AZAR SEU

Fire-extinguisherSÃO PAULO (só reclamam…) – Depois de discutir a fundo a questão, ouvindo todas as partes envolvidas, o Contran decidiu pelo óbvio e correto: extintor de incêndio será opcional nos automóveis. No fim do ano, a ideia era instituir um padrão, o tal ABC. Mas houve argumentos contrários, todos muito pertinentes, e a obrigatoriedade foi sendo adiada várias vezes.

Diante dessa argumentação e das dificuldades dos fabricantes (que há anos protelavam a adoção do ABC), estabeleceu-se uma data: se fosse aprovada a obrigatoriedade, seria a partir de 1º de outubro. Antes disso, porém, veio a decisão muito bem-vinda — que vai ao encontro do que acontece em quase todos os países do mundo, onde extintor nos carros não é uma exigência.

Mas como brasileiro é desesperado, bem antes de a obrigatoriedade entrar em vigor saiu todo mundo xingando o governo e procurando o extintor ABC. Desinformados, os motoristas não esperaram a decisão definitiva — preferiram praguejar contra o poder público, como de costume.

Bem, se você comprou seu extintor para poder xingar alguém, azar. Eu não comprei nenhum. E tenho 36 carros.

Subscribe
Notify of
guest
137 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
lawrence
lawrence
6 anos atrás

Eu comprei por acreditar que quando um órgão governamental determina uma regra esta deve ser cumprida. É assim que funciona em países sérios.

Carlos Abreu
Carlos Abreu
6 anos atrás

Poxa pena eu não ter lido o seu texto informando seus leitores sobre o assunto.
Assim não teria cumprido a lei de imediato,

Sergio Yukio
Sergio Yukio
6 anos atrás

Nossa o Jornalista Flávio Gomes. Tá quietinho!!!

fernando
fernando
6 anos atrás

Esta palhaçada me faz lembrar do “kit primeiros socorros”. Anunciado obrigatoriedade com estardalhaço, assim que todos compraram o tal, ai poucos meses depois virou facultativo.

Ricardo Brito
Ricardo Brito
6 anos atrás

Perdeu a oportunidade de fazer em texto de jornalista. Vencido os extintores só é encontrado no mercado os do tipo ABC, e no Rio temos vistorias anuais o que é obrigatório a apresentação do extintor dentro da validade, não sendo uma questão de “DESESPERO” e sim uma questão de cumprir a Lei, para se ter seu veiculo regularizado. Era só pesquisar um pouco mais e teria feito um trabalho de jornalismo, e não um texto se colocando como “GERSON”.

Anselmo Coyote
Anselmo Coyote
6 anos atrás

Tenho uns carros tbm em número que não alcança dois dígitos. Apenas troquei o extintor de um deles. A bem da verdade minha mulher que trocou o do carro que ela anda. Sem problema. Ela foi diligente e a coisa não foi bem divulgada. Mas isso não interessa.
O uso do artefato não é obrigatório, apenas facultativo. Não vou tirar extintor de nenhum dos carros, nem tampouco trocá-los quando vencerem. Posso até tentar salvar alguém ou algum carro enquanto o socorro de verdade não chega. Mas já está mais do que provado que o extintor nas mãos de gente não treinada, e, dependendo do fogo, nem nas mãos de gente treinada, de nada adianta.
Abs.

Ednei
Ednei
6 anos atrás

O problema não é de quem “não espera a decisão definitiva”. O problema é de qm não sabe tomar uma decisão definitiva.

A regra era de 2004 e, desde 2009, estabelecia a exigência pra 01/01/2015. A regra chegou a entrar em vigor, pois só foi alterada em 06/01/2015, dando novo prazo, q foi prorrogado mais 2 vezes depois.
Não é q “se fosse aprovada a obrigatoriedade, ela valeria a partir de 1 de outubro”. A resolução já tinha sido aprovada. O prazo já estava estabelecido.

Mas parece q, no Brasil, o “certo” então é esperar a regra entrar em vigor, ver “se a lei vai pegar”, pra só depois se ajustar à regra (tomando risco de ser multado antes disso).

Fora q os extintores iam vencendo e o pessoal, na compra do novo, ia comprando logo o ABC, q é o q ia valer.

Rodrigo Abreu
Rodrigo Abreu
6 anos atrás

Lá por 2007, um cara que vinha na minha frente na FreeWay, chegando em Porto Alegre, parou sua Grand Cherokee daquelas antigas devido a uma fumaceira que vinha do capô. Parei para ajudar, o cidadão assustado desceu, abriu o capô todo de uma vez, levantando uma labareda de um metro de altura. Os carros foram parando, esvaziamos uns 7 ou 8 extintores e conseguimos apagar o fogo, mas o motor queimou todo.

Depois que passou vi a bobagem que fizemos, pois a Cherokee tinha GNV, poderia ter dado uma baita m…

EduardoRS
EduardoRS
6 anos atrás

Acho que dessa vez você derrapou no comentário. Se eu não tivesse trocado o meu ano passado (e só o fiz porque o prazo dele havia vencido), também estaria “desesperado” correndo atrás de um. E não estaria fazendo isso só pra “xingar alguém”, mas sim para não ser multado pelas “otoridades” no dia seguinte à entrada em vigor da lei, como a própria polícia anunciou diversas vezes. A informação que chegava ao povo era apenas a da obrigatoriedade, ninguém comentava que o Contran estava estudando a eliminação da obrigatoriedade. Todo mundo que eu conheço estava à caça de extintores desde o fim do ano passado, e muitos adiavam a compra por causa dos preços abusivos, não porque estariam deixando as coisas para a última hora.

Sergio Yukio
Sergio Yukio
6 anos atrás

Bem parece que o autoritarismo impera!!! Se deixamos de comprar antes, é mania de brasileiro de deixar tudo na última hora, se compramos antes somos desesperados!!! Difícil achar um meio termo onde tudo no Brasil é nas “coxas”, e ainda tem que ler um artigo do Jornalista Flávio chamando quem comprou praticamente de TROUX… Se me entendem!!!

Sergio Yukio
Sergio Yukio
6 anos atrás

Depois que deixa para a última hora para comprar fala que é mania do Brasileiro!!! Não entendi, esse comentários, tipo você quis dizer: Que foi esperto e o que compraram trouxas? Belo jornalista!!!

leo lusa
leo lusa
6 anos atrás

Flavio, acho q vc foi infeliz no seu discurso. Muita gente teve q comprar o extintor pois era obrigatório na vistoria para carros antigos, como os seus.
Nao desrespeite seus leitores e muito menos quem tentou legalizar seu “pois é”, esse era o unico jeito até dias atrás. Adeus

Alessandro
Alessandro
6 anos atrás

Fico mesmo é pensando nos empresários do setor, que produzem extintores. Vários investiram altos valores na adequação de sua fabrica, afim de produzir os extintores ABC. Agora, perderam tudo numa simples canetada. Então, sem entrar no mérito se deve ou não ser obrigatório, fica mais essa questão sobre como tudo é feito de forma muito bem organizada pelo país.

Fabiano
Fabiano
6 anos atrás

Flávio,

reiterando o que outros já disseram, sua informação parece estar incorreta.

Os extintores ABC eram obrigatórios, sim, como dispunha a resolução 157 do CONTRAN, (reestabelecida posteriormente pela 333):


“§ 2º A partir de 1º de janeiro de 2015, os veículos automotores só poderão
circular equipados com extintores de incêndio com carga de pó ABC.”

http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_333_09.pdf

Conheço pessoas que foram multadas no início do ano por estar com o tipo incorreto de extintor no carro. Vi blitze montadas com claro objetivo de fiscalizar o tipo de extintor nos carros.

Parabéns pelo ótimo blog!

Abraço,

Lex
Lex
6 anos atrás

Flavio, de fato, aqui no Rio de Janeiro ocorreu uma enorme exigência para passar na vistoria com o tal do extintor. Se você não tivesse, não passava e pronto. Nossos camaradas fardados pelas ruas faziam enorme questão de “disciplinar” e enquadrar o motorista que não portasse o bendito (com todas as implicações que podem ser exigidas pelo jeito brasileiro das autoridades policiais). Não havia possibilidade de discussão. Era blitz para todo o lado para flagrar os motoristas. Eu mesmo comprei. A coincidência é que o meu de 5 anos tinha acabado de vencer e quando fui repor só tinha o ABC. Meu prejuízo foi menor, mas, cara, pelo menos para o carioca foi de emputecer a paciência. Não encontravam o extintor e muitos foram multados. Sem contar o tempo precioso de nós, trabalhadores, perdido para vistoriar novamente o carro para satisfazer uma vontade muito arbitrária.
Abraço.

Rossini
Rossini
6 anos atrás

Flávio, normalmente concordo contigo, mas nessa acho que você se enganou, que eu me lembre o extintor ABC chegou a ser exigido e depois foi adiada a obrigatoriedade