N’EIFEL (2)

N

SÃO PAULO (surprise!) – Eram 11 da manhã e Nico Hülkenberg terminava seu café da manhã em Colônia, a 60 km de Nürburgring, quando tocou o telefone. Do outro lado da linha, Otmar Szafnauer, chefe da Racing India. “Filho, corre pra cá que estamos precisando de você!”, disse o dirigente. Nico se preparava para ir ao autódromo, mesmo, porque iria trabalhar como comentarista da RTL. Pegou um capacete velho, dos tempos da Renault, e menos de duas horas depois estava na pista para, de novo, substituir um dos pilotos da equipe rosa.

Desta vez, quem foi vetado pelo departamento médico foi Lance Stroll, que acordou se sentindo mal e sem condições de guiar um carro de corrida. Não se sabe ainda qual problema teve o jovem canadense, mas o fato é que Nico, a exemplo do que acontecera nos GPs da Inglaterra e dos 70 Anos da F-1, em Silverstone, foi chamado às pressas para ocupar o cockpit da Force Martin. Chegou ao autódromo com sua credencial de jornalista…

E foi o que de mais notável tivemos neste sábado em Nürburgring, que teve um dia bem diferente de ontem, com um solzinho tímido e temperaturas oscilando entre 8 e 10°C. Nico foi direto para a classificação. Durante o terceiro treino livre a equipe informou que Stroll não iria participar das atividades do fim de semana e foi atrás de seu coringa predileto.

Desta vez, Hülkenberg não fez milagre. Acabou ficando na última posição no Q1, o que não é demérito nenhum para quem não tinha feito uma volta sequer no único treino realizado na pista alemã. Foi eliminado junto com Grosjean, Russell, Latifi e Raikkonen — este, uma certa decepção; seu parceiro Giovinazzi, que não é exatamente o melhor piloto do planeta, conseguiu passar ao Q2 pela primeira vez no ano.

Havia uma certa expectativa em Nürburgring, que recebeu 25 mil torcedores nas suas arquibancadas, para uma boa disputa entre Mercedes e Red Bull (leia-se Max Verstappen) pela pole-position. O holandês se deu bem no circuito que, desde 2013, não recebia uma etapa do Mundial. O frio e as características da pista ajudaram no desempenho rubro-taurino.

No Q2, a Mercedes tentou a velha tática de fazer tempo com pneus médios, para largar com eles, mas percebeu que poderia se dar mal se Verstappen tivesse os pneus macios na largada, tracionando melhor. No fim, todos fizeram suas voltas com a borracha mais aderente e ficaram pelo caminho Vettel (sete GPs seguidos fora do Q3, uma tristeza), Gasly, Kvyat, Giovinazzi e Magnussen.

E no fim das contas, tivemos uma surpresa no Q3, mas não foi Verstappinho. Bottas, o Apagado, é que conseguiu brilhar deixando Hamilton para trás para fazer sua terceira pole no ano, 14ª na carreira e a 11ª da Mercedes no ano — todas. Os dois pilotos dos carros pretos dividem novamente a primeira fila, com Valtteri tendo feito 1min25s269 em sua melhor volta, nada menos do que 0s256 à frente de Lewis. É bastante. O inglês ficou meio emburrado com o resultado.

Verstappen e Leclerc dividem a segunda fila. Ótimo trabalho do monegasco, embora sua diferença para a pole tenha sido grande, 0s766. Max ficou 0s293 atrás do finlandês. E se disse um pouco decepcionado. Chegou a sonhar com a pole, mas no fim a força da Mercedes acabou se impondo novamente.

Albon, Ricciardo, Ocon, Norris, Pérez e Sainz Jr. fecharam a turma dos dez primeiros, com destaque para a boa apresentação da Renault e para os interessantes capacetes dos pilotos da McLaren, desenhados por eles mesmos numa campanha para lembrar o dia dedicado à saúde mental.

O GP de Eifel, segundo as previsões, deverá ser disputado amanhã com um tempo mais frio que hoje, talvez até com chuva em algum momento. Tende a ser uma corrida interessante, pela distância menor entre Verstappen e a Mercedes e também porque Hamilton, por mais que ganhe tudo, não é o tipo de cara que se conforma com um segundo lugar. Vai, sim, partir para cima de Bottas desde o início. E no segundo pelotão a disputa entre Leclerc e as duplas da Renault e da McLaren também pode ser interessante.

Hoje não tem muita gracinha no textão porque daqui a pouco entro no ar na TV. Nem mesmo Gola Profonda se animou a mandar suas informações sempre quentes. “É porque tá muito frio”, me disse quando cobrei pelo celular.

Não deu para contestá-lo.

Sobre o Autor

Flavio Gomes

Flavio Gomes é jornalista, mas gosta mesmo é de dirigir (e pilotar) carros antigos.

14 Comentários

Por Flavio Gomes

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

outubro 2020
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031