????? putz… onde o dinheiro hoje não tem influência nesse mundo, meu caro? se só o talento bastasse o alonso já teria sido campeão mais vezes do que já foi. e aquele acidente até hoje mal explicado do nelsinho piquet? será que nunca houve um antes nem outros depois?
    sou apenas um ignorante leitor de blog e, portanto, tenho direito de nem sempre concordar com o que está escrito. o que não tira em nada o mérito e o talento de quem escreveu.
    um abraço.

    • Luis disse:

      “Talento” era o nome da moeda do Império Romano em alguma época. O significado de talento sempre foi de dinheiro, mas o significado acabou mudando com o passar dos séculos…

      • Talento BB disse:

        Está aí: CRU, e muito cruel.

        Era uma unidade de medida de peso, e que também foi unidade monetária mensurável pelo peso, comumente em ouro ou prata. Grega, mas claro, também de todas as culturas influenciadas.

        Tem gente talento$a que consegue tudo que quer; é o que dizem.

        Não estou fazendo nenhuma referência ao Felipe Massr, que fique claro. Isto das pequenas terem que se vender tem da culpa de receberem trocado$ no final do campeonato. Com o troco de pão que recebem, nunca serão grandes sem que um maluco de fora derrame dinheiro para ver no que vai dar. Recebem até 10 vezes menos que as grandes, e no ambiente de hoje, onde inovar no que já consolidado como eficiente é cada vez mais complicado, onde quase não sobra espaço para aquelas sacadas que com pouco $ consegue-se muito, complica-se tudo.

        Patrocínio, ok. O patrocínio é com a equipe, e o piloto (que é o agente de publicidade), não recebe remuneração da equipe; é esquisito.

        Deixou de ser profissão [pilotar] para ser um tipo de hobby (não leva nenhum $ pra casa do empregador). Se levar um $ do patrocínio, tudo bem, será o patrocínio o real empregador, e a equipe um “veículo de publicidade”, que vende seus espaços.

        Fica livre para ganhar um extra com publicidade; é isto? Ou não pode nem ganhar um “por fora”? FG. Pode informar algo sobre estes tipos de contratos? Sabe do funcionamento de algum contrato destes pilotos que levam patrocinadores para conseguir seu espaço no “veículo de mídia”?

  16. Marcio16 disse:

    O BB já deu dinheiro ate para Val Marchiori , amante do presidente demissionário.

    Por que não continuar patrocinando os Felipes e a Williams ?

  17. Neto disse:

    Flávio parece até eleitor do Aecio, perdeu perdeu fica pra próxima. Pra que choro?

  18. Eduardo disse:

    É assim mesmo, Flavio, tem todo o direito de chorar. Até fui no site do GP quando ouvi a notícia na TV, achei estranho eu ainda não estar sabendo por lá, mas ainda não tinha nada, apesar dos seus esforços.

    Com o Rubinho também foi assim, vocês são só uns brasileirinhos lutando contra tudoissquetaí.

  19. Ricardo Cérbero disse:

    Vamos ver no que vai dar. Que a trajetória dos pilotos locais que passaram pela F1 nos últimos 15 anos lhe ensine alguma coisa, principalmente no que diz respeito a dinheiro/negócios e algumas ações.

    Dinheiro, se ele for um piloto médio para os padrões da F1, é consequência do trabalho, e logo ninguém lembrará do patrocínio do BB (que é economia mista, logo, precisa justificar o investimento dos seus acionistas). A trajetória de Schumacher, o nosso trio de ferro, e recentemente Ricciardo (que não está desperdiçando a chance que lhe foi dada e já garantiu, pelo menos, mais cinco anos de emprego na F1), estão ai pra servir de referência. Com o tempo, o piloto que fica com a estampa de piloto pagante, sai e não volta mais (este ano, por enquanto, é o Gutierrez, eu diria que os próximos desta fila são Maldonado e Perez, nesta ordem).

    O comportamento é o que ferra os pilotos brasileiros, mesmo que a maioria dos leitores daqui não precisem de um piloto do país pra assistir F1. Pra resumir, acabam se deixando levar pela emissora oficial, na sua tentativa de criar e vender heróis para engordar a sua carteira publicitária (os meios são discutíveis, mas é um direito deles, e o consumidor não é qualificado), passam a imagem de garotos abobados e infantilizados pelo dinheiro, e que a F1 é um lugar vil, capitalista e diabólico. Enfim, são pobres “brasileirinhos neste mundo europeu e difícil da F1”.

  20. Amaral disse:

    Depois que a Williams saiu de uma temporada tétrica para fazer pole, brigar pelos primeiros lugares, subir ao pódio e disputar o terceiro lugar no campeonato de construtores, não duvido, apesar de saber que é difícil, que um raio caia na sede da Sauber e o carro de 2015 seja um avião que fará se esquecer a temporada desse ano. Carro bom sem dinheiro não anda muito, mas carro bom traz resultados, traz otimismo e traz dinheiro, que eles precisam e muito. Alguém hoje fala em Tio Frank fechar ou vender a equipe? Um carro bom, bons resultados e um punhado de pontos trazem novos rumos. Confio nisso, mas de forma realista. Odiaria ver a Sauber morrer, faria falta, ao contrário de Marussia e Caterham.

  21. Luciano disse:

    O furo é nosso, e só a gente pode dar.

  22. Fernando Delucena disse:

    Não sei não, aqui de fora a Fórmula 1 parece o campeonato mais cheio de esquemas no mundo. É mais uma questão de como o marketing e esses conchavos corporativos invadiram tudo o mais na vida – o jornalismo, o esporte, a arte. Parece-nos que quase nada hoje é natural.

  23. Zé Maria disse:

    #vergonhaalheia!!
    Falar da “Grobo”. . .me poupe!
    Falar do “Nasser”? me poupe2, a missão!
    E nós aqui metendo o pau (com razão!) no Ericsson. . .falasééério!
    Qual a diferença de (mais) esse banana brasileiro em relação ao sueco?
    Nenhuma, simples assim, são farinha do mesmo saco, não fizeram nada que prestasse no andar de baixo para merecer a cobertura. . .
    E a banana brasileira ainda tem a ousadia de se comparar (pelo menos é o que consta da matéria do GP) ao Massa, ao Raikkonen, ao Kubica e ao Vettel, que também iniciaram pela Sauber. . .fala sério ô caubói!! Nada com nada. . .
    E não venham os outros blogueiros dizer “Vai lá e faz você!!”
    “Cada um no seu quadrado”, o Flávio no jornalismo e afins e nós em nossas respectivas áreas de stuação!
    E a banana brasileira, positivamente não fez nada de relevante em “seu quadrado” que o credenciasse para tal conquista. . .descontando a providencial “comparecida” do BB e da BR. . . #vergonhaalheia!!
    Zé Maria

    • Zé Maria disse:

      Complementando especificamente ao Flávio Gomes, com todo o respeito:
      Desculpe mas não concordo quando você afirma que ser piloto pagante é a realidade atual na F1 no segundo escalão.
      Tanto Kvyat como Verstappen estão aí para desmentir a sua tese, coincidentemente lançados pela satélite da Red Bull, que tem um faro privilegiado para diferenciar o joio do trigo. . .errar faz parte, como já erraram, mas são especialistas em identificar potenciais vencedores e lhes conceder a oportunidade, vide Riccardo agora na matriz dando calor no outrora senhor todo poderoso. . .
      Abraço.
      Zé Maria

      • Flavio Gomes disse:

        A Toro Rosso é Red Bull. Não conta. Veja as demais — Sauber, Force India, Caterham, Marussia e Lotus. Todas têm pilotos pagantes.

      • Zé Maria disse:

        Então pelo menos podemos concordar que se o brazuca tivesse méritos e fosse de fato diferenciado, como os que citei parecem que o são, estaria nela e não na draga da Sauber comprando a vaga com um caminhão de dinheiro. . .
        Abraço.
        Zé Maria

    • Rogerio disse:

      Mereceu…senta lá e faz melhor!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *