QUEM NÃO TEVE? | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 25 de outubro de 2010 - 17:23Tecnologia

QUEM NÃO TEVE?

SÃO PAULO (e assim vamos) – Informa o Claudio Bassi que a Sony vai parar de fabricar o Walkman de fita cassete. Ainda estava sendo feito, para alguns mercados. Mas, evidentemente, as vendas despencaram nos últimos anos. Li aqui e ali que foram fabricadas 385 milhões de unidades. Não sei se o número se aproxima da realidade, mas é bem capaz. Lançado em 1979, o Walkman de fita pode ser considerado o pioneiro da portabilidade musical. Gostei da expressão que acabei de inventar: portabilidade musical.

Hoje a música cabe em espaços menores e em aparelhos melhores. Mas está bem pior. A música.

34 comentários

  1. pardo disse:

    Eu já tive um Aiwa com sintonia de estações digital (aquele que tinha seis botões e em cada um deles estava memorizada a estação de sua preferência e isso lá pros idos de 1994, depois eu tive o Discman que era tipo um walkman só que com CD, hoje eu tenho um MP3 e digo que pra mim tanto faz o meio com o qual eu escuto música, o que importa é ela ser de qualidade e não ser essas coisas podres que imperam nas rádios hoje em dia.

  2. Varlei disse:

    Tive sony,unicef,cce,aikoman aquele que tinha uma fita k7 falsa que fazia parte dele para funcionar o radio, era sofisticadissimo na época todos tinham um som do caramba mas comia uma pilha, so mais meu pen-drive cheio de musicas, rs

  3. geraldo nunes disse:

    Tenho o WM-1 que comprei em 82 nos EUA, e que funciona bem, até hj! E tbm o Aiwa com rádio AM/FM e gravador. Ainda ouço as fitas de vez em quando nelas…

  4. AlvaroMegamix disse:

    Tenho um até hoje e funfando , tambem tenho muitas fitas cassetes da basf , da sony , basfita, mallory , entre outras , bons tempos.

  5. Alexandre Santiago disse:

    Apenas para informar, o Walkman foi inventado por um brasileiro que depois de tantos anos conseguiu fazer com que a Sony lhe pagasse uma ínfima parte do que ganhou.

    Outra coisa, Flávio, você podia abrir uns posts com fotos da UD. Sinceramente, não tenho saco para ir no Salão do Automóvel, mas lembro que ir na UD era muito legal. Programa pra familia inteira.

    []‘s

  6. O meu funciona até hoje; presente do Natal de 1990.
    Para ouvir rádio em casa, nada pode ser melhor.

  7. Vai parar de ser produzido porque os aparelhos, já idosos, estavam se recusando a tocar as merdas que fazem hoje em dia.

  8. TOM SEM FREIO disse:

    Enquanto pagode, for segundo o publico, o melhor estilo de musica, estaremos ferrados.

  9. MSM disse:

    Ainda tenho, um digital (era a evolução do walkman) da Panasonic onde escuto os jogos do Flamengo.

  10. Paulo disse:

    Na Cauda Longa da música digital existe muita porcaria, sim.

    Mas achar que toda a música atual é lixo é ignorância e falta de vontade de buscar novos horizontes musicais. A tecnologia da música por bits permite que busquemos os estilos musicais e bandas que quisermos no iTunes e outros programas. Bandas que nunca tiveram espaço na grande mídia, a qual selecionava os grandes hits e nós simplesmente tínhamos que engolir.

    Queiram ou não, música ruim atualmente não existe. Existe o poder de escolha, o poder de bandas independentes se lançarem no mercado sem o funil das gravadoras. Basta você querer procurar.

    Agora, o romantismo de ir até a loja de discos comprar um CD, um LP, gravar da rádio um hit novo por cassete… Isso sim desapareceu e nunca mais vai voltar.

    Fonte: A Cauda Longa – Chris Anderson

  11. Crotti disse:

    Objeto de desejo no anos 80 ! Quem não desejou um ?
    Eu ganhei um ! Um dia ao subir no busão, o motorista fechou a porta e prensou minha mochila ! Meu Walkman, estava dentro dela e ficou completamente destruído ! Aquele motorista infeliz não tinha idéia do prejuízo que me causou !
    Realmente a qualidade das música nas rádios é de doer. Mas nos dias de hoje só escuta música ruim quem realmente quer ou gosta !

    Abraço

  12. Igor disse:

    Tempos que não voltam mais. Inclusive quando a gente tocava as fitas no walkman vinham as falas dos locutores do rádio. A gente tinha que ficar esperando passar uma música boa na rádio pra gravar e ainda acabava ficando sem gravar um pedaço.

  13. Você cometeu um leve engano sobre aparelhos melhores. Poucas pessoas compram um aparelho digno de tocar um som com fidelidade. Pensando melhor, poucas pessoas hoje em dia sabem o que é uma música com fidelidade, já que hoje o formato MP3 domina o mercado.

    Não dá para comparar o som de um LP com o do CD, original, do camelô ou MP3 (mesmo os arquivos de 320 Kbps). Independente do aparelho que você tenha.

    Tve dois “portáteis”, ambos japas. O primeiro era um AIWA, de 1980 e alguma coisa. Importado, coisa fina. Já no início dos anos 90 eu comprei um legítimo Sony, com o sintonizador de rádio digital.

    O último ainda funciona perfeitamente.

  14. jackie chan disse:

    385 milhões de unidades só da Sony, imagine então se somar todos os outros genéricos feitos mundo afora…

  15. Luis Ramos disse:

    Me lembro que em 1987 minha familia foi as compras em “Puerto Stroessener”, dentre os tenis firewithe ( nem sei se é assim), chineisinhos, relogios, calças Fiorucci, comprei mei primeiro walk man branco Casio ( se é que era verdadeiro) com alto falante “nas costas”.

  16. Ronaldo Brahmeiro disse:

    É pra isso que existem a internet, os blogs e os p2p’s (emules, kazaas da vida)! Não escuto nenhuma música atual, e descubro coisas do arco da velha que não conhecia na época em que ocorreram (mesmo bem antes de eu nascer)! Sempre dá pra descobrir uma nova-velha-banda, sem repetições, não dá pra enjoar. Teve coisa boa no mundo inteiro, por isso a gente vai sobrevivendo… Porque o hoje é de lascar!

    O Jeambro disse que o walkman dele gastava muita pilha. O meu, um CCE, tocava 15 fitas com 1 par de pilhas alcalinas (Ray-O-Vac, de preferência). Vai ver o CCE era o 1.0 dos walkmans, com desempenho pífio porém econômico… :)

  17. Will disse:

    Engraçado como algumas coisas antigas seriam perfeitamente utilizáveis hoje! Claro, que era mais difícil esperar a música tocar na rádio do que simplesmente escolher o que ouvir, mas um walkman, por exemplo, é viável, ainda.

  18. José Brabham disse:

    Comprei um em 86 no Freeshop do Galeão. Era uma pequena jóia: prateado, do tamanho de uma caixa de cassete. Parecia uma cigarreira e tocava umas quatro fitas com apenas 1 (uma!) pilha AA alcalina. Um legítimo Sony, o som: perfeito.
    Foi meu companheiro fiel três anos mais tarde, em uma viagem mochileira solitária pela Europa. Foram 33 dias em que cada cidade, cada estação, cada noite fria sobre os trilhos tinha uma trilha sonora.
    No entanto a nostalgia não me deixa esquecer do desconforto de carregar mais de 1 kg de fitas para ter pouco mais de 20 horas de música. Meu iPod tem todos meus CD´s e mais alguma coisa totalizando 14 DIAS de música e pesa acho que menos de 100g.
    E as músicas têm a mesma qualidade daquelas que ouvia em 1989.

  19. Lemo disse:

    Maravilhoso….. Foi um dos melhores presentes que ganhei. Mas era um Gradiente.

    Era muito bom ficar esperando a música no rádio e poder gravar, depois era só curtir no walk.

  20. Caro Flávio, boa noite.

    Eu que pensei que o Walkman já tivesse sucumbido há muito tempo…

    Tive um que possuía auto-falantes e equalizador e durou até o dia em que quebraram o quebra-vento do carro do meu colega, e surrupiaram a minha mochila onde ele estava junto com trabalhos da faculdade. Grande parceiro nas viagens entre São Sebastião/SP e Campinas/SP.

    Abç´s, Túlio.

  21. claudio bassi elias disse:

    Em 1982 fui ao Paraguai e trouxe um UNICEF. Foi o maior trabalho passar na fronteira.
    Quando cheguei, foi o maior sucesso. Nessa época estes aparelhos começavam a aparecer.

  22. theodoro disse:

    quanto tempo heim ??? tenho o meu guardado e varias fitas …. lembro muito das fitas Cromo da Basf que ficavam otimas para escutar o Phisical Grafitti do Led Zeppelin … ehehehe, sem esquecer dos albuns do Pink Floyd e do Purple ….. musica hoje nao curto, acho que vou ficar no passado mesmo …. supreendetemente ainda consigo descobrir bandas antigas que nao conhecia.

  23. Jeambro disse:

    Isso aí, quando foi lançado, funcionava assim:
    1 fita = 1 par de pilhas
    Não tinha cristão que aguentava sustentar.
    Nos mais recentes, não sei se melhorou esse pequeno defeito.

  24. edilson disse:

    ola flavio….nao sei se vc reparou,mas o preço esta na moeda japonesa o yen…33.000 yenes,para a epoca em 1979…era uma fortuma…valeu,abraços!!!!

  25. Rafael disse:

    A sua última frase é perfeita. Resume muito bem a tecnologia e a música atual.

  26. disse:

    Putz, e o preço então na época!

  27. Guzz disse:

    Não tive e deve ser uma de minhas maiores frustrações!

  28. Beto Carpini disse:

    É, eu vou guardar o meu. Talvez para a posteridade, quando meu filho tiver a curiosidade para saber como eram as coisas…
    Um mp3 além de não ter charme, não pega AM, de forma que não tem como ouvir jogo nesse aparelhinho sem graça

  29. Dino Dragone disse:

    O meu era amarelo! Puro clássico.

  30. wellington disse:

    É isso aí! Melhorou a qualidade dos equipos mas em contrapartida, uma enxurrada de porcarias inaudíveis veem se acumulando desde o fim dos anos 80…Putz grila!

  31. Ganhei um Aiwa (tudo bem não era um legitimo walkman mas hoje a AIWA pertence a Sony) quando fiz 10 anos (1994), foi sem dúvida o meu brinquedo favorito até a popularização do Disman (2001 eu acho)… Nossa como eu sou velho.

  32. Plauto Mendes disse:

    Concordo e assino com pesar a decadência de nossa música as FM”s da vida enterraram nossos grandes nomes da musica popular brasileira e Internacional vivos

  33. Fabio Monteiro disse:

    Uma coisa que os Discmans nunca venceram foi os walkmans. A fita nunca pulou. Tiveram que inventar essas coisas digitais para quem sai correndo por aí poder ouvir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>