MENU

sexta-feira, 3 de julho de 2009 - 19:39Museus & coleções

GRANDE NOTÍCIA

SÃO PAULO (breaking news) – Estava eu a caminho do Morumbi, onde gravei matéria sobre o Bianco com o grande amigo Guilherme Decanini, quando toca o celular. Ligação de um telefone de Brasília. Era Roberto Nasser (foto), jornalista, advogado, antigomobilista, curador e mantenedor do Museu do Automóvel de Brasília, criador da legislação da placa preta para carros de coleção.

Era ele à frente do resgate dos quatro carros da Ford retirados hoje do museu de Roberto Lee em Caçapava. Quando ligou, estava em São José dos Campos.

A história. Os carros foram cedidos pela Ford em comodato ao museu por 30 anos. Quando Lee morreu, começou uma enorme batalha jurídica pelo acervo por conta de desavenças entre os herdeiros e o museu acabou, teve seu acervo roubado, furtado, dilapidado, destruído. Inclusive os carros que não pertenciam ao acervo, caso dos quatro da Ford. Virou um depósito de sucata. Sucata cara. Tem até um Tucker lá dentro. Um crime.

A briga por esses quatro especificamente, Capeta incluído, se arrastou na Justiça por 12 anos. A Ford queria os carros de volta, claro. Finalmente saiu a decisão favorável à empresa e Nasser foi encarregado pela montadora de resgatar os carros. Eles seguirão para o museu de Brasília, onde serão restaurados. Nasser me contou que não sabe nem se o Capeta tem motor. “Nem abri o capô. Arrombamos a porta, que estava emparedada, e tiramos os carros de lá”, disse.

Estão salvos. “É uma grande vitória e uma satisfação pessoal”, falou o Nasser, especificamente sobre o Capeta, exemplar único de um protótipo da Willys que nunca entrou em produção. Vitória mesmo. Estarão todos em ótimas mãos.

Vou dormir tranquilo e feliz com a notícia.

43 comentários

  1. Dib Franciss disse:

    Felizmente esses carros foram para a tutela de Roberto Nasser que mantem um museu muito representativo para a cidade. Ele não só se dedica de maneira abnegada à causa antigomobilista, mas dá provas incontestes de sua capacidade adminstrando o Museu do Automóvel de Brasília. Graças ao Nasser pudemos como antigomobilistas ter a placa preta, estatuto que garantiu para todos os colecionadores de carros antigos uma categorização justa.
    Bravo ! Tenho certeza que esses carros vão ficar muitíssimo bem guardados.
    Parabéns ao Nasser, parabéns para o Brasil.
    Dib Franciss

  2. Corcel Bino disse:

    Esta é a melhor notícia do ano para o Antigomobilismo, viva o Nasser e a Ford. O Capeta e demais Willys 1906, 1926 e 1927 não poderiam estar em melhores mãos. Eu vi o Capeta e o Maverick do Raid no Museu quando este ainda funcionava e posso atestar que eles estavam em estado de zero km, assim como a esmagadora maioria dos carros lá expostos. Pelas fotos divulgadas na internet, entretanto, hoje a maioria está em estado de quase-sucata, vilipendiados, depenados, assassinados. Bom seria se todo o acervo pudesse ser transferido para Brasilia.

  3. Luan Gonçalves Pinto disse:

    Fico feliz que meus protestos em meios de comunicação como sites de relacionamento por exemplo tenham dado certo e mais feliz ainda que caiu nas maos de gente que tem poder pra exercer o direito de resgatar a cultura automobilistica como o sr. Roberto Nasser.
    Apenas fico triste em relaçao aos outros carros, à começar pelo Tucker Torpedo , e também o que restou daquele pobre Maverick(que por sinal com a supervalorização de peças hoje os Mavericks sao as maiores vitimas desses vagabundos desonestos que destroem o que sobra da nossa cultura).
    Cabe a mim apenas TORCER para que os outros carros do museu de Roberto Lee tenham destino semelhante aos 4 salvos pelo Sr. Roberto Nasser.
    Como apaixonado por carros antigos cabe a mim ficar na torcida, e espero que tudo de certo.
    Parabens Sr. Roberto Nasser, precisamos de mais pessoas como o Sr. em nosso país, se eu estivesse no seu lugar, pode ter certeza que minha atitude em relação à esses carros seria exatamente a MESMA.
    Um dia memoravel na historia de nosso país!!
    Grande abraço.

  4. Nikollas disse:

    Desculpem a pergunta totalmente fora do contexto, mas o Dr. Nasser quer que as pessoas que furtaram as peças destes automóveis entrem em contato com ele para quê mesmo, eu não entendi?
    É que não ficou claro o que um distinto “jornalista, advogado, antigomobilista, curador e mantenedor do Museu do Automóvel de Brasília, criador da legislação da placa preta para carros de coleção” pode querer com a escória que alimenta esse mercado paralelo de peças roubadas, digo, furtadas. Ou li errado?
    Nikollas Ramos.

  5. valter prieto disse:

    Nasser é o cara certo para essas missões. Se está com ele, será preservado, e fico feliz.
    Parabéns.

  6. Bianchini disse:

    Novamente, parabéns ao Nasser. Fico feliz em saber que será possível ressucitar – e o termo é esse mesmo – o Capeta e que ele terá o destino que merece em um museu sério. Depois dessa, preciso tomar vergonha na cara e mandar (já faz muito tempo que estou devendo essa) a foto do estado atual do prédio em que ficou a sede provisória da IBAP (aquele endereço que aparece no título de compra da participação no empreendimento) na Zona Norte de SP.
    Long live Roberto Nasser!!!!

  7. Leo disse:

    Parabéns Dr. Roberto Nasser!Nós aqui de Brasilia teremos o prazer de poder ver com frequencia estes carros.Todos os brasileiro e apaixonados por carros com certeza sabem da sua dedicação na preservação da história destes veículos!

    Flávio, valeu por postar esta notícia, os antigomobilistas de plantão agradecem!

    Dr. Roberto, boa sorte na restauração destes carros, temos certeza que eles estão em boas mãos!

  8. Irapuã disse:

    Grande notícia! Só não estão em melhores mãos porque não estão comigo! Nosso apoio ao Dr. Roberto e nossa verdadeira torcida para que estejam expostos o mais breve possível, pois que serão restaurados e bem cuidados não tenho dúvidas. Esta excursão de resgate deveria ter sido filmada, até pelo elenco de atores coadjuvantes. Daria uma bela matéria para o Limite. Fica a sujestão, Flavio.
    Abraço a todos e parabéns por esta vitória que espero seja apenas a primeira, para resgatar aquelas raridades entregues ao desleixo e à insensibilidade para com veículos e objetos raros e históricos.
    Irapuã

  9. Obrigado Nasser, pelos esclarescimentos.

    Confio em tua capacidade e amor para trazer de volta esses ícones.

    Pena sobre o Maverick, que a partir de hoje, só mesmo em réplica, que o Maverick Clube Do brasil planeja fazer já há algum tempo.

    Grande abraço e boa sorte.

  10. Rodrigo Wagner de Souza disse:

    Flavio:
    Tenho percebido que os jornalistas, ao referirem-se ao Roberto Lee, informam que ele “…morreu…”. Na verdade foi assassinado e as coisas ficaram por isso mesmo?!
    Lamentável.
    Rodrigo

  11. ronerto nasser disse:

    fg,
    agora que a adrenalina baixou, enfoco alguns.
    primeiro para agradecer as manifestações de simpatia e apoio. no museu do automóvel em brasília estes automóveis voltarão aos dias de glória. o processo está longe de ser fácil, pois além dos automóveis terem ficados sem manutenção por, pelo menos 34 anos – o lee foi assassinado em 1975 – houve subtração de muitas peças. vi os carros superficialmente, mas faltam farois, lanternas, calotas. no caso do capeta, furtaram as rodas, calotas, volante, bancos. o verbo é furtar porque não houve violencia contra ninguém. foram retiradas.
    num resumo. a ford – assim como outras pessoas físicas e jurídicas – cederam carros em comodato ao museu. o contrato condicionava ao seu funcionamento. fechado o museu, algumas pessoas tentaram retomá-los para garantir sua preservação.
    no caso da ford provoquei uma pesquisa e acharam-se num arquivo mortíssimo os contratos de comodato. a ford me pediu para resgatar os carros.
    tive alguns encontros com a herdeira lee. moça gentil, sociável, e nos conhecemos de longa data. mas não gosta do assunto museu. assim, delongou e questionou enquanto pode. este desinteresse é que gerou tantos saques cuidadosos.
    há dois anos, com a operação resgate montada – cegonha, pneus de reserva, material de socorro, plataforma, e até o og pozolli como co-autor do laudo de recebimento, disse não. e que os entragaria com ordem judicial. não foi preciso. o marcos oliveira, presidente da ford, informado, mandou ligar o trator da multinacional. as advogadas da ford fizeram uma notificação, e seus advogados, de bom senso, aconselharam-na a entrega-los.
    foi o que ocorreu. a operação resgate 2, viu o impossível.enchi um fusion zero km, v6, tração das quatro, cheio de rodas, pneus, macacos, compressores, mangueiras, cabos de açao, ganchos, ferramentas, na porta do museu, o bruno poppi, advogado da ford, o luiz antonio lourenço da silva, advogado dos matarazzo.
    não houve problemas e nem o fusion colocado na porta para rebocar os outros carros foi utilizado. o vicente gonçalves, safo e pau para toda obra foi comigo – e trabalhou colocando rodas no capeta, tirando cavaletes. o og pozolli, um cavalheiro, foi dar seu importante aval e ter sua dose de emoção vendo o museu que auxiliou montar transformado em úmido, alagada e escura cova.
    a herdeira lee agiu com educação de berço. mandou o encarregado derrubar o muro em frente ao portão, providenciou guicho plataforma, entregou os carros sobre a cegonha.
    o museu em si merece outras informações posteriores.
    e sobre o maverick, cujo depenamento no dezembro passado é que me fez denunciar o ato ao delegado de polícia de caçapava e ao secretário de cultura de sp, ele não pertence ‘a ford, mas ao museu. em 1975 eu pedi pessoalmente ao flávio guimarães, diretor de rp, e ao joseph o´neill, presidente, que em vez de comodato, que o doassem ao museu, o que foi feito.
    quase o km, porém depenado totalmente no interior, detalhes, boa parte de suas latas e periféricos do motor, é o retrato do museu de caçapava.
    finalmente, um apelo aos apoiadores do antigomobilismo. sabendo de algum dos componentes desaparecidos deste automóvel, sou interessado.

  12. disse:

    Bom Lugar. E a maior é a foto. Tipo o Nasser simpático, pois na Renault Road Show, o Bob Sharp e Eu saimos correndo. Ele estava bravo com o 96! O Bob olhou para mim e disse: Eu heim!

  13. Poxa…………largaram o Maverick de novo……

    Sacanagem.

  14. Jason Vôngoli disse:

    E o que é mais bacana: o Nasser foi grande amigo do Lee.

    Além do Capeta, foram resgatados três veteranos Willys: 1906, 1926 e 1927.

    O Maverick (o que sobrou dele) ficou em Caçapava. Desconheço os motivos.

  15. Clezio Soares da Foonseca disse:

    Minha preocupação agora é se vão ficar escondidos a sete chaves para que o povo os esqueça e vire peças de coleções
    particulares. A pouco tempo atrás comentei sobre este carro
    com meu filho que não sabia de sua existência, mas graças
    à net, consegui mostrá-lo e matar a sua curiosidade.

    RESPOSTA DO FG:

    O Nasser não esconde nada. Ao contrário, faz questão de mostrar. Não poderia ter destino melhor esse lote que estava em Caçapava. É para comemorar mesmo. Brasília os mostrará para o mundo. O museu do Nasser é aberto, não é uma coleção particular. Ele é o cara.

  16. André Buriti disse:

    Alguém tem que tirar o Tucker de lá, talvez mandá-lo para o museu onde está o motor dele, isso antes que algum colecionador gatuno resolva levá-lo para fora do país.

  17. prperalta disse:

    Flavio, satisfaça nossa curiosidade: quais os outros carros resgatados?

    RESPOSTA DO FG:

    Três Willys, segundo o Jason. O Maverick (o que restou dele) ficou.

  18. Rodrigo Tossato disse:

    Desfecho feliz para esta história…

  19. Arthur Oliveira disse:

    Muito bom saber que vao salvar esses carros.

    Fugindo um pouco do tópico, uma pena o Museu de Técnologia da Ulbra aqui no RS estar lacrado. Eu acho um crimo ser feito leilão pois muitos carros acabaram saindo do país.

  20. renato powell disse:

    tinham que levar todos os carros, só de olhar essas fotos do link, dá uma tristeza profunda:

    http://picasaweb.google.com.br/lcorreard/MuseuDoAutomVelDeCaApava2008#

  21. Jorge VW Carioca disse:

    É muito importante saber que existem pessoas tão preocupadas com a história do automóvel nacional. Todos que tentamos de certa forma preservar esse tesouro, agradecemos a iniciativa.

  22. Wolf disse:

    VIVA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    É um começo!!!!!!!!

    E olha qe o Nasser era amigo pessoal do Roberto Lee……

  23. Lucas Carioli disse:

    Eles tem que voltar e pegar os outros também!

  24. Gomes, me diga que eles também salvaram o Maverick amarelo que participou do 1° RAID DA INTEGRAÇÃO NACIONAL!!!!

    Liga pro homem lá, e se não pegou, manda pegar de volta também.
    Aquele carro é da Ford, te mando uma matéria sobre ele e algumas fotos também.

    O Maverick Clube Do Brasil fica a disposição dos bravos restauradores que irão trazer de volta esse carro que percorreu todos os estados do Brasil, junto a um Corcel e uma Belina.

    Finalmente alguém conseguiu alguma coisa em Caçapava!
    BRAVO!

  25. juca vasconcelos disse:

    E o tucker?
    o q será feito dele?

  26. Luiz Carlos Fortes Braga disse:

    Agora estão à salvo e,em breve deixarão de ser sucatas e voltarão ao brilho das raridades,as mãos de Nasser são mágicas quando o assunto é carro;lembram-se do ONÇA? e do DEMOCRATA? ele conseguiu restaura-los e estão no Museu aberto´`a visitação pública.Parabens mestre
    Luiz Carlos

  27. Helder disse:

    Pelo menos alguém que se preocupa com a história

  28. Léo Engelmann disse:

    Será que Roberto Nasser assistiu ao “Uma noite no Museu 2″?

  29. jugger disse:

    O Nasser é um grande colunista, leio ele toda as semanas. Só não entendo porque ele não está num grande portal, como o Grande Prêmio, já que seus bons textos hoje ficam escondidos pela net. Para ler tenho que entrar no site do grandioso ‘diario de taubaté’…

  30. Varlei disse:

    Se esta com Roberto Nasser esta com deus, os carros estão em boas mãos de quem tem interesse de realmente preservar a historia da industria automolistica no Brasil.

  31. Rafael Bruno disse:

    ótima notícia!

    quanto aos carros, além do Capeta, quais foram os outros?

  32. Bianchini disse:

    Excelente notícia. Em minha pré adolescência, eu que nunca fui exatamente um jovem padrão, inventei que queria visitar o tal do museu. Tanto atormentei a pobre da minha mãe que ela me levou para Caçapava para vermos o tal museu. Já por volta de 1983 (se não me falha a memória) o Capeta estava cheirando a mofo por dentro, o Tucker estava bem opaco de pintura, um Maverick de competição tava com 2 dedos de pó por cima, enfim, não estavam com a manutenção devida. Tenho medo de imaginar como estão esses carros hoje…

  33. Zeuxis disse:

    é esta cidade só me envergonha(caçapava), falta de compremetimento total, enquanto isto rola o pancadão…

  34. Thiago Azevedo disse:

    Que bom que estes estão em boas mãos!
    Tenho boas lembranças de quando visitei este museu. Lembro do meu pai falando do Capeta. Estava bastante entusiasmado, não só por este, mas por diversos belos carros que existiam ali.

    Espero que os carangos restantes também fiquem a salvo.

  35. Phillipe disse:

    Êba, vou ter que ir ao Museu em Brasília de novo! Dessa vez, gostaria de conhecer o Roberto!

  36. ALEX B. disse:

    Ufa, Flavinho, que alivio! Nao podiam estar em melhores maos do que as do Nasser! Good news after all!

  37. jovino disse:

    Grande notícia. Estive com o Roberto Nasser neste domingo num passeio com fordinhos 29 aqui em Brasília e os carros estarão em ótimas mãos, pois é um cara apaixonado por antigos e cuida muito bem do museu aqui na cidade.
    Com tantas notícias ruins, esta é para ser comemorada.
    Jovino

  38. Carlos A. Coelho disse:

    Será que o Ministério Público, que de vez em quando faz um barulhão danado por coisas que – na maioria das vezes – não dão em nada, não poderia (deveria!!) intervir nesse processo??

    Levando-se em conta o inestimável valor histórico desses carros, que podem estar condenados ao apodrecimento ou à gatunagem, não haveria um “interesse público” a zelar ???

  39. Thiago Sabino disse:

    Se tá na mão de gente que entende, e vai mante-lo em condições dignas, uma excelente noticia pro fim de semana.

    Salve Roberto Nasser.

    Quais seriam os outros carros que à Ford pertencem? Fiquei curioso, Flavio.

    Abraços.

  40. Wilson disse:

    Agora temos outro problema, com as portas fechadas já sumiam coisas, imaginem agora com a porta arrombada……

  41. Felipe Passos disse:

    Bela notícia! Espero que agora recebam o trato que merecem.

  42. Andre Decourt disse:

    Já os outros, talvez devemos acender uma vela para eles, se a porta emparedada não voltou a ser emparedada o que sobra do acervo está em risco… não de apodrecer, mas de sumir mesmo

  43. Sergio SP disse:

    Essa justiça brasleira é uma bela d’uma merda mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>