GRANDE HISTÓRIA

SÃO PAULO (e agora, Fefê?) – Enviada pelo Fernando Carvalho, está no sempre ótimo AutoEstrada, de Jorge Meditsch & cia., a história sobre a verdadeira autoria do projeto do Fusca. Que não teria sido de Ferdinand Porsche, mas sim de um judeu húngaro de nome Josef Ganz, que acabaria sendo preso pela Gestapo e teria morrido pobre na Austrália.

Tudo isso está num livro de um holandês que promete contar toda a verdade sobre o carro mais popular de todos os tempos. O lançamento acontece no fim do mês em Zandvoort. Ainda não há previsão de edições em outras línguas, mas suponho que deve sair em inglês logo. Tomara.

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Alexander Gromow
Alexander Gromow
12 anos atrás

Concordo com o Janson Vôngoli que foi direto ao ponto (não saiu pelo “curvello”…)!

Sobre este assunto também eu escrevi há algum tempo o artigo “Quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha” que pode ser visto no Portal MAXICAR sob o link: http://www.maxicar.com.br/old/gromow/colunista_gromow_0809.asp

Neste artigo eu também falo de Josef Ganz (não omito a perseguição pelo fato dele ser judeu, não foi o único a ter que sair, foram muitos – cosas do Terceiro Reich), mas vale à pena dar uma olhada no contexto geral deste artigo para poder tirar as suas próprias conclusões sobre a gênese do Fusca e as “tentativas” anteriores.

É uma matéria de profundidade que de um modo claro e fundamentado relata a história anterior que culminou com o projeto de Ferdinand Porsche (que usou alguns princípios existentes e disponíveis para todos do meio e outros que ele inventou, como a suspensão com barras de torção). Se você quiser deixar um parecer há espaço para isto lá.

Depois que uma idéia deu certo aparecem muitos inventores, só o fracasso é que é órfão…

Agora virá mais uma onda de sensacionalismo em torno deste assunto! Amargamente temperado pelo ódio racista sob o codinome de “judeu – inventor do Fusca” (não contra os judeus, mas deles contra os alemães que construíram o Volkswagen de Hitler!), fora o revanchismo caduco. Um tipo de Sionismo-Reloaded aplicado à história do Fusca. Tipo James Cleveland “Jesse” Owens nas Olimpíadas de verão em 1936 em Berlim – só que ele não era judeu, era negro.

A história não se muda, e não deve ser “retocada” para este ou aquele matiz. Eu costumo dizer que o Fusca foi o presente de Hitler deu à Alemanha, pais que ele mesmo destruiu…

Independentemente da raça ou credo dos envolvidos, do regime político, dos dinheiros gastos, dos trabalhos escravos empregados durante a guerra, do inaceitável e tétrico holocausto, o Fusca emergiu das cinzas de uma fábrica em ruínas e conquistou o mundo. Ele, o carro, não foi usado como tal durante a Segunda Guerra Mundial, só depois e por obra e graça das forças de ocupação britânicas, que reconheceram naquela tecnologia algo de valor. Já para Henry Ford, que foi sondado para comprar aquele monte de entulho de Wolfsburg, aquilo “wan not worth a dime”… Ledo engano.

Durma-se com um barulho destes…

antonio stricagnolo filho
antonio stricagnolo filho
12 anos atrás

Quem leva a fama é quem faz,e só quem tem a grana é que faz,e não é com intelecto que se consegue a grana,logo!?

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
12 anos atrás

Engraçado…

Tudo isso que aconteceu na Alemanha nas decadas de 20/30 e 40 repercutirá para sempre na historia.

O meu Tio tem uma teoria engraçada sobre isso… ele fala que se os Judeus Ingleses não fossem tão agressivos contra a economia Alemã do “pós-primeira guerra mundial” talves essa historia fosse diferente.

O que seria do Mundo se os Judeus tivessem sido Aliados de Hitler???

Abraços

Imperador

Tavaresdemello
Tavaresdemello
12 anos atrás

Jason, realmente, está corretíssimo e Alexander Gromow ex-Presidente do Clube do Fusca do Brasil e autor de livros e artigos sobre o assunto, conta detalhadamente esta história aqui:

http://www.maxicar.com.br/…/colunista_gromow_0809.asp

Marinho
Marinho
12 anos atrás

Não acreditonisso sinceramente acho que no maximo, ele pode ter se inspirado nas formas, por que absolutamente o Fusca tem os conceitos do Ferdinand do pre hitler e sua guerra, ou talvez o tal projeto do cara tenha sido comprar por ele, o fato de ele ter morrido pobre não é novidade, o fundador da Chevrolet também morreu pobre assim como muito outros criadores de tantas coisas, que anos mais tarde foi escrito que eles teriam sido logrados por alguém, acho que isso é muito mais uma polemica criado para vender livro e alguém ganhar alguns mi em cima de dois caras mortos!

Bianchini, o sumido
Bianchini, o sumido
12 anos atrás

Esse papo me parece uma música que ouví outro dia da banda Tubaína chamada “Bauru X Big Mac”, que começa assim: “Não aguento mais americano paiêro / Contando mentira pro mundo inteiro / Povinho metido e muito picareta / Acham que são os donos do planeta”. Pois é, apenas mude-se o povo em questão. Ele não vai falar da enorme semelhança ente os Peugeot 402 e os Adler 1938???

General Degòle
General Degòle
12 anos atrás

Oh que comovente, mais um judeu injustiçado..

.

Anselmo Coyote
Anselmo Coyote
12 anos atrás

O capô do carrinho de cima é do Fusca, óbvio.

R/T
R/T
12 anos atrás

Os projetos de todos eles tinham muito em comum (carros leves, carrocerias aerodinâmicas, motores traseiros, suspensão independente nas quatro), mas não eram necessariamente págios um do outro.

Era o espírito da época (zeitgeist), vamos dizer assim.

Como o Ganz era judeu, ficou esse papo de o malvado Porsche, ligado aos nazis, ter surrupiado seus projetos.

Como tema para romance é ótimo. Como documento histórico, só serve para confundir.

Jason Vogel, brilhante seu comentário, obrigado por participar nesse blog (sem contar que é um jornalista automobilistico muito competente)

Jason Vôngoli
Jason Vôngoli
12 anos atrás

O carro do Ganz, os Mercedes Tropfenwagen alemães, os Tatra tchecos, o “besourão” do inglês Dennis Burney, os protótipos do Lincoln Zephyr, o Airomobile e o McQuay-Norris americanos, os projetos automobilísticos do Le Corbusier… Todos eles são dos anos 20 e 30 e traziam mais ou menos as mesmas idéias.

Joseph Ganz era um jornalista e frequentava a mesma patota do Porsche e do Ledwinka (Tatra).

Os projetos de todos eles tinham muito em comum (carros leves, carrocerias aerodinâmicas, motores traseiros, suspensão independente nas quatro), mas não eram necessariamente págios um do outro.

Era o espírito da época (zeitgeist), vamos dizer assim.

Como o Ganz era judeu, ficou esse papo de o malvado Porsche, ligado aos nazis, ter surrupiado seus projetos.

Como tema para romance é ótimo. Como documento histórico, só serve para confundir.

Luís
Luís
12 anos atrás

Quanta lorota!

Dú
12 anos atrás

Não foi bem assim.

Fábio Costa
Fábio Costa
12 anos atrás

Gomes!!

Mandei um alô para o Paul no site dele e ele me retornou o e-mail perguntando se aqui, no Brasil, haveria mercado para esse tipo de livro e disse, também, que a depender poderia lança-lo em português. Mas antes disso iria sair uma versão em inglês.

E vossa mercê, o que achas?

Ricardo de Bittencourt
Ricardo de Bittencourt
12 anos atrás

—- Na verdade houve inúmeros projetos muito parecidos…

Foi o que declarou o engenheiro-chefe da empresa Ganz Automotive, Nigel Tamir Uriel Stepney em seu discurso de despedida da empresa: “Deus me ajudou e ganhei uma bolada na loto-fácil). Se mandou pro lado dos castelhanos…

O estagiário escocês McCoughlan (que puxava o saco do chefe dizendo: “bonita camisa, Ferdinandinho…”) foi promovido a designer depois de escorregar no sabonete e bater com a cabeça na pia do banheiro, chegando no outro dia do expediente com 725 folhas desenhadas com o projeto pronto. Sem capacitor de fluxo.

Se duvidar, tem o dedo do Flavio Briatore nisso aí também…

D.Pierotti
D.Pierotti
12 anos atrás

Não acredito. E quando perceber que a história não cola, vão falar que ele desenhou o 2CV…..

R/T
R/T
12 anos atrás

A uns anos atras o alvo dessa turma ai foi a BMW e a familia Quandt, só pra lembrar

R/T
R/T
12 anos atrás

Quem está por trás da historinha ? A Warner, o Bruckheimer ou a Weinstein Company ?

Já é mais que sabido que o Fusca foi “inspirado” em um Tatra, daí agora surge isso ?

E se NÃO fosse um judeu, fosse um russo, um belga, um africano, teria todo esse destaque ? A história continuaria e duvido muito que daria em algo, até porque a propganda sionista é enorme, e compra a historinha quem quer

ALEX B.
ALEX B.
12 anos atrás

Ah, hoje tem LIMITE na ESPN br!!!! As 22:00h, Flavinho? E tem Indy Gomov?

ALEX B.
ALEX B.
12 anos atrás

Será que o tio Ferdinand aprontou esta??????? Flavinho, seja tovarich, e avisa a blogaiada quando sair in english, all right?

Hugo Borghi Filho
Hugo Borghi Filho
12 anos atrás

Ao engenheiro Austro-Hungaro Bèla Barényi é tb. creditada a criação das formas básicas do Volkswagen, cinco anos antes de Ferdinand Porsche apresentar sua versão.

CelsOM
CelsOM
12 anos atrás

Muito interessante a história e, de repente é verdadeira…mas, o melhor mesmo é a descoberta que fiz olhando o site sobre o livro : O tal do judeu desenvolveu um fusca com ” extrator ” já naquela época ! Dá uma olhada.

jose carlos
jose carlos
12 anos atrás

as identidades das masmorras atraz do muro comecam a aparecer
de pensar que eles tomavam as mamadeiras dos peqquenos pra derreter o plastico e fazer componente belico
comecam a vir a tona a verdade
jc sete lagoas

Daniel
12 anos atrás

Flavio, olhe este link… é do estilo dos teus posts…

Filipe Figueiredo
Filipe Figueiredo
12 anos atrás

Caro Flavio

Ja ouvi historias de que o suposto autor do primeiro esboço do Fusca foi Hitler. Talvez seja lenda e voce certamente deve saber mais disso do que muitos, poderia esclarecer um pouco?

Obrigado pela atenção e um abraço

ps: Hoje é dia de Limite!

Fábio Aguilera
Fábio Aguilera
12 anos atrás

Gostei deste carrinho aí. Realmente parece o fusca.
A verdade mesmo ninguém saberá, mas que é mais “chique” acreditar que foi o Porsche, isso é.

Rodolfo I. Vieira F.º
Rodolfo I. Vieira F.º
12 anos atrás

Nossa isso para mim é novo .
Flavio você já sabia desta história ? Será que vão reconhecer ou vão dar os ombros para este fato ?

José Leão
12 anos atrás

Isto realmente vai dar o que falar.