ENCHE O TANQUE

SÃO PAULO (alguma alma?) – É repeteco. Até porque, depois de reler a nota do “São Paulo Antiga”, o excelente site do meu amigo Douglas Nascimento, lembrei que nasceu aqui, o tema. Em 2014. Pena que milhares de fotos deste blog sumiram em servidores antigos. Fico louco da vida com isso. Louco mesmo. Mas, enfim, estamos falando deste posto maravilhoso, de 1933, que me apareceu no Instagram hoje.

Duvido que do cilindro que sustentava a marquise esférica tenha sobrado algo. Mas não deve ser muito difícil refazer. Douglas fala, em sua nota, da busca por Charles Bourgeois, misterioso personagem do anúncio de inauguração do posto. Se alguém souber por onde andam os descendentes de Charles Bourgeois, apresente-se.

Fui ao Google Fucker Mapers e encontrei o posto novamente, dando uma volta por ele com o mouse. Está assim:

Ah, São Paulo, São Paulo… Foste tão linda.

Comentar

FOTO(S) DO DIA

Com um dia de atraso, a nova pintura da McLaren para 2024. A equipe vai lançar o carro novo de verdade dia 14 de fevereiro. A pré-temporada vai de 21 a 23 do mesmo mês no Bahrein. O Mundial começa num sábado, dia 2 de março, no circuito de Sakhir. Só pra lembrar.

Comentar

ÁLBUM (SOBRE RODAS) DE FAMÍLIA

SÃO PAULO (desovando…) – Material enviado pelo jornalista Rafael Motta, de Santos, ainda no final do ano passado. Vamos começar a esvaziar a caixa de correio! A história do avô dele é muito bacana. Para ver as fotos em tamanho maior, basta clicar nelas!

Meu avô materno, Alberto Motta, sempre teve profissões ligadas a veículos. Começou a trabalhar aos 12 anos nas Indústrias Franco do Amaral, em Santos, que fabricavam produtos como banana em flocos (“Banana Flakes”). Ainda criança, dirigia jipes ou caminhonetes em serviços internos da empresa. Tirou carta às vésperas de fazer 18. A data da primeira habilitação era 29 de abril de 1949. Foi taxista, motorista de caminhões-tanque na Esso, fazia entregas e reposição de mercadorias na Nestlé e trabalhou como consultor técnico de uma extinta concessionária Volkswagen, a Pinhal. Ali, chegou a inspetor de qualidade de serviços — ele “revisava a revisão” dos carros, que só depois disso saíam de lá. Dirigiu até 2020, quando chegou a pandemia, e morreu no ano seguinte, a um mês de fazer 90 anos. Uma foto dele é do início dos anos 1950, em que aparece ao lado de um Chevrolet, um dos carros com o qual foi chofer de praça. O ponto era na esquina das avenidas Marechal Deodoro e Bernardino de Campos (o Canal 2), no Gonzaga. Outra é de meados da década de 1950, carregando um caminhão-tanque. Muito provavelmente, na Ilha Barnabé, situada na região portuária de Santos e que ainda hoje abriga tanques com produtos químicos. Ele ia e voltava de São Paulo duas vezes por dia pela única ligação disponível, a Via Anchieta. Na terceira, aparecem meu tio, minha mãe e minha avó em uma viagem ao Museu do Ipiranga, em São Paulo, com o primeiro carro da família: um Fusca, que meu avô comprou, usado, em 1969. Vô Alberto só teve carros da Volkswagen: depois, três Brasílias, outro Fusca, um Voyage, um Gol 1000, um Gol City e um Fox — que aparece na quarta foto, no dia do meu aniversário em 2017, na qual estamos minha mãe, meus avós, eu e, no reflexo da porta, minha mulher, que fez o registro. Ele era mais de exemplos do que de palavras, mas, vez ou outra, repetia o que aprendeu em um curso de aperfeiçoamento na Pinhal (onde recebeu o catálogo de cores para 1980 da Brasília, na última imagem): “Se um cliente é bem atendido, diz isso para oito pessoas. Se mal atendido, para 15”. Um lema para a vida, fazer as coisas direito.

Comentar

DICA DO DIA

Relembrando Beckenbauer… Quem mandou foi o Carlos Sato.

Comentar

LEGIÓN URBANA

Raramente publico fotos nesta seção que não sejam feitas por mim, mas este registro de Buenos Aires, em San Telmo, merece! Sergio Edifier mandou. Detalhe: quatro portas não tivemos aqui. Ou tivemos?

Comentar

NAS MIL MILHAS COMIGO!

SÃO PAULO (vamos juntos!) – Disputar as Mil Milhas sempre foi um sonho de quem vive no automobilismo desde criança. E chegou a hora! Com o apoio dos seguidores e fãs deste blog tocado por Flavio Gomes (eu, no caso), vamos colocar na pista o Passat #19 da LF Competições para a prova mais tradicional do Brasil, no dia 28 de janeiro. Terei ao meu lado os pilotos Arthur Arnilha, Kaio Dias e Chris Pampuch. Junto com eles, na “carona”, vão todos que participarem deste financiamento coletivo. Os colaboradores poderão assistir à prova em Interlagos com todo conforto e segurança, e ainda irão acompanhar o trabalho nos boxes durante as 12 horas da corrida, além de concorrer a outras recompensas. Vamos nessa?

Comentar

FICOU CARO

SÃO PAULO (prioridades) – Esse adesivinho amarelo escrito “Jumbo”, que não deve ter mais de 10 cm de largura, rendia a Max Verstappen 1,5 milhão de euros por temporada. Havia mais de dez anos a rede de supermercados holandesa patrocinava o piloto de seu país. E ainda gastava 20 milhões de euros por ano com a Visma, maior equipe de ciclismo do mundo.

Pois a farra acabou. A direção do mercado resolveu economizar em patrocínios esportivos e cortou a verba. Tom van Veen, novo diretor da empresa, disse que assim será possível baixar os preços nas gôndolas. “Não temos uma operação global e nem somos a maior rede de supermercados da Holanda”, justificou.

E que importância tem isso? Não muita. Mas me fez lembrar, claro, do Jumbo Eletro, a cadeia de hipermercados do Pão de Açúcar nascida nos anos 70. Primeiro era só Jumbo, como o mercado holandês. Mas aí a rede Eletroradiobraz foi comprada pelo Pão de Açúcar e suas lojas viraram Jumbo Eletro. As lojas grandonas da ERB tinham uma baleia como símbolo, pelo tamanho gigantesco.

Vi um carro de F-1 pela primeira vez dentro de um hipermercado desses, no Aeroporto. É esse da foto aí embaixo. Pelo menos é o que minha memória registra, insisto. As lojas Jumbo Eletro depois foram convertidas em Extra, e agora parece que foram vendidas, também. Essa do Aeroporto, que expôs carros de F-1 antes do GP de 1972 (é do que me lembro, sei lá se aconteceu), hoje pertence ao atacadista Assaí. De vez em quando vou lá.

Não tem mais carro de F-1 exposto.

Comentar

MOTOLAND

O Douglas Nascimento, do “São Paulo Antiga”, postou. A foto é de 1987 e essas motos vistoriavam o corredor de ônibus da 9 de Julho na gestão do Jânio Quadros. No tanque, o logo da CMTC. Que moto era essa?

Comentar

WILLIAMS & MERCEDES

SÃO PAULO (paga em dia…) – Williams e Mercedes anunciaram hoje a extensão de seu contrato até 2030. A equipe, hoje pertencente a um fundo de investimentos dos EUA, o Dorilton Capital, usa os motores alemães desde o início da era híbrida, em 2014. Desde então foram 16 pódios, dois campeonatos muito bons — terceira posição no Mundial de Construtores em 2014 e 2015 — e temporadas decentes em 2016 e 2017 — quinta colocada.

A partir daí, foi ladeira abaixo. Em 2018, 2019 e 2020, lanterna no campeonato. Em agosto de 2020, a equipe foi vendida para os investidores americanos, saindo das mãos da família Williams. Em 2021, um pequeno respiro: oitavo lugar no Mundial. No ano seguinte, última posição de novo. Até a recuperação de 2023, deixando AlphaTauri, Alfa Romeo e Haas para trás na classificação e fechando a temporada em sétimo.

Alexander Albon e Logan Sargeant serão seus pilotos em 2024.

Comentar

ÁLBUM (SOBRE RODAS) DE FAMÍLIA

SÃO PAULO (o carro mais lindo) – Enquanto o blog não volta ao normal (a previsão de restauração é para terça-feira), fiquem com a paixão das meninas pelo Belcar… Foto que pingou no nosso grupo de DKW. Não conheço nenhuma delas, mas o carro, posso arriscar: é 1962 ou 1963. “Ah, como você sabe?”, vão perguntar. Bom, tem porta suicida, portanto é, no máximo, até 1964 primeira série. Na segunda série de 1964 a Vemag mudou o sentido de abertura das portas. Mas podemos descartar a primeira série de 1964 porque eles tinham capota branca. Sim, poderia ter sido pintado, o carro, mas a roda de seis furos, por sua vez, foi usada só até 1963. Depois vieram as rodas com 12 janelas. E por que não é 1960, 1961? Porque só em 1962 a porta traseira passou a ter o recorte sobre o para-lama. Até 1961, ela acompanhava a curvatura. Os para-choques com poleiro vieram em 1961. Em 1960, eram inteiriços. São detalhes, apenas…

Comentar
1:07:55

VERSTAPPEN IGNORA CRISE E É POLE! (F-GOMES, GP DO BAHREIN, DIA #2)

Não se pode ignorar que a Red Bull vive uma crise interna com as denúncias contra seu chefe, Christian Horner. Mas Max Verstappen parece não se importar muito. Hoje, no primeiro dia da temporada em...

1:14:56

OS PRINTS DE HORNER (F-GOMES, GP DO BAHREIN, DIA #1)

Na abertura dos treinos para o GP do Bahrein, o assunto no paddock foram prints de supostas conversas de Christian Horner com uma funcionária da Red Bull, cuja autenticidade não foi comprovada. Mas ...