RIO, 1962

RIO (2019) – Maravilhosas imagens em Technicolor do Rio em 1962, em trechos de “Copacabana Palace” — uma produção franco-italiana rodada nesta cidade que amo de paixão, façam com ela o que fizerem. O filme na íntegra, mas em qualidade um pouquinho pior, está aqui. E é ótimo, embora um pouco ingênuo.

O que não importa minimamente. Ver como era o Rio há 57 anos, em estado puro, e com as luxuosas participações de Tom Jobim, João Gilberto e Luiz Bonfá agrada a alma.

Comentários

  • De longe o que eu maus lamento é a extinção da espécie Garota de Ipanema. É o pior e mais trágico desastre ecológico que o planeta já viu.
    A beleza, a graça e a sensualidade estonteantes originais da mulher brasileira está sendo substituída por uma monstruosidade deformada. Feita de gordura e/ou silicone. E, o que é mais estranho e preocupante, tem quem ache lindo.

    E a música…. A Bossa Nova, maior e melhor expressão artística que o Brasil deu ao mundo, foi substituída por toneladas de bosta nova.

  • Saudações Flavinho! e a mulherada ? caramba…Silvia Koscina, Milene Demongeot e Glória Paul… Hoje, roubariam os violões em minutos e as modelos seriam sequestradas…Tempo que não volta mais…abs

  • Tem uma propaganda (“mercham”) gigante da “Casas da Banha” o filme.

    Tem uma passagem na trama que os dois bandidos encontram um parceiro que havia ficado no Brasil. Quando eles chegam na casa esse italiano esta a ensinar um papagaio a falar um “slogan” da Casas da Banha… tudo para ganhar CR$500.000,00.

    Tem na integra no youtube

  • Não consigo ver nenhum romantismo na outrora Cidade Maravilhosa.

    De Brisola a Cabral, passando por Garotinhos e dentre tantos outros políticos criminosos que corroeram e corroem a cidade e o estado, cariocas e fluminenses tem o dom de eleger a pior raça de pilantras. Mais que a média brasileira, estão condenados à desgraça.

  • daria tudo pra fazer uma “viajem no tempo” e cair de para-quedas no rio de janeiro de 1962….pena que isso não seja possível…..sinto inveja de todos aqueles que puderam “estar lá” e aproveitar o RJ daqueles tempos .