MENU

Wednesday, 10 de December de 2008 - 12:18MotoGP

DUAS RODAS, DUAS PARTES

SÃO PAULO (e eu no ar) – Não deixe de ler o papo de Marcus Lellis com Alexandre Barros, nas Grandes Entrevistas do Grande Prêmio. É o piloto que mais GPs disputou na elite do motociclismo. Gozado, isso. O Brasil tem os pilotos que mais correram na MotoGP e na F-1… E nehum deles foi campeão, outra coincidência.

A entrevista está em duas partes. Essa do link é a primeira. Ficou espetacular. A segunda parte será publicada amanhã.

36 comentários

  1. Edmar Ferreira says:

    Vamos tirar o chapeu para o Barros,so quem teve por lá sabe dizer,.Tucano e Denisio tambem merece nosso respeito e admiração-tiro o chapeu a esta turma-fui coadjuvante bem sucedido-dispenso comentario-fui muito feliz e continuo mais feliz ainda-continuo curtindo os aviões e andando ainda pelo mundo profissionalmente-abraço a todos!!!!!

  2. Vitor Magliocco says:

    Alex Barros é um cara genial. Uma pena que foram poucos os anos que a MotoGp foi transmitida em tv aberta. Inesquecível o ano em que deu pau no Rossi nas últimas quatro corridas, na transição das 500 pras motos de 4t.

    Sem contar que é um puta cara boa praça.

  3. says:

    Pedro Jungbluth;
    Pá e Bola e sem mais, afinal vc. comenta direto e Eu tbm.
    O nível foi baixo qdo. um dos citados, e não foi o Alex, chamou um cara numa coletiva de, filho da puta, e não foi a Mãe do Flavio a ofendida.
    Lógico que qualquer um aqui gostaria de ter chegado na F1, ser o Brasileiro que mais ganhou dinheiro na categoria. Fazendo o que gosta e sendo “mediano” como piloto.
    Respeito o Piloto Rubens Barrichello, mandou bem, como tbm, espero que vc. respeite as opinões aqui comentadas.

    Rodrigo, são consagrados, mas a Humildade dos caras ao sentar na cadeira e conversar com um Luizinho, Bird, Lameirão, ou dar risadas com o Águia e tirar uma do Paulão, ver o trabalho que o Bob Sharp faz em off, é uma festa.

    Cássio, DT 180 né?
    Pois um brow tinha uma DT 125, daquelas importadas.
    Gualtiero balanceou, Balestrieri fechou o motor. E o Jacinto mandou no escape.
    O vídeo que vc. mandou hj., me lembra descendo o Cibratel, na frente de uns carinhas de MX que lá iam treinar.

  4. ross brão says:

    se o cara não fosse bom não estaria na elite do motociclismo a tanto tempo….. IGUAL AO RUBENS…… tem gente que acha que as equipes são tontas de gastar milhares de dólares com um piloto ruim, que não agrega nada a equipe…… bando de @#$%#%&69#@[email protected]

  5. marcelo costa says:

    ops…corrigindo: termos de “velocidade”

  6. marcelo costa says:

    Interessante o que o Barros disse durante a entrevista:

    “A moto das 500c era muito mais difícil de pilotar, muito mais agressiva…. naquela época, era tudo manual.”

    Falem o que quiser de Barros, mas ele é o “cara” em cima de 2 rodas no Brasil, chegou no Mundial de motovelocidade por puro talento e não por sobrenome ou comprando vaga para correr, se não teve apoio que merecia é outra história, é nessas horas que penso que o piloto tem que defender outro país para melhorar suas chances na carreira, se corresse com a bandeira da Espanha ou USA, com certeza o apoio seria outro. Se tivesse a chance eu não pensava duas vezes, dava uma “banana” para o Brasil e correia por outro país! Barros foi o primeiro piloto brasileiro a vencer corridas na categoria “rainha” nas motos, e é pouco reconhecido….lamentável! E eu pergunto: “Se Bruno Senna for um fiasco na F1(espero que não), ele vai virar motivos de chacotas? Eu duvido, o sobrenome irá protege-lo, o xiliquento do Galvão então, vai ser o primeiro “pacheco” a defender o menino”. Quanto ao que o Pedro Jungbluth disse sobre o Rubinho, normal um piloto se aproximar em termos de “velocodade” dos tempos do companheiro de equipe! Rubinho sempre foi um piloto veloz, mas o problema dele na pista era muitas vezes outro, não é so velocidade que faz um super piloto, Schummy tinha algo mais, várias vezes o Galvão ia quase ao orgasmo nas paradas de boxes com Rubinho voando na pista.

    “Olha só! Schumacher vem entrando nos boxes!”
    ” Rubinho vem “vooooaaaaandoooo” na pista!”
    “Vem que vem Rubinho pra tomar a ponta!”
    “Rubinho passou muuuito rápido no segundo setor da pista!”
    “Falta so o terceiro setor, vamos Rubinho! Acelera Rubinhooo!”
    “Schumacher sai dos boxes, Cade Rubinho? Apareceu Rubinho na reta!”
    “Vem Rubinho, Schummy saindo, Acelera Rubinhoooo!”
    “Schummy, Rubinhooo, Schummy, Rubinhooooo!!!”

    “????????????????????????????????????”

    “Eeeeeeeeeeoooooo Rubinho passa atrás do Schumacher!!!(??????…)”
    “Vinha voando Rubens Barrichello, olha so no replay…o Rubinho deu uma “escapadinha” na chincane, por isso o Schummy saiu na frente!”

    Não adianta ser veloz, o cara tem que ser perfeito! O Schummy não dava “brechas”, ele era veloz e preciso com o carro leve, pesado, antes e depois de entrar nos boxes, no geral em sua carreira erros foram poucos, se fosse preciso ele dava 30 voltas de classificação sem errar, por isso as estrategias saiam perfeitas, ele corria contra o relógio e fazia sua parte na pista, se errava, errava bem menos que os outros…aí fica difícil querer bater um cara desse na pista!

    …e do quase orgasmo do Galvão, so sobrava uma bela broxada!

    So pra lembrar, em 2005 o Schumacher abandonou 6 corridas e Rubinho só duas, nem assim o Rubinho conseguiu chegar a frente do alemão no Mundial de pilotos, Schummy foi o terceiro e Rubinho o oitavo, me desculpe o Rubinho mas não foi so as “estrategias” a favor do alemão que atrapalharam sua vida…entre outras coisas, faltou também a “estrela” aparecer…pra mim piloto por piloto o alemão estava “anos luz” a frente de Barrichello! Ja chegou como Bi Campeão na Ferrari, normal a Ferrari dar mais atenção a ele, se Alonso tivesse sido respeitado em 2007 na Mclaren hoje provavelmente ele seria Tetra Campeão…

    Apenas por curiosidade, comparativos RB X MS:

    posições de treinos:
    ANO – MS – RB
    2000 – 15 a 2
    2001 – 16 a 1
    2002 – 13 a 4
    2003 – 10 a 6
    2004 – 13 a 5
    2005 – 12 a 7

    posições de corrida:
    2000 – 12 a 5
    2001 – 14 a 3
    2002 – 13 a 4
    2003 – 11 a 5
    2004 – 14 a 4
    2005 – 12 a 7

    melhores voltas de corrida
    2000 – 9 a 8
    2001 – 8 a 9 (!!!!!!!!!!!)
    2002 – 12 a 5
    2003 – 12 a 4
    2004 – 13 a 5
    2005 – 12 a 7

    Schumacão sempre mais rápido, mas foi notável a evolução do Rubens…

    Fonte do comparativo: http://www.f1critics.blogspot.com/

  7. Carlos says:

    Boa entrevista. Espero a parte 2.

    Alexandre Barros foi ( ou é ? ) um grande piloto. Um cara que, como ele, chega lá, e fica por um tanto tempo disputando posições com os melhores do mundo na categoria, e tendo equipes que acreditavam no seu potencial, não pode ser considerado ruim não.
    O problema, é que para brasileiro, o cara para ser bom, tem que ser campeão. Chegar só em primeiro. Chegar em segundo, terceiro ou quarto lugar, é um piloto mediocre….pobre mentalidade.

    Parabéns Alex pela sua trajetória no MOTOCICLISMO.

  8. Tiago S. says:

    Animal, a entrevista ta muito boa. Achei muito legal a pergunta em que ele comenta do filho dele na moto e tal, mudou um pouco minha visão da coisa. Porque no fim das contas criança pequena em qualquer lugar se dar acidente pode ser grave, soltando pipa, jogando bola, andando de bike, carrinho de rolemã… Muito boa, não vejo a hora de ver a 2 hehe

  9. Emanuel says:

    Mais um cara de grande valor que não é reconhecido no próprio país, não bastante isso ainda deve ter que conviver com comentários negativos como alguns que lemos acima, muitas vezes vindo de pessoas que percebemos que não entendem nada de corridas.

  10. Rodrigo Duarte says:

    Adorei o site Dú, vou ficar um bom tempo navegando por ele. Não entendi essa de não existir piloto consagrado, pra mim existe sim, mas tudo bem.
    E pra mim seria uma honra ir à Interlagos conversar com todos vocês, só gente fera. Vou aparecer por lá.
    Abraços!

  11. jorge roberto alves pereira says:

    Gente, o Alex sim pode falar que foi prejudicado pela equipe, pois quando correu junto com o Nick Hayden na equipe oficial da Honda, a HRC – REPSOL em 2003, os engenheiros japoneses fizeram uma bhostha de quadro que tomava pau das equipes satélites que utilizavam o quadro do ano anterior ( 2002) mas com o motor novo que era um canhão.
    Diferentemente do Barrichello, ele tomou uma atitude sim: após tomar mais uma sabugada em uma corrida ( não lembro se foi em Assen ou Brno ) no dia seguinte à corrida, mandou os engenheiros da fábrica montar o motor de 2003 no chassis de 2002. Sabem o que aconteceu??? Virou tempos até 2 décimos por volta mais rápido que o vencedor da corrida. Depois mandou a equipe à mherdha e os engenheiros foram trabalhar na equipe de Fórmula 1 para serem comandados por um tal de Nick Fry. Sem contar que quando foi correr no Mundial de SuperBikes, o ídolo-mor da categoria, Troy Bayliss, que corria pela equipe oficial Ducati, a melhor da categoria, vetou a sua contratação, pois afirmou para quem quisesse ouvir que se o Alex fosse correr pela equipe italiana, o reinado dele ( Bayliss ) na categoria estaria acabado.
    Ou seja, talento, categoria, moral e peito, o Alex teve, ou melhor tem sim. O que não teve, foi uma rede de televisão empenhada em fazer dele, um ídolo.

  12. Cassio Missiroli says:

    Du,
    Haja paciencia.
    Se ta perfeito.
    Cetemo? Tive uma DTzinha com motor preparado pela Cetemo que faturou o Independencia de 1988, patrocinio The Phillipines.

  13. MackRP says:

    Para alguém ter noção do que o Alex fez é preciso pilotar uma moto uma vez na vida e fazer uma curva raspando o joelho no chão a 100km/h. O cara fazia isso a 250, 300…
    Tenho orgulho de ter um compatriota como o Alex e graças a ele, ter tido momentos de alegria e felicidade apenas vendo o cara largar, disputar freadas e fazer ultrapassagens numa categoria como a MotoGP. Quem gosta de velocidade (automobilismo, motociclismo, corrida de barco, de cortador de grama, etc…) sabe o que eu estou falando.
    OBRIGADO ALEX!!!

  14. Sérgio says:

    Putz FG!!!! Vce está cada vez “mior”……. O Alex Barros, diferentemente do Barichello, foi o grande desbravador da motovelocidade brasileira……. Antes dele, muitos brasileiros se aventuraram no mundial, mas NINGUÉM, repito, NINGUÉM obteve o sucesso que o Alex obteve, mesmo não se sagrando campeão mundial…… Alex correu na categoria maior do mundial defendendo as fábricas CAGIVA, SUZUKI, YAMAHA, HONDA e DUCATI, conquistando podiums para todas as marcas as quais foi piloto…….. É um dos poucos pilotos que ganhou corridas tanto na Superbike quanto nas 500cc assim como no MOTO GP e nas famosas 8 horas de Suzuka….. Hoje ainda é um dos pilotos com maior longevidade na carreira de piloto de MOTO GP, com impressionantes 276 largadas (33% de todas as corridas), 7 vitórias, 32 podiums, e 2.123 pontos conquistados na categoria maior……. Em 1997 foi o único piloto correndo de 500cc, com uma moto de dois cilindros (privada) a conquistar podium com esta moto……. Só para calar os “críticos” de plantão, independente da moto ou da equipe que defendeu, Barros conseguiu se manter entre os TOP 10 no mundial por 12 anos consecutivos, teve ano que correu com cada TRANCA!!!(RECORDE)……. Em sua ENORME carreira alinhou moto com Swhants,Randy Mamola, Edie Lawson, Wayne Rainey, Crivile, Doohan, Rossi, Biaggi entre tantos outros talentos maiores da motovelô mundial…Pertence, juntamente com Stoner e Hayden, ao SELETÍSSIMO grupo que conseguiu dar uma PIABA para o ROSSI, talento MAIOR da motovelô mundial, ganhando o “mundialito” em 2002….. Só pegou PEDREIRA!!!!!!!.. Não é para poucos…… Acho sinceramente um descerviço comparar Alex Barros com Barichello, afinal, o Brasil tem tradição ZERO em termos de duas rodas, sem falar de patrocínios e mídia, o Alex Barros teve que se manter na categoria master sem a ajuda da GLOBO, que não transmite as corridas, sem a ajuda da ARISCO no início da carreira, sem campeonatos nacionais fortes, como tinham no Brasil na década de 80 as categorias de quatro rodas(F ford, F3, F opel…..etc). Só um cartão de visitas e um enorme BRAÇO!!!!!!!! infelizmente, estas comparações DEPRECIATIVAS e JOCOSAS, por total falta de conhecimento da matéria em questão, fazem com que o nosso esporte nacional em nada evolua…… O automobilismo assim como o motociclismo nacional é um retrato fiel do nível da BURRICE dos pilotos, cartolas e torcedores, que não respeitam carreiras vitoriosas, portanto “quem semeia vento, colhe tempestade”. A CBA e a CBM são retratos FIÉIS do nível de gente que frequenta as pistas…….. Falar mal do próximo é fácil, o duro é fazer o que o cara fez…….. Ser o único piloto de moto a se tornar PROFISSIONAL, ter na motovelocidade uma carreira digna e honrada, e ainda ter que ser “espinafrado” por isso…..

  15. says:

    Rodrigo, não existem pilotos consagrados.
    Existe um Bate Papo, uma iniciativa do FG, do Pandini, do Ronaldo Nazar, enfim, dos “AMIGOS do LUIZINHO”.
    Caso queira saber mais, http://www.nobresdogrid.com.br
    Escutar o Bird contar corrida, é o mesmo que aguentar o FG introspectando. Quem for a Interlagos este fds, podera bater papo, sentar e ouvir. Não só Lameirão, Bird, Luizinho, ou até aguentar o FG, mas sim, entender a Verdadeira História do Automobilismo Brasileiro.
    Evandro, poupa o Poppi, o cara brincou!

  16. Pedro Jungbluth says:

    Pessoal se doendo por aqui…

    Parece que comparar com Barrichello é o mesmo que chamar de incompetente…
    Pô, o cara apenas disse que eles tem similaridades na carreira, o que é FATO!

    E uns se doem, outros saem ofendendo sem motivo, tá baixo o nível hoje, heim?

  17. Viscondi says:

    Caro Gomes,

    Minha opinião é que o Alex é um cara nota 10, pois realizou o sonho de pilotar para as grandes marcas mundiais, vencer provas e ficar entre os melhores ao longo de toda sua carreira.

    Muito fácil ficar de cá, sentado numa poltrona, com uma latinha de cerveja na mão, criticando as pessoas que se propõem a realizar algo. Seja em que área for. O ser humano tem a incrível capacidade de reclamar do síndico de seu prédio, mas não participa de nenhuma reunião de condomínio. Vejo as críticas, tanto ao Rubens quanto ao Alex (e outros esportistas também), como a postura dessas pessoas.

    Claro que ídolos ou aqueles que se propõem a tanto serão sempre cobrados. Mas a cobrança deve ter um efeito positivo no ânimo das pessoas e não a crítica pela crítica em si.

    O que mais me tocou e que eu não concordo com o Alexandre é sua visão de compromisso com a massificação do esporte. Não creio que seja obrigação dele ou de qualquer outro atleta “massificar” o esporte. Cabe a cada um, da mesma forma que ele o fez, buscar seus interesses e objetivos na vida ou no esporte e tentar realizá-los.

    Se o esporte não foi massificado como ele disse, não é porque ele não tenha sido campeão, mas porque o Brasil não tem estrutura suficiente para fazer campeões em qualquer modalidade (a excessão do futebol e recentemente do volei). Falta recursos financeiros, divulgação na mídia (ex. tanto a rede globo quanto a record, quando mostram uma entrevista de um atleta, buscam eliminar o nome do patrocinador por meio de recursos eletrônicos).

    um abraço.

  18. Rodrigo Duarte says:

    Fala Dú, eu não entendo muito de motos não, mas dou meus pitacos de vez em quando hehehe
    Em relação à entrevista, excelente, nota 10!!

    Não descobri ainda o que é mais legal, assistir às corridas ou ficar escutando as histórias de pilotos consagrados.

  19. Christian S says:

    O Barros, para mim é maior que o Senna.

  20. says:

    Quando o Alex migrou de 2 para 4 tempos, e venceu o Mundialito!
    http://br.youtube.com/watch?v=1gH3SeSqzdE&feature=channel_page

    FG, quantos anos que Eu te encho o saco para jogar o Alex nas Grande Entrevistas?

    E como o Rodrigo Duarte comentou, estávamos o Yasuda e Eu assistindo a MotoGP. Quando o Alex deu o maior capote da vida dele, isso em 02, ou 03. Nos levantamos e fomos para o Paulista de Cross, ali no Serra Azul na Bandeirantes, loja do Fabinho.
    Soubemos depois que nada havia acontecido.
    FG, Falando em Fabinho e Shopping Serra Azul ali do lado do Hopi, em Janeiro, Luizinho Pereira vai estar lá dando autógrafos, contando sua história, e tudo free by Fabinho, da Sacramento.

    Quanto aos que andaram no mundial de moto, temos o
    http://74.125.47.132/search?q=cache:HmVfkKeOCOQJ:colunistas.ig.com.br/flaviogomes/2008/03/25/giannini/+luis+celso+giannini&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=8&gl=br

    Além de Tucano, Denísio, Edmar, Paulé, Girotto.
    O Grande Salvatore Balestrieri que acompanhou 24 de Le Mans, ou o Netinho, Antonio Jorge Netto, vencedor de Daytona.

    FG, agora queria que o Muniz, junto com o Mário Hélio dos Sanctos, jogassem a realidade.

    Ah, tem um muro pintado ainda em Pinheiros, que vi indo na muvuca do Bird.

    Uma casa, com placa Vende-se
    Mas o muro intacto, escrito CETEMO.

  21. Evandro says:

    Na entrevista se diz que houve apenas um outro brasileiro no Mundial, o Adu Celso. Esqueceram do goiano Edmar Ferreira, contemporâneo de Adu.
    Este salame do Fabio Poppi merecia passar a eternidade no inferno restelando merda com garfinho de plástico por conta desse comentário sobre o Barros (e o Barrichello, por tabela). É o típico brasileiro idiota: deve ter engate no carro “pra proteger o parachoque”, insulfilm preto até no retrovisor, andar com o farol de milha em vez do que usar o farol baixo “porquê tem e é mais bonito”, achar pagode o máximo de ter uma namorada linda e burra, e muito vaca. O padrão dessa bugrada, aliás…
    Barros ficou uma década ao menos entre os “top five” da categoria máxima do mundial. Foi piloto oficial da Cagiva, Suzuki, Yamaha e Honda. Venceu com as 500 em 1993 e mais de uma década depois venceu com as MotoGP. Bateu ninguém menos do que Valentino Rossi mais de uma vez e o mesmo Rossi disse, em 2001, quando venceu em Assen com Barros em 2º (o italiano de MotoGP 1000 e o brasileiro de 500 2 tempos…) que ter andado atrás de Barros foi uma “aula” de como se pilota na chamada catedral da motovelocidade, Assen, onde os homens se separam dos meninos. Poppi, você é um… poppi mesmo! Escreve como pensa,e pensa como escreve, mal. Seu avô e você são porcarias da mesma laia.

  22. says:

    A correria tá grande hj., mas dá tempo para perguntar ao Marcelo Ivo o quer dizer “sonhos frustrados da grande maioria dos blogueiros”

    Ou vc. se acha a cereja do bolo Marcelo, ou então não tem noção de quem posta aqui.

    Postar até acho um termo antiquado, digamos, comentar.
    Postar é para quem não se identifica, para uns que estão acostumados com fóruns meia boca, ou então para os frustrados mesmo.

    Comentar, é para quem curte, expressa sua opinião, conhece a coisa.

    E tenho a certeza Marcelo, que 80% dos daqui, Comentam!
    Portando, vc. é minoria.

  23. Fravo says:

    O Barros eh realmente talentoso. Conseqguir o que elel conseguiu num pais que nao tem nenhuma tradicao em motociclismo de pista eh um grande feito. Ele eh o nosso Fittipaldi das motos, porem nao consegiu o mesmo efeito migratorio de pilotos para a Europa como Emersou causou que acabou nos dando 8 titulos mundiais

  24. Rick says:

    Verdade Marcelo e conquistaram quase tudo , só faltou mesmo o campeonato . Foram circunstãncias , mas brasileiro nunca vai entender isso . Eles são reconhecidos mais fóra do que aquí no Brasil .
    O que hà de se fazer …

  25. Rodrigo Duarte says:

    Eu fico realmente impressionante, acho que se tivesse dedos do pé quebrados ou clavícula quebrada eu mal sairia de casa. E o cara tava lá firme e forte pra correr.
    Sobre a polêmica da idade, pelo que entendi o Alexandre discorda de você né Flavio, mas é um assunto muito polêmico e cada um tem sua opinião, de minha parte eu também preferiria ver meu filho brincando de carrinho em casa.
    De qualquer forma, o Alexandre Barros abriu portas e acho que pode ser considerado um Emerson Fittipaldi das motos.

  26. luiz Antonio says:

    Isso prova que o Brasil tem pilotos de qualidade ; produzimos bons profissionais eles podem não ter chego ao titulo mundial mais ficar tanto tempo em categorias top que é muuuuuito dificil fazem deles grandes profissionais ; é que brasileiro só valoriza campeão.
    Abraço FG.

  27. Wilson says:

    Foram campeões sim, de persistencia…

  28. says:

    Eric, falando nisso, muito pó de guaraná ai? ahahah
    Comparar o Alexandre com o Sr. rubens?
    FG, só o tratamento com a Imprensa, o respeito, e amigos que o Alex tem na Moto GP já mostram a diferença.
    Poppi, igualar os dois mostra que vc. conhece a carreira do Alex e entende de MotoGP, como eu de medicina Nuclear!
    O último pódium dele na MotoGP foi esse,
    http://br.youtube.com/watch?v=nnhWe9rNY5A
    em cima do piloto oficial, e ele por uma Equipe Satélite. E a Ducati não interferiu no resultado.

  29. Hélio Carreira says:

    O Alexandre é uma grande pessoa.

    Gostei da Entrevista.

    Obs: Para quem gosta de motos, o negócio é frequentar a loja dele na Av. Miruna, ou sentar no bar em frente .É um espetáculo a parte …

  30. Marcelo Ivo says:

    Pelo menos se tornaram pilotos profissionais e realizaram os sonhos frustrados da grande maioria dos blogueiros!!!!

  31. CorredorX says:

    Mas as coincidências terminam por aí. O Alex tem muito mais cabeça no lugar. E é um baita de um batalhador.

    Quando eu tinha uns 7 anos de idade certa vez eu vi uma matéria da MotoGP na TV (acho que era o clube da criança, da TV Manchete) e lá dizia que o Alexandre tava na corrida. Eu fiquei abismado em como aqueles caras sem um pingo de idéia na cabeça faziam aquelas curvas, encostando o joelho no chão. E, pra piorar, tinha um brazuca lá, misturado com os caras.

    Desde então, toda vez que via uma moto esportiva na TV eu lembrava que tinha um brazuca sem idéia que andava em cima de uma coisa daquelas.

  32. Fabio Poppi says:

    Alias domingão dei uma barberada na rua e adivinha qo que a velhinha me chamo?

    EEEEEE BARRICHELLO!!!!!!!!

    Morri de rir e desci do carro pra pedi desculpa.

  33. Fabio Poppi says:

    Com odizia meu avô:
    -Porcarias do mesmo saco!!!!

  34. Fabio Mantovani says:

    “Quando meu filho começou a andar, botei limitador no acelerador que dava 30 km/h na moto. Ele punha o capacetinho, cotoveleira, luvinha, joelheira. Caía, dava umas esfoladas, como se tivesse caído de bicicleta, mas não aconteceu nada de grave.”

    Tá lôco?

    Mas, cada um no seu quadrado.

  35. Eric says:

    Vixe…o Dú vai ter orgasmos…..só fala de moto aquele viado….

  36. Pedro Jungbluth says:

    O Alexandre Barros é muito parecido com o Rubinho mesmo. Muito rápido, mas incapaz de tomar decisões razoáveis na carreira, e muito preocupado com o que ele chama de azar.

    Acho que foi em 2003, ele correu como demônio quando tinha o motor 4 tempos na mão, acho que ganhou 4 em 5. Mesmo ano do melhor do Rubens na Ferrari, quando ele foi, pela média de tempos, mais rápido que Schumacher (e mesmo assim nem disputou o título).

    Em 2004, com moto de fábrica da Honda, o chassis era uma bosta. Ele chegou a provar isso, testando o chassis de 2003 com as suspensões de 2004 e virando muito mais rápido, mas os japoneses da Honda não permitiram a troca… E ele não fez nada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *