EM INTERLAGOS

E

[bannergoogle] SÃO PAULO (amanhã é que vale) – Meus dias têm começado cedo demais, às 5h, e terminado tarde. Por isso mesmo consegui treinar hoje em Interlagos! Salvo engano, não andava em São Paulo desde janeiro.

O Bon Voyage deu suas primeiras voltas no nosso templo e não gostei muito dos resultados. A pista me pareceu mais lenta do que há um ano (acho que está mesmo, pelos tempos dos colegas) e minha melhor volta, na casa de 2min17s, nem deve ser considerada. O plano amanhã é virar pelo menos em 2min14s, com uma meta de médio prazo de chegar a 2min10s. Um pouco mais para a frente, 2min08s — que acho ser o limite de um motor 1.6 com mini-progressivo.

Ainda não me achei com o novo câmbio e as marchas que usarei amanhã em alguns trechos serão bem diferentes de hoje. A segunda, que quase nunca usava no Meianov, é necessária em pelo menos cinco pontos do circuito: S do Senna, S antigo, Pinheirinho, Bico de Pato e Junção. Estava sem cronômetro, e por isso fui andando sem saber se estava melhorando. Com 40 carros — sim, 40 — na pista num treino livre, o mais difícil foi encontrar uma volta limpa.

Amanhã cedinho, 8h, classificamos. Às 13h, largamos. É o final do Paulista e também a despedida dos boxes e da torre de controle que conhecemos desde 1990. Vão derrubar tudo para concluir as reformas.

Mas bacana mesmo, hoje, foi ver os Opalões da Old Stock Race, que fará sua primeira corrida. São modelos iguais aos de 1979, da primeira temporada da Stock Car. Contei uns 12 carros. Acho que tinha mais. O ronco dos motores de seis cilindros, 4.100 cc, 300 HP, é espetacular. As duas provas acontecem domingo — a primeira, às 10h.

Paulo Gomes, Paulo Soláriz e George “Grego” Lemonias, os idealizadores da nova categoria, estão de parabéns. Fizeram um ótimo trabalho e a categoria está linda. Depois, se alguém souber, me digam os tempos de volta que marcaram hoje. Não acho em lugar nenhum.

imagem_release_561804

Sobre o Autor

Flavio Gomes

Flavio Gomes é jornalista, mas gosta mesmo é de dirigir (e pilotar) carros antigos.

12 Comentários

Por Flavio Gomes

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

dezembro 2015
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031