ONE COMMENT

Este documentário, apesar do óbvio interesse — o trabalho de equipes de resgate ao longo dos tempos no violentíssimo automobilismo americano –, não é pra todo mundo. Alexandre Neves mandou o alerta: em setembro nas telas, não sei se aqui no Brasil.

Comentários

  • Fiquei tão impressionado que já vi o trailer umas 7 vezes. Torcer para o Netflix lançar. O automobilismo norte-americano tem tanta tradição quanto o europeu, só que mais alma no sentido de pureza da competição e no que se aceita de riscos. O AJ Foyt, salvo engano meu, disse que automobilismo é 95% tédio e 5% puro horror.

  • Como disse tenho visto muitas edições antigas da INDY e ando particularmente impressionado com o perigo e a violencia da indy, a história de Gordon Eugene smiley é impressionante mas foram tantos e tão violentos acidentes que alguns eu não acreditaria se não visse como alguns que aparecem nesta compilação. https://youtu.be/EvWqGyx3MlQ

    • Quando foi no Roda Viva, o Piquet disse que na F1 você tem uns 5% de chance de se machucar feio em um acidente. Na Indy, uns 80%. E os carros pareciam mais seguros que os da F1. Os anos 80 e 90 parecem ter tido um grande aumento nas velocidades e muitos acidentes, fatais inclusive.

  • Curioso Flávio Gomes, parece que houve transmissão de pensamento entre aqui Portugal e aí o Brasil e explico porque: eu tenho andado nos últimos meses a ver edições antigas das 500 milhas de Indianapolis, creio que esse documentário refere-se ao livro com o mesmo nome que já existe há uns anos escrito pelo médico da INDY, do que tenho visto o relato que mais me impressionou foi o do Gordon Smiley e do seu acidente em que no livro se diz algo como: quando chegámos ao lugar do acidente vimos uma mancha cinzenta pela pista, pensávamos que era algo deixado pelo carro mas na verdade eram partes do cérebro do piloto… E depois entra em alguns pormenores macabros sobre o acidente, que ele bate no muro a uns 340 km/h e que com o impacto o capacete saltou e o piloto foi bater directamente com a cabeça no muro e foi escapado pelo muro vertendo partes do cérebro, diz ainda que ele não tinha 3 dedos e quando levaram o corpo na ambulância tocou no corpo e disse que não havia um osso que não estivesse partido… Mas agora vem a parte que me chocou mais no relato:com a tremenda pressão na cabeça com o impacto os olhos do piloto teriam saltado, corre a história de que smiley teria sido encontrado sem olhos embora esta parte eu não possa confirmar… Se virem no YouTube talvez seja o acidente mais violento de todos os que foram filmados, eu disse que parecia ter havido transmissão de pensamento porque eu li o livro rapid response e antes de você publicar isso eu pensei vir aqui propor que você falasse um pouco dos riscos da INDY e fizesse um trabalho a desenvolver um pouco mais a história de Gordon Smiley, eu estive a investigar e vi que ele andou aqui pela Europa na fórmula aurora, talvez um trabalho contando a história dele, deixo a sugestão.

    • Uma vez achei uma compilação de acidentes fatais da F-1 e Indy na internet, e tinha esse acidente, que nunca tinha ouvido falar até aquela época. Isso já tem mais de dez anos. Depois disso, eu já vi esse acidente várias vezes e sempre me impressiona.
      Dizem que ele, apesar de rápido, era meio imprudente e prepotente, queria fazer as coisas do jeito dele. Isso justifica ele querer corrigir em vez de querer reduzir o máximo que desse antes da pancada, como qualquer piloto faz em Indy, sendo novato ou não.
      Tiveram inúmeros acidentes mais devastadores coletivamente. Mas, pela imagem e pelo relato, me parece que esse, individualmente, foi o pior. O cara foi literalmente jogado de cara e moído no muro.
      Eu comparo esse acidente com aquele do Nelson Piquet em Indy. Não tem muita diferença, se for comparar a trajetória. Dez anos de diferença e a resistência dos carros já era totalmente diferente. Piquet sofreu sequelas brutais, mas viveu pra continuar contando a história dele.

      • Sr. Amaral concordo e confirmo tudo o que diz, Gordon Smiley vinha dos carros e usava a técnica de corrigir e conta-se que ele terá sido avisado por alguns veteranos das ovais que isso era perigoso e que teria respondido de uma forma algo arrogante, fala-se que nesses treinos ele estava obcecado em fazer uma volta na média de 200 mph e que terá dito que o ia fazer de qualquer jeito, se reparar quando ele corrige a trajetória o carro ganha um grip tremendo e cola no chão e vai lançado como uma seta ao muro, o capacete salta quando bate no muro e a cabeça é escalpada pela vedação, a condução nas ovais é diferente, uma vez perdido o carro é melhor deixar ir, talvez a indy seja de todas as fórmulas a mais perigosa de todas e Gordon Smiley de facto não tinha feito feio, recordo que em 1981 ele chegou a liderar por algumas voltas a indy 500, recordo também que este acidente se dá poucos dias depois, muitos poucos dias depois da morte de Gilles Villeneuve em Zolder, uma época especialmente perigosa, esse livro rapid response tem uns anos e pode ser encontrado na amazon, lá tb se conta da tragédia de Zanardi, outra coisa horrível da Indy para não falar de Greg Morre, eu considero a indy muito perigosa.