AH, A MINARDI…

martini-pierluigi-1989-estoril

SÃO PAULO (que saudade…) – Hoje é dia 24, certo? Então, como lembra o Charles Nisz na deliciosa coluna “Na Garagem”, faz 26 anos que a Minardi liderou a única volta de sua história, no GP de Portugal. A honraria coube a Pierlugi Martini.

A Minardi era a equipe mais legal da F-1, sediada em Faenza, onde comi no melhor restaurante da minha vida — mas esqueci o nome. O legal é que seu legado segue firme, na Toro Rosso. Ganhou até corrida, com Vettel, como todos lembram.

Quem também deve estar se lembrando bem da Minardi é Alonso. Neste ano, o espanhol tem tido, na McLaren, um desempenho que de certa forma lembra o de sua primeira temporada na F-1, em 2001 — em 2002, Fernandinho foi só piloto de testes da Jaguar, para quem não se lembra (eu não lembrava, para ser honesto; mas a foto não deixa dúvidas!).

alonsojaguar

Fui consultar os alfarrábios e levantei as posições de largada de Alonso em seu ano de estreia. Nas 16 etapas daquele ano, o bicampeão largou em média em 19,4º. Vamos arredondar para baixo, como manda a matemática do colégio. Sua posição média, portanto, foi 19º, num grid de 22 carros. Peguei apenas as corridas que ele terminou, oito, e sua posição média de chegada foi 12,75º. OK, 13º. O melhor grid, 17º nos EUA. Melhor resultado, 10º na Alemanha. Não marcou pontos.

Na McLaren, em 12 corridas, a posição média no grid até agora é 15,6º — com 20 participantes. Arredondando para cima, 16º. Terminou só cinco provas, e nessas a posição média de chegada foi 10,2º. Décimo, pois.

Na Minardi, largava em 19º. Na McLaren, em 16º. Na Minardi, chegava em 13º. Na McLaren, em 10º — quando chega.

Por isso que Fernandinho está meio de saco cheio.

Comentários