FOTO DO DIA

Como é Porsche, como foi a primeira vitória, como foi dobradinha, como os dois são alemães, e como a organização da F-E no México conseguiu colocar o hino errado no pódio, vai para a dupla Pascal Wehrlein e André Lotterer a homenagem fotográfica do sábado.

Comentar

DESAFIO DO DIA

Quem é esse cara aí no Dodginho? Onde ele está? O que ele fez? Danilo Candido mandou as fotos. Clique nelas para ver em tamanho gigantesco!]

Comentar

GIRA MONDO, GIRA

GUARUJÁ (incroyable) – Quando ouvi falar pela primeira vez, achei, de verdade, que a referência era à Monark das bicicletas. Aqui cabe uma longa digressão. Sempre fui Monark. Sempre. Embora minha primeira bicicleta (a gente dizia “bici”, e não “bike”) tenha sido uma Caloi verde alface, foi só quando ganhei uma Tigrão que me senti plenamente feliz pela primeira vez na vida. Igual a essa da foto. Está à venda no Mercado Livre por 4,5 mil reais. O anúncio está pausado. Foi minha sorte.

Era azul. Idêntica. Eu sofrera um grave acidente com a Caloi no Rio, ao descer a rampa da garagem fugindo de um cachorro e entrando pela porta da cozinha do apartamento, que estava aberta e ficava no fim do pequeno corredor do elevador. Bati no armário debaixo da pia e aquela lata que cobre a corrente entrou na minha canela. Sangrou muito, minha mãe teve de lavar o ferimento na banheira. Ostento orgulhosamente a cicatriz até hoje, meio século depois.

Com a Tigrão, o acidente foi menos momentoso e dele ninguém soube, exceto eu mesmo. Ocorreu numa calçada na cidade de São Vicente depois de alguma chuva. Havia um buraco e a água que o preenchia não me assustou. Achei que era só a falta de uma parte do calçamento. Não, era um buraco, mesmo. No meio do caminho tinha um buraco. Tinha um buraco no meio do caminho. Tinha um buraco. No meio do caminho tinha um buraco. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha um buraco. Tinha um buraco. Tinha um buraco no meio do caminho. No meio do caminho tinha um buraco.

E eu caí no buraco. A roda dianteira, menor que a traseira, emborcou no buraco. Eu voei por cima do guidão e caí na calçada. Mas como lutava judô, a queda foi seguida de um rolamento e ferimentos não houve. Recolhi a bicicleta com a ajuda de transeuntes e segui meu caminho. Amassou o para-lama. Nunca contei a ninguém sobre esse sinistro. Eu prezava minhas coisas. Um amassão no para-lamas era uma experiência de quase-morte. Nunca me recuperei.

Mas acho que me esqueci no dia seguinte, e a Tigrão me acompanhou durante anos. Quando a Caloi lançou a Caloi 10, desdenhei. A Monark colocou a Positron nas lojas. Se me fosse dado a escolher, atleta convocado pela seleção brasileira de ciclismo, diria sem pestanejar: Positron. Da Monark.

Quando ouvi falar pela primeira vez, achei que era homônimo do Ardiles. Osvaldo Ardiles, volante do Instituto de Córdoba, do Huracán, campeão mundial de 1978 pela Argentina, vendido ao Tottenham junto com Ricardo Villa, bicampeão da FA Cup em 1981 e 1982, campeão da Copa da UEFA em 1984, que jogou contra o Leicester um dia depois de a Argentina invadir as Malvinas começando a guerra mais non-sense de todos os tempos, e a torcida dos Spurs, às ofensas da gente do Leicester, gritava “Argentina! Argentina!” e porra!, tinha começado uma guerra um dia antes, mas Ossie, como Ardiles era chamado na Inglaterra, era ídolo demais, homem demais, honrado demais, foda-se a guerra.

Ardiles fez um filme com o Pelé, “Fuga para a vitória”, que é bom, incrível. Sylvester Stallone era o goleiro. Ardiles era o número 2 da seleção argentina, que numerava seus jogadores por ordem alfabética. Me ajudem: Alonso era o número 1? Fillol era 5 ou 6. Eu achava muito esquisito, aquilo. Para mim, goleiro deveria ser sempre 1. Mas a Argentina tinha um cara da linha que era 1. E o Ardiles era 2.

Mas o Monark da semana não era minha Tigrão, e peço perdão a Ardiles pela associação, ainda que torta, a um cara de nome parecido que se divertiu imitando Adolf Hitler.

Dois nazistinhas, porque é isso que são, e podem negar até o fim dos tempos. Dois filhos da puta que acham que não têm nenhuma responsabilidade diante de uma câmera e de um microfone. Dois produtos dessa desgraça que virou a internet. Dois frutos dessa calamidade que virou o Brasil. Paridos por essa indigência intelectual e moral que emergiu depois da eleição do mais repugnante, sujo, desagradável, ascoso e nauseante ser que já pisou sobre a Terra.

Monark, a bicicleta, e Ardiles, perdão.

UM FILME

Prometi, acho que num vídeo, que toda semana iria deixar neste “Gira mondo” uma dica de filme, uma de livro, quem sabe de música, quiçá um bar, um restaurante, sei lá. Algo que alguém possa ver e dizer: puxa, isso é legal. Então vou cumprir a promessa. “A Mão de Deus” (Netflix) é um filme delicado e delicioso, como sabe ser a Itália quando quer. Tem a ver com futebol e com a Argentina de Ardiles. Mas não é só isso. Se passa em Nápoles nos anos 80. Sou cada vez mais apaixonado pelos anos 80. Tenho muita saudade dos meus 20 e poucos anos, acho que é isso.

UM LIVRO

“Esta história”, de Alessandro Baricco, para nós que gostamos de carros e corridas. Tem na Amazon baratinho. Mas é sobre qual piloto, qual campeonato?, perguntará alguém. Eu diria que é sobre todos os pilotos e todos os campeonatos. O livro que eu gostaria de ter escrito. Baricco escreveu pela última vez no Twitter em 22 de janeiro. Para dizer aos seus leitores que estava com leucemia. Ele tem 64 anos. Espero que esteja bem.

Comentar

FOTO DO DIA

Enviada pelo mestre e irmão Luiz Salomão. Legenda direta e reta: “Grande Prêmio IV Centenário no circuito da Barra no, 1965”. Caso não tenham percebido, é Norman Casari com o primeiro #96 de todos.

Comentar

MCLAREN MCL36

GUARUJÁ (fazia tempo…) – Tem uma piada que adoro contar. Se passa num avião, e na fileira 12 estão lá sentados, lado a lado, um papagaio e um executivo de uma multinacional. Passa a comissária e o executivo pede, educadamente, uma dose de uísque. Ela nem olha na cara dele. “Talvez não tenha escutado”, pensa o executivo, e quando ela passa de novo ele repete o pedido, com toda educação do mundo: “Senhorita, por favor, poderia me trazer uma dose de uísque?”. Ela nem tchuns, passa direto.

O executivo não entende a atitude da aeromoça, e quando ela vem novamente em sua direção se prepara para pedir o uísque novamente. Ele era muito polido e cortês, e não levantou a voz: “Senhorita, por gentileza…”, diz. Mas ela segue em passos firmes e sequer nota a presença do passageiro.

Nesse momento, o papagaio se vira e chama a aeromoça. “Ô gostosa, chega mais aqui! Traz uma cerveja pro seu papagaiozinho querido que hoje eu quero encher o tonel!”, grita, e a comissária estanca o passo, se volta para o papagaio, abre um sorriso e se apressa em pegar uma cervejinha bem gelada para a ave. O executivo ao seu lado, claro, estranha aquilo. “Senhor papagaio, isso faz algum sentido? Eu pedi três vezes uma dose de uísque com toda educação do mundo e ela nem olhou na minha cara! O senhor, ao contrário, usou termos chulos em voz alta e ela veio imediatamente! Vou fazer a mesma coisa!”, e incontinenti ergueu o braço e o timbre, não era acostumado a se comportar assim, e berrou, antes mesmo que o papagaio pudesse dizer alguma coisa: “Ô sua bonitona, corre aqui e traz um uísque logo pro pai que tô a fim de beber muito e se bobear estalar um beijo nessa bochecha linda!”.

Foi um corre-corre no avião. “O que é isso, senhor? O senhor não tem respeito não?”, esbravejou a comissária. “Mas, senhora, o papagaio…”, e ela nem deixou o executivo terminar a frase, foi até a cabine, chamou o comandante e, pra resumir a história, ele abriu a porta do avião, que estava a 30 mil pés, e jogou o papagaio e o executivo para fora da aeronave.

Despencando em queda livre, o homem se desesperou, claro, enquanto o papagaio, espantado, olhou para ele e disse: “Cara, pra quem não tem asa tu é bem folgado, hein?”, e saiu voando para outra freguesia.

Acho muito boa a piada, que conto imitando a voz do papagaio com perfeição.

Tudo isso para dizer que para quem não tem asa, essa McLaren é bem folgada, também. Porque uma equipe que não ganha picas há tempos, na falta de um, apresentou quatro carros hoje. QUATRO! Dois de Fórmula 1 (com pinturas diferentes), um de Fórmula Indy e um de Extreme E. Haja pretensão, viu…

Mas tudo bem, é a McLaren. Campeã pela última vez em 2008 com Hamilton, penúltima colocada no campeonato em 2017, que vem se recuperando aos poucos para voltar a ser grande de verdade. Ano passado até ganhou corrida, o que foi muito legal. Dobradinha em Monza com Ricciardo e Norris. No final, terminou o Mundial em quarto, depois de uma boa briga com a Ferrari. Perdeu força depois da vitória na Itália, sabe-se lá por quê. Mas não se pode negar que o time vem readquirindo o viço.

Para tanto, Zak Brown, que assumiu a chefia da equipe em 2018 (em 2016 tinha sido contratado como diretor-executivo), reestruturou a organização nos últimos anos, chegando até a vender o terreno da fábrica em Woking para levantar uma grana, alugando a área logo depois. Dizem que isso é normal no mundo corporativo. A Globo também vendeu sua sede em São Paulo, na Berrini, para pagar aluguel aos novos proprietários. Faz parte.

Uma coisa bacana que pode ser dita desde ontem é que os carros não serão idênticos, apesar das limitações do regulamento. As suspensões de McLaren e Aston Martin são bem diferentes: pull rod na frente e push rod atrás para os papaias, o contrário para os aston-martiners. Não se apeguem muito a esses termos, não vou cagar regra aqui sobre as diferenças que, do ponto de vista da atuação do conjunto, não são muito grandes. Ambas funcionam. Mas a posição dos braços de suspensão ultimamente tem algum efeito aerodinâmico. Os especialistas acham que a McLaren está arriscando. O convencional é usar push rod na frente e pull rod atrás. O problema é que se der errado, não tem o que fazer. Não dá para tirar uma e colocar outra como se fosse a maçaneta de abertura do vidro de uma Variant.

A pintura que será usada no campeonato (o carro com predomínio do preto acho que é só pra fazer graça) é muito bonita, essa combinação de laranja (eles chamam de papaia, e é mais papaia mesmo) com azul e preto é muito elegante. Gostaria de saber o Pantone desse papaia e do azul, vocês têm ideia?

(Pantone é uma empresa fundada em 1962 por um certo Lawrence Herbert, que criou um catálogo de cores associando números e códigos a cada uma delas e todas suas variações, e esse troço virou padrão para o mundo inteiro, tanto que até bandeiras nacionais são definidas hoje por esses códigos. O verde da bandeira do Brasil, por exemplo é PMS 355, o amarelo é PMS YELLOW e o azul é PMS 280. O branco é branco, mesmo. O que indica uma certa pobreza da Pantone no trato de algumas cores. Como assim, branco é branco e acabou? Desde quando existe um branco absoluto? Se existir, o que explica a tabela de cores da VW? Só lá achei Banco Lotus, Alasca, Paina, Polar, Star, Alpino e Geada. Para não falar do Branco Abaeté da Vemag, do Corfú da Fiat, do Everest da GM… Aí vem a tal da Pantone e diz: branco. Só branco. Como assim? Eu sempre preferi os nomes aos números no que diz respeito às cores, e se quer me ver feliz e só jogar na minha mão um catálogo de cores. De carros, principalmente — embora na indústria de tintas para paredes e para unhas a criatividade seja admirável, também. Aproveitem o ensejo para encher a área de comentários com os melhores nomes de cores que vocês conhecem. Eu amo, por exemplo, Verde Caruá. Preto Granito. Marrom Barroco. Ocre Marajó. Amarelo Manga. Ah, tem cada um que vou te dizer, é demais, demais mesmo!)

Nariz, carenagem, perfis, entradas de ar, sidepods, iPods, asas, todas essas coisas têm sido dissecadas pelos oráculos da internet e não vou me meter nessa seara. Me interesso de verdade, como vocês sabem, pelos misteriosos desígnios que movem os responsáveis pelos nomes dos carros. MCL36, é desse que estamos falando. Fui apurar.

O marketing da McLaren pediu a Norris e Ricciardo que escrevessem uma redação sobre seus sonhos e experiências como pilotos da equipe. Poucas linhas e um título que pudesse ser uma síntese daquilo que estivessem sentindo naquele momento. “Meu carro lindo” foi o título escolhido por Lando, que discorreu sobre o amor pelos carrinhos de brinquedo desde que era criança (ano retrasado) e rasgou elogios ao time. “Meu carro lento” foi o que escreveu Ricciardo, tentando explicar por que ficou tão atrás do companheiro na sua temporada de estreia pela equipe, enchendo a página de desculpas.

Daí saiu o MCL. 36 é o tamanho da sapatilha do Norris.

Comentar

ONE COMMENT

Os caras renovam com o Bahrein até 2036 (!) sem saber sequer se o mundo ainda existirá até lá. Gente doida…

Comentar

ENCHE O TANQUE

Comerciais da Minol-Pirol da Alemanha Oriental dos anos 60. Preciso desses bonequinhos! Luciano Pinho mandou, direto de Munique.

Comentar

RÁDIO BLOG

R.E.M.? O que deu em você pra lembrar do R.E.M.? Nada, apenas lembrei.

Comentar

FOTO DO DIA

Timo Glock e Felipe Massa na Junção. Onde, em 2008, Hamilton passou o alemão e tirou o título do brasileiro na última volta do GP do Brasil. Glock e Massa dividem o carro da Stock na Corrida de Duplas de domingo às 13h55, abrindo a temporada da categoria. Não haverá presença de público.

Comentar

ASTON MARTIN AMR22

SÃO PAULO (ficou bonitão) – Uma das mais importantes decisões da Aston Martin neste ano foi demitir o chefe Otmar Szafnauer. Importante porque ninguém, nem o próprio, conseguia escrever seu sobrenome sem consultar o Google. E ninguém, nem mesmo seus avós, era capaz de pronunciá-lo sem engasgar.

Para seu lugar, a equipe contratou Mike Krack. Britânico, ele chegou à F-1 em 2001 pela Sauber. Trabalhou com Vettel, inclusive, quando o piloto estava ainda no Jardim de Infância, tendo passado para o Pré-II direto, já que era muito esperto. Depois de oito anos na equipe suíça, saiu por aí e passou pela F-3, pelo DTM, pela Porsche no WEC e, depois, foi para a BMW (que se fala bê-eme-vê). É um craque, dizem todos.

Hoje foi dia de apresentar o carro novo, e desta vez veio carro, mesmo, e não aqueles mockups que vimos da Haas e da Red Bull, iguais aos que colocam em posto de gasolina em semana de GP para o povo tirar selfie. Desse aí dá para dizer algumas coisas. Como, por exemplo, que o bico é mais chato que as coisas que vimos até aqui, mais chato que o Tiago Abravanel. Ou que a asa dianteira é um pouco diferente das vistas até agora, com a primeira lâmina, de baixo para cima, pendurada na extremidade do nariz — o que não quer dizer nada, porque as vistas até agora são iguais à do do modelo apresentado pela FIA no ano passado para mostrar como seriam os carros de 2022. A asa traseira tem o mecanismo do DRS. Bom sinal, é mesmo um carro de verdade. Aliás, ele já anda amanhã em Silverstone, os 100 km regulamentares para fazer uns filminhos e postar no stories do Instagram.

Notei também, e acho que todos notamos, que sobre as laterais da carenagem há fendas.

Não se iludam. As fendas, chamadas de guelras pelos biólogos do Grande Prêmio, não foram inspiradas em aparelhos respiratórios de peixes. Guelra não é uma palavra bonita, pra começo de conversa. Por isso, depois de analisar direitinho o desenho do carro e chegar ao requinte de contar quantas ranhuras havia de cada lado (15, não precisam abrir a foto, já contei), lembrei que tais cortes são sobejamente utilizados na cosedura de vestes femininas e masculinas desde os tempos do antigo Egito. Adaptadas, as fendas, à alta costura contemporânea, tornaram-se um sucesso.

Como todo mundo está cansado de saber, Aston Martin é uma marca muito ligada a Bond, James Bond. Que, por seu turno, causava frisson entre as mulheres, incluindo aquelas com vestidos de fendas. As imagens abaixo não me deixam mentir. Há uma profusão de fendas ligadas ao modelo mais clássico da montadora inglesa. Sendo assim, por que não encher o carro de fendas?

E assim foi. Mas é claro que limitar a observação das soluções aerodinâmicas do novo Aston Martin às fendas é reducionismo. Até porque muitos carros na história adotaram esse recurso para refrigerar seus motores, sendo o Fuscão o mais célebre de todos. No caso do carro novo do time britânico, desconfio que elas terão alguma outra função, como reforçar o efeito-solo gerado pelos novos assoalhos estipulados pelo novo regulamento.

As fendas, enfim, são o de menos. O que chamou mesmo a atenção hoje no lançamento do AMR22 — este é o nome do automóvel — foi o telhado de Vettel.

Quando chegou à Aston Martin, depois de seis anos na Ferrari, Sebastian estava desse jeito da foto da direita aí em cima. A calvície acentuada foi atribuída aos tempos difíceis pelos quais passou na equipe italiana. Não se sabe com exatidão o que aconteceu nos últimos 12 meses, mas o fato é que a cabeleira do alemão prosperou extraordinariamente, ainda que seu primeiro campeonato pelo novo time não tenha sido brilhante — 12º lugar no campeonato e um pódio solitário no Azerbaijão.

Vettel disse que este é apenas o segundo ano de um projeto quinquenal que pretende elevar a Aston Martin à condição de protagonista na F-1. Lawrence Stroll, dono da equipe e pai do outro piloto, Lance, está gastando os tubos na construção de uma nova fábrica e na contratação de pessoal técnico com passagens pelas grandonas como Mercedes e Red Bull.

No ano passado a ex-Jordan/Midland/MF1/Spyker/Force India/Racing Point decepcionou, com a sétima posição no Mundial de Construtores depois de uma quarta colocação surpreendente em 2020 — que seria terceira, não fosse a perda de alguns pontos determinada pela FIA porque o time copiou umas peças da Mercedes. Foram 77 pontos apenas, contra 142 da AlphaTauri, a sexta colocada.

Stroll com Vettel: mais relaxado

Há de melhorar. E é essa esperança que orientou o batismo do carro após diálogo entre os dois pilotos depois dos primeiros testes em simuladores na fábrica de Silverstone. Stroll, quase sempre enfezado e mal-humorado, resmungou assim que saiu da poltrona de videogame que lhe foi destinada: “Anda menos [que uma] romiseta”. Em seguida, correu para o Twitter: “Shit, AMR”, escreveu na rede social conhecida por seus textos curtos eivados de abreviações. Vettel, que não usa redes sociais, já ganhou uma penca de corridas e tem quatro títulos mundiais na prateleira, procurou acalmar o garoto-enxaqueca, inundando o ambiente de fé e ilusão: “Ah, mano, relaxa!”. Lance, então, tuitou de novo: “AMR, told me Seb”.

O 22 são dois patinhos na lagoa.

Comentar

Blog do Flavio Gomes
no Youtube
MAIS VISTO
01:29

GOLPE, 60: DITADURA, NUNCA MAIS! (BEM, MERDINHAS #155)

O golpe de 1964 completa 60 anos e até hoje pagamos pela ditadura militar sangrenta e abjeta que aprofundou as desigualdades no Brasil, calou a oposição, atrasou o país, perseguiu, torturou e mato...

1:31:30

ALONSO: MALÍCIA OU MALANDRAGEM? (BEM, MERDINHAS #154)

Fernando Alonso foi submetido ao tribunal da internet depois da punição que levou dos comissários do GP da Austrália. Há os que contestam o que consideram "malandragem" ou "falta de ética" da pi...