MIL CAVALOS

SÃO PAULO (não tá bom?) – A FIA estabeleceu um limite de potência de 1.000 HP para os carros da categoria LMP1 do WEC. Alegadas razões de segurança. O Rodrigo Mattar, especialista no tema, acha que a medida visa não permitir um grande avanço da popularidade do endurance em relação à F-1. Fãs que seguem o WEC mais de perto acham que estão querendo frear a Porsche.

Eu, aqui do meu cantinho, acho que 1.000 HP são suficientes. Mas é preciso, claro, tentar entender as razões políticas desse troço.

O que vocês acham?

19hulklemans

Subscribe
Notify of
guest

39 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jean Rul
Jean Rul
8 anos atrás

Não acho que limitar os carros do WEC vá diminuir a popularidade da categoria. Esta já esta solidificada por conta das marcas envolvidas e da qualidade das corridas. É um campeonato que desperta um interesse genuíno e espontâneo, sem usar das medidas artificiais que visam “aumentar o interesse”, como na F1. E, tem Le Mans, que é um dos maiores eventos automobilísticos do ano! (junto com Rali Dakar, 500 Milhas de Indianápolis, Classic Cup, etc…)

Acarloz
Acarloz
8 anos atrás

A velha politica fodendo tudo…

EduardoRS
EduardoRS
8 anos atrás

É estupidez limitar potência. Então que limitem o tamanho do motor. Limitar potência limita também a criatividade e a motivação dos engenheiros.

Lógica da FIA: “se algo está dando certo, é melhor mudar.”

Rafael Alves
8 anos atrás

A FIA quer cagar em todos os esportes sob sua bandeira, ainda bem que com tanta tecnologia sempre acham uma forma de tornar os carros mais rápidos.

Dú
8 anos atrás

Com até 1.000HP os engenheiros deitam e rolam. Interlagos 2014 a WEC ficou a 7 segundos da F1 na pole, e os tempos na prova mantinham esta diferença. Na verdade não muda nada no show, em segurança muito menos, exemplo a estabanada do Webber amarrado na cápsula como um astronauta e os danos sofridos.
Aproveitando do desempenho de categorias, curiosa observação do João Paulo de Oliveira quando do GP do Japão.
Formula 1 43L: 1h11min44s
Super Formula 43L: 1h14min01s
If a Super Formula car would be racing, it could be in 11th place at the moment.

Thiago Azevedo
Thiago Azevedo
Reply to 
8 anos atrás

E a F1 é cara… putz

Ricardo Linares
Ricardo Linares
8 anos atrás

É mais do que o suficiente e esta categoria é 1000 vezes mais legal que a F-1.

Renato
Renato
8 anos atrás

Acho interessante rsta limitação.
Isto força as equipes a focarem desenvolvimemto em outrad áreas da engenharia automobilística.

Mello
Mello
8 anos atrás

É uma prova de resistência, estratégica. Para quê turbinar o motor? Essa restrição vai fazer com que os engenheiros tentem aumentar a velocidade em outros itens do carro em vez de focar na força bruta dos motores.

Guilherme
Guilherme
8 anos atrás

so para lembrar, 1000 Hp so em momento de uso do overboost, Na media a potencia fica em 650 Hp contra os 730 hp dos F1. Tem também diferenças de peso 870 kg para o lmp1 contra 690 para o F1. Aumentar a potência media que e o grande desafio. Picos de potência ajudam mas não são eles que definem a diferença enter as duas categorias. Carros não são sõ motores mas todo conjunto.

Pablo Vargas
Pablo Vargas
Reply to  Guilherme
8 anos atrás

Pra aguentar 6 horas de pauleira, tá de bom tamanho.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
8 anos atrás

Esportes a motor de ponta , WEC e F1 , não deveriam ter limites, porem , o
homem que pilota tem limites, mas qual? Senna fazia a poli com um motor
na lotus com 1250 Cv ( Dizem ) Berg pilotou o F1 com 1400CV.
Mas convenhamos que 1000 CV , é suficiente para um carro fazer uma bela
performance .

Robertom
Robertom
8 anos atrás

Limitar o resultado final do desenvolvimento tecnológico não é justo, e chegando a ser desonesto e tendencioso.
Criar valores limite para potência, velocidade, aceleração, etc. desestimula a criatividade, a inovação, a pesquisa, ou seja, o trabalho em si.
Todas as restrições devem ser técnicas tais como, capacidade cúbica, nº de cilindros, pressão de superalimentação, consumo de energia elétrica, limitações de fluxo de ar e de combustível.
Para mim, uma jogada cretina dos cretinos para enfraquecer o WEC…

luigi
luigi
Reply to  Robertom
8 anos atrás

Desculpe-me mas não concordo com a colocação de denominar números de cilindros ,tipo da arquitetura do motor se L ,V , H ou Rotativo ,concordo quanto a capacidade cubica máxima , consumo máximo e nível de emissões de poluentes ,peso minimo e itens de segurança , mas o restante deveria ser por conta e risco de quem os produz pois só assim , se poderia achar um novo caminho e até um tipo de motor mais eficiente.
Más pelo jeito ,também na F I A como em outras entidades normativas e de controle ,deve estar cheia de gente que tecnicamente não são brilhantes mas tem bons “Padrinhos”.
Colocar gente pouco qualificada ou corrupta em posto de comando não é criação dos nativos sul americanos ela veio junto com os colonizadores europeus , e pelo “tipo” lá também não se esvaneceu de todo .

Betocam
Betocam
Reply to  Robertom
8 anos atrás

Robertom, assino em baixo.

Roberto Borges
Roberto Borges
8 anos atrás

Lembrar que esses 1.000hp são pico, não estão disponíveis o tempo todo.
Isso porque representam os cavalinhos do petróleo queimado mais a eletricidade da engenhoca de recuperação de energia. Boa parte do tempo a potência vai ficar nos 600 hp ou menos.
Tem uma margem para crescer nisso. Em todo caso, limitador de entrada de ar, como já existe, acho que estaria bom. Aí os engenheiros iam tirar mais potência das engenhocas, o que pode ser interessante no desenvolvimento de tecnologias mais “verdes”.

TSC
TSC
8 anos atrás

Seria mais interessante reduzir a cilindrada como a motogp fez anos atrás, mas o problema é que são híbridos e restringir os watts e mais difícil, então bota tudo no dinamômetro e pronto.

Leonardo Silva Conrado
Leonardo Silva Conrado
8 anos atrás

A FIA, atualmente faz uma administração péssima em relação ao automobilismo mundial, já chega os regulamentos ridículos que ela impõe na F1, fazendo com que o esporte perca público e popularidade no mundo inteiro, agora quer estragar a WEC, que vem crescendo em popularidade a cada ano.

Roberto Fróes
Roberto Fróes
8 anos atrás

Mais uma grande cagada da FIA.
Quer dizer que se alguém onde haja baixado o espírito do Colin Chapman tiver uma idéia mirabolante (lembrem-se da própria compressão da mistura, a mais de 1 século atrás, dos comandos de válvulas especiais, do próprio motor multi-válvulas) não a poderá usá-la por causa do aumento da potência?
Discordo totalmente, acho uma imbecilidade, está limitada a criatividade!
Que se limitem a cilindrada – quem conseguirá mais cavalos dentro da mesma capacidade cúbica? – até mesmo a capacidade dos tanques ou o peso total, mas a cilindrada?
Me lembra outra imbecilidade do governo brasileiro – não do PT – que taxa o FATURAMENTO, sem levar em conta se há lucro, prejuízo, ou seja lá o que for.

nando figueiredo
nando figueiredo
Reply to  Roberto Fróes
8 anos atrás

Amigo veja a Porsche usa um motor de 4 cilindros 2.0L em V turbinado com injeção direta de gasolina + 1000Mj de potencia eletrica, ou seja, tem muito carro vendido em loja com motor mais potente que esse.
O que eles querem limitar a potencia dos motores eletricos, que é onde a Porsche deu dois passos a frente da concorrencia.
Apenas como comparação a Toyota usa um V8 3.7L + 600Mj de potencia eletrica, e não consegue nem sonhar em andar proximo da Porsche.
Então a questão é entender que com a atual tecnologia motor ciclo otto só vai servir de gerador pras unidades de força eletrica.

andre
andre
8 anos atrás

No mesmo dia a FIA anuncia que vai limitar os LMP1 e que vai ter GP de F1 no mesmo fim de semana de Le Mans.
Pra mim, é pra diminuir a concorrencia do WEC com a F1.

Paulo F.
Paulo F.
8 anos atrás

Mais um tiro no pé.
Carros a vela são mais seguros ;}

pedro ar
pedro ar
8 anos atrás

Por volta de 1780 James Watt criou o horse-power (força cavalo) que corresponde à energia necessária para deslocar uma libra (453g) numa distância de um pé (30 cm) por um cavalo ao longo de um minuto, que pode hoje parecer pouca coisa, mas na época da revolução industrial era um conceito revolucionário. Então 1000 hp são uma quantidade boçal de força que podem produzir motores capazes de desenvolver altíssimas velocidades. Apesar de terem sido usados motores com mais de 1500 hp na história do automobilismo mundial, o limite agora imposto permite a construção de maquinas incríveis que podem proporcionar belos espetáculos é fato. Independente das questões que levaram a esta limitação, políticas ou não, o que incomoda é a restrição da liberdade criativa, e saber que a busca de segurança é uma questão bem maior e passa por inúmeros outros itens que nem sempre é dada a devida importância, como exemplo temos depois de 20 anos a morte de um piloto de F1 de uma forma contundente, violenta e ignóbil, o maior reflexo do quanto há ainda para ser feito e melhorado. Como muitas outras medidas restritivas, acredito que tem prazo de validade e que outras questões ligadas a segurança deveriam também ser analisadas e implementadas.

Claudio
Claudio
8 anos atrás

Acredito que isso seja muito mais para frear a Porsche. A verdade é que a LMP1 da forma que é hoje é a mais sem graça de todas as classes, con sempre alguém disparando na ponta e competitividade 0, se continuar assim logo logo Audi e Toyota se mandam

Fernando Linhares
8 anos atrás

Eu acho que ultimamente a FIA tem errado a mão em regulamentos. Pode ter errado de novo.

Ben
Ben
8 anos atrás

O WEC tinha que ser um campeonato de GT. Bons tempos das 24h entre 1994 e 1998.

Le Mans já cumpriu seu papel de ser o palco dos maiores carros de corrida do mundo. Hoje isso não tem mais sentido, essa função ficou totalmente com a F1.

E os protótipos estão cada vez mais sem graça. O ronco desses motores híbridos é pra chorar de tristeza.

Jader
Jader
8 anos atrás

Acho que já dá pra se divertir legal com 1000hp.

Lucas Albuquerque
Lucas Albuquerque
8 anos atrás

Caramba, quer dizer então que passa com folga os mil cavalos? ! Acho q na configuração atual da f1, vai demorar de chegar nesse nível de watts!

Carlos
Carlos
8 anos atrás

Talvez sejam duas as razões para essa limitação imposta pela FIA:
1 – não elevar os custos da categoria. com a potência limitada, para alcançar uma melhor performance outras áreas deverão ser desenvolvidas (aerodinâmica, por exemplo).
2 – a preocupação com a segurança. Vide o que aconteceu com o grupo B do Campeonato Mundial de Rallye (1982-1987).

Clovis
Clovis
8 anos atrás

Certamente meu comentário é simplista, mas em esporte à motor em geral, penso eu, tudo aquilo que é limitado perde a graça. Claro, há de se levar em conta a segurança de pilotos e das pessoas “a volta”, mas limitar me parece um tanto quanto desnecessário. Ora, deixem as fabricantes buscar o limite a todo momento, motores com 1.000, 1.200, 1.500 cavalos…hoje existe tecnologia suficiente para controlar esse plantel. Mas talvez eu esteja errado.

Cheetos
Cheetos
8 anos atrás

Acho bobagem, especialmente se estão conseguindo fazer um “motorzinho” 4 cilindros tem mil pocotós e ainda gastar um fiapo de gasolina, isso tem bem mais aplicações práticas que as unidades de potência da F1.

Os carros são animais, a segurança é forte pra todo lado, a pilotagem não é agressiva como no Rally e não teve nenhum acidente que passasse perto de ser perigoso a ponto de demandar isso. No máximo teve aquela super batida entre um Audi LMP1 e uma Ferrari GTquarquécoisa por barbeiragem.

Se o WEC está mais legal que a F1, então, que façam a F1 ficar atrativa e não cortem as asas do WEC, oras.

pedro araujo
pedro araujo
Reply to  Cheetos
8 anos atrás

nem é o fato de não ter tido acidente sério ultimamente, porque teve o do Allan Simonsen em 2013, e deve ter tido outros sérios desde então, em outros circuitos – não acompanho tanto a categoria, apesar de ter ido 2 vezes a Interlagos ver a corrida. mas limitar potencia de motores não necessariamente limita os riscos.

mas concordo com o Cheetos no último e primeiro parágrafos dele.

aliás, pesquisando essa coisa dos acidentes, olha o que eu achei:

http://www.fiawec.com/en/news/bernhard-remembers-his-hero-bellof_3107.html

achei legal, o Bellof era foda!

luigi
luigi
Reply to  pedro araujo
8 anos atrás

Meu caro Pedro ; Stefan Bellof só morreu porque foi jogado para fora da pista por um um imbecil que se achava a “Prima Donna” da categoria e vinha sendo constantemente batido pelo jovem Bellof, NA MINHA OPINIÃO : O melhor piloto alemão de todos os tempos , seus tempos em pista confirmam isto ,fazia milagres com carros menos competitivos que de outros concorrentes , No acidente fatal em Spa ,ele dirigia um modelo 952 não oficial ,largou da 23* posição e ia ultrapassar o líder que pilotava um carro oficial quando foi ‘ASSASSINADO’ pelo piloto da casa,que como belga teve as benesses da hipocrisias local e da F I A. Todos que conheceram Bellof pessoalmente guardam profundo respeito pela sua capacidade de pilotagem,companheirismo e apesar de alemão ,ser muito afável. Para mim era uma pessoa que guardo com muita estima e saudades no coração. Depois que ele morreu e na aconteceu com o responsável ,pista para mim ; nunca mais !

Mauricio
Mauricio
8 anos atrás

Eu entendo que limitar potência de motores, desde que em limites altos, é positivo pois a engenharia vai buscar aumento de performance em aspectos técnicos mais delicados, como compostos por exemplo, que afetam peso diretamente. Além do mais, como não são motores de um único fabricante, sempre há infinitas variações nas faixas de torque e potência, desde que não haja restrições em setup de transmissão.

Fausto
8 anos atrás

Concordo com a ideia de que a FIA está com medo que o WEC ultrapasse a F1 em popularidade o que, nesta altura, seria mortal para a F1 e discordo que 1000 HP sejam suficientes. Deixem os engenheiros experimentar os brinquedos que têm nas oficinas. Se qualquer carrito de estrada, com algumas modificações, chega a cavalagens ridículas, porque raio é que os entendidos hão-de ser limitados?

luigi
luigi
Reply to  Fausto
8 anos atrás

Fausto ,eu acredito que esta limitação seja pelo fato de o W E C usar os mesmos circuitos que a F 1 , quando um LM P 1 virar tempos iguais ou inferiores a um F 1 a comparação será inevitável (e isto já esta muito próximo) , pois como espetáculo televisivo ´é difícil por se tratar de corridas longas onde só cambem flashes e a F 1 pode ser feito por completo.
Para mim este é o grande temor,a comparação de tempos , o que é uma grande besteira ,pois são filosofias diferentes de automobilismo, uma é voltada mais para o Show ,onde o piloto é o artista e a outra ´´é (deveria ser) ,voltada mais para o desenvolvimento e novas pesquisas levada a extremos . Endurance não é show televisivo para apaixonados por piloto ,mas sim por maquinas e engenharia ,.o piloto só é mais um componente da equipe , mas o principal é a equipe .;

Fabiano
Fabiano
8 anos atrás

Frescura !!!

Quanto mais potência mais se separa os bons dos medianos… e não sou eu que digo isso! Mas será que o nosso querido prefeito Fernando Haddad conseguiu um carguinho na FIA? Jajá vão limitar a velocidade nas curvas pra 70km/h

Essa foi só pra te provocar mesmo Flavio…

Marcio Cesar
Marcio Cesar
8 anos atrás

Eles já não tem no regulamento uma restrição quanto ao consumo de combustível????
A potência deve ser livre afinal os carros são mais pesados (que os f1) e 4×4…
A f1que tem que se virar para continuar sendo a categoria com os carros mais avançados/rápidos…

luigi
luigi
Reply to  Marcio Cesar
8 anos atrás

Caro Marcio Cesar , os grandes avanços técnicos nunca foram introduzidos pela F 1 , ela só os incorporou depois de serem apresentados nos antigos campeonatos de protótipos e isto foi desde os motores comprimidos , multi válvulas, chassis monobloco,freios a disco ,cambio sequencial ,força descendente vertical (neste caso ,foi primeiramente nas provas de Can-Am com o Chaparral 2 F),etc … E se é Ferrarista como muitos e não sabe ! A primeira grande vitória , (Vitória de Respeito) que a Ferrari teve com carro próprio foi nas 24 de Le Mans de 1949 com o modelo 166 M M , e era da equipe particular de Lord Selsdon